Grávida Pode Comer Caranguejo? Siri?

Especialista:
atualizado em 19/05/2020

Confira se uma mulher grávida pode comer caranguejo e siri ou se as carnes desses animais devem ser evitadas na dieta da gestante.

Uma gestação é um momento especial, apreciado e aguardado na vida de muitas mulheres. Entretanto, ao mesmo tempo, uma gestação é um período de muitas mudanças na vida da futura mamãe – o que inclui alterações na sua dieta.

Uma mulher que espera um neném certamente precisará deixar de lado alguns alimentos e bebidas que amava por serem alimentos perigosos para grávidas e terá que passar a consumir esses alimentos essenciais para grávidas.

Mas será que a grávida pode comer caranguejo e siri?

Antes de tudo, aproveitamos para lembrar que a partir do momento em que descobre a sua gestação, uma mulher precisa contar com o acompanhamento do médico e do nutricionista para saber todos os alimentos permitidos e os que devem ser evitados na gestação.

Ou seja, são os profissionais que devem ter a palavra final e determinar se uma grávida pode comer caranguejo ou siri, por exemplo. Aproveitamos para explicar que caranguejo e siri são basicamente a mesma coisa: todo siri é um caranguejo, já que siri é um nome popular designado a uma das famílias de caranguejos.

Tenha em mente que este artigo serve unicamente para informar e jamais pode substituir as recomendações profissionais e qualificadas do médico e do nutricionista.

Dito isso, é importante saber que, conforme informações da Mayo Clinic, organização da área de serviços médicos e pesquisas médico-hospitalares dos Estados Unidos, uma gestante não pode consumir frutos do mar crus para evitar a contaminação por bactérias e vírus perigosos.

No mesmo sentido, os peixes e frutos do mar insuficientemente cozidos apresentam maiores chances de conter bactérias e parasitas perigosos. Consumir esses alimentos nesse estado pode resultar no desenvolvimento de doenças provocadas por alimentos como listeriose, toxoplasmose e salmonela.

A Mayo Clinic alertou que, durante a gravidez, a mulher tem um risco maior de sofrer com intoxicação alimentar por bactérias, condição que pode trazer reações mais severas para uma gestante do que para uma pessoa que não está grávida.

A gestação modifica o sistema imunológico da mulher, fazendo com que o seu organismo tenha mais dificuldade para combater os micro-organismos oriundos de alimentos que provocam as doenças previamente mencionadas.

Mas não é somente isso: o sistema imunológico do neném ainda está se desenvolvendo e não se encontra avançado o suficiente para dar conta de cuidar de si mesmo; portanto, a ingestão de frutos do mar crus ou insuficientemente cozidos pode resultar em malformações congênitas ou aborto.

Segundo informações, uma mulher grávida pode comer caranguejo porque recomendações do Food and Drug Administration (Administração de Medicamentos e Alimentos, tradução livre, FDA, sigla em inglês) e da Environmental Protection Agency (Agência de Proteção Ambiental, tradução livre, EPA, sigla em inglês), ambas dos Estados Unidos, apontam que o alimento é uma das melhores escolhas de frutos do mar para se consumir durante uma gestação.

Tanto que aconselha-se que uma mulher grávida substitua um sushi preparado à base de peixe cru por aqueles que são feitos com caranguejo cozido, por exemplo. Aproveite para ver se grávida pode comer peixe cru e entenda melhor essa polêmica.

Por outro lado, a equipe do Medical News Today também salientou que uma mulher gestante não pode comer caranguejo cru porque isso aumenta os riscos de que elas sofram com uma intoxicação alimentar.

O Serviço Nacional de Saúde (NHS, sigla em inglês) é outra organização de saúde que recomenda que a mulher grávida não consuma caranguejo e outros mariscos crus para diminuir os riscos de que ela sofra com uma intoxicação alimentar, que pode ser particularmente indesejável ao longo de uma gestação.

Em outras palavras, na hora em que for comer caranguejo ou siri, é fundamental que a gestante realmente se certifique que o alimento foi bem cozido e que ele não está acompanhado de outros frutos do mar, peixes, carnes ou ingredientes crus.

A questão do mercúrio

A carne de caranguejo é composta por uma pequena quantidade de mercúrio e por este motivo deve ser consumida moderadamente pelas gestantes.

