Médico com paciente homem

Deficiência de Testosterona – Sintomas, Causas e Tratamento

A prevalência da síndrome de deficiência de testosterona é bastante elevada e mais frequente do que se possa imaginar. Os baixos níveis de testosterona no organismo podem estar associados a diversos fatores como ambientais, genéticos, psicológicos, fisiológicos, gerando sintomas que podem impactar a qualidade vida dos pacientes.

Vamos entender o que acontece com a deficiência de testosterona, saber mais sobre os sintomas e as causas do problema, além de conhecer o tratamento disponível para os pacientes.

O que é a testosterona?

A testosterona é um hormônio presente tanto no homem quanto na mulher, mas que está em maior quantidade no organismo masculino. Este é o principal hormônio masculino e é também um esteroide anabolizante, sintetizado em várias etapas a partir do colesterol e, posteriormente, convertido no fígado para metabólitos inativos. A testosterona exerce sua ação através da sua ligação e da sua ativação do receptor dos andrógenos.

Nos homens, este hormônio desempenha um papel muito importante no desenvolvimento dos tecidos reprodutores, incluindo os testículos e a próstata. Além disso, ele atua de forma a desenvolver as características relacionadas à estrutura física, entre elas o aumento da massa muscular, a formação dos ossos e também o crescimento dos pelos corporais.

A testosterona, nos homens, tem níveis que variam entre 260 e 990 ng/dL, enquanto nas mulheres é encontrado em níveis que variam entre 10 e 60 ng/dL. A testosterona é liberada pelos testículos no homem e pelos ovários nas mulheres, atuando em diversos processos no organismo e dando inúmeras características físicas.

Em média, o homem adulto possui cerca de 7 a 8 vezes mais testosterona do que a mulher adulta, além de possuírem uma produção cerca de 20 vezes maior do que nos homens.

A testosterona é muito importante para o organismo, atuando no bem-estar e na saúde do corpo, auxiliando em diversos processos e evitando inúmeros problemas de saúde. Quando o corpo não produz quantidades suficientes deste hormônio, podem acontecer alguns problemas e sintomas. Este hormônio é, inclusive, utilizado para o tratamento de doenças como o hipogonadismo masculino e alguns tipos de câncer de mama.

O que é a deficiência de testosterona e como ela ocorre?

Um problema que pode ser comum tanto em homens quanto em mulheres é a deficiência de testosterona, que pode estar associada a fatores como obesidade, hábitos sedentários, hábitos ruins de alimentação, uso abusivo de álcool, tabagismo, uso de alguns tipos de medicamentos e, de forma mais comum, a idade, que contribui para a redução natural deste hormônio no organismo, com uma queda gradativa a partir dos 30 anos de idade.

Outras causas podem estar associadas a uma lesão, infecção ou perda dos testículos, tratamentos agressivos como a quimioterapia ou radioterapia, algumas anormalidades genéticas como a síndrome de Klinefelter (que é caracterizada pelo cromossomo X extra), doenças como a hemocromatose (que é caracterizada pelo excesso de fero no organismo), alguma disfunção na glândula pituitária, as doenças inflamatórias como a sarcoidose, a insuficiência renal, a cirrose hepática, entre muitas outras causas.

Veja, a seguir, alguns dos principais sintomas da deficiência de testosterona no organismo:

  • Cansaço e desânimo frequentes;
  • Baixa energia durante as atividades;
  • Aumento do estresse e também dos níveis do hormônio cortisol;
  • Redução do desejo sexual;
  • Baixa libido e baixa fertilidade em homens e mulheres;
  • Redução da força física e do desempenho em atividades físicas;
  • Maior resistência à insulina com risco de desenvolvimento de diabetes;
  • Perda de massa óssea e maior risco de desenvolvimento de osteoporose;
  • Redução do tempo e maior dificuldade de ereção;
  • Redução do prazer e da capacidade de ereção durante o ato sexual;
  • Aumento da ansiedade e presença de sintomas de depressão como tristeza e perda de motivação.

