Óleo de mamona – Benefícios e como usar!

Especialista:
atualizado em 16/10/2020

O óleo de mamona pode fazer maravilhas para a sua pele, seu cabelo e sua saúde. Confira aqui os benefícios e como usar esse óleo.

As sementes da planta Ricinus communis dão origem ao óleo de mamona. O óleo de mamona ou óleo de rícino é usado há milhares de anos para fins industriais, medicinais e cosméticos.

Vários dos benefícios do óleo de mamona se devem ao seu rico conteúdo de ácidos graxos como o ácido oleico, o ácido linoleico, o ácido ricinoleico, o ácido linolênico, o ácido esteárico e o ácido palmítico além de enzimas, proteínas, sais minerais e vitamina E.

De fato, essa rica composição de nutrientes é responsável pelos benefícios do óleo de rícino para a pele. Aliás, não é à toa que o óleo de mamona é uma das principais escolhas quando se pensa sobre produtos naturais para cuidados de beleza.

Além disso, o óleo de mamona pode ajudar pessoas que sofrem com constipação intestinal.

Benefícios do óleo de mamona

planta-mamona

Entenda mais sobre os benefícios e propriedades do óleo de mamona para a sua saúde logo abaixo.

1. Tem efeito anti-inflamatório

O óleo de mamona tem propriedades anti-inflamatórias que ajudam a diminuir a inflamação e a dor. De fato, o uso tópico pode aliviar até mesmo sintomas intensos de pessoas com doenças como a artrite reumatoide ou a psoríase.

Conforme dados de um estudo publicado em 2015 no International Journal of Pharmaceutics, um gel contendo ácido ricinoleico pode diminuir a dor e a inflamação de forma significativa quando aplicado sobre a pele.

Tal efeito anti-inflamatório é capaz de reduzir a inflamação em casos de artrite reumatoide. Além disso, o óleo de rícino alivia a irritação e a secura da pele de pessoas com psoríase.  

2. Faz bem para a pele

O ácido ricinoleico do óleo de mamona é um hidratante poderoso para a pele. Ele apresenta efeito umectante, que retém a umidade da pele, mantendo-a hidratada por mais tempo. Aliás, esse é um dos motivos para o óleo de rícino estar presente em diversos produtos para a pele.

Seu poder de hidratação também ajuda a renovar a pele e reduzir as olheiras. Por outro lado, suas propriedades anti-inflamatórias dão suporte à pele no tratamento de acne. 

3. Estimula o crescimento do cabelo e fortalece unhas

O óleo de mamona hidrata e nutre também o couro cabeludo e as unhas, deixando cabelos e unhas mais fortes e saudáveis. Ele também ajuda a melhorar a circulação sanguínea.

O fluxo sanguíneo adequado é muito importante para que os nutrientes cheguem até os folículos pilosos e o cabelo cresça.

Principalmente quem sofre com os cabelos secos ou danificados pode se beneficiar do uso do óleo de rícino como hidratante natural. Além de hidratar, o óleo de mamona deixa os cabelos mais brilhantes e fortes, reduzindo assim a queda e quebra dos fios. 

Por fim, o óleo também pode ajudar no tratamento da caspa causada pela dermatite seborreica.

Veja também outras opções de óleos vegetais para o cabelo e como usar.

4. Ajuda no combate a infecções 

A ação bactericida e fungicida do óleo de mamona auxilia no tratamento e prevenção de doenças causadas por bactérias e fungos.

No caso dos fungos, o óleo de mamona tem potencial para combater a Candida. Segundo um estudo conduzido em laboratório, o óleo de mamona pode eliminar fungos do tipo Candida albicans das raízes dentárias humanas.

Por fim, vale ressaltar que esse fungo pode causar diversos problemas de saúde bucal como o crescimento excessivo de placas além de infecções na gengiva e no canal radicular.

5. Pode ajudar no tratamento da acne

O óleo de mamona é capaz de diminuir alguns sintomas da acne como a inflamação e a vermelhidão na pele.

O poder bactericida do óleo também contribui para a redução da acne, já que muitas vezes são bactérias como a Staphylococcus aureus que causam a inflamação e obstrução dos poros.

De acordo com uma pesquisa publicada em 2016 na revista BMC Complementary Medicine and Therapies, o extrato de óleo de mamona apresentou um poder antibacteriano significativo contra vários tipos de bactérias em ensaios em laboratório.

Por fim, seu poder hidratante é capaz de hidratar e acalmar a pele com tendência à irritação e à acne.

