11 maneiras de manter seu cérebro jovem

Especialista:
atualizado em 28/10/2020

Não é novidade para ninguém que conforme os anos passam, a função mental de uma pessoa não continua a mesma. Assim, a cada vela apagada em um aniversário, um adulto pode ficar mais preocupado com a possibilidade de ver a sua mente entrar em declínio.

Entretanto, ainda que seja comum, dá para evitar o problema. A Universidade de Harvard, por meio da Harvard Health Publishing, nos ensina 12 estratégias que podem ajudar a manter o cérebro jovem:

1. Estimule a sua mente

Cientistas apontaram que as atividades cerebrais estimulam novas conexões entre as células nervosas e podem inclusive auxiliar o cérebro a gerar novas células.

As atividades que podem ajudar neste sentido são aquelas que estimulam a mente como ler, fazer cursos e praticar ginástica mental, como solucionar problemas de matemática e caça-palavras, por exemplo.

Além disso, experimentar tarefas que exigem destreza manual e esforço mental como desenhar, pintar e outras artes manuais também é aconselhável.

2. Pratique exercícios físicos

Exercício

Você provavelmente já ouviu esse conselho como estratégia para cuidar do corpo, entretanto, as atividades físicas também podem fazer bem para a saúde da mente.

Fazer exercício frequentemente aumenta a quantidade de pequenos vasos sanguíneos que atuam no transporte do sangue rico em oxigênio à região do cérebro que é responsável pelo pensamento.

Além disso, acredita-se que os exercícios incentivam o desenvolvimento de novas células nervosas e aumentam as conexões entre as células cerebrais, a sinapse. Isso gera cérebros mais eficientes.

Os exercícios ainda diminuem o estresse mental, reduzem a pressão arterial, melhoram os níveis de colesterol e auxiliam a equilibrar os níveis de açúcar no sangue, por exemplo. A saber, fatores que fazem bem não somente para o cérebro como também para o coração.

3. Melhore a sua dieta

Assim como acontece os exercícios, uma alimentação saudável não é benéfica apenas para o corpo, mas também é positiva para o cérebro.

Por exemplo, quem tem uma dieta similar à dieta mediterrânea tem uma tendência menor para comprometimento cognitivo e a demência. Portanto, aproveite para conhecer os alimentos bons para o cérebro e passe a integrá-lo desde já na sua alimentação.

4. Cuide da sua pressão arterial

Ter pressão alta na meia idade aumenta os riscos de sofrer com declínio cognitivo em uma idade mais avançada. Assim sendo, a recomendação é melhorar os hábitos de estilo de vida para manter a pressão arterial em níveis saudáveis e sob controle.

Como a pressão alta é uma doença silenciosa, ou seja, que não costuma apresentar sintomas, também é fundamental manter as consultas médicas regulares para verificar como anda a pressão arterial.

5. Melhore os seus níveis de açúcar no sangue

O descontrole dos níveis de açúcar no sangue é algo característico da diabetes, doença que é um importante fator de risco para o desenvolvimento da demência.

Aparentemente, quanto pior for o controle das taxas sanguíneas de glicose, maior é o risco de ter demências como a doença de Alzheimer.

Então, para prevenir a diabetes, a orientação é seguir uma alimentação saudável, praticar exercícios com frequência, manter um peso saudável e perder os quilos a mais caso esteja acima do peso.

6. Melhore os seus níveis de colesterol

Os níveis altos de colesterol ruim ou LDL são outro fator com ligação com o aumento do risco de desenvolver demência.

Nesse sentido, intervenções como alimentação saudável, prática frequente de exercícios físicos, controle do peso e evitar fumar tabaco são importantes para melhorar os níveis de colesterol. Conheça a dieta para LDL elevado.

Entretanto, para assegurar a manutenção de um perfil saudável de colesterol também é crucial manter o exames sanguíneos e as consultas médicas regulares.

Assim, se for necessário o uso de algum remédio para melhorar o controle do colesterol, o médico fará a prescrição correta.

7. Evite fumar

Cigarro

Evitar todas as formas de tabaco é outra das orientações para manter o cérebro jovem. Uma pesquisa de 2012 associou o hábito de fumar a um declínio cognitivo mais rápido em homens.

Além disso, um estudo de revisão de 2015 apontou que os fumantes são 30% mais propensos a desenvolver a demência, ao passo que parar de fumar diminui o risco de demência ao nível dos não-fumantes.

8. Não abuse das bebidas alcoólicas

Quando uma pessoa é jovem, ela não costuma pensar nas consequências que as noites de bebedeira com os amigos poderão ter futuramente. No entanto, a ingestão excessiva de álcool também é um dos principais fatores de risco para o desenvolvimento da demência.

Isso sem contar que limitar o consumo de bebidas alcoólicas é uma das intervenções para ter uma pressão arterial saudável e manter o cérebro jovem.

9. Cuide das suas emoções e durma bem

Pessoas que sofrem com ansiedade ou depressão e que passam por privação de sono e sentem-se exaustas costumam ter pontuações ruins em testes de função cognitiva.

Se você se sente ansioso e deprimido com frequência, procure então o auxílio de um psicólogo.

10. Proteja a sua cabeça

A orientação aqui é literal e fisicamente proteger a cabeça porque as lesões de nível moderado a severo na cabeça aumentam o risco de desenvolver comprometimento cognitivo, mesmo quando não há o diagnóstico de uma concussão.

11. Construir laços sociais fortes

Por fim, ter vínculos sociais fortes tem uma relação com uma diminuição no risco do desenvolvimento de demência, a uma maior expectativa de vida e a uma diminuição na pressão arterial, que é outra maneira de manter o cérebro jovem.

Fontes e Referências Adicionais:

Você já pratica uma dessas formas de manter o cérebro jovem? Que tal começar agora então? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (1 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...
Sobre Dr. Rafael Ferreira de Moraes

Dr. Rafael Moraes é Psiquiatria - CRM 52.98866-9. Formou-se em Medicina pela Universidade do Grande Rio Professor José de Souza Herdy em 2013. Pós-graduado em Psiquiatria pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, onde atuou nos atendimentos ambulatoriais da Santa Casa de Misericórdia do Rio de Janeiro e Casa de Medicina da PUC-Rio. Atualmente, exerce sua especialidade em três municípios do estado do Rio de Janeiro: Teresópolis, Magé e Rio de Janeiro, capital. Dr. Rafael é a promessa da Psiquiatria atual, jovem, que preza pelo acolhimento ao paciente unido ao que há de mais recente nesta área em constante evolução. Para mais informações, entre em contato com ele em sua conta oficial no Instagram (@rafafmoraes)

Deixe um comentário