Especialista da Área:

Cerveja Aumenta a Pressão Arterial? Cuidados e Dicas

Veja se é verdade que tomar cerveja aumenta a pressão arterial, quais cuidados tomar em relação ao consumo da bebida e mais dicas.

Desde a década de 1960 sabe-se da associação entre o consumo de bebidas alcoólicas e a pressão arterial. Porém, isso não impediu que os pesquisadores explorassem essa associação ainda mais.

  Continua Depois da Publicidade  

Tendo em vista que os padrões de consumo desde então mudaram, o consumo excessivo de álcool está aumentando e a hipertensão continua sendo a principal causa de doença cardiovascular, considerada a maior causa de morte em todo o mundo.

No geral, os brasileiros adoram cerveja, e isso pode ser visto através de pesquisas que mostram que esta é a bebida alcoólica mais consumida no Brasil e no mundo. Você não precisa beber excessivamente esta bebida para ser vítima dos efeitos do álcool na pressão alta, como mostrou um grande estudo publicado no Clinical Epidemiology em 2013.

Pesquisadores dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos analisaram quase 4.000 pessoas que bebem e não sofrem com hipertensão e descobriram que o álcool aumenta a pressão arterial em 1 mmHg para cada 10 gramas consumidas por dia.

Para entender como e por que a cerveja aumenta a pressão arterial, é importante entender o que é pressão alta – hipertensão. Aproveite também para ver se tomar cerveja engorda mesmo e veja uma lista dos malefícios da cerveja comprovados cientificamente.

O que é pressão alta

Em geral, pressão alta ou hipertensão é quando a pressão do sangue, que empurra as paredes de suas artérias e veias, é muito intensa. Este pode ser um efeito de curto prazo que pode desencadear problemas cardíacos subjacentes ou pode ser um problema crônico que pode acarretar outros danos à saúde em geral.

Seu coração bombeia sangue por todo o corpo para transportar nutrientes e oxigênio para os outros órgãos. A primeira pulsão do coração que empurra o sangue através dos vasos para os órgãos é a pressão sistólica, e a segunda, que ocorre quando o coração repousa entre as batidas, é a diastólica.

A hipertensão arterial pode causar insuficiência cardíaca, perda de visão, ataque cardíaco, endurecimento das artérias e aumento do risco de acidente vascular cerebral, também conhecido como AVC.

Os parâmentros de medida de pressão arterial são:

  • Normal: menos de 120 sistólica e 80 diastólica.
  • Elevada: 120-129 sistólica, menos de 80 diastólica.
  • Hipertensão estágio 1: 130:139 sistólica, 80-89 diastólica.
  • Hipertensão estágio 2: 140 ou mais sistólica, 90 ou mais diastólica.
  • Crise de hipertensão (condição médica de emergência que requer internação): maior que 180 sistólica, maior que 120 diastólica.

Histórico familiar e fatores genéticos podem aumentar o risco de hipertensão, mas problemas comportamentais e o estilo de vida também podem aumentar o risco de pressão alta.

Fatores como uma dieta não saudável, fumar, estar acima do peso, ter diabetes, ser fisicamente inativo e o uso de outras substâncias, incluindo bebidas alcoólicas, podem causar pressão alta.

  Continua Depois da Publicidade  

Como a cerveja aumenta a pressão arterial

Assim como todas as outras bebidas alcoólicas, a cerveja pode elevar temporariamente a pressão arterial, e esse efeito irá desaparecer quando você parar de beber e o seu fígado processar todo o álcool do organismo.

Com o consumo frequente de álcool, a pressão alta que ocorre como um efeito colateral se torna um problema crônico. Por conta disso, reduzir o consumo de álcool tem sido correlacionado diretamente com a redução da pressão arterial sistólica.

Isto é associado tipicamente com a vasodilatação, ou seja, o aperto dos vasos sanguíneos quando o álcool é consumido. No entanto, o álcool também é rico em açúcar e calorias, o que pode aumentar ainda mais o risco a longo prazo de pressão alta, com o aumento da gordura corporal.

O consumo de álcool também aumenta a quantidade de lipídios (gordura) que estão na corrente sanguínea. Isso pode danificar as artérias, levando ao seu endurecimento. Esse endurecimento, por sua vez, pode aumentar a pressão arterial.

Quando as artérias estão endurecidas, o risco de coágulo sanguíneos também aumentam e isso pode causar ataque cardíaco ou derrame.

Um estudo descobriu que homens com pressão alta que ocasionalmente bebem mais de seis doses de bebidas alcoólicas têm o dobro de risco de sofrer com um ataque cardíaco ou derrame. Já se consumirem 12 ou mais bebidas alcoólicas, aumenta-se em cinco vezes o risco de sofrerem um derrame.

As pessoas que bebem muita cerveja regularmente, assim como outras bebidas alcoólicas, quando se alimentam, são mais propensas a ingerir alimentos que não são saudáveis. Elas também são menos propensas a praticar exercícios físicos, já que na maior parte do tempo estão intoxicadas.

