Chãs

4 Chás para Pedra na Vesícula – Como Fazer e Dicas

As pedras na vesícula, também conhecidas como cálculos biliares, são pequenas pedras, geralmente constituídas de colesterol, que se formam na vesícula biliar. Quando um desses cálculos fica preso em uma abertura dentro do órgão, pode haver o desencadeamento de uma dor repentina e intensa na região abdominal, que pode durar entre uma a cinco horas.

Além dessa dor, é possível experimentar sintomas como náusea, vômito, dor no ombro direito e dor entre as escápulas dos ombros quando um cálculo biliar fica preso em um canal da vesícula.

A formação dos cálculos biliares pode acontecer devido a um desequilíbrio da composição química da bile dentro da vesícula biliar. O que acontece geralmente é que os níveis de colesterol na bile ficam muito elevados e o excesso da substância forma as tais pedras na vesícula.

Mulheres, principalmente aquelas que já tiveram filhos, pessoas com sobrepeso ou obesas e indivíduos com mais de 40 anos de idade têm mais riscos de desenvolver cálculos biliares. Esse risco aumenta com o envelhecimento.

Muitas pessoas com cálculos biliares que não provocam sintomas podem não precisar tratar a condição. Entretanto, se os sintomas aparecerem futuramente, o médico poderá determinar a utilização de medicamentos para dissolver as pedras na vesícula ou a realização de uma colecistectomia, que é a cirurgia para remoção da vesícula biliar.

As informações são do Serviço Nacional de Saúde (NHS, sigla em inglês), do Reino Unido, e da Mayo Clinic, organização da área de serviços médicos e de pesquisas médico-hospitalares dos Estados Unidos.

4 chás para pedra na vesícula 

Há ainda quem diga que tomar chás para pedra na vesícula pode ajudar no tratamento. Por isso, vamos conferir algumas alternativas da bebida que já foram apontadas como úteis para a condição.

1. Chá de cardo mariano (Silybum marianum)

Acredita-se que compostos biologicamente ativos da planta podem dissolver cálculos biliares existentes, assim como prevenir a sua formação.

Uma explicação apresentada é que a silimarina, o principal ingrediente ativo do cardo mariano, melhora a liquidez da bile, que é considerada uma forma significativa para diminuir a formação de pedra na vesícula.

Entretanto, o cardo mariano não pode ser utilizado por mulheres que estejam grávidas ou na fase do aleitamento, por crianças, hipertensos e pessoas com problemas renais, úlcera ou gastrite. O chá da planta pode provocar efeitos colaterais como queimaduras nas mucosas das vias digestivas, diarreia e vômito.

As sementes da erva não devem se ingeridas em quantidades elevadas, sob o risco de aumentar a pressão arterial e causar náuseas, diarreias leves e problemas no estômago.

Como fazer chá de cardo mariano

Ingredientes: 

  • 1 colher de chá dos frutos esmagados de cardo mariano;
  • 1 xícara de água fervente.

Modo de preparo:

Colocar os frutos esmagados de cardo mariano dentro da xícara com a água fervente; Tampar, deixar descansar durante 15 minutos e coar. Servir-se imediatamente.

2. Chá verde

São necessárias mais pesquisas para comprovar sua eficácia como um dos chás para pedra na vesícula, porém, mas acredita-se que o chá verde pode a amenizar a dor na vesícular biliar e o cálculo biliar.

Uma tese é que a bebida é rica em cafeína e polifenois, que podem melhorar o fluxo da bile e diminuir as suas concentrações de colesterol, consequentemente ajudando a aliviar o problema do cálculo biliar.

Entretanto, não se deve tomar mais do que três a quatro xícaras do chá verde porque a bebida contém cafeína. Para quem tem problemas ou sensibilidade à cafeína, essa dosagem pode ser ainda menor, portanto, consulte o seu médico para saber a dosagem máxima de chá verde que é ideal para o seu organismo, em particular.

A cafeína pode provocar reações adversas, como problemas para dormir, dor de cabeça, nervosismo, vômito, diarreia, irritabilidade, batimento cardíaco irregular, tremor, azia, convulsão e zumbido no ouvido.

O chá verde pode piorar ou afetar condições como anemia, ansiedade, diabetes, diarreia, glaucoma, síndrome do intestino irritável, doença hepática e osteoporose. Converse com o seu médico a respeito do uso da bebida caso tenha qualquer uma dessas doenças.

Além disso, também vale a pena controlar a quantidade de chá verde que se consome porque ele é uma grande fonte de oxalatos, que podem provocar cálculos renais, segundo alertou a Escola Médica da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos.

De acordo com a instituição, tomar mais do que cinco xícaras de chá verde por dia ou ingerir o equivalente por meio de cápsulas de catequina pode trazer mais riscos e benefícios. Porém, quando consumido com sabedoria, o chá verde pode beneficiar a saúde cardiovascular, completou a Escola Médica de Harvard.

Mulheres que estejam grávidas ou amamentando não devem consumir uma quantidade excessiva de chá verde, não devendo ultrapassar a dose de mais de duas xícaras do chá diariamente. Uma dosagem maior do que essa já foi associada ao aumento do risco de aborto e de malformações congênitas. Além disso,  a cafeína encontrada no chá pode ser passada para o leite materno e afetar o neném.