É importante que a grávida tome cuidado com a presença de mercúrio na composição dos alimentos que consome (a substância costuma estar presente em peixes e frutos do mar, por exemplo) porque a ingestão de muito mercúrio pode causar danos ao sistema nervoso do bebê que se encontra em desenvolvimento.

Além disso, a ingestão frequente de alimentos contaminados com mercúrios e outros metais pesados como cobre, chumbo, arsênio e cádmio pode sobrecarregar o trabalho do fígado e atrapalhar o funcionamento equilibrado do organismo.

Em particular, o acúmulo de mercúrio no corpo já foi associado a problemas como alterações no sistema nervoso central como delírios, alucinações, pensamentos suicidas, baixa na imunidade e alterações renais. O consumo exagerado também pode estar associado ao desenvolvimento de algumas doenças degenerativas.

A Associação Americana da Gravidez informa que o caranguejo que apresenta menor teor de mercúrio é o caranguejo-real, enquanto as variedades caranguejo das neves, caranguejo-azul e sapateira-do-pacífico são compostas por uma quantidade mais elevada da substância.

A questão do sódio

Assim como acontece com qualquer pessoa, uma gestante precisa controlar a ingestão de alimentos ricos em sódio porque o excesso do mineral é perigoso para a saúde do organismo.

A Escola de Saúde Pública da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos alertou que consumir sódio demais pode provocar problemas como retenção de líquidos, endurecimento dos vasos sanguíneos, hipertensão arterial, ataque cardíaco, acidente vascular cerebral (AVC) e insuficiência cardíaca.

De acordo com o Centro Médico da Universidade de Maryland, nos Estados Unidos, os adultos saudáveis não devem consumir mais do que 2,3 mil mg de sódio diariamente, indivíduos com pressão arterial alta não devem ingerir mais do que 1,5 mil mg do mineral a cada dia e quem tem insuficiência cardíaca congestiva, cirrose do fígado e doença renal podem precisa consumir quantias muito menores do que essas.

Já a Associação Americana do Coração recomenda que os adultos limitem a sua ingestão de sódio para 1,5 mil mg do nutriente por dia.

Segundo a Academia Nacional de Medicina dos Estados Unidos, o consumo adequado de sódio durante uma gestação também é de 1,5 mil mg por dia.

Para você ter uma noção, uma xícara de caranguejo cozido em lascas e pedaços pode apresentar 708 mg de sódio, ao mesmo tempo que uma xícara de caranguejo enlatado pode carregar 450 mg de sódio.

De qualquer forma, com base nisso, temos mais um motivo para que a grávida consuma o caranguejo ou siri com moderação, principalmente se ele vir acompanhado de temperos, ingredientes ou outros alimentos ricos em sódio.

Mais orientações a respeito do consumo de caranguejo na gravidez

Também por conta do fato de serem mais suscetíveis a infecções por bactérias em alimentos contaminados, é aconselhável que as gestantes evitem a carne de caranguejo congelada, se possível.

Outro cuidado fundamental na hora de servir mariscos e crustáceos como o caranguejo para uma grávida é o de se certificar de que a validade e o armazenamento desses alimentos seja adequado, tendo em vista que a deterioração dessas comidas é muito rápida.

Quando for a um restaurante em que não puder verificar ou assegurar a boa procedência, armazenamento, validade ou preparo desses alimentos, o mais seguro mesmo é escolher outro prato.

Se você está grávida, converse com o seu médico a respeito da quantidade e frequência máxima e do tipo de caranguejo que você pode consumir ao longo da sua gestação.

Fontes e Referências Adicionais:

Você já tinha ouvido falar que grávida pode comer caranguejo? Teve vontade de comer alguma receita durante a gestação? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (2 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...
Sobre Equipe Editorial MundoBoaForma

Quando se trata de saúde, é muito importante poder contar com uma fonte confiável de informações. Afinal de contas sabemos que o sua qualidade de vida e bem-estar devem estar em primeiro lugar para você. Por isso contamos com uma equipe profissional diversificada, com redatores e editores que desenvolvem um conteúdo de qualidade, adaptando-o a uma linguagem de fácil compreensão para o público em geral, tendo por base as mais confiáveis fontes de informação. Além disso todo artigo é revisado por profissional especialista da área, para garantir que as informações são verídicas. Tudo isso para que você tenha confiança no MundoBoaForma e faça daqui sua fonte preferencial de consulta para assuntos relacionados a saúde, boa forma e qualidade de vida. Conheça mais sobre os profissionais que contribuem para a qualidade editorial do portal.

Deixe um comentário