Comer Muita Pimenta Faz Mal?

Especialista:
atualizado em 20/12/2019

Além de darem um sabor mais picante a preparações culinárias, as pimentas estão associadas a benefícios como o fornecimento de vitamina C ao organismo, ação antimicrobiana, efeito anti-inflamatório, melhoria da digestão e até mesmo a aceleração do metabolismo, que auxilia o emagrecimento devido ao fato de melhorar a eficiência do processo de queima de calorias e gorduras.

Outras vantagens como a ação anticancerígena, o combate aos radicais livres, que causam doenças e envelhecimento precoce, por meio do efeito antioxidante, a proteção ao estômago, o auxílio à saúde do coração e a proteção aos dentes e gengivas também já foram atribuídas às pimentas. Veja aqui os 10 maiores benefícios da pimenta para saúde e forma física.

  Continua Depois da Publicidade  

Entretanto, apesar de todos os lados positivos da pimenta, isso não quer dizer que o alimento possa ser consumido de maneira exagerada.

Comer muita pimenta faz mal?

Você provavelmente já deve ter ouvido falar daquela afirmação que diz que tudo em excesso faz mal. E isso também cabe em relação ao consumo da pimenta.

O consumo de quantias excessivas de pimenta, principalmente no formato de molhos, pode causar problemas como queimaduras, aparecimento de bolhas na boca ou na língua, náusea, vômito e alteração na respiração.

Uma prova de que comer muita pimenta faz mal foi noticiada pelo site Live Science. A publicação contou que em um concurso realizado em Edimburgo na Escócia no ano de 2011 para ver quem seria capaz de comer a maior quantidade de um curry extra picante, participantes experimentaram sintomas como vômito, desmaio, suadeiras, além de terem ficado ofegantes. Vale lembrar que o curry leva pimentas em sua receita.

Conforme informou a mesma página, a ingestão exagerada de comidas apimentadas também pode resultar em azia.

O que você sentir ao comer muita pimenta?

Comer muita pimenta faz mal em especial para quem não está acostumado ao seu consumo. Veremos agora de forma objetiva os efeitos mais comuns deste excesso. Estes podem acontecer com qualquer pessoa que exagera, mas como dissemos, é mais comum em pessoas que não comem pimenta com frequência.

  • Azia: A sensação de queimação no estômago pode ser sentida pouco tempo depois de acabar a refeição. Seu estômago não está acostumado com essa quantidade de pimenta. Essa sensação pode chegar ao esôfago na forma de refluxo gástrico.
  • Indigestão: A grande quantidade de pimenta certamente pode provocar indigestão e mal estar. Sua digestão pode ficar mais lenta e você pode vir a ter dor de barriga.
  • Queimação retal: Após passar pelo estômago e intestino, alguns componentes da pimenta podem chegar até o reto. Isso pode provocar uma queimação na hora de expelir as fezes. No entanto, depois a sensação passa. Com o consumo frequente da pimenta, isso não deve ser mais sentido.
  • Erupção cutânea: Mesmo que você esteja acostumado a comer muita pimenta, deve tomar cuidado com o contato com a pele e olhos. Você pode ter queimaduras na pele e grande irritação nos olhos se acontecer o contato de uma pimenta forte e em quantidade.

Estudo com pimenta malagueta

De acordo com o professor de horticultura da Universidade do Estado do Novo México, nos Estados Unidos, Paul Bosland, comer muita pimenta faz mal e pode inclusive levar ao óbito.

O professor apresentou uma pesquisa realizada nos anos 80 que identificou que a ingestão de aproximadamente 1,3 kg de pimenta malagueta em pó é suficiente para matar uma pessoa com peso pouco maior que 60 kg.

  Continua Depois da Publicidade  

Obviamente é pouco provável que alguém coma tudo isso de pimenta malagueta, não é mesmo? Ainda assim é preciso saber que mesmo o consumo bem mais moderado que o de 1,3 kg pode trazer alguns efeitos colaterais.

A pimenta malagueta pode causar diarreia, náusea e problemas gastrointestinais em decorrência de seu uso interno (oral). Um extrato da pimenta, conhecido pelo nome de oleorosin capsicum, utilizado em sprays de pimenta pode causar dor, inflamação, inchaço e vermelhidão se usado em grandes quantidades.

A inflamação causada pela pimenta é perigosa pois pode tornar-se crônica e causar a morte de células no organismo.

