Você Sabia Que o Mau Humor Engorda?

Especialista:
atualizado em 02/07/2020

Quando foi a última vez em que você ficou estressado ou mal humorado e decidiu descontar tudo comendo um pé de alface inteirinho? Hum, provavelmente nunca, não é mesmo?

Estudos recentes têm comprovado aquilo que já imaginávamos: o mau humor engorda, assim como o estresse, porque nos faz ficar com vontade de comer alimentos altamente calóricos, como açúcar e gordura (leia-se chocolate e fast food), que possuem rápida digestão e fornecem energia de maneira quase instantânea.

E isso também acaba se tornando um círculo vicioso, pois você come porque está de mau humor, e porque comeu demais engordou e aí então seu humor piora ainda mais – e você continua comendo para descontar a frustração. O resultado você já sabe: excesso de peso que muitas vezes você não sabe nem por que começou.

Vamos entender por que exatamente o mau humor engorda e, mais importante, descobrir como evitar o já conhecido ganho de peso emocional.

Tudo começou nas cavernas

Há milhares de anos, quando nossos ancestrais ainda viviam em cavernas e dividiam o dia entre caçar e escapar de predadores, o estresse era um estado fundamental para nossa sobrevivência. Como resposta ao encontro com um potencial predador, nosso corpo se preparava para a fuga através de uma rápida alteração no metabolismo. Para termos energia para escapar do leão, recebíamos uma mensagem do cérebro para comer mais carboidrato, que rapidamente chegava às células musculares na forma de glicose.

Ou seja: ainda que milênios tenham se passado, ainda hoje reagimos da mesma maneira diante de situações que alterem nosso equilíbrio e nos deixem de mal humor ou estressados. Quando discutimos com alguém e nosso humor fica daquele jeito, nosso organismo interpreta como se fosse um encontro com um leão, e lá vamos nós ficar com aquela vontade absurda de comer doce.

O que diz a ciência

Os pesquisadores já há muito tempo sabem que o que comemos afeta o nosso humor, mas de um tempo para cá começaram a focar também no mecanismo contrário. Dois grandes estudos publicados nos últimos anos iluminaram o assunto e nos ajudaram a conhecer melhor o mecanismo de resposta ao estresse e entender porque o mau humor engorda.

O primeiro deles foi realizado pelo Weizmann Institute, de Israel, e trouxe à tona a existência de uma proteína que pode estar ligada ao estresse e à obesidade. Já o segundo, realizado pela Cornell University, demonstrou como o humor afeta nossas escolhas alimentares.

– Estudo 1

Em um estudo feito com animais de laboratório, os pesquisadores descobriram que durante situações de estresse, raiva e mau humor, o cérebro produz uma proteína conhecida como Urocortina-3, ou Ucn3. Após ser sintetizada por algumas células cerebrais, uma parte da Ucn3 segue para o hipotálamo, a região do cérebro que controla a produção de hormônios e as sensações de fome e saciedade. Outra parte da proteína segue para o centro que controla nosso comportamento, sendo responsável por elevar nosso nível de ansiedade.

Ratos que tiveram seus genes modificados para produzirem mais Ucn3 se tornaram mais ansiosos e também apresentaram alterações significativas no metabolismo. Com o excesso da proteína, seus corpos passaram a queimar mais açúcar e menos gordura, e houve também uma diminuição na sensibilidade à insulina, que predispôs os animais à diabetes tipo 2.

Resumindo: ao ficarmos de mau humor ou estressados, produzimos Ucn-3, que pode nos deixar ansiosos, com mais fome e com uma menor sensação de saciedade. Comendo mais e não recebendo o sinal do cérebro para parar, nós caminhamos diretamente para o sobrepeso.

– Estudo 2 

Ao estudar a relação entre as alterações de humor e a perspectiva de tempo, os pesquisadores da Cornell University nos Estados Unidos descobriram que quando estamos de mau humor ou nos sentindo desconfortáveis com alguma situação, nosso cérebro sabe que algo não vai bem e passa então a focar somente no presente. Isso nos leva a nos concentrar mais nos aspectos sensoriais do alimento (sabor e aparência) e não em características mais abstratas, como o valor nutricional e a importância dele para nossa saúde.

