Grávida comendo doce

Mães Viciadas em Doces Podem Dar à Luz Filhos com Alergias, Diz Estudo

As mulheres que consomem muitos alimentos e bebidas açucaradas durante a gravidez podem estar aumentando o risco de desenvolverem alergia ou asma alérgica de seus filhos, de acordo com um estudo publicado esta semana no European Respiratory Journal.

Os pesquisadores analisaram as alergias que produzem sintomas respiratórios e cutâneos, incluindo ácaros, gatos e capim. A “asma alérgica” causa problemas respiratórios, como sibilância e tosse, na presença de alérgenos comuns, como poeira.

Pesquisadores da Universidade Queen Mary, de Londres, usaram dados coletados de cerca de 9 mil pares de mães e filhos no Avon Longitudinal Study of Parents and Children, um projeto de pesquisa em andamento que rastreia a saúde das famílias com crianças nascidas entre 1º de abril de 1991 e 31 de dezembro de 1992.

De acordo com a Organização Mundial de Saúde, 235 milhões de pessoas têm asma, que é uma doença comum entre as crianças. Espera-se que esse número aumente para 400 milhões até 2025. A Academia Americana de Alergia, Asma e Imunologia relata que, em todo o mundo, a sensibilidade a um ou mais alérgenos entre crianças está chegando a 40% ou 50%, e 10,6% das crianças relataram alergias respiratórias nos 12 meses anteriores em 2012.

“A dramática ‘epidemia’ de asma e alergias no Ocidente nos últimos 50 anos ainda é amplamente inexplicada – um potencial culpado é a mudança na dieta”, disse Annabelle Bedard, autora principal e pós-doutora no Queen Mary’s Center for Primary Care and Public Health Blizard Institute. “A ingestão de açúcares livres e xarope de milho, que contém frutose concentrada, aumentou substancialmente durante este período”.

Os “açúcares livres” incluem aqueles que estão naturalmente presentes em mel, xaropes e sucos de frutas não adoçados – embora não em vegetais e frutas inteiras – e aqueles que são adicionados aos alimentos e bebidas pelo fabricante, cozinheiro ou consumidor.

“Nós sabemos que o período pré-natal pode ser crucial para determinar o risco de asma e alergias na infância e os ensaios recentes confirmaram que a dieta materna na gravidez é importante”, escreveu Bedard.

Para investigar uma potencial relação entre a dieta da mãe e as alergias de uma criança, Bedard e seus colegas calcularam a quantidade de açúcares consumidos pelas mulheres durante a gravidez com base em estimativas auto-relatadas em questionários.

Em seguida, a equipe analisou o consumo de açúcar das mães comparado com as alergias e asma diagnosticadas nas crianças com início nos 7 anos de idade.

Quase 62% das crianças não apresentaram nenhuma condição alérgica, mas as demais crianças tiveram uma ou mais doenças ou sintomas. Cerca de 22% das crianças tinham uma alergia comum, 16% tinham eczema, 12% tinham asma, 11% tinham chiado no peito e 9% tinham rinite alérgica, descobriram os pesquisadores.

Em seguida, os pesquisadores compararam os filhos das mães que menos comeram açúcar durante a gravidez – menos de 34 gramas, ou 7 colheres de chá por dia – com os filhos das mães que mais comiam – entre 82 e 345 gramas, ou 16 e 69 colheres de chá, por dia.

Os filhos de mulheres com maior consumo de açúcar durante a gravidez tiveram um risco 38% maior de diagnóstico de alergia, calcularam os pesquisadores. Os filhos das mães neste grupo tiveram um risco 73% maior de ser diagnosticados com alergia a dois ou mais alérgenos, e o risco de asma alérgica aumentou 101% para os filhos de mães no grupo de alto consumo de açúcar, o que significa que o risco de desenvolver asma alérgica foi o dobro dos filhos nascidos de mulheres do grupo com baixo teor de açúcar.

Apenas algumas fracas evidências ligaram o consumo de açúcar durante a gravidez à asma crônica, dizem os pesquisadores. E não havia relação entre uma mãe comendo doces durante a gravidez e eczema ou rinite alérgia.

Bedard e Seif Shaheen, pesquisador sênior do estudo e professor da Queen Mary, enfatizaram que a pesquisa é simplesmente observacional e, portanto, não conclui que as mães que comem açúcar durante a gravidez causam alergias em seus filhos. “Da mesma forma, não podemos descartar a possibilidade de que as principais descobertas surgiram por acaso”, disse Bedard.

Com resultados tão fortes, porém, a equipe continua a examinar a questão e a tentar replicar as descobertas entre outros dois grupos de crianças, explicou Bedard.

Sheena Cruickshank, palestrante em imunologia na Universidade de Manchester e representante da British Society for Immunology, disse que não está claro nos resultados do estudo quão forte é o efeito.

“Mais estudos serão necessários para descobrir se há alguma causalidade neste relacionamento”, disse Cruickshank, que não estava envolvida na pesquisa. “As doenças atópicas, como alergia e asma, são complexas e associadas a muitos efeitos genéticos e ambientais, incluindo os micróbios e os poluentes aos quais estamos expostos”.

As bactérias são comumente encontradas dentro dos tratos digestivos de todos os seres humanos. Cruickshank observa que é bem sabido que este conteúdo bacteriano “é influenciado pela forma como um bebê é concebido, o tipo de leite que o bebê é alimentado, bem como sua dieta à medida que envelhecem”.

“Estudos futuros devem procurar levar em consideração essas variáveis para que possamos entender o relacionamento completo entre a dieta materna durante a gravidez e a doença alérgica na prole”, disse Cruickshank.

O Dr. Shannon M. Clark, professor associado da University of Texas Medical Branch-Galveston, disse que o grande número de participantes foi uma força do estudo. No entanto, os pesquisadores não examinaram a ingestão de açúcar de cada mãe até depois de 32 semanas de gravidez.

“Como resultado, o impacto da exposição no início da gravidez não pode ser avaliado”, disse Clark, que não estava envolvido na pesquisa. “Como com qualquer estudo deste projeto, pesquisas adicionais seriam ideais”.

As diretrizes de nutrição da Organização Mundial de Saúde e do Departamento de Agricultura dos EUA recomendam que todos limitem o açúcar em suas dietas.

Clark observou que as mulheres grávidas precisam comer dietas saudáveis para reduzir o risco de desenvolver diabetes gestacional, uma forma de diabetes que ocorre na gravidez e que é mais comum entre as mães obesas e com excesso de peso.

“Comer quantidades excessivas de açúcar na gravidez pode colocar a mãe em risco de desenvolver diabetes gestacional”, disse ela. “A diabetes gestacional aumenta o risco de ter um bebê acima do peso, parto por cesariana e pré-eclâmpsia”. E os bebês nascidos de mulheres com diabetes gestacional podem ter problemas com a respiração, baixos níveis de glicose e icterícia.

Para as gestantes, Bedard disse que seria “prudente” seguir diretrizes nutricionais gerais prevenindo a ingestão de produtos açucarados – “seja ou não que mostremos que uma alta ingestão de açúcar na gravidez cause alergia nos filhos”.

Você consumiu muitos doces durante a gravidez? Tem dificuldades de largá-los? Seus filhos possuem muitas alergias? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (2 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...
Revisão Geral pela Dra. Patrícia Leite


ARTIGOS RELACIONADOS

Deixe uma resposta

Seu email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

*