O diagnóstico efetivo do problema é feito através de um exame de sangue para verificar os níveis de testosterona no organismo, que é o exame de testosterona total. Em caso da presença de algum destes sintomas, é importante que se busque a orientação de um médico para verificação das reais causas e também para que se indique o melhor tratamento para o problema.

Qual o tratamento para resolver a deficiência de testosterona?

Algumas pequenas mudanças nos hábitos de vida do paciente podem contribuir bastante para o aumento dos níveis de testosterona no organismo. Para casos mais leves, estas mudanças podem impactar de forma bastante positiva, contribuindo para a redução dos sintomas.

No entanto, quando a deficiência de testosterona é muito acentuada, o tratamento com reposição hormonal é o mais indicado, devendo sempre ser acompanhado por um médico responsável.

Veja, a seguir, algumas dicas para aumentar os níveis de testosterona no organismo:

1. Consuma alimentos que aumentam o nível da testosterona

Alguns alimentos podem auxiliar no aumento dos níveis naturais deste hormônio. Inclua alimentos como frutas, verduras, legumes, além de carnes magras como as carnes bovina e de frango. Os alimentos que contêm zinco em sua composição também podem auxiliar no aumento da testosterona, tais como as ostras, o feijão, as castanhas e as sementes de girassol.

Os alimentos ricos em vitamina A também são ótimos. Inclua na alimentação frutas como a manga, verduras como o espinafre e alguns tipos de óleo de peixe.

2. Pratique uma atividade física de força

A prática de exercícios de força como a musculação pode contribuir para o aumento natural deste hormônio. Crie o hábito de realizar pelo menos 30 minutos de atividade física por dia utilizando halteres, elásticos ou barras. Este tipo de exercício ajuda bastante no aumento da testosterona, além de contribuir para a redução da gordura corporal.

3. Durma bem

A quantidade de sono diária é fundamental para aumentar a produção da testosterona no organismo. Recomenda-se um mínimo de 8 horas de sono por noite, mas a partir de 5 horas de descanso, o organismo já passa a produzir mais este hormônio, reduzindo também os níveis do hormônio cortisol, que está relacionado ao estresse e que pode contribuir para um quadro de deficiência de testosterona.

4. Reposição hormonal

Quando os níveis de testosterona estão muito baixos, poderá ser recomendada a terapia de reposição hormonal, a não ser em casos em que o paciente tenha câncer de próstata ou de mama.

Todos os homens podem passar por este tipo de tratamento desde que seja feito corretamente e com a orientação de um médico, pois podem acontecer alguns efeitos colaterais. Entre os possíveis efeitos adversos desta terapia estão o aumento da oleosidade na pele, acne, retenção de líquidos, estimulação do tecido da próstata, fluxo de urina aumentado, agravamento da apneia do sono, redução do tamanho testicular, entre outros.

Conclusão

A testosterona é um hormônio presente tanto no homem quanto na mulher, mas que está em maior quantidade no organismo masculino. Nos homens, este hormônio desempenha um papel muito importante no desenvolvimento dos tecidos reprodutores, incluindo os testículos e a próstata. Além disso, ele atua de forma a desenvolver as características relacionadas à estrutura física, entre elas o aumento da massa muscular, a formação dos ossos e também o crescimento dos pelos corporais.

A deficiência de testosterona pode gerar muitos sintomas que podem aumentar o risco de doenças como a osteoporose e a diabetes, além de trazer diversos transtornos à qualidade de vida dos pacientes.

Vídeos:

Gostou das dicas?

Referências adicionais:

Você já percebeu algum dos sintomas de deficiência de testosterona no organismo? Seu médico recomendou algum tipo de tratamento? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (2 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...
Revisão Geral pela Dra. Patrícia Leite - (no G+)


ARTIGOS RELACIONADOS

Deixe uma resposta

Seu email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

*