De modo similar, a pesquisa feita com voluntários de ambos os sexos e diversas faixas etárias demonstrou que quando estamos de bom humor somos capazes de ter uma perspectiva maior sobre a saúde, o que nos permite focar em aspectos mais abstratos do alimento, como seu valor nutricional e os benefícios para a saúde a longo prazo.

Ou seja, nosso humor pode determinar se vamos ser guiados pelo prazer imediato que o alimento proporciona ou pela preocupação com nossa boa forma e saúde a longo prazo. Segundo os pesquisadores, a dica para evitar que isso ocorra é pensar em algo além do atual momento pelo qual você está passando, e se visualizar no futuro. Se pensar somente na saúde não funcionar, pense, por exemplo, que o brigadeiro que você deixar de comer hoje será a calça de tamanho menor de amanhã.

Então não tenho culpa?

Praticamente todo o funcionamento do nosso organismo é decorrente do modo como os primeiros seres humanos viviam e interagiam com o ambiente ao seu redor. Um exemplo é o nosso mecanismo de sono: estamos adaptados a dormir durante a noite porque ficar andando pelo escuro nos tornaria presas fáceis para predadores com hábitos noturnos. Mas nem por isso nós nos resignamos e hoje em dia vamos para a cama assim que escurece.

Da mesma maneira, o fato de você ter mais vontade de comer doce quando fica de mau humor não significa que você tem uma desculpa para atacar o chocolate só porque “está em sua genética”. A partir do momento que passamos a entender melhor como o mau humor engorda, podemos estar mais conscientes de nossas escolhas e procurar fazer mudanças que nos permitam escapar dessa herança.

O que fazer?

Agora que você já sabe que o mau humor engorda porque, entre outras coisas, faz você ter vontade de comer alimentos mais calóricos, veja o que fazer para evitar ganhar peso por causa de suas emoções: 

– Esteja consciente da situação

Quando estiver de mau humor, fique consciente de que estará vulnerável a certas escolhas alimentares e procure evitar situações que o levem a comer alimentos pouco saudáveis. Na prática, isso significa que se você está mal humorado ou já sabe quais são as situações que o deixam nesse estado, o melhor é deixar de visitar locais com esses alimentos ou mesmo tê-los à disposição em casa ou no trabalho.

Se você já sabe que quando briga com o chefe vai querer descontar na comida, por que deixar chocolate, salgadinhos e afins no escritório? Ou então, para que a deixar bolacha recheada no armário da cozinha se ela se torna sua válvula de escape “naqueles dias”? Lembre-se: o que os olhos não vêem, a cintura não sente.

Respire fundo, conte até 10, tome bem lentamente um copo de água e espere até a vontade de comer passar.

– Melhore seu humor 

Todos nós temos aqueles dias em que acordamos de mau humor e assim ficamos até a próxima manhã, quando despertamos prontos para salvar o mundo e nos sentimos como se nada tivesse acontecido. Quando são esporádicas e não interferem no dia-a-dia do indivíduo, essas flutuações podem ser consideradas normais.

No entanto, quando a pessoa passa grande parte de seus dias estressado, de mau humor e sem apresentar um motivo aparente, é importante investigar se não existe algo a mais por trás dessas emoções. Ainda que mau humor não seja uma doença, ele pode afetar não somente seu peso como também sua vida pessoal e profissional.

Veja algumas dicas para afastar de vez o mau humor do seu dia-a-dia e acabar com o ganho de peso emocional: 

1. Procure ajuda profissional

Existem diversos fatores que podem estar por trás do mau humor crônico – alguns, inclusive, patológicos. Procurar a ajuda de um profissional poderá ajudá-lo a trabalhar melhor suas emoções, tratando não somente o mau humor mas também seu relacionamento com a comida. 

2. Cuide de seu fígado

642x361_Mood_Food

Você talvez já tenha ouvido falar da expressão “bilioso” para descrever uma pessoa cronicamente mal humorada, estressada ou reclamona. Segundo a Medicina Chinesa, o fígado é o órgão que rege todas as nossas emoções, inclusive as variações de humor.

