Rins

Insuficiência Renal Crônica – Sintomas e Tratamento

Os rins são essenciais para a nossa sobrevivência. Eles são responsáveis por manter o equilíbrio de minerais e eletrólitos no corpo, como cálcio, sódio e potássio, desempenham um papel essencial na produção de glóbulos vermelhos, mantêm o equilíbrio do pH no sangue, além de excretar os resíduos solúveis em água do seu corpo.

Quando os rins estão danificados, eles podem perder a capacidade de realizar essas funções. Em um quadro de insuficiência renal crônica (DRC), os rins podem ser destruídos progressivamente e de forma irreversível. Vamos abordar a insuficiência renal crônica, seus sintomas e formas de tratamento.

Insuficiência renal crônica

A insuficiência renal crônica é a perda gradual da função renal. Os rins são responsáveis por algumas funções, entre elas a responsabilidade de filtrar os resíduos e o excesso de fluidos do sangue, que são excretados através da urina. Quando a insuficiência renal crônica atinge um estágio avançado, níveis perigosos de fluidos, eletrólitos e resíduos podem se acumular em seu corpo.

Nos estágios iniciais da doença, os sinais ou sintomas podem ser poucos, contribuindo com a falta de diagnóstico precoce e tratamento, o que pode implicar na evolução da doença, até que a função renal esteja significativamente prejudicada.

O tratamento envolve retardar a progressão do dano renal, geralmente controlando a causa subjacente, mas ela pode evoluir para insuficiência renal terminal, que é fatal sem filtragem artificial ou transplante renal.

Principais causas

As principais causas estão associadas a doenças como a hipertensão arterial e diabetes. Isso acontece porque cada rim contém cerca de 1 milhão de pequenas unidades de filtragem, chamadas néfrons.

Qualquer doença que cause ferimentos ou cicatrizes nos néfrons pode causar doença renal, entre elas diabetes e hipertensão. Além dos néfrons, a hipertensão também pode danificar os vasos sanguíneos dos rins, coração e cérebro. Os rins são altamente vascularizados, o que significa que contêm muitos vasos sanguíneos, e dessa forma as doenças dos vasos sanguíneos são geralmente perigosas para os rins.

Isso significa que doenças autoimunes, como o lúpus, também podem danificar os vasos sanguíneos e produzir anticorpos contra o tecido renal.

Outras causas também podem resultar na insuficiência renal crônica, como:

  • Uma inflamação das unidades de filtragem do rim chamada de glomerulonefrite;
  • Nefrite intersticial, que é uma inflamação dos túbulos renais e estruturas vizinhas;
  • Doença renal policística;
  • Obstrução prolongada do trato urinário, de condições como aumento da próstata, pedras nos rins e alguns tipos de câncer;
  • Refluxo vesicoureteral, que é uma condição que faz com que a urina volte para os rins;
  • Infecção renal recorrente, também chamada de pielonefrite.

Riscos

Os fatores que podem aumentar o risco de insuficiência renal crônica incluem:

  • Diabetes;
  • Pressão alta;
  • Doença do coração e dos vasos sanguíneos (cardiovascular);
  • Fumar;
  • Obesidade;
  • Histórico familiar de doença renal;
  • Estrutura renal anormal;
  • Idade superior a 65 anos;
  • Colesterol alto;
  • Doença autoimune;
  • Doença renal obstrutiva, incluindo obstrução da bexiga causada por hiperplasia benigna da próstata;
  • Aterosclerose;
  • Cirrose e insuficiência hepática;
  • Estreitamento da artéria que fornece o seu rim;
  • Câncer de rins;
  • Câncer de bexiga;
  • Pedras nos rins;
  • Infecção renal;
  • Esclerodermia;
  • Vasculite.

Sintomas

Geralmente, os sintomas não são se manifestam até que a maior parte do seu rim seja destruída, e quando isso acontece, aí sim tais sintomas estarão presentes:

  • Inchaço ao redor dos olhos, chamado edema periorbital;
  • Inchaço das pernas, chamado edema do pé;
  • Fadiga;
  • Falta de ar;
  • Náusea;
  • Vômitos, especialmente de manhã e depois de comer;
  • Um odor de urina;
  • Dor nos ossos;
  • Pele anormalmente escura ou clara;
  • Um molde de cinzas na pele, chamado geada urêmica;
  • Sonolência;
  • Nebulosidade mental;
  • Dormência nas mãos e pés;
  • Síndrome da perna inquieta;
  • Cabelos quebradiços e unhas;
  • Coceira;
  • Perda de peso;
  • Perda de massa muscular;
  • Espasmos musculares e cãibras;
  • Facilidade de contusões e sangramento;
  • Sangue nas fezes;
  • Soluços;
  • Sede excessiva;
  • Diminuição da libido;
  • Impotência;
  • Insônia;
  • Apneia do sono.

