Soja

Isoflavonas de Soja – Para Que Serve, Benefícios, Efeitos Colaterais e Dicas

É comum ouvir afirmações que muitos sintomas da menopausa são resultado da queda dos níveis de estrogênio no corpo. Quando as ondas de calor, sudorese noturna e queda da densidade óssea, que são sintomas comuns, se tornam graves, a forma tradicional de tratamento é a terapia de reposição hormonal (TRH).

No entanto, a TRH não está isenta de perigos e, em resposta a isso, muitas mulheres optam por investigar tratamentos alternativos e mais naturais.

Uma alternativa de estrogênio à base de plantas recebe o nome de isoflavonas. Elas são um grupo de substâncias químicas naturais que imitam a forma geral do estrogênio no corpo e por esse motivo são conhecidas como fitoestrógenos pelos cientistas. Muitos especialistas acreditam que, quando consumidas, elas se ligam aos receptores de estrogênio no organismo e desempenham um papel semelhante ao do estrogênio padrão.

As isoflavonas são encontradas em uma variedade de plantas diferentes, porém, a fonte de origem vegetal mais popular é a soja, que contém muitas isoflavonas individuais, mas as mais benéficas são a genisteína e a daidzeína.

Atualmente, a popularidade das isoflavonas de soja é grande e já não é necessário comer grandes quantidades de soja. Em vez disso, os mesmos benefícios podem ser experimentados a partir de suplementos feitos especialmente de isoflavonas de soja e simplesmente engolir algumas cápsulas pode fornecer um volume generoso delas.

Isoflavonas x estrogênios humanos

O estradiol é o estrogênio humano mais forte e quando é comparado à ação dos fitoestrogênios vegetais, como a genisteína, é cerca de 100 vezes mais fraco.

As isoflavonas podem estimular os receptores de estrogênio para fornecer um impulso útil de estrogênio quando os níveis estão baixos na menopausa. Por outro lado, elas podem bloquear os efeitos do excesso de estrogênio humano ao ocupar e bloquear os receptores, de modo que eles interagem menos com estrogênios humanos mais fortes. As isoflavonas também estimulam a produção de globulina de ligação a hormônios sexuais (SHBG), que reduz o nível de estrogênio ativo e livre na circulação.

Isoflavonas x microbiota intestinal

As isoflavonas de plantas dietéticas são, em geral, ingeridas em uma forma inativa. Uma vez ingeridas, as bactérias intestinais fermentam essas isoflavonas de açúcar para liberar as formas ativas (agliconas como genisteína e daidzeína).

O metabolismo das isoflavonas varia muito de pessoa para pessoa e sua absorção é maior naqueles com o menor tempo de trânsito intestinal, ou seja, pessoas que não sofrem com quadros de constipação. Além disso, algumas pessoas também possuem bactérias intestinais probióticas que podem metabolizar a daidzeína para um estrogênio mais poderoso, chamado equol.

O equol tem uma atividade antioxidante mais alta do que qualquer outra isoflavona, e as pessoas que possuem bactérias intestinais probióticas obtêm maiores benefícios para a saúde com as isoflavonas do que as pessoas que não tem. Isso pode explicar por que alguns estudos mostram benefícios dos suplementos, enquanto outros não.

Também significa que, se você está tomando suplementos de isoflavonas, é uma boa ideia tomar um suplemento probiótico para diversificar a flora intestinal, ou tomar um suplemento de oligossacarídeo prébiótico para alimentar aqueles que você já possui.

Para que serve?

As isoflavonas evidenciam potencial para combater diversas doenças, como por exemplo:

  • O acúmulo de placa arterial, o que reduz o risco de doença coronariana e derrame.
  • Ajudar a reduzir o câncer de mama, bloqueando os efeitos do estrogênio humano causadores do câncer.
  • Podem prevenir o câncer de próstata, impedindo o crescimento celular.
  • Podem combater a osteoporose, estimulando a formação óssea e inibindo a reabsorção óssea.
  • Podem até aliviar alguns sintomas da menopausa.

Benefícios das isoflavonas de soja

1. Reduz a tensão pré-menstrual (TPM)

Tomar proteína de soja, fornecendo 68mg por dia de isoflavonas de soja, pode reduzir significativamente a dor de cabeça, sensibilidade mamária, cólicas e inchaço. Esse foi o resultado de um estudo envolvendo 23 mulheres com tensão pré-menstrual.

