Lactato: o que é, por que pode estar alto e para que serve o exame

Especialista da área:
atualizado em 13/07/2022

O lactato é um subproduto do mecanismo que transforma a glicose em energia, para ser usada pelas nossas células. Em condições normais, os níveis de lactato no sangue são baixos e podem aumentar após uma sessão de exercícios físicos muito intensos, como corridas e treinos intervalados de alta intensidade (HIIT). 

Existem algumas condições clínicas e doenças que podem levar ao aumento do lactato no sangue. Doenças metabólicas, como diabetes, e o mau funcionamento de alguns órgãos, como coração, fígado, rins e pulmões podem causar o aumento dos níveis de lactato no sangue. 

  Continua Depois da Publicidade  

Quadros de choque séptico e septicemia, decorrentes de uma infecção específica e grave, levam à infecção e inflamação generalizadas no corpo, que aumentam consideravelmente os níveis de lactato no sangue. 

O exame de lactato pode detectar a ocorrência desses quadros em suas fases iniciais, quando é possível revertê-los com tratamento. O exame também permite monitorar a resposta a esses tratamentos, indicando se é necessária alguma alteração. 

Dessa forma, o exame de lactato pode ser usado como ferramenta diagnóstica de diversas doenças, de monitoramento de tratamento e de avaliação física de atletas, visando a melhora de performance. 

Veja mais detalhes sobre o que é lactato, como é feito e para que serve o exame, e por que o lactato pode estar alto. 

Lactato: o que é?

O lactato é uma substância resultante do processo de transformação da glicose em energia, na ausência ou limitação de oxigênio. 

  Continua Depois da Publicidade  

As moléculas de glicose resultantes da digestão dos alimentos ingeridos e da queima da gordura estocada em nosso corpo são transformadas em energia, que é utilizada por todas as células do organismo, para executarem suas funções. 

Esse processo pode ocorrer na presença ou na ausência de oxigênio. Quando há pouco ou nenhum oxigênio para gerar energia a partir da glicose, o organismo ativa uma via de quebra da glicose, que é independente de oxigênio e gera, como subproduto, o lactato. 

É por meio dessa energia produzida a partir da glicose que todas as funções em nosso corpo são executadas, por exemplo, é com ela que o nosso coração bombeia sangue, o cérebro processa as informações, o estômago digere os alimentos e nossos músculos colocam os ossos em movimento.   

Em condições normais, a concentração de lactato no sangue é baixa. A sua produção aumenta durante um esforço muscular muito intenso, em que há maior demanda de oxigênio e energia pelas células. 

Nesta situação, nem sempre a quantidade de oxigênio que chega às células pela respiração é suficiente para gerar energia na velocidade necessária, por isso a via independente de oxigênio, chamada de glicólise anaeróbica, é ativada. Veja as diferenças entre exercícios aeróbicos e anaeróbicos

Isso é comum em treinamentos intervalados de alta intensidade (HIIT) e em corridas, em que a frequência cardíaca aumenta consideravelmente e a respiração fica extremamente ofegante. Após uma sessão desses tipos de exercícios, os músculos ficam bastante fatigados e doloridos, por causa do lactato produzido. 

  Continua Depois da Publicidade  

Mas, não é somente nos exercícios físicos intensos que os níveis de lactato podem ficar altos. Algumas condições patológicas graves podem levar ao aumento do lactato, fazendo de sua dosagem uma importante ferramenta diagnóstica e de monitoramento.

Como é feito o exame de lactato

Exame de sangue
O exame de lactato é feito a partir de uma amostra de sangue comum

O exame de lactato é feito a partir da coleta de uma amostra de sangue da veia do braço e, às vezes, de uma artéria. Nesta coleta não é usado torniquete, pois a compressão pode aumentar os níveis de lactato no sangue. 

Geralmente, não é necessário fazer jejum antes do exame, mas é preciso repousar, ou seja, evitar a prática de exercícios físicos no dia anterior. 

Valores de referência

O valor de referência para o sangue venoso é de 5,7 a 22 mg/dL (0,63 a 2,44 mmol/L) e, para o sangue arterial, de 4,5 a 14,4 mg/dL (0,5 a 1,6 mmol/L).