Alguns especialistas recomendam que pessoas com idade inferior aos 18 anos não tomem o extrato de chá verde. Assim, se você está grávida, amamentando, é menor de idade ou pensa em dar a bebida para uma criança, converse com o seu médico a respeito de como o uso do chá deve ocorrer.

Como fazer chá verde 

Ingredientes: 

  • 1 colher de sobremesa de chá verde;
  • 1 xícara de água.

Modo de preparo:

Aquecer a água, porém, sem deixar ferver – para que os benefícios sejam mantidos e o chá não fique amargo é necessário que a temperatura da água não seja mais alta do que 80º C a 85º C; Colocar o chá verde em uma caneca e despejar a água quente por cima; Tampar e deixar abafar durante três minutos – orientamos não deixar em imersão por mais tempo para que o chá verde não perca as suas propriedades; Coar o chá e tomá-lo imediatamente, sem açúcar.

3. Chá de dente-de-leão (Taraxacum officinale)

O chá de dente-de-leão é indicado para a pedra na vesícula porque a bebida ajuda a combater problemas digestivos, atuando também sobre o fígado. Vale lembrar que a vesícula biliar fica abaixo do fígado e tem a função de armazenar a bile, que é uma enzima digestiva produzida pelo fígado.

As folhas de dente-de-leão ajudam a melhorar o fluxo da bile e a raiz da planta auxilia a eliminar as toxinas do fígado porque atua como um diurético natural.

Entretanto, o chá de dente-de-leão não deve ser utilizado por quem também faz uso de medicamentos diuréticos, sem que o médico libere e deve ser evitada por diabéticos.

Além disso, o dente-de-leão é contraindicado para pessoas com hipertensão descontrolada, esofagite ou hérnia de hiato e só deve ser utilizado por mulheres grávidas com autorização médica. Em excesso, o consumo da planta pode provocar azia e diarreia.

Como fazer chá de dente-de-leão 

Ingredientes:

  • 10 g de folhas secas de dente-de-leão;
  • 1 xícara de água fervente.

Modo de preparo:

Colocar as folhas secas de dente-de-leão dentro da xícara com a água fervente; Em seguida, tampar e deixar descansar durante 10 minutos; Após, servir-se imediatamente, com o chá ainda morno. 

4. Chá de alface

A bebida foi apontada como útil para aliviar os sintomas associados à pedra na vesícula. A dica é tomar a bebida antes de ir dormir para ajudar a diminuir a dor e pegar no sono mais facilmente.

Como fazer chá de alface

Ingredientes: 

  • 1 xícara de água;
  • 3 folhas de alface picadas.

Modo de preparo:

Colocar a água e as folhas de alface em uma panela; Levar ao fogo para ferver com a panela tampada; Então, desligar e deixar a bebida ficar morna, com a panela ainda tampada; Após, coar e servir-se imediatamente.

Outras dicas

O ideal é tomar um chá logo após o seu preparo (não necessariamente tomar todo o conteúdo preparado de uma vez), antes que o oxigênio do ar destrua os seus compostos ativos. Um chá costuma preservar substâncias importantes até 24 horas depois do preparo, porém, depois desse período, as perdas são consideráveis.

É necessário certificar-se ainda de que os ingredientes que você utilizar no preparo de seus chás para pedra na vesícula sejam de boa qualidade, de boa procedência, orgânicos, estejam bem limpos e higienizados e não tenham a adição de nenhuma substância ou produto que possa prejudicar a sua saúde.

Ao adquirir a sua erva, certifique-se ainda de que se trata realmente da planta que você procura, checando o seu nome científico. Isso porque algumas plantas podem ter nomes parecidos, porém, ser diferentes em suas propriedades e efeitos.

Caso experimente qualquer tipo de efeito colateral ao consumir um dos chás para pedra na vesícula, procure rapidamente a ajuda médica.

Alerta

Enfatizamos que você não deve utilizar esses ou outros chás para pedra na vesícula sem antes conversar com o médico. Isso é fundamental para saber se as bebidas realmente podem ajudar, em que dosagem e frequência podem ser ingeridas e se elas não poderão fazer mal.

Até porque até mesmo os chás podem ser contraindicados para uma série de pessoas e provocar efeitos colaterais. Além disso, é preciso perguntar ao médico se o chá para pedra na vesícula em questão não pode interagir com algum medicamento, suplemento ou outra planta medicinal que você esteja usando.

Esses cuidados são necessários para todos, principalmente para mulheres que estejam grávidas ou amamentando, crianças, idosos, adolescentes e pessoas que tenham algum tipo de doença ou condição específica de saúde

Referencias Adicionais: https://www.nhs.uk/conditions/gallstones/

Você já experimentou algum desses chás para pedra na vesícula? Teve bons resultados no alívio das dores? Seu médico receitou que tipo de tratamento? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (3 votos, média: 3,67 de 5)
Loading...
Revisão Geral pela Dra. Patrícia Leite


ARTIGOS RELACIONADOS

Deixe uma resposta

Seu email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

*