Camarão é Remoso?

Especialista:
atualizado em 27/12/2019

Mesmo com todo o seu sabor, a sua versatilidade na cozinha e seus nutrientes, será que é possível dizer que o camarão é remoso?

Bem, o camarão é um crustáceo comestível que pode ser utilizado de diversas formas na culinária. Existem receitas de camarão frito, empanado, assado, à milanesa, cozido e grelhado. Além disso, também é possível preparar outros pratos como pastéis, saladas, pizzas, hambúrgueres, tortas e bolinhos com o crustáceo.

Em uma porção de 85 g de camarão encontra-se 84 calorias, além de nutrientes importantes para o funcionamento do nosso organismo como: proteínas, selênio, zinco, ferro, fósforo, magnésio, iodo, vitamina B3, vitamina B12 e antioxidantes.

Mas será que o camarão é remoso?

Bem, para sabermos se o camarão é remoso, primeiro precisamos descobrir o que significa a palavra remoso, não é mesmo?

Conforme o dicionário, remoso significa “capaz de prejudicar a saúde, que faz mal à saúde, especialmente ao sangue […]”. O termo ainda pode sofrer uma pequena variação e ser chamado de reimoso.

O termo reimoso não se trata de uma classificação científica, mas é uma expressão antiga, associada à sabedoria popular, que também pode definir os alimentos que podem provocar inflamação na pele, em decorrência de uma reação alérgica.

Chama-se popularmente de reima algo que pode ser considerado um alergênico e que causa reações como coceira, diarreia e intoxicações mais sérias em algumas pessoas.

Os alimentos remosos ou reimosos também são conhecidos pela alcunha de “alimentos carregados” e costumam apresentar quantidades elevadas de proteína e gordura animal.

O camarão faz parte dos que são considerados alimentos remosos, ao lado de outros itens como carne de porco, carne de pato, caranguejo, moluscos e ovos.

O camarão e a alergia

Se um alimento reimoso ou remoso está associado a reações alérgicas e muitas pessoas são alérgicas ao camarão, temos um motivo para considerar que o camarão é remoso, não é mesmo?

Segundo a nutricionista Brianna Elliott, o camarão faz parte da lista dos principais alimentos que provocam alergias nos Estados Unidos.

“O desencadeador mais comum de alergia ao camarão é a tropomiosina (uma proteína). Outras proteínas do camarão que podem desencadear uma reação alérgica incluem a arginina quinase e a hemocianina. Os sintomas das alergias ao camarão variam e podem incluir formigamento na boca, problemas digestivos, congestão nasal ou reações na pele depois de consumi-lo”, explicou a nutricionista.

Elliot também alertou que algumas pessoas que sofrem com alergias ao camarão podem ter uma reação anafilática ao entrar em contato com o crustáceo. Essa reação é repentina, perigosa e pode resultar em convulsões, inconsciência e até mesmo a morte, se não for tratada imediatamente.

“Se você é alérgico ao camarão, a única maneira de prevenir as reações alérgicas é evitar o alimento por completo. Em alguns casos, mesmo os vapores do cozimento do camarão podem desencadear uma reação. Portanto, aqueles com alergia ao camarão devem evitar ainda as situações em que podem entrar em contato indiretamente com o alimento”, enfatizou a nutricionista.

Caso você sofra com a alergia ao camarão, sempre procure certificar-se de que a comida que você consome não tem traços de camarão – por exemplo, cheque as embalagens e questione os vendedores, garçons e cozinheiros.

Além disso, ao ser convidado para um almoço ou jantar, informe ao responsável a respeito da sua alergia e deixe bem claro que não pode entrar em contato com qualquer vestígio do camarão.

E se, eventualmente, você sofrer alguma reação alérgica, como as descritas pela nutricionista Brianna Elliott, ou qualquer outro tipo de reação alérgica ao consumir o camarão, procure imediatamente o auxílio médico para receber o tratamento apropriado.

O camarão e a pressão arterial e o colesterol

De acordo com informações de um artigo publicado, o camarão possui uma composição em relação à sua proporção de sódio e potássio que pode provocar ou exacerbar a pressão arterial elevada.

Conforme explicou a médica cardiologista Sarah Samaan, o camarão já foi considerado negativo para as pessoas que sofrem com doença no coração ou precisam controlar os seus níveis de colesterol, tendo em vista que uma porção de 100 g do alimento carrega aproximadamente 200 mg de colesterol.

“Para as pessoas em risco de (desenvolver) doença no coração, isso equivale à cota (de colesterol) de um dia inteiro. Para todas as outras pessoas, 300 mg (de colesterol) é o limite”, explicou Samaan.

Por outro lado, a cardiologista destacou que o camarão é pobre na sua quantidade total de gorduras, apresentando cerca de 1,5 g de gorduras por porção e quase nada de gordura saturada.

“A gordura saturada é conhecida por ser particularmente prejudicial ao coração e aos vasos sanguíneos, em parte porque os nossos corpos podem convertê-la eficientemente em LDL, conhecido como o colesterol ruim”, declarou a médica.

Samaan também falou a respeito uma pesquisa que estudou a relação entre o camarão e o colesterol, da Universidade Rockfeller nos Estados Unidos.

“A dra. Elizabeth de Oliveira e Silva e seus colegas testaram uma dieta à base de camarão. 18 homens e mulheres foram alimentados com aproximadamente 285 g de camarão – fornecendo praticamente 600 mg de colesterol – todos os dias por três semanas. Em um cronograma rotativo, os sujeitos também foram alimentados por meio de uma dieta que incluía dois ovos por dia, provendo em torno da mesma quantidade de colesterol, por três semanas. Eles foram alimentandos com uma dieta de base de baixo teor de colesterol por outras três semanas”, descreveu a cardiologista.

Segundo a médica, depois de três semanas, a dieta baseada no camarão até aumentou o colesterol LDL (ruim) em cerca de 7%, quando comparado com a dieta de baixo colesterol. Entretanto, a dieta do camarão também aumentou o HDL, conhecido como o colesterol do bem em 12% e diminuiu os níveis de triglicerídeos em 13%, completou Samaan.

“Isso revela que o camarão teve um efeito total positivo no colesterol porque melhorou tanto o HDL quanto os triglicerídeos, em um total de 25% com uma melhoria líquida de 18%. Um estudo sugeriu que baixos níveis de HDL estão associados com a inflamação total em relação à doença no coração. Portanto, um HDL maior é desejável”, afirmou a médica.

Entretanto, vale lembrar que para quem sofre com problemas de colesterol e/ou risco de desenvolvimento de doenças no coração, é fundamental conversar com o médico para saber como a alimentação deve ser e seguir todas as recomendações passados pelo profissional.

Vídeo:

Gostou das dicas?

Você já tinha ouvido falar que o camarão é remoso? Tem o costume de consumi-lo com frequência? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (4 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...
Sobre Dra. Patricia Leite

Dra. Patricia é Nutricionista - CRN-RJ 0510146-5. Ela é uma das mais conceituadas profissionais do país, sendo uma referência profissional em sua área e autora de artigos e vídeos de grande sucesso e reconhecimento. Tem pós-graduação em Nutrição pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, é especialista em Nutrição Esportiva pela Universidad Miguel de Cervantes (España) e é também membro da International Society of Sports Nutrition. É ainda a nutricionista com mais inscritos no YouTube em português. Dra. Patricia Leite é a revisora geral de todo conteúdo desenvolvido pela equipe de redatores especializados do Mundo Boa Forma.

Deixe um comentário

1 comentário em “Camarão é Remoso?”