Mamão Dá Gases?

Especialista:
atualizado em 01/06/2020

Veja se é verdade que o mamão dá gases ou se esse não é um dos efeitos esperados ao consumir essa fruta tão comum em nossas casas.

Não é raro vermos o mamão aparecer no café da manhã das famílias brasileiras. E esse é um hábito que todos deveriam ter. Tudo porque a fruta é nutritiva e serve como fonte de diversos nutrientes como vitamina B5, carboidratos, fibras, magnésio, cobre, vitamina A e vitamina B9.

O alimento também é composto por dosagens de potássio, cálcio, vitamina E, vitamina K e substâncias dotadas de efeitos antioxidante como a luteína e o licopeno. Por conta de todos eles é que existem tantos benefícios do mamão para a saúde e boa forma.

Por outro lado, será que ao consumirmos o mamão, não corremos o risco de sofrer com algum tipo de efeito colateral como a flatulência?

Você já ouviu falar que o mamão dá gases?

As fibras do mamão são fermentáveis, o que significa que quanto as bactérias do intestino grosso decompõem essas fibras, haverá a produção de alguns gases.

Um estudo publicado em ‘Beneficial Microbes’ (Micróbios Benéficos, tradução livre) em setembro de 2013 observou que o mamão não causou qualquer gás por mais do que oito horas depois do consumo e não produziu tantos gases no trato digestivo quanto a manga. Veja se, por sua vez, a manga dá gases.

No mesmo sentido, a mestra em ciência alimentar e nutrição humana Melodie Anne Coffman classificou o mamão como uma das frutas com fibras que não têm propensão de provocar flatulência exagerada.

Entretanto, a mestra em política alimentar e nutrição aplicada Jessica Bruso explicou que o fato de uma pessoa apresentar gases depende da ingestão total de fibras em determinado dia.

“As sensações de flatulência ocorrem principalmente quando você aumenta repentinamente a sua ingestão de fibras, já que isso pode sobrecarregar a capacidade das bactérias do seu intestino grosso de decompor as fibras”, completou Bruso.

A enzima do mamão e o alívio dos gases

Quando queremos saber se o mamão dá gases, não podemos deixar de lado os efeitos que uma de suas enzimas pode causar no organismo.

J. Bruso assinalou que o mamão pode contribuir com a diminuição dos gases em pessoas que não produzem uma quantidade suficiente das enzimas necessárias para decompor as proteínas no trato digestivo.

“Ele contém uma enzima chamada de papaína que pode melhorar a digestão auxiliando a decompor as proteínas”, escreveu.

Além assim como o abacaxi, o mamão é uma fruta rica em enzimas que podem auxiliar a decompor as proteínas durante a digestão.

Entretanto, por que será que isso é importante e o que essas enzima têm a ver com os gases? Bem, quanto mais tempo o organismo demora para decompor as proteínas, maior é a tendência que a pessoa experimente uma sensação de inchaço.

No entanto, o que realmente interessa para nós sabermos é que se as proteínas não digeridas entrarem no intestino delgado, elas irão começar a putrefazer (apodrecer) e promoverão o aparecimento dos gases.

A mestra em política alimentar e nutrição aplicada Jessica Bruso ressaltou, em seu artigo publicado, que as pessoas geralmente costumam tomar suplementos de papaína com o objetivo de amenizar os gases, no lugar de consumir a fruta fresca.

Entretanto, antes de sair por aí comprando e tomando um suplemento de papaína para aliviar a sua flatulência, é melhor que você marque uma consulta médica para saber se o seu problema com gases realmente está associado a uma falta de enzimas que pode ser suprida e solucionada pela papaína e verificar se o tal suplemento não é contraindicado para você.

Como você verá no tópico a seguir, são diversos os fatores que podem resultar no aparecimento dos gases em excesso. Portanto, é necessário conhecer a origem do seu problema para tratá-lo adequadamente.

Calma lá – não podemos jogar a culpa somente na alimentação

Mais do que compreender se o mamão dá gases, é importante que conheçamos quais outros fatores – não apenas aquilo que comemos e bebemos durante as nossas refeições – podem interferir na produção de gases no organismo.

O PhD e professor clínico associado de nutrição da Universidade de Nova Iorque, nos Estados Unidos, Charles Mueller explicou que os gases que soltamos não são produzidos somente pelos alimentos que consumimos, mas também pelo ar que engolimos, que acaba passando pelo trato gastrointestinal.

No mesmo sentido, o gastroenterologista, professor clínico associado de medicina da Universidade de Nova Iorque, nos Estados Unidos, e PhD David Poppers esclareceu que os gases são uma combinação entre dois fatores: o ar que engolimos, ao comer rápido demais, e o alimento que consumimos.

A nutricionista Abby Langer explicou ainda que doenças gastrointestinais sérias também podem ser a principal causa dos gases. Eles ainda podem estar relacionados ao uso de alguns medicamentos e a problemas na flora intestinal, completou a especialista.

“Para aqueles que não têm um problema de fundo (para provocar os gases, como as doenças gastrointestinais), a quantidade de gases que nós temos está diretamente relacionada com a quantia de alimento e/ou ar não digerido no nosso cólon. Se estamos comendo coisas que o nosso corpo não está decompondo, nós vamos ter gases”, completou Langer.

Ainda que seja constrangedora, a flatulência é uma função normal do corpo, completou o PhD Charles Mueller. Ele alertou ainda que devemos nos preocupar mais quando não estivermos soltando gases do que quando a flatulência aparecer.

Mueller orientou também a procurar o auxílio médico quando ocorrerem mudanças nos hábitos intestinais que não se resolvem sozinhas como cólicas, inchaço, prisão de ventre, diarreia, não ter flatulência alguma ou o aparecimento de muitos gases.

Vídeo:

Gostou das dicas?

Fontes e Referências Adicionais:

Você já se perguntou se mamão da gases? Consome com frequência? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (2 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...
Sobre Dr. Marcos Marinho

Dr. Marcos Marinho formou-se em Medicina pela Universidade do Grande Rio (Unigranrio) e é pós-graduado em Gastroenterologia pelo IPEMED. Realizou cursos de ultrassonografia geral e intervencionista pela Unisom, ultrassonografia musculoesquelética e Doppler pelo CETRUS. Atualmente, é pós-graduando de Endoscopia Digestiva pela Faculdade Suprema de Juiz de Fora-MG. No momento, atua em vários municípios do estado do Rio de Janeiro como na capital, Niterói, Magé e Araruama. Dr. Marcos Marinho tem experiência em setores variados de sua especialização e continua em constante aprendizado e evolução para ser uma referência da área. Para mais informações, entre em contato através de seu Instagram oficial @drmarcosmarinho

Deixe um comentário