7 principais causas de secreção no ouvido e o que fazer

Especialista da área:
atualizado em 17/04/2022

O termo técnico para a saída de secreção do ouvido é otorreia, e ela pode acontecer por várias causas, como infecções por microrganismos, colesteatoma, perfurações no tímpano e lesões.

Dependendo da causa, a secreção pode apresentar cor e cheiro diferentes, podendo ser aquosa incolor, purulenta amarelada, espessa esbranquiçada ou sanguinolenta. Pode ter um mau cheiro, se for resultado de uma infecção bacteriana.

  Continua Depois da Publicidade  

Juntamente com a secreção no ouvido, podem ocorrer outros sintomas que variam de acordo com a causa, como febre, dor de ouvido, coceira no ouvido, zumbido e perda auditiva.  

Veja quais são as principais causas de secreção no ouvido e o que fazer. 

Otite média aguda

Otite
A dor de ouvido forte é o principal sintoma da otite média aguda, que pode provocar a secreção no ouvido

A otite média afeta o ouvido médio, uma pequena região que fica atrás do tímpano e contém os ossículos do ouvido. Infecções nessa região causam o acúmulo de líquido, cuja pressão sobre o tímpano pode perfurá-lo e provocar o extravasamento da secreção pelo canal auditivo. 

A otite média pode acometer crianças e adultos, mas tende a ser mais frequente nas crianças até 3 anos, porque o canal que liga o ouvido médio ao nariz é mais curto, facilitando o acesso de vírus e bactérias presentes nas vias respiratórias. 

A otite média aguda é súbita e apresenta sintomas graves, como dor de ouvido muito forte e tímpano avermelhado e abaulado (curvado), pois está sob pressão do líquido acumulado. Após a perfuração do tímpano e liberação da secreção, a dor costuma amenizar e a pessoa fica com uma perda auditiva temporária, até o tímpano se regenerar. 

  Continua Depois da Publicidade  

Se a secreção no ouvido tiver um aspecto purulento e com mau cheiro, é indicativo de infecção bacteriana e o tratamento é feito com antibióticos. 

O que fazer

Marque uma consulta para que o médico examine o seu tímpano e estabeleça o diagnóstico e a causa da otite. O tratamento é feito com analgésicos, anti-inflamatórios não esteroides e antibióticos, se for necessário. 

É importante manter a carteirinha de vacinação das crianças em dia, pois é uma forma de prevenir a otite média aguda nesta fase. Também deve-se evitar que a criança adormeça com a mamadeira na boca, pois o líquido pode escorrer para o ouvido médio e provocar a otite. 

Mastoidite

A mastoidite é uma infecção bacteriana na apófise mastoide, um osso proeminente que fica atrás do ouvido. Geralmente, ela é decorrente de uma otite média aguda que não foi tratada adequadamente e, por isso, a bactéria se disseminou para o osso.

Esta é uma condição que demanda um tratamento correto e imediato pois, se não tratada, pode evoluir para complicações graves, como meningite, abscessos cerebrais, surdez e sepse. 

A mastoidite se desenvolve algumas semanas depois de uma otite média aguda e provoca sintomas graves, como inchaço, vermelhidão, secreção purulenta, febre, dor dentro e em volta do ouvido, dor persistente e latejante. 

  Continua Depois da Publicidade  

O que fazer

Deve-se procurar um otorrinolaringologista para o diagnóstico e início imediato do tratamento, que consiste na administração de antibiótico na veia. Com a melhora do quadro, o antibiótico pode ser administrado por via oral. Em alguns casos, é necessário fazer a remoção cirúrgica do osso infectado e, depois, uma reconstrução com cirurgia corretiva.

Otite média crônica

Otite crônica
A otite também pode ser crônica, e neste caso também produz secreção

Uma otite média aguda, um bloqueio da trompa de Eustáquio ou uma lesão no ouvido podem levar ao desenvolvimento da otite média crônica. 

A otite média crônica é caracterizada por perda auditiva e extravasamento de secreção persistente e muito frequente do ouvido. Esses sintomas se manifestam em fases de crise da otite média crônica, que podem ocorrer após uma infecção no ouvido, um resfriado ou com a entrada de água no ouvido, por alguma perfuração do tímpano. 

Geralmente, a secreção é purulenta e com mau cheiro, mas indolor. Como a otite média pode gerar complicações graves, como o colesteatoma, ela deve ser diagnosticada e tratada. 

Outras complicações possíveis são lesões aos ossículos, formação de pólipos ou disseminação da infecção. 

O que fazer

A otite média crônica requer uma avaliação médica, para o diagnóstico e identificação da bactéria causadora. O tratamento inclui a administração de antibióticos por gotas otológicas e por via oral. Também deve-se evitar, ao máximo, o contato do ouvido com a água, por isso o recomendado é usar tampões de algodão ou de silicone moldável. 