É possível também que os sintomas de qualquer doença que esteja contribuindo para os problemas renais estejam presentes.

Diagnóstico

Geralmente, um diagnóstico de insuficiência renal crônica começa com uma investigação do histórico médico. A análise da presença de histórico familiar de insuficiência renal, hipertensão arterial ou diabetes já pode ser o primeiro alerta para o médico. A partir daí, a recomendação de exames é feita para uma análise mais profunda que confirme o diagnóstico.

  • Hemograma completo: O exame é capaz de mostrar a presença de anemia, pois os rins produzem eritropoetina, que é um hormônio que estimula a medula óssea para produzir glóbulos vermelhos. Quando os rins estão gravemente danificados, a capacidade de reduzir a eritropoietina diminui. Isso causa um declínio nos glóbulos vermelhos ou anemia;
  • Exame de nível de eletrólito: A doença pode afetar os níveis de eletrólitos. O potássio pode ser alto e os níveis de bicarbonato podem ser baixos se você tiver insuficiência renal crônica e também pode haver um aumento de ácido no sangue;
  • Exame de azoto da ureia no sangue: O azoto da ureia no sangue pode aumentar quando os rins começam a falhar. Normalmente, eles limpam os produtos da quebra de proteínas do sangue, mas se houver danos nos rins, esses subprodutos se acumulam. A ureia é um subproduto da degradação de proteínas e é o que dá à urina seu odor. Seu médico pode verificar se há acúmulo;
  • Exame de creatinina: Como a função renal diminui, a creatinina aumenta. Esta proteína também está relacionada à massa muscular;
  • Hormônio da paratireoide: O rim e as glândulas paratireoides interagem através da regulação do cálcio e do fósforo no organismo. Uma alteração na função renal afeta a liberação de paratireoide e isso afeta os níveis de cálcio em todo o corpo e quando o rim progride para doença renal terminal, ele não excreta mais fósforo suficiente, o que prejudica a síntese de vitamina D. Além disso, os ossos também podem liberar cálcio, o que provoca fraqueza óssea com o passar do tempo;
  • Fluxo renal e varredura: Uma varredura renal é um estudo de imagem da função renal;
  • Ultrassonografia renal: Este teste não invasivo fornece imagens para ajudar seu médico a determinar se há uma obstrução;
  • Outros testes: Biópsia renal, densidade óssea, tomografia computadorizada abdominal e ressonância magnética abdominal.

Tratamento

O tratamento da insuficiência renal crônica procura tratar a causa subjacente e tomar medidas para ajudar a controlar os sinais e sintomas, reduzindo assim as complicações, o que retarda a progressão da doença.

1. Tratar a causa

O médico focará em retardar ou controlar a causa da doença renal, então as opções tendem a variar, dependendo da causa. Porém, os danos nos rins podem continuar piorando, mesmo quando uma condição subjacente tenha sido controlada.

2. Tratar as complicações

Aqui, o objetivo é tratar as complicações da doença renal para trazer uma situação mais confortável para o paciente. Os tratamentos podem incluir:

  • Medicamentos para hipertensão: Pessoas com doença renal podem apresentar piora da pressão arterial. A recomendação de medicação para baixar a pressão arterial e preservar a função renal pode ser receitada. Remédios para pressão alta podem inicialmente diminuir a função renal e alterar os níveis de eletrólitos, portanto, os exames de sangue são realizados frequentemente para monitorar a condição.
  • Medicamentos para baixar os níveis de colesterol: As pessoas com doença renal crônica costumam ter altos níveis de colesterol ruim frequentemente e essa condição pode aumentar o risco de doença cardíaca. Diante desse cenário, é comum que o médico receite medicamentos para baixar o colesterol.
  • Medicamentos para tratar a anemia: Se essa for a necessidade, o médico pode recomendar suplementos do hormônio eritropoietina, às vezes com adição de ferro. Os suplementos de eritropoetina ajudam na produção de mais glóbulos vermelhos, o que pode aliviar a fadiga e a fraqueza associadas à anemia.
  • Medicamentos para aliviar o inchaço: Os medicamentos diuréticos podem ser receitados para ajudar a manter o equilíbrio de fluidos em seu corpo, reduzindo o inchaço nas pernas e a pressão alta.
  • Medicamentos para proteger os ossos: Suplementos de cálcio e vitamina D são boas opções para prevenir ossos fracos e diminuir o risco de fraturas, além de medicamentos conhecidos como um aglutinante de fosfato para reduzir a quantidade de fosfato no sangue e proteger os vasos sanguíneos contra danos causados ​​por depósitos de cálcio.
  • Mudanças na dieta: Uma dieta com menos proteínas pode ser recomendada, pois elas podem criar resíduos após a digestão que obrigam os rins a filtrar do sangue. Para reduzir a quantidade de trabalho de seus rins, é necessário ingerir menos proteína.

