Pimenta Aumenta a Pressão Arterial ou Baixa? Cuidados e Dicas

Especialista:
atualizado em 27/12/2019

Você já ouviu falar que a pimenta aumenta a pressão arterial? Será que isso é verdade ou apenas um mito? É tudo o que você vai conferir a seguir.

A pressão alta é um problema que afeta cerca de ¼ da população mundial e que pode causar complicações de saúde graves. Segundo publicação da revista científica Lancet, aproximadamente 1 bilhão de pessoas no mundo todo sofrem de hipertensão e a estimativa é que esse número aumente para 1,6 bilhões de pessoas até o ano de 2025.

Felizmente, a condição pode ser tratada com o uso de medicamentos para pressão e alterações de hábitos alimentares e de estilo de vida.

Algumas substâncias naturais também podem interferir na pressão sanguínea e uma delas é a pimenta. Pesquisas indicam que os vasos sanguíneos relaxam quando são expostos à capsaicina – princípio ativo da pimenta – e que isso resulta em uma diminuição na pressão arterial, mas outros estudos mostram resultados diferentes e sugerem que na verdade a capsaicina pode aumentar a pressão arterial.

A dúvida que fica então é: a pimenta aumenta a pressão arterial ou baixa? Vamos entender melhor qual é a influência da pimenta em relação à pressão e quais os cuidados que devem ser tomados quanto à ingestão desse alimento picante.

Principais benefícios da pimenta

Existem muitos tipos de pimenta. Algumas apresentam a piperina como componente ativo, enquanto outras contêm a capsaicina como principal substância ativa. Em ambos os casos, os benefícios são bem parecidos. Dentre os principais benefícios da pimenta para a saúde, podemos citar:

1. Efeito antioxidante e redução do risco de câncer

Um estudo publicado em 2014 no periódico Critical Reviews in Food Science and Nutrition indica que suplementos de pimenta preta e piperina – que apresentam propriedades antioxidantes – podem diminuir os danos causados pelos radicais livres, que podem danificar as células e favorecer o surgimento de vários tipos de câncer.

Outro estudo publicado em 2016 na revista Anticancer Research mostra que a capsaicina pode retardar o crescimento de células cancerígenas e causar a morte celular em vários tipos de câncer como o câncer de pâncreas, o câncer de pele e o câncer de próstata.

2. Aumento da absorção de nutrientes

A pimenta preta pode ajudar a melhorar a absorção de nutrientes como os minerais cálcio e selênio.

3. Melhoria da digestão

Pesquisas em andamento sugerem que a pimenta preta pode aumentar a quantidade de bactérias boas no intestino, melhorando o processo digestivo.

Segundo uma pesquisa de 2016 publicada no Journal of Complementary & Integrative Medicine, a capsaicina presente na pimenta caiena também pode proteger o estômago contra infecções, aumentar a produção de líquidos digestivos e assim ajudar a digestão.

4. Alívio da dor

Alguns estudos com roedores indicam que a piperina pode atuar como um analgésico natural que alivia diversos tipos de dores no corpo. A capsaicina também tem propriedades que ajudam a diminuir a dor.

5. Redução nos níveis de colesterol

Muitos são os estudos que atestam que o extrato de pimenta preta pode reduzir os níveis de colesterol em animais.

Indiretamente, a piperina também pode ajudar a diminuir o colesterol, já que um estudo publicado em 2013 no American Association of Pharmaceutical Scientists Journal mostrou que o consumo de pimenta preta pode aumentar a absorção de curcumina – substância encontrada na cúrcuma que tem o potencial de reduzir o colesterol no sangue.

6. Aumento do metabolismo

Um estudo científico publicado em 2013 no periódico PLoS One verificou que a capsaicina pode aumentar a quantidade de calor produzida pelo corpo, o que faz com que mais calorias sejam queimadas ao longo do dia. Isso significa que a pimenta pode atuar como um termogênico para acelerar o metabolismo.

7. Redução da pressão arterial

Alguns estudos conduzidos em animais sugerem que a capsaicina pode diminuir a pressão arterial ao provocar a dilatação dos vasos sanguíneos.

8. Diminuição do apetite

Várias pesquisas sugerem que a capsaicina atua na redução da fome. Uma pesquisa de 2005 indexada no International Journal of Obesity atestou que pessoas que usavam a capsaicina ingeriam menos alimentos ao longo do dia do que aquelas que não tomavam o suplemento. Os participantes do estudo relataram que se sentiam mais saciados e cheios depois do consumo da capsaicina.

Segundo um estudo de 2009 publicado no European Journal of Nutrition, a queda no apetite pode ter a ver com a redução da produção da grelina, o hormônio da fome.

