Risco de trombose por anticoncepcional: o que você deve saber

Especialista da área:
atualizado em 13/07/2022

Não é novidade que o uso de pílulas anticoncepcionais aumentam o risco de trombose, dependendo do tipo da pílula e do tempo de utilização.

Pílulas anticoncepcionais, frequentemente, começam a ser prescritas na adolescência, às vezes como método contraceptivo e, em outros casos, como tratamento para problemas no sistema reprodutivo feminino, tal qual dismenorreia (cólica intensa), endometriose, síndrome do ovário policístico (SOP), terapia de reposição hormonal e até como tratamento para acne.

  Continua Depois da Publicidade  

Elas são constituídas por hormônios sintéticos que combinam progesterona e estrogênio (anticoncepcionais combinados), ou é utilizada na sua composição apenas a progesterona. Estudos afirmam que o uso de anticoncepcionais combinados apresentam maior risco para a trombose.

A relação entre os anticoncepcionais hormonais e a trombose é conhecida desde a liberação desses contraceptivos na década de 60. O risco de trombose é de 3 a 5 vezes maior em pessoas que tomam contraceptivos hormonais, comparado às pessoas que não fazem uso deles, e é maior nos primeiros 12 meses do seu uso.

Atualmente, sabe-se que o estrogênio usado nos anticoncepcionais está associado a alterações em diversas proteínas envolvidas na coagulação, favorecendo a formação da trombose. Em menor grau, a progestina, um composto sintético derivado da progesterona, também têm efeitos na coagulação.

No entanto, outros fatores de risco devem ser considerados para avaliar um perigo real de trombose, como a dose de estrogênio presente no contraceptivo, o tipo de progestina utilizada, presença de trombofilia, histórico familiar de trombose e a idade.

O que é a trombose?

Gestante no avião
Além do anticoncepcional, o risco de trombose está relacionado a diversos outros fatores, como viagens longas e gravidez, por exemplo

A trombose é considerada uma doença multifatorial, ou seja, dependente de muitos fatores (genéticos e ambientais) para ocorrer. Ela acontece quando a circulação sanguínea é interrompida por um coágulo. 

  Continua Depois da Publicidade  

Apesar de raros, a formação de coágulos é um problema de saúde grave e apresentar uma trombose nas pernas, pulmões ou cérebro é, geralmente, um caso de emergência. 

Outros fatores além do uso de anticoncepcionais podem desencadear os coágulos, como:

  • Viagens longas com duração maior do que 6 horas
  • Imobilidade devido a uma hospitalização, paralisia ou recuperação de uma fratura
  • Obesidade
  • Tabagismo
  • Gravidez
  • Quimioterapia
  • Inflamação
  • Trombofilias hereditárias ou adquiridas
  • Outros tipos de medicamentos que alteram a coagulação, como a talidomida.

Sintomas da trombose

Procure um médico se estiver apresentando esses sintomas:

  • Falta de ar repentina
  • Dor recorrente nas pernas
  • Dor forte no peito
  • Inchaço na perna ou no braço
  • Dormência ou fraqueza repentina em um lado do corpo.

O que fazer?

Consulta com ginecologista
Vale a pena expor ao médico a sua preocupação sobre o risco de trombose por anticoncepcional

Para evitar a ameaça de trombose devido ao anticoncepcional, você pode optar por contraceptivos com taxas menores de hormônios, as chamadas minipílulas, indicadas para puérperas, lactantes e mulheres que já passaram por um episódio de trombose.

Você também pode escolher entre outros métodos não hormonais, como contraceptivos de barreira (preservativos e diafragma uterino) e o DIU. Esses são os métodos considerados mais seguros para mulheres com histórico de trombose ou que tenham uma doença de trombofilia conhecida.

Remédios anticoagulantes também podem ser indicados pelo médico se ele detectar algum risco de trombose de modo a impedir a formação dos coágulos. Os mais utilizados são o rivaroxabana e a varfarina.

  Continua Depois da Publicidade  

Tipos de anticoncepcionais

As cartelas de pílulas combinadas variam entre 21 ou 22 comprimidos e podem se dividir em monofásicas, bifásicas ou trifásicas:

  • Monofásicas possuem a mesma dosagem hormonal em todos os comprimidos da cartela
  • Bifásicas contêm dois tipos de dosagem hormonal
  • Trifásicas variam a cartela em três dosagens hormonais

As dosagens variam de 30 a 50 mg. Para você se adaptar a esse método contraceptivo, é recomendado começar pelas cartelas de baixa dosagem.

Já as minipílulas, que contém apenas progesterona, são encontradas em cartelas com 28 a 35 comprimidos, contendo a mesma composição e dose para toda a cartela. Alguns exemplos são:

  • Desogestrel
  • Noretisterona
  • Linestrenol
  • Levonorgestrel.

Recomendamos que procure uma orientação médica para que seja prescrito o método contraceptivo mais adequado para a sua saúde.

Fontes e referências adicionais

Você já teve trombose? O problema tinha relação com os anticoncepcionais? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (1 votos, média 5,00)
Loading...
Sobre Equipe MundoBoaForma

Quando o assunto é saúde, você tem que saber em quem confiar. Sua qualidade de vida e bem-estar devem ser uma prioridade para você. Por isso contamos com uma equipe profissional diversificada e altamente qualificada, composta por médicos, nutricionistas e profissionais de educação física. Nosso objetivo é garantir a qualidade do conteúdo que publicamos, que é também baseado nas mais confiáveis fontes de informação. Tudo isso para que você tenha confiança no MundoBoaForma e faça daqui sua fonte preferencial de consulta para assuntos relacionados à saúde, boa forma e qualidade de vida.

Deixe um comentário