Composto Desenvolvido na USP Pode Reduzir Efeitos Colaterais da Quimioterapia do Câncer de Mama

Especialista:
atualizado em 28/05/2020

Não é novidade para ninguém que o câncer é uma doença devastadora, que envolve tratamentos dolorosos. Tanto que muitos procuram seguir um estilo de vida saudável e seguem uma dieta balanceada com alimentos que podem prevenir o câncer e sem alimentos cancerígenos para, entre outros motivos, diminuir as suas chances de desenvolver a doença futuramente.

Entretanto, uma notícia recente pode aumentar as esperanças de que um dia o tratamento do câncer de mama possa se tornar menos penoso: pesquisadores do Instituto de Química de São Carlos (IQSC) da Universidade de São Paulo (USP) desenvolveram uma substância à base de aminoácidos quimicamente modificados que gerou resultados promissores na procura por um tratamento menos agressivo para o câncer que atinge a mama.

O composto em questão foi misturado com a Doxorrubicina, que é uma das substâncias quimioterápicas utilizadas para combater a doença, e fez com que ela tivesse 95% da sua concentração reduzida, porém, sem modificar a sua eficácia.

De acordo com o orientador do estudo e professor do IQSC Andrei Leitão, ao diminuir a concentração da Doxorrubicina é possível evitar o aparecimento de reações adversas como perda de cabelo, náuseas, redução de peso, problemas cardíacados, entre outros problemas que podem obrigar o paciente a tomar outros medicamentos para controlar esses efeitos colaterais.

A possibilidade de utilizar de fármacos como a Doxorrubicina em menores concentrações pode ainda baratear o custo do tratamento do câncer de mama, tornando-o acessível a um número mais elevado de pacientes.

Ao todo, a pesquisa demorou dois anos para ser concluída e envolveu testes in vitro com células humanas cancerígenas. O experimento apontou ainda que o novo composto misturado ao quimioterápico apresenta potencial para frear que o câncer se espalhe para outras regiões do organismo, o que é conhecido como metástase.

Os pesquisadores também observaram que o composto combinado da substância à base de aminoácidos quimicamente modificados e Doxorrubicina se comportou atacando principalmente as células cancerosas e preservando as células saudáveis.

Por mais promissor que os resultados da pesquisa pareçam ser, quando se trata de ciência é necessário ter paciência e aguardar até que a eficácia e segurança sejam comprovadas. Por isso, o próximo passo dos pesquisadores é realizar testes com o novo composto em animais.

Então, se os resultados observados nos testes in vitro se confirmarem nas etapas posteriores da pesquisa, inclusive em testes realizados em seres humanos, o tratamento poderá estar disponibilizado no mercado dentro de alguns anos. As informações são do Jornal da USP.

Fontes e Referências Adicionais:

Você conhece alguém que já teve câncer de mama? Como foi o tratamento com quimioterapia? O que acha da descoberta da USP? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (1 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...
Sobre Equipe Editorial MundoBoaForma

Quando se trata de saúde, é muito importante poder contar com uma fonte confiável de informações. Afinal de contas sabemos que o sua qualidade de vida e bem-estar devem estar em primeiro lugar para você. Por isso contamos com uma equipe profissional diversificada, com redatores e editores que desenvolvem um conteúdo de qualidade, adaptando-o a uma linguagem de fácil compreensão para o público em geral, tendo por base as mais confiáveis fontes de informação. Depois disso todo artigo é revisado por profissional especialista da área, para garantir que as informações são verídicas, e só então ele é publicado no site. Tudo isso para que você tenha confiança no MundoBoaForma e faça daqui sua fonte preferencial de consulta para assuntos relacionados a saúde, boa forma e qualidade de vida. Conheça mais sobre os profissionais que contribuem para a qualidade editorial do portal.

Deixe um comentário