HGH – Efeitos Colaterais na Busca por Massa Muscular

Especialista:
atualizado em 24/07/2020

O HGH é o hormônio responsável pelo crescimento no ser humano, sendo produzido naturalmente pela hipófise, glândula situada no hipotálamo no Sistema Nervoso Central. A deficiência em sua produção é responsável pelos casos de nanismo, isto é, pela estatura muito baixa de algumas pessoas.

A partir dos 21 anos, o Hormônio do Crescimento tem sua liberação reduzida e, acima dos 40 anos, apenas menos de um terço dele estará disponível no organismo, com declínio progressivo de aproximadamente 14% por década. Aos 60 anos, a produção diária de HGH é reduzidíssima, sendo apenas cerca de 25% da quantidade liberada por homens e mulheres aos 20 anos.

Como o HGH age

Depois de produzido, este hormônio é levado pela corrente sanguínea para o fígado, que o utiliza para produzir os chamados fatores de crescimento. Ao longo do dia, o HGH é liberado em maior quantidade em diversas doses, durante a fase de movimentos rápidos dos olhos e em picos menores, durante o jejum e após exercícios físicos. Já nas primeiras fases do sono, sua produção ocorre em picos com maior intensidade.

O declínio fisiológico do Hormônio do Crescimento, com a idade, está diretamente associado aos muitos dos sintomas do envelhecimento, tais como rugas, cabelos cinza, diminuição nos níveis de energia e função sexual, aumento no percentual de gordura corporal e doenças cardiovasculares, osteoporose, etc.

A produção diminuída do HGH com a idade é comum em outros hormônios, tal como o estrogênio, progesterona, testosterona, melatonina e DHEA. Mas se diferencia, pois enquanto os outros agem principalmente de forma preventiva, detendo o avanço do envelhecimento, o Hormônio do Crescimento age principalmente revertendo alguns efeitos do envelhecimento, além de retardar o ritmo da evolução do processo de envelhecimento. Por isso se costuma dizer que o HGH atua atrasando o relógio biológico, motivo reconhecido por autores simpatizantes das terapias hormonais.

Mas essa substância também continua tendo diversas funções anabólicas e metabólicas essenciais à saúde, mesmo quando paramos de crescer. Dos 25 anos em diante, o HGH continua sendo importante para garantir uma boa densidade óssea e para a manutenção da massa muscular, além de ser um dos responsáveis pela queima de gordura. O hormônio também estimula a síntese de proteínas e a renovação dos tecidos, o que faz que tenha uma função importante para manter a juventude da pele.

Uso do HGH para o aumento de massa muscular

Atualmente, vivemos um momento do culto exagerado ao corpo e à estética: triplicaram as cirurgias plásticas no país, observa-se um aumento crescente dos frequentadores de academias de ginástica e nunca se vendeu tantos cosméticos e produtos para emagrecer.

Agravando o consumo exagerado de substâncias, um novo mito incorpora-se às práticas esportivas, o de que substâncias diversas estão disponíveis para ganho de massa muscular e melhora do rendimento e desempenho físico. Em especial, o desenvolvimento de hormônios sintéticos de crescimento humano, em 1985.

Neste período o órgão do governo norte-americano, responsável por controlar os alimentos e medicamentos, através de diversos testes e pesquisas (Food and Drug Administtration – FDA), aprovou essas substâncias.

Entre elas o HGH, para uso na medicina em crianças, como com problemas de baixa estatura, e adultos, a exemplo de tratamentos que visam recompor o processo de construção do organismo dos adultos que sofreram trauma de crânio, cirurgia na hipófise ou por radiação.

Já o uso desta droga para o aumento muscular não procede. Segundo os especialistas, o efeito do HGH sobre o desempenho atlético é desconhecido. Para idosos em determinadas condições, indica-se a reposição do hormônio do crescimento, mas seu uso antienvelhecimento não é aprovado pela FDA, bem como com fins de ganho muscular. Portanto, para os atletas essa indicação não existe, a não ser nos casos raros de hipopituitarismo em que detecta-se deficiência de HGH.

