Bebendo cerveja

Cerveja Faz Mal Para os Rins?

Não é pequena a quantidade de pessoas que têm o hábito de beber uma cervejinha após o trabalho, no famoso happy hour com os colegas ou em casa, nos churrascos de família que acontecem durante os finais de semana ou enquanto assiste a uma partida do seu time favorito na televisão.

E enquanto a bebida é saboreada, quem é que pensa a respeito dos efeitos que ela pode causar ao organismo? Por exemplo, você já ouviu falar que a cerveja faz mal para os rins? Será que isso é verdade ou não?

A cerveja faz mal para os rins? 

Os rins são um conjunto de órgãos do organismo humano que atuam em diversas funções importantes para o corpo.

Isso porque eles são responsáveis pela absorção de minerais, produção de hormônios, filtragem do sangue, produção de urina, excreção de resíduos como as toxinas, controle do nível de água no organismo e a regulação da pressão arterial, dos glóbulos vermelhos e de ácido no corpo.

E como será que a bebida age em relação a esse órgão? Será que a cerveja faz mal para os rins? Em primeiro lugar, é importante ter em mente que os efeitos negativos e maléficos provenientes do consumo de bebida alcoólica são diretamente proporcionais à quantidade que é consumida.

Uma das maneiras pela qual a cerveja faz mal para os rins é porque a substância prejudica a capacidade de filtragem do sangue que o órgão possui. Além disso, para quem já sofre com problemas renais, a ingestão exagerada da bebida pode resultar no agravamento da condição.

Desidratação 

Uma das funções dos rins é a manutenção dos níveis adequados de água no organismo. Entretanto, quando existe a presença de álcool no organismo em decorrência do consumo de cerveja, o funcionamento dos rins também é afetado e o corpo entra em um estado de desidratação.

Aumento da pressão arterial

Outro dos efeitos colaterais do exagero da ingestão de bebidas alcoólicas é a elevação da pressão arterial. E o que isso tem a ver com os rins? A pressão arterial alta é uma dos fatores principais para a doença renal e pode resultar na piora da condição dos rins.

Para evitar o aumento da pressão arterial e os problemas que vem com ela, a orientação é limitar o consumo de álcool a menos de dois drinks diariamente.

Consequências de doenças hepáticas 

Abusar das cervejas também afeta o fígado e pode desencadear o desenvolvimento de doenças hepáticas. Um problema no fígado que surge em decorrência do consumo de álcool pode enfraquecer a capacidade que os rins possuem de controlar o ritmo de fluxo sanguíneo, fazendo com que o órgão não consiga filtrar o sangue apropriadamente.

Lesão nos rins

Você é daqueles que bebe cerveja até dizer chega e nem percebe quando lota a mesa de latinhas em um curto espaço de tempo? Saiba que é fundamental se controlar, caso você não queira destruir os seus rins.

Estamos dizendo isso porque consumir mais do que quatro a cinco latas de cerveja em um intervalo de duas horas pode colocar os níveis de álcool do sangue lá nas alturas. O resultado disso pode ser uma lesão nos rins.

É importante ter em mente que uma lesão renal severa demora uma quantidade elevada de tempo para ser tratada e em alguns casos, ainda que sejam poucos, pode ser desenvolvido um dano permanente nos rins.

Outros malefícios da cerveja

Antes de tudo, precisamos ressaltar que não estamos dizendo que você não deve nunca mais consumir a bebida, mas que deve fazer isso com moderação, ingerindo no máximo duas cervejas por dia ou quantidades moderadas de vez em quando, ou inclusive menos, conforme a recomendação médica que você já possa ter recebido. Até porque não é somente os rins que a bebida pode afetar.

Elevação do peso

Percebeu que engordou? A cervejinha de todo dia pode ser uma das culpadas para o surgimento dos tão indesejáveis e desagradáveis quilinhos em excesso.

A cerveja também pode resultar no aumento do peso porque além de ser uma substância calórica – uma garrafa de 600 ml apresenta 270 calorias – o seu consumo também pode vir acompanhado de aperitivos como pizza, salgadinhos, coxinha, amendoins, bolinhos ou frituras, que elevam ainda mais a quantidade de calorias oferecidas ao corpo.

E o pior de tudo é que o abuso da cerveja pode fazer ainda com que a pessoa sofra uma perturbação no apetite e perca a habilidade de perceber quando comeu o suficiente.

Câncer na garganta, azia, acidez e refluxo

Além disso, a ingestão diária de cerveja também está associada ao desenvolvimento de câncer na garganta. Como se não bastasse, a bebida alcoólica ainda pode causar azia e acidez.

A cerveja é composta por estimulantes potentes que podem atuar na aceleração da secreção de ácido gástrico, podendo contribuir com o surgimento de refluxo ácido e refluxo esofágico.

Dano às células encontradas no cérebro

O consumo de quantidades elevadas de cerveja diariamente também está associado à danificação de células localizadas no cérebro. Em longo prazo, isso pode se agravar ainda mais e trazer como consequência doenças severas relacionadas ao cérebro.