2. Reduz o risco de doença cardíaca

As ações antioxidantes e anti-inflamatórias das isoflavonas de soja interagem com os receptores estrogênicos na circulação para dilatar as artérias coronárias e isso pode reduzir o risco de doença cardíaca coronária. Elas interagem com os receptores estrogênicos na circulação para dilatar as artérias coronárias, reduzir a rigidez arterial, baixar a pressão sanguínea e reduzir a viscosidade do sangue para desencorajar coágulos sanguíneos indesejáveis.

Investir em uma alimentação baseada em soja pode reduzir significativamente os níveis de colesterol LDL e triglicerídeos totais e “ruins” e aumentar significativamente o colesterol HDL “bom”. Um estudo revelou que aqueles com níveis elevados de colesterol receberam o maior benefício. As pessoas que faziam uma maior ingestão de soja eram cerca de 17% menos propensas a sofrer um ataque cardíaco ou derrame, se comparadas àquelas com baixa ingestão.

Os pesquisadores concluíram que aumentar o teor dietético de proteína de soja (pelo menos 20g) e isoflavonas (pelo menos 80mg) seria eficaz para reduzir o risco de doenças cardíacas também entre homens de meia-idade e alto risco.

3. Protege contra o câncer de próstata

As isoflavonas de soja podem oferecer aos homens alguma proteção contra o câncer de próstata. Urologistas descobriram que, mesmo em homens em risco, tomar isoflavonas de soja reduz a chance de diagnóstico de câncer de próstata em 51% e tem um bom perfil de segurança.

4. Isoflavonas e proteção contra o câncer de mama

São muitos os estudos que envolvem as isoflavonas de soja e seu efeito protetor contra o câncer de mama em mulheres na pré-menopausa e na pós-menopausa. Nos países asiáticos, aquelas com maior ingestão de isoflavonas de soja tiveram 41% menos chances de desenvolver câncer de mama do que as com menor ingestão, tanto na pré-menopausa quanto na pós-menopausa.

Para mulheres na pós-menopausa em países ocidentais, a ingestão de isoflavonas de soja foi associada a um risco 8% menor de câncer de mama.

Também há um crescente reconhecimento de que mulheres com histórico de câncer de mama podem se beneficiar das isoflavonas de soja. Um estudo evidencia que as isoflavonas podem reduzir o risco de câncer de mama recorrente em mulheres que recebem tamoxifeno, além disso, os suplementos não parecem interferir na sua eficácia.

O Instituto Americano para Pesquisa do Câncer (AICR) também afirmou que a soja é segura para pacientes com câncer de mama e sobreviventes. Mesmo diante de tantas evidências, não deixe de conversar com o seu médico e entender os impactos para o seu caso especificamente.

Quais os benefícios das isoflavonas de soja para a menopausa?

Além dos benefícios relacionados acima, as mulheres na menopausa podem experimentar mais alternativas com a ingestão das isoflavonas de soja.

– Redução de fogachos e suores noturnos

Eles são comumente conhecidos como “fogachos” ou “ondas de calor” durante o dia e “suores noturnos” quando experimentados à noite. Apesar de seus nomes diferentes, ambos resultam do mesmo problema, sendo um dos sintomas mais comuns da menopausa. Eles acontecem principalmente por causa da queda dos níveis de estrogênio durante a menopausa e parecem afetar o que os cientistas chamam de “função vasomotora”.

Os vasos sanguíneos na superfície da pele são uma maneira fundamental de controlar nossa temperatura interna. Quando estamos quentes, esses vasos se dilatam, permitindo que o sangue quente suba para a superfície, onde o calor pode escapar. Quando estamos com frio, esses vasos sanguíneos se contraem, mantendo o sangue quente mais fundo em seu corpo.

A crença é que essa condição acontece quando esse sistema deixa de funcionar como antes. As alterações hormonais podem levar os vasos sanguíneos superficiais a se dilatar à vontade, fazendo com que o indivíduo se sinta quente, úmido e suado. Tal situação pode ser desconfortável e, para algumas pessoas, embaraçosa; além disso, podem ter um impacto sério na qualidade do sono quando ocorrem durante a noite.

O benefício potencial mais promissor do consumo de isoflavonas de soja concentra-se em ajudar a moderar esses sintomas. Embora eles não sejam eliminados inteiramente, há evidências crescentes de que as isoflavonas podem ajudar a reduzir a frequência e a gravidade.

O resultado de várias experiências anteriores agrupadas e combinadas para fornecer uma visão geral mais cientificamente válida de uma questão específica realizou muitas investigações sobre o impacto das isoflavonas de soja nos fogachos relacionados à menopausa.

Os especialistas constataram que os resultados eram bastante uniformes, com muitos volumes diferentes apresentando melhora positiva. Foi constatado que o consumo de 30mg por dia de isoflavonas de soja reduz as ondas de calor em até 50%.

