Balão intragástrico

Balão Intragástrico Funciona? O Que é, Antes e Depois, Preço e Riscos

Dados do Ministério da Saúde no Brasil revelam que o excesso de peso e a obesidade aumentaram nos últimos seis anos. O percentual avançou de 42,7%, em 2006, para 48,5%, em 2011. No mesmo período, o percentual de obesos subiu de 11,4% para 15,8%.

É um fato que a obesidade é uma epidemia, que afeta não somente o Brasil como o mundo inteiro, e emagrecer se torna a meta de muitas pessoas. Um método procurado para ajudar a perder peso é o balão intragástrico. Diferente da cirurgia bariátrica, ele não é um procedimento invasivo e tem se mostrado eficaz para alguns casos.

Emagrecer com o balão intragástrico é possível, mas assim como outros procedimentos, as mudanças na alimentação e prática de atividades são necessárias para um resultado sustentável. 

Balão intragástrico – O que é?

O balão intragástrico é um procedimento realizado para ajudar o emagrecimento. É uma opção não cirúrgica que tem como público alvo pessoas que não conseguiram perder peso somente com dieta e exercícios.

O balão é colocado no estômago oralmente e estando lá reduz o espaço disponível para comida, permitindo que a pessoa se sinta satisfeita comendo menos. Além disso, o balão restringe a passagem livre de comida e água, retardando a digestão pelo estômago, trazendo uma sensação de saciedade por mais tempo.

O balão intragástrico é uma condição temporária, que possibilita uma perda de peso que varia entre 10% a 20% no período de seis meses, mas para isso acontecer os hábitos alimentares precisam mudar também.

Quem pode colocar um balão intragástrico?

Ele costuma ser recomendado para pessoas com o índice de massa corporal (IMC) a partir de 27. As pessoas obesas que precisam fazer cirurgia e correm alto risco também podem usar o balão. Nesses casos, o procedimento serve como um tratamento pré-operatório, para ajudar a reduzir problemas anestésicos, operatórios e clínicos.

As pessoas com IMC entre 30 e 35 também podem ser eletivas, desde que tenham alguma doença associada à obesidade, como hipertensão, diabetes e problemas articulares.

Como funciona?

O balão gástrico reduz o espaço no estômago disponível para comida. Um estômago médio costuma ter aproximadamente 1,5 L em volume e o balão gástrico médio ocupa quase a metade desse espaço. Isso deixa cerca de 60% do seu estômago disponível para comida.

Além disso, o balão restringe a passagem livre de comida e água, retardando a digestão pelo estômago, trazendo uma sensação de saciedade por mais tempo. O dispositivo sozinho não provoca a perda de peso por conta própria, mas ao ocupar uma grande parte do estômago, a pessoa costuma comer menos.

Como ele é colocado?

Se você vai passar pelo procedimento, uma equipe médica dará instruções específicas sobre como se preparar para o mesmo. Geralmente são solicitados exames de laboratório antes do procedimento e também são feitas restrições em relação à comida, bebida e medicamentos.

O procedimento do balão intragástrico é feito na unidade especializada, como procedimento ambulatorial. É feita uma sedação e a colocação é feita por um médico que avança um tubo fino carregado com o balão intragástrico pela garganta até o estômago. Em seguida, o médico avança um tubo flexível com uma câmera acoplada que permite que ele veja o balão enquanto o preenche com soro fisiológico.

O procedimento demora cerca de meia hora e normalmente o paciente pode ir para casa no mesmo dia.

Principais tipos

Existem três tipos de balão aprovados pela FDA. Veja com o seu cirurgião qual a melhor opção para o seu caso. 