3. Tratamento para doença renal em estágio terminal

O tratamento em estágio terminal é feito quando os rins não conseguem acompanhar o desperdício e a eliminação de fluidos por conta própria. Quando isso acontece significa que a insuficiência renal está completa ou quase completa. Quando esse estágio é diagnosticado, o tratamento envolve a diálise ou um transplante de rim.

  • Diálise: Ela tem o objetivo de remover artificialmente os resíduos e o fluido extra do sangue quando os rins não conseguem mais fazer isso. Para a hemodiálise, uma máquina que filtra os resíduos e excesso de fluidos do sangue é utilizada. Na diálise peritoneal, um tubo fino é inserido no abdômen para encher a cavidade abdominal com uma solução de diálise que absorve os resíduos e excesso de fluidos. Após um período de tempo, a solução de diálise é drenada do corpo, carregando os resíduos com ela.
  • Transplante de rim: Um transplante de rim envolve a colocação cirúrgica de um rim saudável de um doador. Geralmente, os rins transplantados podem vir de doadores falecidos ou vivos, mas será preciso tomar medicamentos para o resto da vida para evitar que o corpo rejeite o novo órgão.

Caso o paciente opte por não fazer diálise ou transplante renal, a terceira opção é tratar a insuficiência renal com medidas conservadoras, mas se a insuficiência renal for completa, a expectativa de vida costuma ser de apenas alguns meses.

4. Mudanças no estilo de vida e remédios caseiros

Uma dieta especial pode ser recomendada como parte do tratamento para ajudar a sustentar os rins e limitar o trabalho que eles devem fazer. Dependendo do caso de insuficiência renal crônica e da saúde geral, um profissional especializado pode recomendar:

  • Evitar produtos com sal: Diminuir a quantidade de sódio da alimentação diária, evitar produtos com sal adicionado, incluindo alimentos congelados, sopas enlatadas e fast foods, salgadinhos, salgados, vegetais enlatados, carnes processadas e queijos;
  • Ingerir alimentos com baixo teor de potássio: Alimentos como maçã, repolho, cenouras, vagens, uvas e morangos são baixos em potássio. Vale reforçar que muitos substitutos do sal contêm potássio, então é preciso evitá-los se tiver insuficiência renal crônica;
  • Pouca proteína: Alimentos ricos em proteínas incluem carnes magras, ovos, leite, queijo e feijão. Alimentos com baixo teor de proteína incluem vegetais, frutas, pães e cereais e a redução da ingestão diminui o trabalho dos rins.

Potenciais tratamentos futuros

As abordagens de medicina regenerativa incluem o aumento da capacidade natural do corpo de se curar usando células saudáveis, tecidos ou órgãos de um doador vivo ou falecido para substituir os danificados, além de fornecer tipos específicos de células ou produtos celulares a tecidos ou órgãos doentes para restaurar a função dos tecidos e dos órgãos.

A medicina regenerativa é um potencial tratamento para a insuficiência renal crônica e ela tem o potencial de curar completamente tecidos e órgãos danificados, oferecendo soluções e esperança para pessoas que têm condições que hoje estão além do reparo.

Como vimos, a insuficiência renal crônica é muito séria, então receber um diagnóstico pode ser preocupante. Diante dessa condição, encontrar formas para ajudar a lidar com os sentimentos são válidas.

Você pode procurar e se conectar com outras pessoas que têm doença renal, pois elas geralmente entendem o que você está sentindo e podem oferecer apoio exclusivo. Uma opção são os grupos de apoio e organizações. Também procure manter sua rotina normal, quando possível, pois isso pode ajudá-lo a lidar com sentimentos de tristeza ou perda que podem ocorrer após o diagnóstico.

Mantenha-se ativo, procure realizar atividade física na maioria dos dias da semana, pois isso pode ajudar com a fadiga e o estresse. Por fim, fale com uma pessoa em quem você confia, pois viver com insuficiência renal crônica pode ser muito estressante e ter alguém para falar sobre seus sentimentos pode ser muito benéfico.

Referências adicionais:

Você conhece alguém que tenha sido diagnosticado com insuficiência renal crônica? Como foi o tratamento recomendado pelo médico? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (4 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...
Revisão Geral pela Dra. Patrícia Leite - (no G+)



ARTIGOS RELACIONADOS

Deixe uma resposta

Seu email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

*