Exame de Cintilografia Renal – O Que é, Para Que Serve, Indicações e Preparo

Especialista:
atualizado em 04/08/2020

Um exame de cintilografia renal é um teste de imagem feito nos rins que traz informações importantes sobre a saúde desse órgão. Veja em mais detalhes o que é, para que serve, indicações e preparo para o exame.

A cintilografia é um exame de imagem bem detalhado que não é feito apenas nos rins. Veja também o que é um exame de cintilografia da tireoide e um exame de cintilografia óssea.

O rim é um órgão muito importante para filtrar o sangue e remover as toxinas presentes nele. Se você está preocupado com a saúde renal ou se o médico solicitou um exame de cintilografia renal para você, vale a pena conferir alguns chás para os rins que podem ajudar o órgão a funcionar melhor.

Exame de cintilografia renal – O que é

A cintilografia renal é um exame em que pequenas quantidades de substâncias radioativas são administradas ao paciente para que a radiação seja identificada por um dispositivo, gerando uma imagem detalhada da anatomia e função dos rins.

Trata-se de um exame de imagem muito completo que permite saber exatamente como os rins estão funcionando.

Para que a imagem dos rins seja obtida, é preciso injetar um composto que emite uma pequena quantidade de radioatividade. Tal composto irá interagir com os tecidos e criar uma espécie de contraste que é detectada por uma câmera especial que detecta raios gama emitidos por elementos radioativos e, em seguida, a imagem é transmitida para o computador.

Em uma cintilografia renal estática, o paciente é colocado em uma máquina de ressonância magnética onde deve permanecer imóvel para que a imagem seja obtida.

O composto usado nesse exame geralmente é o DMSA (ácido dimercaptosuccínico). A cintilografia renal com DMSA só é eficaz se o ácido for marcado com um elemento radioativo como o tecnécio 99 metaestável. Dessa forma, o composto radioativo é capaz de se concentrar nas estruturas renais, dando uma visão detalhada sobre a função do órgão.

Para que serve

Além de servir para avaliar a função renal e para identificar lesões no órgão ou quadros de insuficiência renal, o exame de cintilografia renal também pode ser uma ferramenta muito útil antes e depois de um transplante de rim.

As imagens obtidas também podem ajudar na identificação de anormalidades estruturais e funcionais nos rins.

Indicações

A cintilografia renal é indicada quando o médico precisa avaliar:

  • O fluxo sanguíneo renal total;
  • A morfologia renal geral;
  • A distribuição do parênquima funcional.

Em resumo, suspeitas de mau funcionamento dos rins que não são diagnosticadas por um exame de sangue ou por um exame de imagem mais simples devem ser analisadas por meio de uma cintilografia.

Preparo

O preparo pode variar dependendo do objetivo do exame, mas geralmente nenhum preparo especial é necessário.

Não é preciso mudar a dieta e nem se submeter a nenhuma anestesia, já que o exame é indolor.

Antes do exame, o médico deve avisar se você deve beber uma quantidade específica de água ou se o melhor é ir até a clínica com a bexiga vazia. Essa orientação varia de acordo com o objetivo do exame.

Será preciso tirar acessórios ou peças de roupas com metais que possam prejudicar os resultados do exame. São eles joias, brincos, dentaduras, acessórios de metal como cintos ou outras peças de roupa.

Também é importante informar ao seu médico se você faz uso de qualquer medicamento prescrito, pois alguns podem interferir nos resultados da cintilografia renal. É o caso de medicamentos como:

  • Diuréticos;
  • Inibidores da ECA;
  • Anti-inflamatórios não esteroides;
  • Vitaminas ou suplementos;
  • Betabloqueadores.

Você também deve dizer se fez outro exame com material radioativo nos últimos dias porque podem existir resíduos no seu corpo que ainda não foram eliminados e que podem afetar o resultado e a interpretação do exame.

Como é feita a cintilografia renal

Depois desse preparo inicial, o exame pode ser conduzido. O primeiro passo é tomar um contraste contendo um composto radioativo que geralmente é administrado através de uma injeção intravenosa.