  • Orbera: É um balão único que é preenchido com solução salina. Ele é colocado através de um procedimento em que o paciente é sedado. A partir daí, um tubo fino com o balão vazio é inserido através da garganta até o estômago. Estando lá, ele é inflado com solução salina e o tubo é removido.  O balão de Orbera permanece por 6 meses e sua remoção é feita da mesma forma. O volume de um balão de Orbera preenchido é de aproximadamente 550 ml.
  • ReShape: É um sistema de balão duplo, em vez de um único balão, e é preenchido com solução salina. Assim como o anterior, sua colocação e retirada são feitas através de um procedimento com anestesia leve, mas ao invés de um balão maior, são inseridos dois balões menores que estão ligados um ao outro. No geral, os dois balões juntos têm um volume que varia entre 750ml e 900ml.
  • Obalon: Ele é a versão mais recente aprovada e apresenta algumas diferenças em relação ao outros tipos. O Obalon contém três balões, todos com o formato de pílula que o paciente engole com um copo de água. Quando chega no estômago, o balão é inflado com gás.
    O tratamento inicia com a colocação do primeiro balão. O segundo balão será colocado depois de um mês e o terceiro depois de 2 a 3 meses no seu tratamento. O objetivo é que todos os três balões permaneçam no estômago por mais três meses, para um tempo total de tratamento de seis meses.

Rotina com o balão intragástrico

Após o balão ser colocado, ele provavelmente causará um desconforto que pode durar alguns dias ou semanas. Esse desconforto é normal, pois o corpo está se acostumando com o balão. Porém, qualquer sintoma anormal deverá ser relatado ao médico que realizou o procedimento.

Após inserção de balão intragástrico, você pode ingerir pequenas quantidades de líquido, começando cerca de seis horas após o procedimento. A dieta líquida geralmente continua até o início da segunda semana, quando os alimentos moles são liberados. A alimentação deve voltar ao normal por volta de três semanas após a inserção do balão intragástrico.

  • Semanas 1 e 2: A primeira semana após a colocação do balão costuma ser a mais significativa em relação à perda de peso. Geralmente, as pessoas não sentem fome e podem apresentar náuseas que pioram com a ingestão de alimentos. Uma estatística mostra que os homens podem perder entre 3,5 e 6,8 quilos na primeira semana e as mulheres geralmente cerca de 1,8 e 3,5 quilos. O apetite pode começar lentamente a voltar durante na segunda semana, mas você se sentirá satisfeito com uma quantidade menor de comida.
  • Semanas 3 a 6: A partir da terceira semana, o apetite pode ficar mais forte e a capacidade de tolerar mais alimentos aumentará. É importante comer devagar, escolher os alimentos adequados e prestar atenção aos sintomas de desconforto. A presença de soluços, refluxo ácido e náusea indicam que você comeu demais ou muito rapidamente.
  • Semanas 7 a 12: A perda de peso continua, mas em uma velocidade mais lenta em relação às semanas anteriores. Esse é um bom momento para comer alimentos densos ​​em nutrientes e saudáveis. Uma rotina de exercícios também deve estar presente ou ser iniciada, mas escolha algo que seja prazeroso, pois o emagrecimento só será duradouro se hábitos assim forem mantidos.
  • Semanas 12 a 26: O foco é manter a perda de peso. É importante aprender como manter, focando em uma dieta saudável e um programa de exercícios sustentáveis. A colocação do balão intragástrico costuma ser associada a um programa de qualidade com profissionais especializados como nutricionista, grupos de apoio e outros recurso. Certifique-se de aproveitar esse tempo para transformar sua dieta e exercitar mudanças em hábitos.

Antes e depois

Algumas imagens mostram o antes e depois de pacientes que se submeteram ao procedimento para colocar o balão intragástrico. Os resultados foram relevantes em todos os casos. 

Antes: 111,5 kg / Depois: 66,2 kg

Antes: 106 kg / Depois: 79,3 kg

Antes: 99 kg / Depois: 65 kg

Antes: 131 kg / Depois: 115 kg

Vantagens, riscos e contraindicação

Existem vantagens e também riscos relacionados à colocação do balão gástrico. Confira:

Vantagens:

  • O procedimento não requer cirurgia.
  • Ele costuma ser rápido e fácil de colocar e a pessoa poderá voltar para casa no mesmo dia.
  • Ele pode contribuir com a perda de peso.
  • A perda de peso pode ser duradoura se for associada a um programa de reeducação alimentar e exercício. A maioria dos pacientes perde cerca de 30% do excesso de peso corporal ou 10% a 30% do peso inicial total.
  • Reduz a fome enquanto o balão estiver no lugar. 