Já a aplicação externa pode trazer vermelhidão, alergia, irritação e queimaduras, que costumam desaparecer depois das primeiras aplicações. Entretanto, se esses efeitos do uso externo não desaparecerem, a orientação é interromper a aplicação. Antes de começar a usar a malagueta para fins medicinais, é fundamental consultar o médico para saber se o procedimento é realmente necessário e/ou indicado.

A capsaicina 

Além de ser o ingrediente ativo da malagueta, a capsaicina também é encontrada na pimenta caiena, causa inflamações no tecido do corpo humano de maneira que a mucosa do organismo ou dos intestinos possa ser danificada em grande escala.

A substância também pode causar um crescimento dos ácidos encontrados no estômago. Portanto, quem já sofre com o excesso de acidez no estômago deve evitar as pimentas com capsaicina. É preciso ter bastante cuidado para não permitir que essas pimentas caiam nos olhos – a consequência disso é a irritação dos olhos e a danificação das córneas.

A capsaicina ainda pode interferir com uma série de medicamentos como aspirina, teofilina (remédio para asma), medicamentos para diluir o sangue e inibidores de ACE (remédio utilizado para tratar hipertensão e insuficiência cardíaca congestiva).

Ainda é possível desenvolver alergia ao ingrediente ativo da pimenta malagueta.

  Continua Depois da Publicidade  

Estudos com Pimenta-do-reino 

A nutricionista Katia Terumi explicou que a ingestão frequente e excessiva da pimenta-do-reino pode causar irritação nas mucosas que revestem órgãos como o estômago e o intestino.

Ao ser consumida em excesso, este tipo de pimenta também pode resultar em sensação de queimação no estômago, problemas respiratórios ao ser inalado, aumentar a secura da pele.

A página ainda informou que, ao ser ingerido durante o verão, o ingrediente pode levar ao sangramento no nariz. A pimenta-do-reino também deve ficar longe dos olhos e pele, sob o risco de causar vermelhidão e irritação.

A pimenta ainda pode interagir com medicamentos como ciclosporina (utilizado em doenças autoimunes ou para evitar a rejeição de órgãos), remédios colinérgicos (usados para tratar problemas relacionados à fraqueza muscular) e digoxina (utilizado em casos de insuficiência cardíaca congestiva).

Katia Terumi também afirmou que pessoas que sofrem com gastrite, úlcera ou diverticulite devem evitar o consumo da pimenta. Mulheres grávidas e que estejam em processo de amamentação de seus bebês também devem manter-se longe da pimenta-do-reino.

Entretanto, em pequenas quantidades não espera-se que a pimenta do reino cause grandes problemas.

Recomendações quanto ao consumo da pimenta

A forma mais saudável de ingerir o alimento é em sua forma fresca, o que garante que seus nutrientes sejam preservados. Molhos, conservas, geleias e pimentas desidratadas, por exemplo, podem sofrer perda de nutrientes, principalmente de vitaminas.

Ainda que não exista uma quantidade específica recomendada de consumo diário do alimento, a orientação é não exagerar de forma tão repetida. Se você comer muita pimenta todos os dias, é possível que alguns efeitos maléficos sentidos sejam causados por esse consumo.

Além disso, como vimos acima, algumas pimentas podem interagir com medicamentos. Assim, ao receber a prescrição de um remédio, questione seu médico para saber se há a contraindicação do uso de pimentas enquanto utilizar o medicamento em questão.

Você imaginava que o consumo em excesso de pimenta faz mal? Já passou maus bocados por ter a ingerido em excesso? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (20 votos, média: 4,50 de 5)
Loading...
Sobre Dra. Patricia Leite

Dra. Patricia é Nutricionista - CRN-RJ 0510146-5. Ela é uma das mais conceituadas profissionais do país, sendo uma referência profissional em sua área e autora de artigos e vídeos de grande sucesso e reconhecimento. Tem pós-graduação em Nutrição pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, é especialista em Nutrição Esportiva pela Universidad Miguel de Cervantes (España) e é também membro da International Society of Sports Nutrition. É ainda a nutricionista com mais inscritos no YouTube em português. Dra. Patricia Leite é a revisora geral de todo conteúdo desenvolvido pela equipe de redatores especializados do Mundo Boa Forma.

  Continua Depois da Publicidade  

Deixe um comentário

25 comentários em “Comer Muita Pimenta Faz Mal?”

  1. A pimenta que consumo é a malagueta da mais picante.Meu consumo é diario no máximo duas colheres de sopa em forma de molho. É um ritual de anos e me sinto muito bem com esse fruto delicioso que me acompanha a vida toda.sou daquelas que aos 54 anos não tomo nenhuma espécie de medicamentos e equilibro de peso equilibrado graças a esta delícia. Peso 61 kg.