9. Propriedades anti-inflamatórias

Em 2018, uma publicação do Journal of Translational Medicine mostrou que a piperina pode ajudar no combate a inflamações.

10. Saúde mental

Diversas pesquisas demonstram que a piperina pode melhorar a função cerebral em animais. Conforme dados prévios publicados em 2011 na revista Molecular Neurobiology e em 2015 no International Journal of Molecular Medicine, esse benefício é mais pronunciado no alívio de sintomas de doenças neurodegenerativas como a doença de Alzheimer e a doença de Parkinson, por exemplo.

11. Controle dos níveis de açúcar no sangue

Pesquisas com animais e com seres humanos sugerem que a piperina pode melhorar o metabolismo do açúcar sanguíneo.

Em 2018, um estudo publicado no periódico Molecular Nutrition & Food Research mostrou que ratos alimentados com um extrato de pimenta preta apresentaram um aumento menor nos níveis de açúcar no sangue logo depois de ingerir glicose quando comparados com o grupo controle.

Um estudo anterior feito com 86 pessoas com sobrepeso e publicado em 2013 na revista científica Endocrine mostrou que aquelas que tomaram um suplemento com piperina e outros compostos durante 8 semanas aumentaram a sensibilidade à insulina, o que ajuda a controlar os níveis de glicose na corrente sanguínea. Porém, outros estudos semelhantes a esse precisam ser feitos apenas com a piperina, já que o uso de outros compostos pode ter interferido nos resultados.

Pimenta aumenta a pressão arterial ou baixa?

Como mencionado anteriormente, há também um possível efeito positivo da pimenta em relação à pressão arterial. Vamos analisar com mais detalhes se a pimenta pode ajudar a reduzir a pressão e controlar essa condição de saúde que afeta tantos brasileiros?

Os estudos sobre o impacto da pimenta na pressão arterial apresentam resultados distintos. Alguns deles indicam que a pimenta aumenta a pressão arterial, enquanto outros afirmam que o efeito é o contrário.

O que a pesquisa diz sobre a pimenta reduzir a pressão arterial?

A pimenta parece causar a dilatação dos vasos sanguíneos, o que resulta em uma redução da pressão arterial. Isso se deve à presença da capsaicina, substância presente em várias espécies de pimentas que dá aquela sensação de calor quando ingerimos algo apimentado. Isso acontece porque a capsaicina se liga a uma proteína encontrada na superfície das nossas células chamada de TRPV1.

De acordo com um estudo publicado em 2010 no periódico científico Cell Metabolism, um dos ingredientes ativos da pimenta (a capsaicina) não só causa a sensação picante de queimação e calor na boca como também causa o relaxamento dos vasos sanguíneos.

Neste estudo, ratos hipertensos foram submetidos ao consumo de capsaicina a longo prazo e foi verificado que a proteína TRPV1 encontrada no revestimento das células dos vasos sanguíneos se liga à capsaicina ativando um canal que aumenta a produção de óxido nítrico. O óxido nítrico, por sua vez, é uma molécula gasosa conhecida por proteger os vasos sanguíneos contra a disfunção e a inflamação.

Segundo o autor do estudo, as outras pesquisas que mostram que a capsaicina da pimenta baixa a pressão arterial foram baseadas em dados de curto prazo ou em exposição aguda à substância, e a de sua autoria foi a primeira a analisar o efeito da pimenta em ratos hipertensos a longo prazo.

Os pesquisadores também afirmam que estudos epidemiológicos em seres humanos precisam ser conduzidos para comprovar esse benefício da pimenta em relação à redução da pressão arterial.

Uma publicação de 2016 do Journal of Nutrition and Metabolism indica que o consumo de pimenta pode aumentar a circulação, fortalecer os vasos sanguíneos e diminuir o acúmulo de placas nas artérias. A capsaicina ajuda a promover o fluxo sanguíneo, reduzindo a pressão e estimulando a liberação de vasodilatadores como o óxido nítrico que, além de protegerem, expandem os vasos sanguíneos e permitem uma melhor circulação do sangue pelo corpo.

A piperina é outra substância importante na redução da pressão arterial encontrada na pimenta preta (ou pimenta-do-reino) que – segundo estudo publicado no periódico Journal of Cardiovascular Pharmacology – é capaz de reduzir a pressão arterial em animais.

Mais um ponto a favor da pimenta é que um estudo publicado na revista Hypertension mostrou que o consumo de condimentos como a pimenta nas refeições pode diminuir o desejo de comer sal, contribuindo para o controle da pressão.

O que a pesquisa diz sobre a pimenta aumentar a pressão arterial?

Há relatos de que o consumo de pimenta aumenta a pressão arterial, mas não encontramos nenhum estudo que explique o motivo desse suposto aumento na pressão causado pela pimenta.

