Alho é Bom para Garganta?

Especialista:
atualizado em 28/05/2020

Confira se alho é bom para garganta ou se não há evidências de que esse é um dos efeitos benéficos do consumo deste tempero tão comum.

Carnes, massas, verduras e legumes refogados, arroz, feijão, sopas e caldos são apenas alguns dos pratos em que o alho pode ser empregado como um tempero para intensificar o sabor dos alimentos. Que tal conhecer essas receitas de molho de alho light para acompanhar suas refeições, inclusive?

Não é à toa que é super comum encontrar este integrante da família da cebola na cozinha de tantas casas pelo Brasil e pelo mundo afora.

O alho, que também é um parente próximo da chalota e do alho-poró, é composto por um bolbo que apresenta entre 10 a 20 dentes e cresce em diferentes partes de todo o planeta. alho

Mas você sabia que antes de marcar presença na cozinha e no prato de tantas pessoas, o alimento era utilizado principalmente por conta de suas supostas propriedades medicinais e para a saúde? Exatamente, existem inúmeros benefícios do alho para a saúde.

Existem registros que indicam o uso do alho por grandes civilizações como os egípcios, os babilônios, os gregos, os romanos e os chineses.

Mas será que o alho é bom para garganta?

Se o ingrediente realmente era eficiente para tratar os problemas de saúde que atingiam aquelas grandes civilizações, não temos como dizer. O que podemos afirmar é que ele é muito nutritivo: uma porção de aproximadamente 30 g do alimento fornece nutrientes como a vitamina C, manganês, selênio, cálcio, cobre, potássio, ferro, fósforo, vitamina B1, vitamina B6.

Mas podemos concluir a partir daí que o alho é bom para garganta? Bem, é aconselhado utilizar o alho e a cebola na preparação de alimentos de quem está sofrendo com a dor de garganta porque os dois são compostos por uma substância conhecida pelo nome de alicina, que apresenta efeito anti-inflamatório.

No entanto, ingredientes como alho, gengibre e laranja, por exemplo, apenas amenizam os sintomas, mas não tratam a condição.

As substâncias naturais dotadas de efeito anti-inflamatório, como é o caso do alho, diminuem o inchaço que geralmente dá as caras nos processos inflamatórios, que surgem em decorrência de infecções provocadas por vírus e bactérias.

Caso a escolha for utilizar o alho para lidar com a dor de garganta por meio de um chá, é necessário tomar bastante cuidado com a temperatura da bebida, já que um chá quente pode aumentar a inflamação na garganta e, consequentemente, agravar a dor.

A questão da faringe estreptocócica

Segundo informações, dizer que o alho é bom para garganta é equivocado quando nos referimos à faringe estreptocócica, o tipo mais comum de infecção bacteriana aguda na garganta.

Essa é uma doença que precisa ser tratada com um antibiótico e que embora acredite-se que o alho apresente propriedades antibacterianas, o alimento não é indicado como estratégia de tratamento para a infecção bacteriana.

Um artigo de revisão polonês, publicado nos Annals of National Institute of Hygiene (Anais do Instituto Nacional de Higiene, tradução livre), até indicou que o alho mostrou uma atividade antibacteriana in vitro em relação a algumas bactérias estreptocócicas.

Entretanto, a publicação advertiu que não se sabe se o alho tem qualquer efeito positivo para o tratamento de uma infecção como a faringe estreptocócica e alertou que são necessárias mais pesquisas antes de fazer alguma recomendação em relação ao uso do alimento neste sentido.

Portanto, nada de abandonar o tratamento padrão indicado pelo médico para lidar com a doença para utilizar somente o ingrediente, baseando-se na ideia de que o alho é bom para a garganta.

Se não for tratada conforme as orientações médicas, a faringe estreptocócica pode resultar em complicações graves como febre reumática e um tipo de infecção nos rins associada à doença.

A orientação é procurar o médico quando apresentar sintomas como febre e garganta inflamada, principalmente se elas vierem acompanhadas de dificuldade para engolir, amígdalas vermelhas, inchadas e com pontos brancos ou erupção cutânea parecida com uma lixa vermelha.