Por que o lactato pode estar alto?

Quando o lactato é produzido em quantidades além do que o fígado consegue metabolizar, ele se acumula no sangue, levando a um quadro de hiperlactatemia, que pode evoluir para uma acidose láctica. 

Quando isso acontece, o pH do sangue fica alterado, produzindo sintomas como fraqueza muscular, hiperventilação, náuseas, vômitos, sudorese e, se não revertido, até coma.   

  Continua Depois da Publicidade  

Há várias síndromes e doenças que podem aumentar os níveis de lactato e elas são categorizadas de acordo com o mecanismo pelo qual causam esse aumento. 

O mecanismo mais comum é redução da entrega do oxigênio para os tecidos, seja porque os pulmões não conseguiram absorver adequadamente o oxigênio, ou porque o fluxo sanguíneo encontra-se reduzido e, por isso, não leva o oxigênio aos tecidos como deveria. 

Este mecanismo pode ocorrer nas seguintes situações: 

  • Hipovolemia: níveis baixos da parte líquida do sangue (plasma).
  • Septicemia/sepse: inflamação exagerada e generalizada em todo o corpo, em resposta a uma infecção grave. 
  • Infarto agudo do miocárdio.
  • Insuficiência cardíaca.
  • Insuficiência respiratória.
  • Edema pulmonar.
  • Anemia grave.

O outro mecanismo pelo qual pode ocorrer um excesso de lactato no sangue é por problemas metabólicos ou pelo excesso de demanda de oxigênio, que pode ocorrer em algumas doenças: 

  • Insuficiência hepática grave.
  • Insuficiência renal.
  • Diabetes descompensada.
  • Leucemia
  • AIDS
  • Algumas doenças hereditárias relacionadas ao mau funcionamento das mitocôndrias, organelas envolvidas na produção da energia a partir da glicose.
  • Prática de exercícios físicos muito exaustivos.

Para que serve o exame de lactato?

Fadiga muscular
O excesso de lactato no sangue causa fadiga muscular e reduz a performance dos atletas

O exame de lactato serve para fazer a dosagem de lactato no sangue em pessoas que apresentam sintomas e sinais de acidose láctica. 

Geralmente, este exame é feito em pacientes internados, que estão sendo tratados por causa de quadros de choque séptico e sepse. 

Essas condições podem levar à falência dos órgãos e ao óbito. Com o exame de lactato, é possível verificar se a pessoa está respondendo ao tratamento e, a partir disso, fazer alterações terapêuticas, se necessárias, para reverter esses quadros clínicos. 

Este exame também pode ser solicitado juntamente com outros, para investigar as causas de uma pessoa apresentar sintomas de acidose láctica, que podem estar relacionados com doenças metabólicas, como diabetes e insuficiência renal. 

O exame de lactato também pode ser usado na avaliação do metabolismo de atletas. O excesso de lactato no sangue causa fadiga muscular e reduz a performance dos atletas. Veja como reduzir o ácido láctico muscular.  

Assim, o exame permite ao treinador ou treinadora avaliar o condicionamento físico do ou da atleta e determinar o melhor plano de treinamento para melhorar a sua performance.

Fontes e referências adicionais

Você já ouviu alguém falar sobre ácido láctico, fazendo referência à fadiga muscular? Quais sintomas você apresenta durante e após exercícios físicos intensos? Quais das causas patológicas de aumento do lactato eram desconhecidas para você? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (1 votos, média 5,00)
Loading...
Sobre Dr. Alexandre Seraphim

Dr. Alexandre Seraphim é Nutrologista - CRM 52.978779. Formou-se médico pela Universidade do Grande Rio e é pós-graduado em Nutrologia pela Associação Brasileira de Nutrologia. Possui diversos cursos na área de emagrecimento, hipertrofia e medicina ortomolecular que o qualificam ainda mais como um grande especialista da área. Para mais informações, entre em contato com ele em sua conta oficial no Instagram (@dr.alexandre.seraphim).

Deixe um comentário