Maracujá Prende ou Solta o Intestino?

Antioxidantes, carotenoides, fibras, ferro, potássio, vitamina A e vitamina C são compostos benéficos e importantes para o funcionamento apropriado do nosso organismo, que podem ser encontrados no maracujá.

Você pode utilizar a fruta no preparo de receitas culinárias como sucos, tortas, mousses, bolos, muffins, cupcakes e molhos, por exemplo. Mas você já parou para pensar em como a fruta pode influenciar o funcionamento do nosso intestino?

Será que o maracujá prende ou solta o intestino?

Quando analisamos se o maracujá prende ou solta o intestino, não podemos deixar de olhar para o teor de fibras que é encontrado na composição do alimento. Uma porção de 18 g de maracujá apresenta 2 g de fibras, sendo que a sua maioria corresponde a fibras solúveis.

Sobre as fibras solúveis, já foi proposto que elas se ligam à água no trato digestivo, o que resulta no aumento do volume das fezes e, consequentemente, previne a diarreia (ou seja, o intestino solto demais).

No mesmo sentido, o ato das fibras solúveis absorverem água enquanto passam pelo organismo, auxiliando a dar volume às fezes, faz com que elas protejam não somente contra a diarreia mas também contra a prisão de ventre, que também é conhecida como o intestino preso.

O maracujá foi, inclusive, mencionado em uma publicação de 2017 do Cure Joy em uma lista com um top 10 de frutas que contribuem com o alívio do intestino preso. A justificativa apresentada pela página para a presença do alimento na lista foi justamente o teor de fibras encontrado em sua composição.

Cuidados com o excesso de fibras na alimentação

Da mesma forma, ao analisarmos se o maracujá prende ou solta o intestino, não podemos deixar de abordar os perigos que o exagero do consumo de fibras traz, já que é justamente a presença do nutriente na fruta que influencia como ela atua em relação ao nosso intestino, conforme acabamos de aprender acima.

De acordo com informações da Academia Nacional de Medicina dos Estados Unidos, replicadas pelo Instituto Linus Pauling da Universidade Estadual de Oregon, esses são os teores diários de fibras que devemos consumir ao longo de um dia:

  • Crianças (meninas e meninos) de um a três anos de idade: 19 g por dia;
  • Crianças (meninas e meninos) de quatro a oito anos de idade: 25 g por dia;
  • Meninas de nove a 13 anos de idade: 26 g por dia;
  • Meninos de nove a 13 anos de idade: 31 g por dia;
  • Meninas de 14 a 18 anos de idade: 26 g por dia;
  • Meninos de 14 a 18 anos de idade: 38 g por dia;
  • Mulheres de 19 a 50 anos de idade: 25 g por dia;
  • Homens de 19 a 50 anos de idade: 38 g por dia;
  • Mulheres com mais de 51 anos de idade: 21 g por dia;
  • Homens com mais de 51 anos de idade: 30 g por dia;
  • Grávidas de todas as idades: 28 g por dia;
  • Mulheres que estejam amamentando de todas as idades: 29 g por dia.

Quando esse limite é ultrapassado, podemos sofrer com uma série de problemas: quando as fibras alimentares são ingeridas de maneira excessiva, elas podem provocar fezes moles, movimentos intestinais frequentes e inclusive a diarreia.

Isso acontece por conta da necessidade que o corpo tem de puxar água para passar a fibra para fora do corpo, o que resulta na diarreia, condição que também pode vir acompanhada de uma desidratação.

Consumir uma quantidade de fibras mais elevada do que a recomendada por dia em um curto espaço de tempo também pode causar o intestino preso, além de outros problemas como inchaço, gases, cólica e o prejuízo à absorção de minerais como ferro, zinco, magnésio e cálcio.

Parece um pouco difícil ultrapassar esse limite quando falamos somente da porção de 18 g de maracujá com 2 g de fibras, não é mesmo? Entretanto, se o consumo for de uma porção maior, como de 50 g, o teor do nutriente já sobe para 5,2 g.

Ainda pode parecer pouco, no entanto, precisamos lembrar que o maracujá não é a única fonte de fibras da nossa alimentação – uma série de outros alimentos como frutas, legumes, verduras, sementes, cereais e grãos também fornecem o nutriente ao nosso organismo.

Portanto, sempre vale a pena tomar cuidado para não exagerar e consumir com moderação para não precisar se preocupar em ter maiores problemas, lembrando daquela velha máxima de que tudo em excesso pode fazer mal.

Aumente a sua ingestão de fibras aos pouquinhos

Outro cuidado importante é o de aumentar gradualmente, aos pouquinhos, o consumo de fibras na alimentação. Isso é necessário porque as bactérias intestinais que decompõem parte das fibras precisam de tempo para se acostumar com esse crescimento na ingestão do nutriente.

Já quando esse aumento acontece todo de uma vez, corre-se o risco de sofrer com problemas intestinais.

A importância de ingerir as fibras acompanhadas de água

Quando consumimos alimentos ricos em fibras, precisamos nos certificar de ingerir uma boa quantidade de água durante todo o dia.

A fibra necessita de água para passar pelo sistema digestivo e formar as fezes e quando uma pessoa consome mais fibra, mas não ingere uma quantidade suficiente de água, pode ocorrer o agravamento de um quadro de intestino preso e ela ainda pode sofrer com dor abdominal.

Além disso, a ingestão de fibras sem a presença da água pode resultar no ressecamento do intestino.

Vídeo:

Gostou das dicas?

Você acreditava que maracujá prende ou solta o intestino? Tem costume de consumir a fruta de que maneiras? Comente abaixo.

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (4 votos, média: 4,00 de 5)
Loading...

Deixe um comentário