Cansaço e fadiga 

Além do excesso do consumo de cerveja poder trazer a famosa ressaca, que tem a fadiga como um de seus sintomas, a bebida derruba os níveis de energia do organismo, com uma diminuição bastante rápida nos níveis de glicose no sangue.

Você já tinha ouvido falar que a cerveja faz mal para os rins? Tem o costume de tomar a bebida frequentemente? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (12 votos, média: 4,17 de 5)
Loading...
Revisão Geral pela Dra. Patrícia Leite - (no G+)



ARTIGOS RELACIONADOS

10 comentários

  1. Josino Ribeiro da Silva Neto

    Bebo cerveja mais não todos os dias geralmente um final de semana sábado ou domingo bebo umas oito em mais ou menos em oito a nove horas mais não todos fim de semana de duas em duas semanas uma base de trinta ao mês.

  2. Eu tomo tds os dias quase mas de 10 latinhas de cerveja estou desespera será faz Mas?
    E ainda sou paciente bariátrica a 7 anos

  3. Primeiro fato que precisamos reconhecer é se somos dependentes de cerveja.Confesso que sou pois duas vezes por semana saio e consumo cada noite 10 garrafas de 600ml ou seja 12 litros por semana.Sou proibido pelo medico que trata minha hepatite B.Se procurei este site ,logicamente quero parar com essa loucura que deve estar me matando. Meu nivel de ureia esta no limite, mas nao sei se está ligado ao fato de me matar na cerveja.De qualquer forma,parei pra valer.Vou vencer essa luta contra esse tipo moderado de alcoolismo.É sim um alcoolismo porém não classificado assim ,e portanto sempre achei que não estava envolvido com esta dependencia.

  4. Eu estou a 6 dias sofrendo muito por uma lesão no rim direito por beber muita cerveja…confesso que nos ultimos 5 meses bebi quase todos os dias…. e na ultima sexta feira fiquei muito mal, com muita febre, dores pelo corpo….realmente estou vivendo na propria carne tudo que foi dito neste post. Hj fiz uma ultrassonografia de abdomen total, meu medico estava suspeitando de pedras nos rins por causa da dor severa que eu estava sentindo todos estes dias, porém, o rapaz que fez o exame disse que não há pedras, mas sim lesões…amanhã levarei pro medico avaliar.

    • Lamica como vc está?
      Meu marido teve o mesmo problema e passou por uma cirurgia para colocar balão nas artérias renais…. Foi bem grave mas hoje ele está 80%

  5. Cerveja sem álcool faz mal p rins também?

  6. Boa noite gente. Comecei a beber aos 13 anos de idade e, por muito tempo, era sempre aquela bebida de fim de semana e, eventualmente, na semana. Normalmente no fds exagerava, mas nunca havia atrapalhado minhas relações amorosas, sociais e laborais. Com o tempo, todavia, passei a consumir mais e mais bebida, e passei a tomar só cerveja. Em 2014, qdo tinha 36 anos, já estava bebendo praticamente toda noite. Minha ex mulher me alertava p o exagero, mas na minha ótica não tinha problema. Acabei me separando dela em 2016, para ter liberdade para beber. Qdo me vi, estava bebendo de manhã, de tarde e de noite. Meu café da manhã eram 6 a 8 long necks. Passei a faltar ao trabalho, engordei mto, e muitas vezes, qdo ia trabalhar, ia embriagado. Meus relacionamentos estavam em frangalhos, me isolei dos amigos, minhas finanças foram p o beleleu, vivia batendo carro. Foi qdo me internaram involuntariamente, em fevereiro de 2017. Passei 3 meses numa reabilitação e foi maravilhoso. Sai de lá me sentindo outra pessoa. Com pouco mais de um mês, achei q podia dominar o álcool e recai. Em 2 meses de recaída, briguei c a família, acabei o namoro, e meu saldo já estava negativo no banco. Foi qdo me internei novamente, dessa vez por conta própria, e passei um mês. Dessa vez, qse ninguém foi me visitar, e eu me senti o ser humano mais fracassado do mundo. Mas entendi q a filosofia do AA não é para ser lida, é para ser vivida. Hj estou abstêmios há 4 meses, já troquei de vida, recuperei minha namorada, organizei meu financeiro, recuperei meu nome no trabalho, e vivo um dia de cada vez, bem feliz, vendo as pequenas maravilhas diárias q a sobriedade me traz, sempre consciente de q o álcool é mais forte do q eu, e só me traz problemas. Aquela euforia momentânea do álcool não vale mais do que as maravilhas de uma vida sóbria. Faço planos para o futuro, e já penso em constituir nova família. Reconheço q sou alcoólico, que o álcool é mais forte do que eu, só me traz desgracas, e eu, pelo menos, não posso tomar o 1o gole. Assim tenho feito, e cada dia minha vida está melhor. Não deixo de sair c os amigos, de namorar, de ir a festas, mas tenho uma filosofia de vida pautada nos passos do AA, especialmente no 1o, 2o e 3o passos. Bom, era isso que tinha a dizer. Acho legal compartilhar essa minha experiência. E apesar de ter parado de beber, contrai uma hidronefrose, além de uma diverticulite. A diverticulite está controlada. A hidronefrose vou iniciar o tratamento depois de amanhã.

Deixe uma resposta

Seu email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

*