  Continua Depois da Publicidade  

Dependendo da gravidade da perfuração do tímpano e dos danos aos ossículos, o otorrinolaringologista pode realizar uma reconstrução por um procedimento cirúrgico chamado timpanoplastia.

Colesteatoma

Um colesteatoma é um tumor benigno, ou seja, não canceroso, de aspecto esbranquiçado e que pode produzir secreção no ouvido. 

O crescimento de uma massa tumoral no ouvido médio pode provocar danos aos ossículos e deixar a pessoa mais suscetível a inflamações no ouvido interno, surdez, paralisia facial e disseminação da infecção para o cérebro, provocando meningites ou abscessos cerebrais.

O que fazer

Se houver a suspeita de colesteatoma, é necessária a realização de exames de imagem, que pode ser a tomografia computadorizada ou a ressonância magnética, para o diagnóstico. O colesteatoma deve ser removido cirurgicamente

Otite externa

A otite externa ocorre por uma infecção do canal auricular por bactérias ou fungos, provocando dores de ouvido e secreção. 

A otite externa pode acometer todo o canal auricular, configurando um caso de otite externa generalizada, ou ficar concentrada em apenas um local, onde as bactérias se acumulam e formam um furúnculo ou algo semelhante a uma espinha. 

Geralmente, a otite externa é causada por lesões provocadas pela limpeza do ouvido com cotonetes ou outros objetos. Também é comum em nadadores, devido a entrada constante de água no ouvido. 

A secreção pode ser esbranquiçada ou amarelada e com mau cheiro. Juntamente com o pus, é comum haver resíduos ou esporos de fungos no canal auricular, que contribuem para a perda auditiva. 

O que fazer

Deve-se procurar ajuda médica, para que seu canal auricular seja examinado e o microrganismo causador seja identificado. A partir disso, o médico limpa o canal auricular, retirando os resíduos e a secreção. Daí são aplicadas gotas otológicas com corticoides e antibióticos, no caso de infecção bacteriana, e com antifúngicos, se a causa for um fungo. 

Corpos estranhos no ouvido

Objeto estranho no ouvido
A presença de alguns objetos estranhos no ouvido também podem provocar secreção

Objetos pequenos, como botões, peças de brinquedos, alimentos, miçangas, entre outros, podem entrar e ficar alojados dentro do ouvido. Geralmente, isso acontece com as crianças que, nas brincadeiras, acabam colocando objetos dentro do ouvido.  

Se você perceber que a criança está chorando muito e levando as mãos à cabeça, na região do ouvido, pode ser que tenha algum objeto alojado. Principalmente, se perceber que sai alguma secreção do ouvido, incolor ou avermelhada, o que pode indicar lesão ou perfuração do tímpano. 

Insetos também podem entrar no ouvido e ficar alojados, causando dor, coceira e secreção. 

O que fazer

Não tente tirar o objeto que está dentro do ouvido, e vá até um pronto atendimento ou ao consultório de um otorrinolaringologista, para que o profissional faça a retirada do objeto. Em alguns casos, é necessário o uso de uma máquina de sucção para fazer essa retirada. 

Fratura da base do crânio

Fraturas na base do crânio podem lacerar as meninges, que são os tecidos que revestem o cérebro. Os sinais que denunciam que houve uma fratura nessa região incluem a secreção do líquido cefalorraquidiano (o líquido que fica no cérebro e na medula óssea) pelo nariz ou pelos ouvidos. Esse líquido é incolor

Se o líquido ficar acumulado atrás do tímpano e ele se romper, pode ocorrer o extravasamento do líquido cefalorraquidiano com sangue. 

Podem se formar hematomas em volta dos olhos e atrás do ouvido.

O que fazer

Uma pessoa com fratura na base do crânio deve ser hospitalizada, para que fique em observação, até que o líquido cefalorraquidiano pare de vazar, denotando que o rasgo na meninge fechou espontaneamente, o que tende a ocorrer entre 48 horas a 1 semana após a lesão. Se a secreção não parar de sair, o médico pode fazer uma drenagem ou fechamento cirúrgico da ruptura. 

Fontes e referências adicionais

Você já teve extravasamento de secreção no ouvido? Qual foi a causa? O que você fez para tratar? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (1 votos, média 5,00)
Loading...
Sobre Equipe MundoBoaForma

Quando o assunto é saúde, você tem que saber em quem confiar. Sua qualidade de vida e bem-estar devem ser uma prioridade para você. Por isso contamos com uma equipe profissional diversificada e altamente qualificada, composta por médicos, nutricionistas, educadores físicos. Nosso objetivo é garantir a qualidade do conteúdo que publicamos, que é também baseado nas mais confiáveis fontes de informação. Tudo isso para que você tenha confiança no MundoBoaForma e faça daqui sua fonte preferencial de consulta para assuntos relacionados à saúde, boa forma e qualidade de vida.

Deixe um comentário