Lúpus é Contagioso?

Muitos se preocupam se o lúpus é contagioso e se podemos pegar a doença ao entrarmos em contato com alguém que a possui.

Especialmente para quem se encontra com a imunidade baixa, a preocupação se determinada doença pode ser transmitida ou não é extremamente válida. Afinal, com saúde não se brinca, não é mesmo?

Sobre o lúpus

O lúpus é uma doença autoimune sistêmica que é caracterizada pelo ataque do sistema imunológico aos seus próprios tecidos e órgão. A inflamação resultante da condição pode atacar diferentes partes do corpo, como as articulações, a pele, os rins, as células sanguíneas, o cérebro, o coração e os pulmões. Não há uma cura para o lúpus, mas o tratamento pode ajudar a controlar os sintomas da doença.

Falando neles, os sintomas da doença dependem da área do organismo que foi afetada por ela. Cada caso da condição apresenta as suas particularidades e os seus sinais podem aparecer repentinamente, ser desenvolvidos lentamente, ser permanentes ou temporários.

Esses sintomas também podem ser confundidos com outros problemas de saúde, mas há um sinal característico do lúpus: uma erupção facial no formato de borboleta que cobre as bochechas e o nariz.

Além dela, outros sintomas comuns da doença são: outras erupções no corpo, fadiga, febre, dor na articulação, inchaço, rigidez, dificuldade em respirar, dor no peito, ressecamento nos olhos, dor de cabeça, confusão, perda de memória, surgimento ou piora de lesões na pele quando há exposição à luz solar, mudança na cor dos dedos para branco ou azul quando há exposição ao frio ou a períodos de estresse.

O lúpus pode gerar complicações nos rins, no cérebro, no sistema nervoso central, no sangue, nos vasos sanguíneos, nos pulmões e no coração, já que pode depender de qual região do organismo foi atingida pela inflamação decorrente da condição.

Ter a doença também torna uma pessoa mais vulnerável a infecções, pode aumentar o seu risco de ter câncer e pode provocar necrose avascular (morte do tecido) e complicações gestacionais. As informações são da Mayo Clinic, organização da área de serviços médicos e pesquisas médico-hospitalares dos Estados Unidos.

E então, será que o lúpus é contagioso?

Algumas pessoas nascem com uma tendência ao desenvolvimento do lúpus, que pode ser acionada por infecções, determinados medicamentos e até mesmo a luz do sol, conforme esclareceu a Mayo Clinic.

Não pode-se dizer que o lúpus é contagioso, uma vez que a doença em si não pode ser transmitida de uma pessoa para outra, mesmo que haja um contato muito próximo ou em uma relação sexual.

No mesmo sentido, a Lupus Foundation of America (Fundação do Lúpus da América, tradução livre) ressaltou que uma pessoa não pode receber a doença da outra e nem passá-la para outro indivíduo.

“Fatores genéticos e ambientais, como certos medicamentos e infecções, podem desencadear a doença naqueles predispostos ao lúpus. Enquanto nós sabemos que o lúpus faz com que o sistema imunológico crie anticorpos contra si mesmo, o que causa o lúpus ainda é desconhecido”, afirmou a

  Continua Depois da Publicidade  

redatora da área médica com mestrado em saúde pública, Jeri Jewett-Tennant.

A redatora da área médica detalhou que se por um lado o desenvolvimento da condição provavelmente está enraizado em fatores genéticos, por outro, esses fatores ambientais podem não somente desencadear como também exacerbar a doença.

Conforme a Lupus Foundation of America, a combinação de fatores internos e externos ao organismo, que resulta no desenvolvimento da condição também envolve questões hormonais, além dos fatores genéticos e ambientais.

“Infecções, luz solar e medicamentos como os remédios anticonvulsivantes ou para pressão arterial potencialmente podem desencadear o lúpus. Se você tem um histórico familiar de lúpus ou tem risco de desenvolver a doença, limitar a exposição ao sol e usar protetor solar pode te ajudar a eliminar parte desses desencadeadores”, acrescentou Jewett-Tennant.

De acordo com a Mayo Clinic, o grupo de fatores de risco do lúpus inclui: sexo – a condição é mais comum nas mulheres; idade – apesar de atingir pessoas de todas as idades, a doença é mais frequentemente diagnosticada entre os 15 anos e os 45 anos de idade e raça – o lúpus é mais comuns nos indivíduos afro-americanos, hispânicos e asiáticos americanos.

O tratamento do lúpus

O tratamento para cada quadro da doença varia de acordo com os sintomas apresentados pelo paciente. A definição a respeito da possibilidade de tratar esses sintomas e de quais medicamentos usar envolve uma discussão cuidadosa com o médico acerca dos benefícios e dos riscos que a abordagem em questão pode trazer.

A lista de medicamentos que podem ser prescritos para controlar a condição inclui: anti-inflamatórios não esteroides como ibuprofeno ou naproxeno, antipalúdicos (antimaláricos) como hidroxicloroquina (Plaquenil), corticosteroides como prednisona, imunossupressores como azatioprina, mofetil micofenolato, metotrexato, um remédio intravenoso conhecido pelo nome de belimubabe (Belynsta) e o medicamento rituximabe (Rituxan), que pode ser indicado para os casos de lúpus resistente.

Em alguns casos, a suplementação com vitamina D e cálcio também pode ser vantajosa. Ao longo do tratamento, o médico pode entender que é necessário modificar os medicamentos ou ajustar as suas dosagens conforme os sintomas do paciente atacarem ou se apaziguarem.

Além de seguir as orientações médicas em relação ao uso dos medicamentos e se proteger do sol, conforme já foi mencionado neste artigo, outros cuidados como ter consultar médicas regularmente, praticar atividades físicas com frequência, não fumar e alimentar-se de maneira saudável são estratégias úteis e benéficas para os pacientes diagnosticados com o lúpus.

Referências Adicionais:

Você já sabia se lúpus é contagioso? Conhece alguém que tenha? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (1 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...
Sobre Felipe Santos e Dra. Patrícia Leite

Quando se trata de saúde, é muito importante poder contar com uma fonte confiável de informações. Afinal de contas sabemos que o sua qualidade de vida e bem-estar devem estar em primeiro lugar para você. Por isso contamos com uma equipe profissional diversificada, com redatores e editores que desenvolvem um conteúdo de qualidade, adaptando-o a uma linguagem de fácil compreensão para o público em geral, tendo por base as mais confiáveis fontes de informação. Depois disso todo artigo é revisado por profissional especialista da área, para garantir que as informações são verídicas, e só então ele é publicado no site. Tudo isso para que você tenha confiança no MundoBoaForma e faça daqui sua fonte preferencial de consulta para assuntos relacionados a saúde, boa forma e qualidade de vida. Conheça mais sobre os profissionais que contribuem para a qualidade editorial do portal.

  Continua Depois da Publicidade  

Deixe um comentário