Startup Americana Produz Carne de Frango e Pato Verdadeiras sem Matar Animais

Especialista:
atualizado em 30/01/2020

A startup Memphis Meats, com sede no Vale do Silício, em São Francisco, EUA, afirma que produziu as primeiras tiras de frango cultivadas em laboratório a partir das células animais.

Em tempos de carne com papelão, cabeça de porco e ácido ascórbico, a descoberta pode mudar a forma como nos relacionamos com os alimentos. A empresa promete produzir carne sem precisar alimentar, criar e matar animais.

Em 14 de março, a Memphis Meats convidou um grupo de testadores de sabor para sua cozinha para experimentar seus produtos. E de acordo com a empresa, eles disseram que o gosto é realmente de frango.

“É emocionante apresentar o primeiro frango e o primeiro pato que não exigiram a criação de animais. Este é um momento histórico para o movimento carne limpa“, disse Uma Valeti, doutora, co-fundadora e CEO da Memphis Meats, em um comunicado de imprensa.

“Nosso objetivo é produzir carne de um jeito melhor, para que seja deliciosa, acessível e sustentável. Nós realmente acreditamos que este é um significante passo à frente para a humanidade na tecnologia e uma oportunidade de negócios incrível – para transformar uma indústria global gigante enquanto se contribui para resolver alguns dos problemas mais urgentes dos tempos atuais”.

O processo é bastante complexo, mas resume-se que algumas células com potencial de reprodução são alimentadas e estimuladas nos animais. Em seguida, elas são extraídas e passam por um processo dentro de grandes tanques de aço.

Em fevereiro de 2016, a empresa informou que produziu almôndegas cultivadas em laboratório, produzidas cultivando o tecido muscular de vaca em ambiente estéril. Outras empresas também já conseguiram produzir almôndegas e hambúrgueres em laboratório, mas agora foi a primeira vez das carnes de frango e de pato, exclusividades da startup. A Memphis Meat anunciou em 15 de março que também produziu carne de pato cultivada em laboratório.

A princípio, cada libra (aproximadamente 450 gramas) de frango custa nove mil dólares para ser produzida pela empresa. Ou seja, seriam necessários aproximadamente R$ 56 mil para gerar um quilo de frango – o que, diga-se de passagem, já é metade do custo que a empresa precisou para produzir a mesma quantidade de almôndegas de carne no ano passado.

Mesmo assim, a startup já anuncia a descoberta como uma vitória e diz que espera reduzir os custos de produção nos próximos anos e começar a oferecer seus produtos ao público em 2021.

A produção de carne traz alguns malefícios para o meio ambiente. Globalmente, a pecuária tradicional é responsável por cerca de 18% das emissões de gases de efeito estufa, usa 121.000 km quadrados de terra por ano e esgota 70% da água do mundo.

A Memphis Meats diz que pode produzir carne bovina e de aves muito mais eficientemente (dentro de casa, sem matar os animais e esgotar os recursos do meio ambiente).

Você acha que esse tipo de produção de carne realmente possa vingar e funcionar no futuro próximo? Acredita que eles realmente têm o gosto da carne normal? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (2 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...
Sobre Equipe Editorial MundoBoaForma

Quando se trata de saúde, é muito importante poder contar com uma fonte confiável de informações. Afinal de contas sabemos que o sua qualidade de vida e bem-estar devem estar em primeiro lugar para você. Por isso contamos com uma equipe profissional diversificada, com redatores e editores que desenvolvem um conteúdo de qualidade, adaptando-o a uma linguagem de fácil compreensão para o público em geral, tendo por base as mais confiáveis fontes de informação. Além disso todo artigo é revisado por profissional especialista da área, para garantir que as informações são verídicas. Tudo isso para que você tenha confiança no MundoBoaForma e faça daqui sua fonte preferencial de consulta para assuntos relacionados a saúde, boa forma e qualidade de vida. Conheça mais sobre os profissionais que contribuem para a qualidade editorial do portal.

Deixe um comentário