Mais uma Diferente Razão Para Não Comer Mais Fast Food

Especialista:
atualizado em 29/01/2020

Adicione mais essa à lista de razões pelas quais um lanche de fast food não é bom para você: o papel em que o seu lanche vem embalado pode conter substâncias químicas ligadas a sérios problemas de saúde, de acordo com um novo estudo.

O Instituto Silent Spring, o Environmental Working Group (EWG), and the Green Science Policy Institute uniram-se com pesquisadores da Universidade de Notre Dame e da Agência de Proteção Ambiental (EPA) para analisar mais de 400 embalagens e recipientes de 27 redes e fast-food em todos os Estados Unidos.

Cerca de metade das embalagens testadas continham um marcador de compostos fluorados conhecidos como substâncias per-e polifluoroalquilo (PFASs).

Os PFAS (anteriormente chamados de PFCs) tornam as embalagens de alimentos resistentes à graxa. (Os consumidores também estão expostos a PFASs em certos tipos de panelas antiaderentes, roupas impermeáveis e produtos resistentes a manchas). Estudos anteriores ligaram a exposição ao PFAS à fertilidade e problemas de tireóide, atrasos no desenvolvimento das crianças, aumento do risco de câncer e outros resultados.

Uma análise mais aprofundada de 20 amostras descobriu que o ácido perfluorooctanoico (PFOA) – um PFAS de cadeia longa que tem sido associado a doença cardíaca e atualmente está sendo eliminado gradualmente nos Estados Unidos – estava entre os compostos fluorados presentes.

Este estudo apenas analisou a presença de PFASs nas próprias embalagens, e não nos alimentos ou nas pessoas que os consumiam. No entanto, pesquisas anteriores sugeriram que os PFASs têm o potencial de infiltrar em alimentos.

“É difícil saber quanto realmente vai infiltrar, porque depende da temperatura, do tipo de alimento, de quanto tempo a comida está em contato com o papel e de quais PFASs específicos você está falando”, diz o autor principal, Laurel Schaider, PhD, um químico ambiental do Instituto Silent Spring.

A pesquisa mostrou que os PFASs de cadeia longa podem permanecer no corpo por anos. Eles também podem se acumular em aterros sanitários quando produtos como embalagens de alimentos são descartados, onde podem infiltrar no meio ambiente e afetar a água potável, dizem os autores.

Você não pode dizer, olhando para uma embalagem ou recipiente de alimentos, se esta contém PFASs, diz Schaider; eles ainda são permitidos atualmente em materiais compostáveis. Assim, a melhor maneira de evitá-lo em embalagens de fast food é simplesmente evitar fast food. Isso é especialmente importante para as crianças, ela acrescenta, que são mais sensíveis aos produtos químicos prejudiciais.

“Eu acho que todos nós já temos alguns motivos para reduzir a quantidade de fast food que consumimos, e isso pode ser mais um motivo”, diz ela. “Se você for comê-lo, pode tirar o alimento da embalagem o mais rápido possível – o que pode ajudar um pouco”, diz ela.

O estudo foi publicado na revista Environmental Science & Technology Letters. O EWG também publicou um relatório complementar, recomendando que todas as empresas de fast-food parem de usar compostos fluorados em suas embalagens e que a Food and Drug Administration restrinja ainda mais seu uso em produtos que tenham contato com alimentos.

O relatório do EWG também sugere que os consumidores reduzam sua exposição aos PFASs comendo alimentos frescos e preparando refeições em casa, evitando o uso de papel e não comprando pipoca de micro-ondas. Aprenda aqui a fazer pipoca caseira sem óleo.

“Nós podemos estar expostos a esses produtos químicos através de diferentes vias, e todas essas exposições podem se somar”, diz ela. “Mesmo que não possamos evitar todas, cada mudança de hábito pode ajudar”.

Você imaginava que a fast food poderia trazer malefícios ao corpo até mesmo em suas embalagens? Tem costume de consumir esse tipo de comida? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (4 votos, média: 4,00 de 5)
Loading...
Sobre Dra. Patricia Leite

Dra. Patricia é uma das nutricionistas mais conceituadas do país, sendo uma referência profissional em sua área e autora de artigos e vídeos de grande sucesso e reconhecimento. Tem pós-graduação em Nutrição pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, é especialista em Nutrição Esportiva pela Universidad Miguel de Cervantes (España) e é também membro da International Society of Sports Nutrition. É ainda a nutricionista com mais inscritos no YouTube em português. Dra. Patricia Leite é a revisora geral de todo conteúdo desenvolvido pela equipe de redatores especializados do Mundo Boa Forma.

Deixe um comentário