Riscos:

  • Vazamento ou ruptura do balão.
  • Ruptura ou sangramento no estômago e traqueia provocados durante a colocação do dispositivo.
  • Refluxo ácido é comum.
  • Náuseas e vômitos são muito comuns durante os primeiros dias.
  • Cólicas estomacais.
  • Dificuldade para dormir pode ocorrer. Isso pode estar relacionado a um desconforto ou refluxo ácido enquanto se deita.
  • A pancreatite aguda é um risco raro de um balão intragástrico cheio demais.
  • O desenvolvimento de úlceras também é um efeito colateral raro, mas possível.

Contraindicações

As seguintes contraindicações aplicam-se ao sistema de balão gástrico Obalon:

  • Anormalidades anatômicas ou distúrbios funcionais que podem inibir a deglutição ou a passagem por qualquer porção de todo o trato gastrointestinal.
  • Operações prévias que podem ter resultado em aderências intestinais, estreitamento de qualquer porção do trato digestivo ou qualquer outra condição que possa inibir a passagem por qualquer porção do trato gastrointestinal.
  • Pessoas que foram submetidas a qualquer procedimento de cirurgia bariátrica.
  • Condições inflamatórias e outras condições fisiopatológicas do trato gastrointestinal.
  • Uso crônico ou agudo de medicamentos conhecidos por serem irritantes gástricos ou de outra forma alterar função ou integridade de qualquer porção do trato gastrointestinal.
  • Infecção por helicobacter pylori não tratada.
  • Pacientes que não podem ou não querem tomar a medicação prescrita pelo inibidor da bomba de prótons durante a duração do implante do dispositivo.
  • Alergias a produtos e alimentos de origem suína.
  • Pacientes diagnosticados com bulimia, compulsão alimentar, compulsão excessos, alto consumo de calorias, líquido ou similar e distúrbios psicológicos relacionados.
  • Pacientes com história conhecida de distúrbios estruturais ou funcionais do estômago, incluindo gastroparesia, úlcera gástrica, gastrite crônica, varizes gástricas, hérnia de hiato, câncer ou qualquer outro distúrbio do estômago.
  • Pacientes que necessitam do uso de drogas antiplaquetárias ou outros agentes que afetam a coagulação normal do sangue.
  • Mulheres grávidas ou lactantes, ou mulheres com intenção de engravidar.
  • História conhecida de úlcera duodenal, diverticulite, varizes intestinais, estenose, estenose intestinal, obstrução do intestino delgado ou qualquer outro distúrbio obstrutivo do trato gastrointestinal.
  • História conhecida de síndrome do intestino irritável, enterite por radiação ou outras doenças inflamatórias intestinais, como a doença de Crohn.
  • Pacientes que tomam medicamentos em intervalos horários específicos que podem ser afetados por alterações no esvaziamento gástrico, como medicamentos anti-convulsivos ou antiarrítmicos.
  • Alcoolismo ou toxicodependência.

Preço

O preço do balão intragástrico pode sofrer muitas variações. Dependerá da região que você está localizado, despesas com a equipe médica, hospital e materiais que serão utilizados no procedimento. O preço costuma variar entre R$ 7.000,00 e R$ 13.000,00.

Os planos cobrem o balão intragástrico em pacientes com obesidade mórbida. Portanto, todos os pacientes que se encontram em um quadro de obesidade mórbida e que possuam indicação médica para colocação de balão gástrico têm o direito garantido por lei de exigir a cobertura que qualquer plano de saúde.

Conclusão

O balão intragástrico funciona e pode ajudar a emagrecer, mas não existem garantias, pois o emagrecimento está associado a mudanças de hábitos alimentares e prática de atividades físicas. As estatísticas mostram que de 100 pacientes que colocam o balão intragástrico, apenas 75 conseguem cumprir a meta mínima, que é perder 10% do peso. Entre os pacientes que atingem o emagrecimento, 47% recupera o peso após um ano da retirada do balão.

Isso reforça o conceito de que o emagrecimento só será possível através da mudança de hábitos, pois diferente da cirurgia bariátrica, o balão intragástrico é uma condição temporária que não provoca nenhuma alteração metabólica.

Referências adicionais:

Você conhece alguém que tenha botado o balão intragástrico? Como foram os resultados? Essa pessoa conseguiu manter a perda de peso no longo prazo? Você tem curiosidade de experimentar? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (3 votos, média: 4,33 de 5)
Loading...
Revisão Geral pela Dra. Patrícia Leite - (no G+)



ARTIGOS RELACIONADOS

Deixe uma resposta

Seu email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

*