SARMs – O Que é, Tipos, Para Que Serve e Efeitos Colaterais

Especialista:
atualizado em 15/07/2020

Os SARMs promete facilitar o aumento da massa muscular para fisiculturistas e prevenir a perda de massa muscular em pacientes com determinadas doenças. Mas qual será o custo disso para a sua saúde? Saiba aqui o que é o SARM e para que serve, além de entender quais são os diferentes tipos de SARMs e os seus possíveis efeitos colaterais.

Se você é fisiculturista ou tem grande interesse em aumentar os músculos, é provável que já tenha ouvido falar de SARMs, uma suposta alternativa aos produtos tradicionalmente utilizados.

Seu você tem interesse em aumentar sua massa muscular, conheça também algumas dicas fundamentais para a hipertrofia muscular.

Veja abaixo detalhes sobre os efeitos de SARMs no organismo e descubra se é seguro ou não utilizar esse tipo de anabolizante.

SARMs – O que é?

SARMs é o nome que se dá aos moduladores seletivos de receptores de andrógenos. Com origem no acrônimo em inglês Selective Androgen Receptor Modulators, os SARMs são hormônios sintéticos desenvolvidos na década de 1990 similares aos esteroides androgênicos como a testosterona, por exemplo.

Atualmente, em muitos países eles não são aprovados para uso em seres humanos, mas ainda assim é possível encontrar esse tipo de suplemento facilmente.

Em muitos países os SARMs não são aprovados para uso em seres humanos

Para que serve

Os SARMs parecem ter um potencial para prevenir a perda de massa muscular em pacientes com doenças que prejudicam os ossos e os músculos, mas o uso “off-label” desse composto é o que mais chama atenção hoje em dia.

Mesmo sendo ilegal em vários países, o SARM é muito procurado por fisiculturistas e adeptos da hipertrofia porque eles parecem ser capazes de aumentar a massa muscular sem causar os efeitos adversos indesejados da maioria dos esteroides disponíveis e aprovados para uso.

Opinião dos especialistas

Muita gente acha que por causa do baixo risco de efeitos colaterais, os SARMs são bons substitutos para os esteroides. No entanto, a FDA (Food and Drug Administration) e outros órgãos de saúde como a USADA (United States Anti-Doping Agency) discordam disso.

Segundo o pesquisador James Dalton, phD e reitor de ciências farmacêuticas da Universidade de Michigan, os estudos clínicos iniciais indicam que os SARMs promovem o desenvolvimento de massa magra e de força muscular.

De acordo com o cientista, eles são diferentes dos esteroides androgênicos tradicionais devido à sua capacidade de estimular o crescimento muscular e também o crescimento ósseo e por causar menos efeitos prostáticos nos homens e menos efeitos virilizantes nas mulheres.

Tal efeito se deve à seletividade dos SARMs que se ligam aos receptores andrógenos presentes nos músculos sem exercer nenhuma influência em outros órgãos.

Diferenças entre esteroides comuns e SARMs

As principais diferenças entre esteroides e SARMs tem a ver com o risco de efeitos colaterais. Veja abaixo algumas características desses suplementos.

– Esteroides androgênicos

Os esteroides androgênicos como a testosterona contribuem para o desenvolvimento muscular, mas podem causar uma série de efeitos desagradáveis.

Quando injetados nos músculos, os esteroides se ligam a estruturas específicas no interior das células e desencadeiam reações que aumentam a produção de proteínas. Por isso, eles são muito utilizados no tratamento de doenças em que o paciente perde massa óssea e massa muscular em excesso.

Porém, o uso prolongado desses hormônios pode causar efeitos colaterais sérios e é preciso evitar ao máximo usá-los sem orientação médica.

O uso desses esteroides por homens pode causar:

Nas mulheres, pode ocorrer uma série de efeitos androgênicos como:

  • Aumento do crescimento de pelos no corpo, incluindo a face;
  • Acne;
  • Engrossamento da voz;
  • Aumento do tamanho do clitóris.

Outros efeitos adversos mais graves que podem ocorrer por causa do uso de esteroides androgênicos são:

  • Danos no fígado;
  • Complicações cardiovasculares como coágulos sanguíneos;
  • Risco de ataque cardíaco.

– SARMs

De acordo com uma publicação de 2009 do Journal of Medicinal Chemistry, os SARMs podem ser uma classe mais segura de suplementos androgênicos.

A teoria é que os SARMs se conectam apenas aos receptores dos músculos esqueléticos e, assim, a síntese de proteína é estimulada sem causar os efeitos colaterais dos esteróides anabolizantes tradicionais.

Dalton afirma que os SARMs foram bem tolerados em ensaios clínicos feitos por sua equipe de pesquisadores, mas nenhum deles chegou a ser aprovado por um órgão regulador.

Tipos de SARMs

O tipo de SARM mais conhecido é a Ostarina, que inclusive já passou por testes clínicos de fase III – a penúltima fase de testes de um produto.

