5 Malefícios da Cerveja Comprovados Cientificamente

Especialista:
atualizado em 09/03/2020

Entenda os malefícios da cerveja para a saúde que foram comprovados cientificamente, por que ela faz mal e quais são os malefícios da cerveja puro malte.

Ao longo dos últimos 10.000 anos ou mais, em que as pessoas bebem bebidas fermentadas, elas também discutem sobre se elas fazem bem ou mal e o debate continua até hoje.

O consumo excessivo de bebidas alcoólica é considerada uma das principais causas de morte evitável na maioria dos países, além do que a ciência continua estudando se de fato a cerveja faz mal para a saúde das pessoas.  

Não só a cerveja faz mal para os rins, como a cerveja pode danificar o revestimento estomacal resultando em gastrite entre várias outras doenças. Além disso,  a cerveja é  calórica e causar a famosa barriga de cerveja.

Além dos danos físicos, ela também altera a concentração, humor e coordenação, que são malefícios da cerveja responsáveis por vários acidentes.

Embora algumas pesquisas demonstram que o seu consumo moderado pode trazer alguns benefícios para a saúde, beber em excesso pode ter um impacto negativo na saúde.

Veja agora quais são os 5 malefícios da cerveja comprovados cientificamente.

1. Aumento da concentração plasmática de ácido úrico

A cerveja, assim como outras bebidas alcoólicas, pode aumentar a concentração plasmática de ácido úrico, oxipurinas e uridina.

De acordo com um estudo publicado no New England Journal of Medicine vários mecanismos envolvidos nessas questões induzidas pelo etanol foram relatados:

  • O aumento do nível de ácido lático no sangue como resultado da ingestão de etanol inibe a excreção urinária de ácido úrico;
  • O consumo de adenosina trifosfato (ATP) e a degradação da purina induzida pela ingestão de etanol aceleram a produção de ácido úrico;
  • A concentração plasmática de oxipurinas (hipoxantina e xantina) aumenta devido ao aumento do consumo de ATP e inibe levemente a atividade desidrogenada da xantina derivada do metabolismo do etanol.

A pesquisa relatou que a cerveja aumentou a concentração de ácido úrico no soro transportando quantidades significativas de purina em comparação com outras bebidas alcoólicas.

O consumo de cerveja resultou em um aumento maior na concentração de ácido úrico no plasma em comparação com outras bebidas alcoólicas.

E níveis altos de ácido úrico podem trazer vários problemas para a saúde como aumentar a quantidade de cálculos renais, aumento da pressão arterial, maior risco de desenvolver gota e dores nas articulações.

Por outro lado, existem alguns relatos que indicam que os ácidos orgânicos presentes nesta bebida podem diminuir o nível de ácido úrico no plasma.

No geral, mais estudos precisam ser realizados para confirmarem algumas descobertas.

2. Aumenta o risco de demência

Embora a ingestão leve ou moderada de bebidas alcoólicas possa reduzir as chances de demência, o consumo excessivo está associado a um risco aumentado de demência e depressão.

De acordo com pesquisas realizadas na China e Reino Unido, degeneração cerebral, cerebelar, do tronco encefálico, polineuropatia, atrofia óptica e pelagra são sintomas do sistema nervoso decorrentes do consumo excessivo de bebidas alcoólicas.

Uma revisão de estudos publicada no International Journal of Food Properties mostrou que a natureza ácida da cerveja aumenta a migração de metais (inclusive alumínio) presentes nas latas em que são armazenadas. 

O alumínio foi encontrado na cerveja armazenada em lata sem qualquer impacto adverso no sabor, clareza ou cor.

Existe uma possível relação direta entre o alto teor de alumínio nos tecidos e os distúrbios neurodegenerativos, como doenças de Alzheimer ou outras encefalopatias e em alguns casos a osteomalácia.

3. Pode induzir alergias

De acordo com uma pesquisa realizada pelo Departamento de Dermatologia do Hospital Universitário de Amsterdã, Holanda, sobre a alergia imediata ao malte a ingestão de cerveja tem sido relacionada aos casos de anafilaxia grave.

Além disso, foram relatadas crises hipertensivas após o consumo de cerveja em pacientes tratados com drogas que inibem a enzima de desintoxicação monoamina oxidase.

Um estudo publicado na revista acadêmica Food Chemistry observou que a cerveja é a causa de dor de cabeça em consumidores suscetíveis à enxaqueca.

Devido à abundância de aminoácidos precursores livres na cerveja, a presença de microorganismos contaminantes com atividades de descarboxilação durante a fermentação e o armazenadomento leva à formação de aminas biogênicas.

E esse é um dos principais malefícios da cerveja puro malte já que o malte é uma fonte de agmatina, espermidina, putriscina e espermina, tipos de amina que se formam durante a fermentação principal pelas bactérias contaminantes do ácido lático.