6. Alivia a cólica e a constipação intestinal

O efeito laxante do óleo de mamona pode ajudar em casos de constipação intestinal. Ele age estimulando os movimentos dos músculos intestinais e para observar esse efeito, é preciso que o óleo seja ingerido pela boca.

De acordo com um estudo de 2012 da revista Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America, logo após o consumo, o óleo de mamona se decompõe em ácido ricinoleico.

Em seguida, ele é absorvido pelo intestino e causa o efeito laxante que alivia a constipação. Aliás, esse mesmo efeito alivia as cólicas intestinais.

No entanto, mulheres grávidas também devem ser cautelosas e evitar o uso oral de óleo de rícino, pois eles podem causar contrações uterinas e induzir o trabalho de parto antes da hora.

Se você sofre com a prisão de ventre, aproveite para conferir quais são os melhores laxantes naturais

7. Auxilia na cicatrização de feridas

Além de ajudar na cicatrização, o óleo de mamona reduz o acúmulo de células mortas na pele e estimula o crescimento de novas células epiteliais.

Uma pesquisa do Journal of Wound, Ostomy and Continence Nursing de 2005 mostrou que pomadas contendo óleo de mamona promovem uma cicatrização mais rápida de úlceras ou escaras de pressão.

Como usar

óleo-de-mamona-no-cabelo

A depender do seu objetivo, a forma de usar o óleo de mamona pode variar. Confira como usar esse óleo da maneira certa.

Na pele:

Para aliviar dores associadas à artrite, reduzir inflamações, hidratar ou auxiliar na cicatrização de feridas, o óleo de mamona pode ser usado topicamente.

Nesse caso, use uma pequena quantidade do óleo e espalhe o produto sobre a pele até duas vezes ao dia. 

No cabelo:

Aplique o óleo de mamona no couro cabeludo depois de uma lavagem simples com shampoo. Para melhores resultados, é importante deixar o óleo agir por pelo menos duas horas. Logo após esse tempo, lave bem o cabelo para remover o excesso do óleo.

Você pode repetir o tratamento até três vezes por semana.

Uso oral:

A dose oral de óleo de mamona varia de acordo com o objetivo do uso. A dose mais comum é de 15 mL de óleo de mamona (equivalente a 3 colheres de chá) para aliviar a constipação. Quem toma essa dose geralmente observa a evacuação após 2 ou 3 horas.

Aliás, antes de procedimentos como colonoscopia ou cirurgia na região do intestino, a equipe médica pode indicar o óleo de mamona para limpar o local. Nesses casos, a dose pode variar de 15 a 60 mL.

Embora o óleo de mamona seja seguro, é sempre bom conversar com um médico e não exagerar na dose. A saber, altas doses do óleo podem provocar: náusea, vômito, cólicas abdominais e diarreia.

Esclarecimento sobre efeitos adversos

A ricina, uma enzima da semente de mamona, é extremamente tóxica. No entanto, o processo de extração do óleo de mamona garante que a ricina e outros resíduos sejam removidos. Ou seja, o óleo de mamona de fontes confiáveis é seguro.

O óleo pode induzir o aborto ou o trabalho de parto, dependendo da fase da gravidez. Portanto, o melhor a fazer é evitar o uso do óleo de mamona se você estiver grávida ou tentando engravidar. 

O uso oral e exagerado de óleo de rícino pode causar diarreia, desidratação e mal estar.

Por fim, algumas pessoas podem ter uma reação alérgica na pele ao usar o óleo de mamona. Por isso, é importante fazer um teste em uma pequena região antes de espalhar o produto por toda a extensão da pele. 

Com moderação, o óleo de mamona é um ótimo aliado para fins estéticos ou para auxiliar no tratamento de condições inflamatórias e infecciosas.

Fontes e Referências Adicionais

Você já usou o óleo de mamona na sua pele para a beleza ou para fins medicinais? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (2 votos, média: 4,50 de 5)
Loading...
Sobre Dra. Helena Reich

Dra. Helena Reich Camasmie é médica dermatologista, formada pela Universidade Federal Fluminense (UFF). Residências em Dermatologia e Hansenologia pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO). Atualmente, cursando mestrado na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Professora do curso de pós-graduação em dermatologia da Policlínica Geral do Rio de Janeiro (PGRJ), possui título de especialista em Dermatologia e é membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia. Conta com 5 capítulos publicados em renomados livros da área de dermatologia e 8 artigos publicados nos últimos 5 anos em revistas indexadas. Atua nas áreas de dermatologia clínica, cirúrgica e estética. Para mais informações, entre em contato com ela no seu Instagram (@helenadermato).

Deixe um comentário