A fase III de um estudo clínico compreende grandes estudos de longo prazo envolvendo milhares de pacientes. É nessa fase que dados sobre eficácia, segurança e interações entre medicamentos são obtidos com mais detalhes para que a bula e o rótulo da substância possam ser desenvolvidos e para que o produto seja registrado e aprovado para uso comercial.

Os SARMs listados a seguir podem ser encontrados na forma de pó, de líquidos e de cápsulas e nunca devem ser injetados, pois eles não são esterilizados.

  • Ostarina MK-2866
  • Testolona RAD-140
  • Andarine S4
  • Ligandrol LGD-4033
  • Cardarine GW-50156
  • YK 11
  • S23

Efeitos colaterais

Embora os SARMs pareçam ser mais seguros do que os esteroides andrógenos tradicionais, eles não são isentos de efeitos adversos.

Segundo a FDA, os SARMs podem causar:

  • Toxicidade hepática;
  • Aumento do risco de ataque cardíaco;
  • Maior risco de sofrer um derrame.

Alguns usuários de SARMs relatam que o uso do produto pode causar perda de cabelo e efeitos adversos adicionais podem incluir:

  • Redução do colesterol do tipo HDL (colesterol bom);
  • Irritabilidade;
  • Náuseas;
  • Dor de cabeça;
  • Dor nas articulações;
  • Redução da libido.

Além disso, o órgão de saúde americano afirma que os efeitos colaterais a longo prazo ainda não são conhecidos e é preciso ter muita cautela.

Os efeitos colaterais a longo prazo da utilização dos SARMs ainda não são conhecidos

Riscos adicionais

Mesmo sem a aprovação de órgãos de saúde, muitas vezes os SARMs são vendidos como suplementos alimentares, mas são isentos de estudos de pré-comercialização. Isso pode ser um problema não só por causa da falta de estudos sobre a segurança e eficácia do produto, mas também sobre o que diz respeito à composição desses suplementos.

Conforme dados publicados em 2017 no Journal of the American Medical Association, em uma avaliação da composição química de produtos comercializados como SARMs, foi observado que apenas metade deles continha SARMs em sua fórmula e aproximadamente 60% apresentavam ingredientes diferentes dos que estavam listados no rótulo.

Além do mais, quase 10% dos suplementos testados não continham nenhum ingrediente ativo.

Trata-se de uma questão muito grave, pois além de se expor aos efeitos adversos desconhecidos associados ao uso de SARMs, você pode estar tomando um suplemento que não contém SARMs ou que contém ingredientes que não trazem nenhum tipo de benefício e que, na pior das hipóteses, ainda podem fazer mal para a sua saúde.

É possível aumentar o anabolismo e melhorar os ganhos em hipertrofia muscular de forma mais natural. Conheça algumas dicas para maximizar o anabolismo que são seguras e relativamente simples de implementar no dia a dia.

Existe um nível de adulteração muito alto em produtos comercializados como SARMs

É seguro usar SARMs?

O médico Thomas O’ Connor responsável pela Testosteronology – uma clínica especializada em saúde do homem nos EUA – afirma que muitos homens passaram a procurar os SARMs pela sua suposta segurança e por seu risco baixo de efeitos adversos.

Mas a verdade é que, segundo ele, os pacientes que usam SARMs apresentam níveis ruins de colesterol e aumento das enzimas hepáticas, que é um indicativo de aumento da pressão sobre o fígado. Além disso, muitos relatam uma redução no desejo sexual, acne, irritabilidade e perda de cabelo.

O’Connor recomenda que os SARMs não sejam usados pois eles provavelmente vão prejudicar a sua saúde.

Além disso, SARMs são substâncias que não tem aprovação da FDA nos EUA e nem da Anvisa no Brasil, o que já é um bom motivo para evitar o uso.

Os SARMs não tem aprovação do FDA nos EUA nem da ANVISA no Brasil

Assim, o mais indicado e seguro para preservar a sua saúde é aguardar novas pesquisas com mais detalhes sobre o mecanismo de ação, a eficácia e a segurança dos SARMs antes de começar a utilizar o suplemento ilegalmente e sem orientação médica.

Fontes e Fontes e Referências adicionais:
1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (5 votos, média: 4,60 de 5)
Loading...
Sobre Dr. Alexandre Seraphim

Dr. Alexandre Seraphim formou-se médico pela Universidade do Grande Rio e é pós-graduado em Nutrologia pela Associação Brasileira de Nutrologia. Possui diversos cursos na área de emagrecimento, hipertrofia e medicina ortomolecular que o qualificam ainda mais como um grande especialista da área. Atualmente, exerce sua especialidade em uma clínica localizada na Barra da Tijuca e também em Bangu, ambas no Rio de Janeiro. Para mais informações, entre em contato com ele em sua conta oficial no Instagram (@dr.alexandre.seraphim).

Deixe um comentário