O benefício do uso do HGH para melhorar o desempenho atlético é desconhecido. Seu uso antienvelhecimento não é aprovado pelo FDA

Infelizmente a substância injetável tem sido adquirida para fins off-label (utilizações para as quais não foi aprovado pelo FDA) através da internet e clínicas antienvelhecimento. Ressalta-se que devido ao seu tamanho, complexidade e configuração estereoscópica, não pode ser tomado por via oral, somente por injeções.

Uma nova geração de HGH, denominada Pro-HGH, é uma combinação poderosa que ativa a produção do HGH para um padrão mais jovem, já sob a forma de comprimidos e sprays. Estudos publicados no “New England Journal of Medicine” considerou esta nova geração como um produto que, normalizando os níveis do HGH, pode prevenir e pode retroceder os sinais e sintomas de envelhecimento biológico. D

e acordo com o farmacologista americano Prof. James J. Jamison, esta nova versão de Pro-HGH é cerca de 6 vezes mais potente que a primeira versão na estimulação da liberação do Pro-HGH endógeno. As empresas que comercializam estes produtos alegam inúmeros benefícios relacionados à substância.

No entanto, a Comissão Federal de Comércio tem visto nenhuma evidência confiável para apoiar a alegação de que estes produtos têm os mesmos efeitos que a prescrição HGH, que é sempre dada por injeção. Tomados por via oral, HGH é digerido pelo estômago antes de poder ser absorvido pelo corpo.

Efeitos colaterais da injeção inadequada de HGH

Se um atleta ou uma pessoa jovem receberem uma quantidade fisiológica de hormônio de crescimento, a hipófise vai parar de produzi-lo, uma vez que ela funciona como um reostato de geladeira. Esfriou demais, o motor desliga e só volta a ligar quando a temperatura subir novamente.

Assim, ao receber uma injeção de HGH, o organismo dessas pessoas não reconhece se a substância foi produzida por ele mesmo ou se veio de fora e avisa a hipófise para suspender a produção.

Em especial os jovens têm adotado superdoses suprafisiológicas, ou seja, muito acima da necessidade do organismo. Alguns indicados por personal trainer, o que é mais grave ainda. Os possíveis sintomas deste uso abusivo são:

  • Dor nas articulações, nervos ou músculos;
  • Inchaço devido ao fluido nos tecidos do corpo (edema);
  • A síndrome do túnel do carpo;
  • Dormência e formigamento da pele;
  • Níveis elevados de colesterol;
  • Aumento do risco de diabetes;
  • Possível contribuição no crescimento de tumores cancerosos.

Além disso, se você receber a droga ilícita, você pode não saber o que está realmente recebendo. Se você não está recebendo HGH do seu médico, você pode estar recebendo um produto não aprovado para consumo.

Em 2007, Sylvester Stallone foi condenado a pagar mais de R$ 20 mil em multas e custos por um tribunal na Austrália por posse de hormônio do crescimento. Em 2010, o ex-médico de Tiger Woods Anthony Galea foi acusado de posse de hormônio do crescimento e administrá-lo a clientes.

Por fim, estudos de adultos saudáveis que tomam hormônio de crescimento humano são limitados. Embora pareça que o HGH pode aumentar a massa muscular e reduzir a quantidade de gordura corporal em adultos idosos saudáveis, o aumento no músculo não se traduz em maior resistência.

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (29 votos, média: 3,79 de 5)
Loading...
Sobre Julio Bittar e Dra. Patricia Leite

Quando se trata de saúde, é muito importante poder contar com uma fonte confiável de informações. Afinal de contas sabemos que o sua qualidade de vida e bem-estar devem estar em primeiro lugar para você. Por isso contamos com uma equipe profissional diversificada, com redatores e editores que desenvolvem um conteúdo de qualidade, adaptando-o a uma linguagem de fácil compreensão para o público em geral, tendo por base as mais confiáveis fontes de informação. Depois disso todo artigo é revisado por profissional especialista da área, para garantir que as informações são verídicas, e só então ele é publicado no site. Tudo isso para que você tenha confiança no MundoBoaForma e faça daqui sua fonte preferencial de consulta para assuntos relacionados a saúde, boa forma e qualidade de vida. Conheça mais sobre os profissionais que contribuem para a qualidade editorial do portal.

Deixe um comentário