Outros estudos têm como objetivo identificar a velocidade de ação e observaram que, embora as isoflavonas de soja pareçam demonstrar eficácia em testes repetidos, pode ser necessário um longo período de uso antes que o impacto total seja experimentado. Eles notaram que a maioria normalmente ocorre em um curto período de tempo, enquanto suas análises sugerem que as isoflavonas de soja requerem pelo menos 48 semanas para atingir 80% de seus efeitos máximos.

Isso significa que embora vários estudos tenham indicado resultados positivos, é improvável que eles sejam experimentados imediatamente. Em vez disso, pode ser necessário continuar o tratamento por alguns meses antes que um impacto perceptível seja sentido.

– Protege contra a osteoporose

A densidade mineral óssea pode não parecer o problema mais extremo experimentado pelas mulheres na menopausa, mas os impactos podem ser devastadores. Nossos esqueletos não são componentes fixos do corpo, em vez disso, eles estão sendo continuamente destruídos e reconstruídos. As alterações hormonais podem afetar este processo, resultando em ossos mais finos e, como resultado, mais fracos. Este processo é tipicamente referido pelos médicos como osteoporose.

Em outras palavras, enquanto muitas pessoas não refletem muito sobre sua saúde esquelética, este é certamente um fator importante para a longevidade e a saúde para mulheres mais maduras. Evidências sugerem que uma variedade de fatores de estilo de vida pode ajudar a minimizar a perda de densidade mineral óssea, incluindo a manutenção de um estilo de vida ativo envolvendo exercícios físicos, juntamente com a ingestão de cálcio, vitamina D e fósforo suficientes.

As isoflavonas de soja imitam os efeitos do estrogênio natural nos ossos e, em teoria, deveriam aumentar a atividade das células que edificam os ossos e também reduzir a atividade das células que dissolvem os ossos. Estudos mostraram que as isoflavonas de soja aumentaram significativamente a densidade mineral óssea em 54% e diminuíram os marcadores de reabsorção óssea em 23% em mulheres que tomavam doses acima de 75 mg por dia.

Tomar isoflavonas de soja pode, portanto, ajudar a proteger contra a osteoporose pós-menopausa.

– Melhora a memória

As mudanças que ocorrem durante a menopausa não se restringem apenas aos sintomas físicos. Há também algumas evidências de que uma queda no estrogênio também pode afetar certos elementos da função cerebral, como aumentar sentimentos negativos ou problemas com a memória.

Estudos afirmam que uma alimentação rica em soja pode melhorar a memória e os processos de pensamento em jovens estudantes saudáveis ​​(tanto homens quanto mulheres) e em mulheres na pós-menopausa. Foram avaliadas 33 mulheres na pós-menopausa que não estavam em terapia de reposição hormonal, e as que tomaram isoflavonas de soja por 12 semanas mostraram melhorias significativamente maiores em memória, tarefas de atenção sustentada, inversão de regras de aprendizado e em tarefas de planejamento.

Efeitos Colaterais

Seu consumo é provavelmente seguro. A soja pode causar alguns efeitos colaterais leves, como constipação, inchaço e náusea. Também pode causar reações alérgicas envolvendo erupção cutânea e coceira em algumas pessoas.

Precauções e advertências

  • Gravidez e amamentação: A soja pode ser insegura durante a gravidez quando usada em quantidades medicinais. Doses mais altas podem prejudicar o desenvolvimento do bebê. Não se sabe o suficiente sobre a segurança de doses mais altas durante a amamentação. Evite.
  • Fibrose cística: A soja pode interferir na maneira como as crianças com fibrose cística processam a proteína.
  • Câncer de mama: Como não há informações confiáveis ​​suficientes sobre os efeitos da soja em mulheres com câncer de mama, histórico de câncer de mama ou história familiar de câncer de mama, é melhor evitar o uso de soja e conversar com o seu médico.
  • Câncer do endométrio: O uso prolongado de comprimidos concentrados de isoflavonas de soja pode aumentar a ocorrência de alterações pré-cancerosas no tecido que reveste o útero. Não tome suplementos se você tiver câncer de endométrio.
  • Câncer de bexiga urinária: produtos de soja podem aumentar a chance de contrair câncer de bexiga.
  • Diabetes: A soja pode aumentar o risco de os níveis de açúcar no sangue se tornar muito baixos em pessoas com diabetes que tomam medicamentos para controlar.
  • Asma: Pessoas com asma são mais propensas a serem alérgicas a cascas de soja. Evite.

Dosagem

As seguintes doses foram estudadas em pesquisas científicas para a ingestão via oral.