Quantidades baixas ou moderadas de aminas biogênicas (cerca de 50 mg / kg de alimento) podem ser ingeridas sem efeitos colaterais na saúde das pessoas. As enzimas desintoxicantes também podem alterá-las antes que possam ser prejudiciais.

No entanto, uma ingestão mais alta pode causar uma intoxicação alimentar com sintomas como:

  • Dores de cabeça;
  • Dificuldade respiratória;
  • Hipertensão;
  • Hipotensão;
  • Rubor facial;
  • Palpitações cardíacas;
  • Coceira;
  • Diarreia;
  • Inchaço;
  • Enxaqueca;
  • Vômito;
  • E vários outros distúrbios relacionados a alergias.

4. Mutação e indução ao câncer

Um dos motivos do por que cerveja faz mal é que existem evidências suficientes que mostram que o consumo excessivo de bebidas alcoólicas aumenta o risco de câncer de boca, laringe, faringe, fígado, esôfago, mama e cólon.

Esses efeitos estão meramente relacionados à ingestão diária de álcool.

No caso da cerveja, existem alguns estudos que sugerem que a ingestão desta bebida aumenta o risco de certos tipos de câncer não por causa do álcool, mas principalmente devido às aminas tóxicas presentes na cerveja.

Algumas aminas em concentrações relativamente altas pode reagir com nitrosaminas formadoras de nitratoo, muitas das quais são conhecidas como carcinogênicas, teratogênicas, mutagênicas e embriopáticas.

A cerveja está associada a um risco aumentando de câncer de cólon.

Existe uma teoria de que as notrosaminas são produzidas através do processo de maltagem por secagem com ar quente aquecido por técnicas de queima direta.

No entanto, alguns estudos recentes relataram que o nível de nitrosaminas na cerveja é muito baixo e não impõe riscos aos consumidores principalmente porque atualmente os maltistas alteram o processo para técnicas de queima indireta.

5. Aumento da obesidade

Um estudo publicado no Journal of Nutriton demonstrou que a ingestão excessiva de bebidas alcoólicas pode predispor a obesidade entre os seus consumidores, especialmente no caso de pessoas suscetíveis.

Os consumidores que tomam cervejas com alto teor alcoólico são mais propensos à obesidade do que aqueles que consomem cervejas mais leves.

Outros malefícios da cerveja para a saúde

Foi relatado que o alto consumo de bebidas alcoólicas pode ter uma influência negativa no sistema digestivo e incidência de hepatite, cirrose, degradação gordurosa do fígado, úlceras pépticas e pancreatites.

Também foi comprovado um efeito negativo da cerveja no metabolismo das proteínas no corpo.

Existem alguns relatos que mostram que o consumo de bebidas alcoólicas aumenta a pressão arterial, porém isso é contrário aos resultados da pesquisa publicada no Food and Chemical Toxicology.

Durante o estudo, o consumo de cerveja não teve efeitos adversos sobre a pressão arterial em ratos, porém mais pesquisas são necessárias para esclarecer melhor o assunto.

O alto consumo de cerveja pode ter efeitos prejudiciais nos dentes devido aos seus níveis significativos de açúcar residual e ao seu pH baixo.

Uma pesquisa realizada pelo Instituto de Endocrinologia de Praga, República Tcheca, demonstrou que os isoflavonóides (fitoestrogênicos) da cerveja podem modificar adversamente o status hormonal dos homens, sendo mais um motivo do por que cerveja faz mal.

Conclusões

A cerveja é uma das bebidas alcoólicas mais consumidas com efeitos benéficos para a saúde das pessoas, e isso corre principalmente quando a “média”, a que tem sua graduação alcoólica não muito alta, é ingerida em um nível moderado (consumo leve a médio).

Os malefícios da cerveja em geral bem como os malefícios da cerveja puro malte para a saúde são atribuídos principalmente à ingestão excessiva de álcool e em grau menor, à ingestão de alguns agentes alérgenos e venenosos.

Agora que você saber por que a cerveja faz mal de acordo com a ciência, é hora de começar a pensar em reduzir o consumo para que ele não seja excessivo.

Fontes e Referências Adicionais:

Você já conhecia os 5 malefícios da cerveja comprovados cientificamente? Consome com frequência? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (2 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...
Sobre Dra. Patricia Leite

Dra. Patricia é uma das nutricionistas mais conceituadas do país, sendo uma referência profissional em sua área e autora de artigos e vídeos de grande sucesso e reconhecimento. Tem pós-graduação em Nutrição pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, é especialista em Nutrição Esportiva pela Universidad Miguel de Cervantes (España) e é também membro da International Society of Sports Nutrition. É ainda a nutricionista com mais inscritos no YouTube em português. Dra. Patricia Leite é a revisora geral de todo conteúdo desenvolvido pela equipe de redatores especializados do Mundo Boa Forma.

Deixe um comentário