Existem basicamente quatro tipos de imagens que podem ser obtidas por meio do exame. São elas:

  • Cintilografia cortical renal: usada para detectar a quantidade de tecido cortical renal em funcionamento por meio de várias imagens que devem ser tiradas de 20 a 30 minutos depois da injeção do contraste;
  • Perfusão renal: avalia o fluxo sanguíneo para os rins e identifica se há estreitamento nas artérias renais. As imagens tiradas de 20 a 30 minutos depois da injeção também ajudam a verificar o desempenho dos rins;
  • Cintilografia renal diurética: um diurético é administrado para avaliar como a urina é processada pelos rins, o que ajuda a identificar bloqueios renais ou obstruções no fluxo de urina;
  • Cintilografia renal com inibidor de ECA: ajuda a determinar se a pressão alta de um paciente tem a ver com o estreitamento de artérias renais. É preciso que o paciente tome um inibidor de ECA (remédio para a pressão arterial) para que as imagens antes e depois de tomar o medicamento sejam comparadas.

A digitalização da imagem pode demorar de 30 minutos a 2 horas.

Interpretação do exame

Os resultados anormais de uma cintilografia renal podem revelar problemas nos rins como:

  • Doença renal;
  • Hipertensão renovascular;
  • Abscessos;
  • Redução no fluxo sanguíneo para os rins;
  • Inflamação nos rins por causa de uma infecção;
  • Presença de cistos ou tumores;
  • Problemas relacionados ao transplante de rim;
  • Bloqueio das artérias renais devido a lesão ou trauma;
  • Bloqueio que restringe o fluxo de urina dos rins até a bexiga;
  • Insuficiência renal aguda ou insuficiência renal crônica.

Por se tratar de um exame de imagem, não existem referências de valores normais pois o resultado do exame depende da interpretação de um profissional especializado.

Um exame de cintilografia renal não é capaz de perceber a diferença entre um cisto e um tumor. Assim, se houver suspeita de cistos ou tumores, será preciso se submeter a exames adicionais para ter um diagnóstico mais preciso, como por exemplo uma biópsia renal.

Confira sintomas importantes da insuficiência renal e, caso se identifique, veja também como adotar uma dieta adequada para insuficiência renal.

Possíveis riscos

Apesar de a dose usada ser bastante baixa, o elemento radioativo utilizado como contraste pode causar alguns efeitos colaterais.

Após a injeção, é possível que sua pele fique levemente dolorida e avermelhada, mas esse efeito é temporário.

Reações alérgicas à substância radioativa podem acontecer, mas elas são muito raras e quando ocorrem são bem leves.

Os riscos envolvidos em uma cintilografia renal são mínimos quando comparados com os benefícios que o exame pode trazer. As informações obtidas por meio da cintilografia são preciosas e podem ser exatamente o que você precisa para diagnosticar o seu problema de saúde e iniciar o tratamento adequado o mais rápido possível.

Fontes e Referências adicionais:

Você já fez alguma vez um exame de cintilografia renal? Qual foi a interpretação do médico? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (2 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...
Sobre Equipe Editorial MundoBoaForma

Quando se trata de saúde, é muito importante poder contar com uma fonte confiável de informações. Afinal de contas sabemos que o sua qualidade de vida e bem-estar devem estar em primeiro lugar para você. Por isso contamos com uma equipe profissional diversificada, com redatores e editores que desenvolvem um conteúdo de qualidade, adaptando-o a uma linguagem de fácil compreensão para o público em geral, tendo por base as mais confiáveis fontes de informação. Depois disso todo artigo é revisado por profissional especialista da área, para garantir que as informações são verídicas, e só então ele é publicado no site. Tudo isso para que você tenha confiança no MundoBoaForma e faça daqui sua fonte preferencial de consulta para assuntos relacionados a saúde, boa forma e qualidade de vida. Conheça mais sobre os profissionais que contribuem para a qualidade editorial do portal.

Deixe um comentário