Atenção aos cuidados recomendados

Assim como com qualquer outro remédio de ervas, cheque com o seu médico antes de utilizar o alho para qualquer condição de saúde. Obviamente, essa recomendação também vale para o uso dos suplementos à base de alho.

Se a dor de garganta não diminuir em três dias, não deixe de consultar o médico.

Ou seja, nada de ficar teimando durante dias com o alho se ele não fizer a dor de garganta passar ou se ela for embora temporariamente, porém, depois retornar. É necessário recorrer ao consultório do médico para identificar o problema que está afetando a garganta e receber o tratamento apropriado.

Possíveis efeitos colaterais, contraindicações e restrições associadas ao alho

Ao ser consumido oralmente, o alho pode provocar reações adversas como mau hálito, sensação de queimação na boca ou no estômago, azia, flatulência exagerada, náusea, vômito, odor corporal e diarreia, que podem ser piores quando o alimento é ingerido cru.

Já a aplicação de alho na pele pode resultar em danos parecidos com uma queimadura. Pode haver ainda uma irritação severa quando o ingrediente for passado cru na pele.

Embora seja provavelmente seguro para as gestantes e as mulheres que amamentam consumir o alho em quantidades como as normalmente encontradas nos alimentos, o ingrediente é possivelmente perigoso quando usado por elas em quantias medicinais.

Não se tem um número suficiente de informações confiáveis para determinar a segurança da aplicação de alho na pele das mulheres grávidas e daquelas que amamentam.

Dosagens elevadas do alimento podem não ser seguras de ser consumidas oralmente por crianças – há quem defenda que essas altas quantidades de alho podem ser perigosas ou até mesmo fatais para os pequenos.

Entretanto, não se sabe qual a razão por trás dessa preocupação porque não existem relatos disponíveis referentes a reações adversas expressivas ou mortalidade em crianças, relacionadas ao uso oral do ingrediente.

Para quem sofre com distúrbios hemorrágicos é importante saber que, especialmente em sua versão fresca, o alho pode aumentar o risco de sangramento.

Como o alimento pode diminuir os níveis de açúcar no sangue, teoricamente, ingerir o ingrediente pode causar hipoglicemia para as pessoas com diabetes, que geralmente já seguem um tratamento para controlar esses níveis.

Se você é um paciente diabético e costuma ou pensa em começar a consumir alho na forma de alimento ou suplemento, converse com o seu médico a respeito desse risco de hipoglicemia.

As pessoas que sofrem com problemas estomacais ou associados à digestão são aconselhadas a utilizar o alho com cuidado porque ele pode provocar irritação no trato gastrointestinal.

Devido à possibilidade de diminuir a pressão arterial, ao menos em teoria, o ingrediente pode fazer com que as pessoas que já possuem a pressão baixa fiquem com uma pressão reduzida demais.

Justamente porque o alimento pode interferir na pressão, além de poder prolongar o sangramento e diminuir os níveis de açúcar no sangue, o paciente precisa interromper o uso do alho pelo menos duas semanas antes da data marcada para a realização de um procedimento cirúrgico.

Fontes e Referências Adicionais:

Você já tinha ouvido falar que alho é bom para garganta? Costuma consumi-lo quando tem esse sintoma? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (2 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...
Sobre Dra. Patricia Leite

Dra. Patricia é uma das nutricionistas mais conceituadas do país, sendo uma referência profissional em sua área e autora de artigos e vídeos de grande sucesso e reconhecimento. Tem pós-graduação em Nutrição pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, é especialista em Nutrição Esportiva pela Universidad Miguel de Cervantes (España) e é também membro da International Society of Sports Nutrition. É ainda a nutricionista com mais inscritos no YouTube em português. Dra. Patricia Leite é a revisora geral de todo conteúdo desenvolvido pela equipe de redatores especializados do Mundo Boa Forma.

Deixe um comentário