Todos esses problemas aumentam o risco de desenvolver pressão alta e estudos mostraram uma correlação mais direta entre beber excessivamente sem fazer as refeições.

Um estudo descobriu que não havia diferença no efeito cardiovascular negativo sobre a pressão arterial entre cerveja, vinho e destilados mais fortes quando as pessoas não se alimentavam.

Também é importante conhecer os possíveis fatores de risco, como genética ou problemas alimentares, que podem aumentar o risco de hipertensão quando uma pessoa bebe moderadamente em vez de excessivamente.

Aqueles que abusam do consumo de bebidas alcoólicas são menos propensos a procurar por tratamento médico para quaisquer outros sintomas que surjam. Muitos não procuram ajuda ou tratamento porque acreditam que estão bem ou não apresentam sintomas.

Entretanto, é importante saber que estar regularmente alcoolizado pode mascarar alguns dos sintomas como mau humor ou cansaço.

  Continua Depois da Publicidade  

Prevenção e tratamento da pressão alta devido ao consumo de bebidas alcoólicas

Quando as pessoas que têm pressão alta induzida pelo consumo de bebidas alcoólicas param de beber com a supervisão de um médico, elas podem sentir imediatamente os benefícios para a pressão sanguínea.

No entanto, a abstinência alcoólica é, por vezes, associada a um aumento do risco de pressão alta, que desaparece quando os sintomas de abstinência também desaparecem.

Se você tiver sido diagnosticado com hipertensão devido ao abuso de álcool, consulte o seu médico para gerenciar essa condição durante essa desintoxicação. Isso será muito importante para evitar ainda mais danos cardiovasculares.

A American Heart Association recomenda limitar a ingestão de álcool a fim de evitar a hipertensão: o ideal seria consumir não mais de uma dose por dia para as mulheres e não mais do que duas doses por dia para os homens. As diferenças de gênero afetam como o álcool é digerido, então as diretrizes para o consumo moderado e o consumo excessivo de álcool são diferentes.

Outras diretrizes para reduzir o risco de hipertensão arterial incluem:

  • Duas doses por dia para homens com menos de 65 anos de idade.
  • Uma dose por dia para homens com 65 anos de idade ou mais.
  • Uma dose por dia para mulheres de qualquer idade.

Uma dose equivale a 355 ml de cerveja, 148 ml de vinho ou 44 ml de destilados. É importante lembrar que o álcool pode interferir na eficácia e aumentar os efeitos colaterais de alguns medicamentos para pressão arterial.

Ao longo do tempo, a pressão alta pode danificar os rins e aumentar o risco de demência devido a danos vasculares no cérebro. Outros danos causados pelo abuso do álcool podem aumentar o risco de câncer, insuficiência hepática, danos aos pulmões e danos ao estômago.

É importante obter ajuda para se desintoxicar, com segurança, do abuso do álcool e encontrar um programa de reabilitação. Se você sofre de hipertensão crônica por abusar do álcool, fale com um médico para administrar com segurança os efeitos colaterais dessa condição e que irá te ajudar a manter o foco na recuperação, se mantendo saudável.

Como diminuir o risco de pressão alta devido ao consumo de álcool

A boa notícia é que os efeitos do álcool na pressão alta são considerados “rapidamente reversíveis”. Mesmo no caso das pessoas alcoólatras, para os que apresentaram pressão arterial superior a 160/90 mmHg, os valores de pressão alta se normalizaram quando pararam de beber.

Se você é um homem hipertenso que atualmente consome mais de duas doses por dia, ou uma mulher que consome mais de uma, tente abster-se por completo nas próximas semanas e irá observar a queda da sua pressão arterial.

Você pode ter menos necessidade de tomar os remédios para hipertensão se abster-se por completo ou reduzir o seu consumo de álcool.

Como você pode ver, a cerveja aumenta a pressão arterial, bem como as outras bebidas alcoólicas. Por isso, tente manter o seu consumo nos padrões indicados e mencionados acima para evitar problemas de hipertensão.

Vídeos:

Gostou das dicas?

Fontes e Referências Adicionais:

Você já imaginava que a cerveja aumenta a pressão arterial? Consome com frequência essa bebida? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (2 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...
Sobre Dra. Patricia Leite

Dra. Patricia é uma das nutricionistas mais conceituadas do país, sendo muito solicitada para palestras, consultoria a empresas e atendimento personalizado para atletas, pessoas com condições especiais de saúde e pessoas que desejam melhorar a forma física de forma saudável. É a nutricionista com mais inscritos no YouTube em português. Tem pós-graduação em Nutrição pela Universidade Federal do Rio de Janeiro e é especialista em Nutrição Esportiva pela Universidad Miguel de Cervantes (España). É também membro da International Society of Sports Nutrition. Dra. Patricia Leite é a revisora geral de todo conteúdo desenvolvido pela equipe de redatores especializados do Mundo Boa Forma. Dra. Patricia Leite é uma referência profissional em sua área e autora de artigos e vídeos de grande sucesso e reconhecimento.

  Continua Depois da Publicidade  

Deixe um comentário