Um exemplo é a raiva, que quando acumulada pode levar a um desequilíbrio do fígado. E o órgão, quando desequilibrado, pode produzir ainda mais sintomas de raiva, criando um círculo vicioso. É claro que ficar bravo ou de cara fechada de vez em quando não significa que você esteja com um fígado problemático, mas se você é uma daquelas pessoas que têm maior propensão a ver o lado negativo das coisas, que vive reclamando de tudo ou que ao receber um bom dia pergunta o que há de bom, então você talvez precise cuidar de seu fígado.

Tomar suco verde desintoxicante pela manhã, evitar alimentos gordurosos e industrializados, privilegiar verduras, frutas e legumes, evitar álcool e açúcar em excesso e dar muita risada são algumas das melhores maneiras para você desintoxicar seu fígado.

3. Exercite-se

Happy woman running

Diversos estudos já demonstraram que pessoas que praticam atividade física tendem a ter uma visão mais positiva da vida e a serem mais bem humoradas. Caminhar, correr, praticar yoga ou meditação são algumas das melhores atividades para diminuir o estresse e melhorar o humor.

4. Tenha um bom relacionamento

Um relacionamento amoroso que seja harmonioso vai melhorar seu humor e deixá-lo com uma visão mais otimista do mundo. Pessoas satisfeitas com a vida a dois tendem a ser mais dispostas e felizes, e por isso acabam sofrendo menos com crises de mau humor. 

5. Valorize o sexo

Essa talvez seja uma das maneiras mais simples – e subestimadas – de melhorar o humor. Uma vida sexual prazerosa pode fazer milagres pelo bom humor e para a saúde. E lembre-se de que a qualidade é muito mais importante do que a quantidade.

6. Saia com os amigos 

Desconectar-se um pouco da vida virtual e encontrar os amigos para conversar e dar risadas pode ser uma excelente maneira de melhorar o humor.

7. Tenha uma vida profissional equilibrada

Ter um trabalho de que você gosta e que não o deixe permanentemente estressado (e que permita que você tenha uma vida fora dele) é fundamental para o bom humor. De nada adianta você ter o emprego dos sonhos se não tempo para se alimentar direito, praticar atividade física, sair com os amigos e dar atenção à família: além de extremamente estressado e mal humorado, você ainda corre o sério risco de ficar doente.

8. Cuide de seus pensamentos

Evitar pensamentos e situações que o deixem pessimista e de mau humor (como o hábito de acompanhar só notícias ruins e falar mal de terceiros) e ter pensamentos positivos pode ter um impacto no seu humor. Acupuntura, tai chi chuan, shiatsu, exercícios de respiração e meditação são algumas das práticas que você pode incluir em seu cotidiano para ficar mais consciente dos próprios pensamentos e evitar o pessimismo.

9. Ria mais

Sorrir ainda é o melhor remédio contra o mau humor, e se você acha que é impossível sorrir quando está bravo, experimente relaxar e pensar em coisas divertidas – pode ser uma piada, ou situações engraçadas que já aconteceram com você.

10. Evite situações negativas

Sabe aquela pessoa que fala mal de todo mundo, ou aquele telejornal que só fala em desgraças? Pois é, ambos têm em comum o fato de que só vão piorar o seu humor, deixando-o ainda mais negativo e sem muita vontade de olhar para o futuro. Evite pessoas e situações que você sabe que não farão bem para você, e dê prioridade para quem ajuda a levantar seu astral.

Você acredita que, na sua vida, o mau humor engorda? Você tem passado por muitas situações de estresse? O que tem feito para contorná-las? Seu peso tem aumentado? Comente abaixo.

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (1 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...
Sobre Dra. Patricia Leite

Dra. Patricia é uma das nutricionistas mais conceituadas do país, sendo muito solicitada para palestras, consultoria a empresas e atendimento personalizado para atletas, pessoas com condições especiais de saúde e pessoas que desejam melhorar a forma física de forma saudável. É a nutricionista com mais inscritos no YouTube em português. Tem pós-graduação em Nutrição pela Universidade Federal do Rio de Janeiro e é especialista em Nutrição Esportiva pela Universidad Miguel de Cervantes (España). É também membro da International Society of Sports Nutrition. Dra. Patricia Leite é a revisora geral de todo conteúdo desenvolvido pela equipe de redatores especializados do Mundo Boa Forma. Dra. Patricia Leite é uma referência profissional em sua área e autora de artigos e vídeos de grande sucesso e reconhecimento.

Deixe um comentário