Colesterol alto: 20-50 gramas por dia de proteína de soja. 

Prevenir ossos fracos (osteoporose): 40 gramas por dia de proteína de soja contendo 2-2,25 mg de isoflavonas por grama.

Sintomas da menopausa:

  • 20-60 gramas por dia de proteína de soja fornecendo 34-76 mg de isoflavonas.
  • Extratos concentrados de isoflavona de soja fornecendo 50-120 mg / dia de isoflavonas.
  • Genisteína, uma isoflavona de soja contendo 54 mg por dia.

Reposição hormonal

Se você conversou com seu médico sobre a menopausa, possivelmente recebeu a recomendação de uma terapia de reposição hormonal. Este medicamento fornece versões sintéticas dos hormônios que naturalmente diminuem durante a menopausa, geralmente administrados de forma combinada com estrogênio e progesterona. A questão é que a reposição tem seus prós e contras, e existem alternativas naturais a serem consideradas.

Os prós e contras da terapia de reposição hormonal (TRH)

Para algumas mulheres, a reposição hormonal é um grande conforto, pois ajuda a aliviar os sintomas. Ela pode ser prescrita se o seu médico acreditar que você está em risco de osteoporose, devido aos efeitos do estrogênio no suporte ósseo.

No entanto, a reposição hormonal pode aumentar o risco de câncer de ovário e mama, de acordo com uma revisão publicada no Lancet em 2015, mostrando que mesmo o uso a curto prazo poderia aumentar o risco de câncer de ovário em até 43%. Diante desses fatos, é normal querer encontrar uma solução natural para os sintomas que você está experimentando.

Como vimos anteriormente, as isoflavonas de soja podem ajudar a moderar os sintomas da menopausa devido ao seu efeito sobre os receptores de estrogênio na membrana celular. Nos casos em que os níveis de estrogênio são baixos, eles se fixam em receptores e estimulam um efeito estrogênico moderado. Onde há um excesso de estrogênio, eles bloqueiam os receptores celulares.

Uma dieta saudável e equilibrada pode fornecer todos os nutrientes de que precisamos. Mas quando isso não é possível, os suplementos podem ajudar.

É importante ressaltar que este artigo não pretende substituir o conselho médico. Por favor, consulte o seu profissional de saúde antes de tentar suplementos ou alimentos de isoflavonas de soja em substituição a reposição hormonal sintética.

Dicas de alimentos que contém isoflavonas de soja

A melhor maneira de consumir isoflavonas é na forma de alimentos, para que você possa se beneficiar de todos os nutrientes e compostos benéficos da soja. Dito isso, de acordo com a American Heart Association, os alimentos que contêm isoflavonas são benéficos, pois contêm alto teor de gordura poli-insaturada, fibras, vitaminas e minerais, além de aumentar o consumo de proteína na dieta, diminuindo as gorduras saturadas perigosas e a ingestão desnecessária de carboidratos de calorias vazias.

– Proteína de soja

Proteínas de soja contêm mais isoflavonas do que qualquer alimento. De acordo com o Instituto Linus Pauling, as dietas ricas em soja ou produtos que contêm soja parecem seguras e potencialmente benéficas. Apenas 100 gramas de proteína de soja contêm 102 miligramas de isoflavonas.

– Edamame e outros produtos de soja

Os grãos de soja cozidos também são uma fonte abundante de isoflavonas, já que uma porção de 1/2 xícara fornece 47 miligramas de isoflavonas. Fácil de preparar, o grão de soja cozido ou edamame pode ser servido em qualquer refeição ou para um lanche.

Outros alimentos ricos em isoflavonas e proteína de soja são o tofu, manteiga de soja e hambúrgueres de soja.

Embora existam inúmeros estudos que demonstram todos os tipos de impactos positivos das isoflavonas da soja nos sintomas da menopausa, há outros que mostram benefícios muito menores, se houver.

O que podemos dizer, no entanto, é que existem estudos positivos mais do que suficientes para tornar as isoflavonas de soja, no mínimo, dignas de consideração. Se você está lutando com os sintomas da menopausa que estão impactando negativamente a sua qualidade de vida, você pode considerar o uso de isoflavonas. Mas é fundamental obter a opinião do seu médico e entender os impactos para sua saúde, especificamente.

Referências adicionais:

Você já tomou suplemento de isoflavonas de soja para algum dos propósitos citados acima? Está na fase da menopausa e sentindo muito os efeitos? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (1 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...
Revisão Geral pela Dra. Patrícia Leite - (no G+)



ARTIGOS RELACIONADOS

Deixe uma resposta

Seu email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

*