Além disso, nenhuma pesquisa analisando os efeitos da substância em relação à pressão alta e ao risco de doença cardíaca foi feita com seres humanos.

A maioria dos estudos em seres humanos – como o publicado em 2018 no periódico European Journal of Translational Myology – tem a ver com outras propriedades medicinais da capsaicina como o uso dela para alívio da dor na pele. Dessa forma, mais pesquisas precisam ser feitas com humanos.

Afinal, a pimenta aumenta ou baixa a pressão?

Ao analisar os dados científicos disponíveis até o momento, é provável que a pimenta seja benéfica para a redução da pressão arterial.

No entanto, mais pesquisas ainda são necessárias e é indicado solicitar a opinião de um médico antes de começar a usar a pimenta para auxiliar no controle da pressão e nunca parar de usar um remédio para hipertensão sem aval médico.

Cuidados e dicas

O uso de medicamentos prescritos por um médico contra a hipertensão é uma forma eficaz de tratamento, mas existem outras formas de controlar a pressão alta. Mudanças de estilo de vida podem ajudar a melhorar o fluxo sanguíneo e, consequentemente, diminuir a pressão.

Algumas dicas que podem ajudar no tratamento são:

– Praticar atividade física

O exercício ajuda a dilatar os vasos sanguíneos e a estimular o fluxo de sangue. Além disso, um estudo de 2012 publicado no International Journal of General Medicine indica que a prática de atividades físicas pode reduzir o risco de desenvolver doenças cardíacas.

– Parar de fumar

O hábito de fumar pode prejudicar a circulação do sangue e interferir na pressão arterial. Se você fuma, procure ajuda para tentar parar de fumar, pois isso beneficiará não só a pressão como também a saúde em geral.

– Manter uma dieta saudável

Todos sabem que o sal e a gordura em excesso pode prejudicar a saúde do coração e causar pressão alta. A adoção de uma dieta saudável e rica em nutrientes com restrição de sal pode melhorar bastante a circulação sanguínea.

– Perder peso

A obesidade pode afetar o fluxo sanguíneo de forma negativa. Complicações que podem surgir incluem o aumento da pressão arterial e o acúmulo de placas nas artérias. Desta forma, a perda de peso pode contribuir para o controle da pressão.

– Controlar o estresse

Altos níveis de estresse podem afetar a pressão arterial. Uma forma de tentar controlar a pressão alta é lidando melhor com o estresse por meio da prática de atividades que ajudem a relaxar.

– Manter-se hidratado

A hidratação é muito importante para melhorar a circulação sanguínea. De acordo com um estudo publicado em 2015 no periódico PLoS One, a desidratação pode causar danos as células e promover inflamações no corpo que acabam restringindo o fluxo sanguíneo. Assim, beber água e líquidos em geral é muito importante para evitar e controlar a pressão alta.

De qualquer modo, o mais importante é manter um acompanhamento médico para monitorar a pressão arterial e só usar métodos naturais para controlar a pressão se aprovados pelo doutor.

Vídeo:

Gostou das dicas?

Fontes e Referências Adicionais:

Você já tinha ouvido falar que pimenta aumenta a pressão arterial? Tem costume de consumir pimenta em suas refeições? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (2 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...
Sobre Dra. Patricia Leite

Dra. Patricia é uma das nutricionistas mais conceituadas do país, sendo uma referência profissional em sua área e autora de artigos e vídeos de grande sucesso e reconhecimento. Tem pós-graduação em Nutrição pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, é especialista em Nutrição Esportiva pela Universidad Miguel de Cervantes (España) e é também membro da International Society of Sports Nutrition. É ainda a nutricionista com mais inscritos no YouTube em português. Dra. Patricia Leite é a revisora geral de todo conteúdo desenvolvido pela equipe de redatores especializados do Mundo Boa Forma.

Deixe um comentário

1 comentário em “Pimenta Aumenta a Pressão Arterial ou Baixa? Cuidados e Dicas”

  1. Hoje, no almoço, comi pimenta biquinho em grande quantidade, pois amo o sabor dela na comida. Quando já está terminando a refeição senti uma onda de calor grande e um mal estar típico de quando minha pressão arterial está alta. Aferi minha pressão e não deu outra, pressão 20×11!!😱😱😱 Sou hipertensa, porém minha pressão estava controlada, além disso uso são rosa justamente por isso e não usei nenhum outro tempero além do alho. Sempre ouvi falar que pimenta eleva a pressão, mas achava que isso tinha ligação direta com o fato de arder, porém a pimenta biquinho não arde nada, da pra comer pura. Me dei mal 😥, vou dar o que sobrou p minha vizinha, pra não cair em tentação e esquecer que essa pimenta existe… 😔😔😔