12 Sintomas de Gravidez Que Ninguém Sabe

Especialista:
atualizado em 04/02/2020

Antes de confirmar que está esperando um bebê, é comum que uma mulher comece a perceber certos sintomas comumente associados à gestação. No entanto, existem outros sintomas de gravidez que ninguém sabe e que você poderá conhecer a partir de agora.

Alguns dos sintomas que se manifestam mais frequentemente quando uma mulher está sob essa condição são náuseas, sensibilidade no seio e micção frequente.

Entretanto, há sinais menos óbvios que também merecem atenção e que podem estar associados à gestação.

Aproveite e confira como deve ser a alimentação nos primeiros meses de gravidez e veja como trocar de anticoncepcional sem risco de engravidar, caso ter um bebê não seja seu desejo por enquanto.

Neste compilado, você irá conhecer os 12 sintomas de gravidez que ninguém sabe e entender como eles se manifestam no seu corpo. Saiba mais:

Sintomas de gravidez que ninguém sabe

A gestação é um período que pode ser experimentado de formas distintas por cada mulher.

Enquanto algumas ficam mais sensíveis às alterações físicas e hormonais, outras mal reconhecem os sintomas. Dentre eles, os mais peculiares sintomas de gravidez que ninguém sabe são:

1. Aumento da temperatura corporal

Durante a ovulação, as mulheres mais atentas às alterações físicas que se manifestam conseguem perceber que a temperatura corporal se torna ligeiramente elevada. Essa condição permanece assim até o próximo período menstrual.

Após o período de ovulação, a temperatura do seu corpo pode apresentar uma sutil elevação, que oscila entre 0,3 a 0,5 ºC acima do normal. Essa é uma resposta hormonal do organismo feminino que pode se manifestar no segundo ou terceiro dia após o período de ovulação, permanecendo até chegar ao seu próximo período menstrual.

No entanto, quando essa temperatura corporal basal, como é conhecida, se mantém elevada por um maior de período de tempo – por duas semanas ou mais – pode ser um indicativo de gravidez.

Muitas mulheres se valem da temperatura corporal basal como método contraceptivo. O seu rastreamento é uma opção sem custo e sem efeitos colaterais. Além disso, é comum que certas pessoas optem por essa modalidade contraceptiva por motivos religiosos.

2. Falsa menstruação

Estima-se que cerca de 40% de mulheres gestantes passem por pequenos sangramentos no início da gravidez. Esse fenômeno é comumente associado à menstruação, o que faz com que muitas mulheres descartem a possibilidade de estarem grávidas.

Esse sangramento pode ocorrer em decorrência do óvulo fertilizado ser ligado ao revestimento do útero.

Em termos técnicos, tal fenômeno é conhecido como sangramento de implantação do óvulo ou do embrião e, comumente, ocorre duas semanas, em média, após a concepção.

No entanto, sangramentos vaginais durante o início da gestação podem estar associados a outros fatores, como cervicite – também conhecida como irritação cervical, que consiste na inflamação do cérvix, uma parte de útero ligada à vagina que, quando ocorre, pode provocar sangramento, corrimento vaginal ou até mesmo dor ao urinar.

Gravidez ectópica – quando feto se forma fora do útero – e ameaça de aborto são outras possíveis causas de sangramento vaginal durante a gestação.

3. Gengivite

A inflamação das gengivas é algo que costuma acometer diversas mulheres grávidas.

A gengivite pode se manifestar em qualquer pessoa com pré-disposição ao fenômeno. No entanto, gestantes têm mais chances de apresentarem a doença devido às alterações hormonais que passam, e por isso este é um dos sintomas de gravidez que ninguém sabem mesmo.

Em decorrência dessas alterações hormonais, aumenta-se o fluxo sanguíneo no tecido gengival, tornando-o mais sensível, irritado, inchado e suscetível à inflamação.

Além disso, essa mudança hormonal à qual a mulher está exposta durante a gravidez impede a defesa natural do organismo à bactéria que causa infecções periodontais. Dessa maneira, gestantes podem ter mais chances de desenvolverem placas bacterianas nos dentes e gengivites.

Quando a doença não é tratada adequadamente, ela pode evoluir a um quadro mais sério chamado periodontite. Essa doença, por sua vez, durante a gestação, pode ser um fator de risco para partos prematuros.

4. Sono e cansaço

O cansaço se manifesta em praticamente todas as pessoas, sobretudo aquelas com rotinas cansativas e afazeres exaustivos. Devido à regularidade que esse sintoma acomete as pessoas, muitas vezes acreditamos se tratar de algo corriqueiro.

No entanto, mulheres grávidas tendem a se sentir muito mais cansadas do que o normal, devido à demanda que a formação do feto exige ao organismo.

Sentir-se demasiadamente cansada e dormir mais do que o normal podem ser indicativos de possível gestação.

Essa realidade é mais presente nas primeiras 12 semanas, época em que as mulheres passam pela maior fase de cansaço e sono. Após esse período, a rotina de sono tende a se normalizar.

5. Corrimento vaginal

O corrimento vaginal é um sintoma que se manifesta desde o princípio da gestação. Chamado de leucorreia, ele possui textura leve, aspecto leitoso e cor branca ou levemente amarelada. Embora não se trate de um sintoma exclusivo das grávidas, associado a outros sintomas, ele pode ser um indicativo de gestação.

Também conhecido como corrimento vaginal fisiológico, ele é composto por células mortas da vagina, secreção de muco e bactérias da flora vaginal. Isso ocorre porque sua produção é estimulada pelo estrogênio, hormônio que está sendo especialmente estimulado durante a gestação.

Em linhas gerais, mulheres grávidas costumam produzir, diariamente, um volume que pode variar entre 1 a 4 ml de corrimento.

Embora possa ser desconfortável para muitas mulheres, esse líquido produzido pelo organismo tem uma função bastante importante: proteger a vagina, mantendo-a limpa a lubrificada, tornando o ambiente impróprio para proliferação de fungos, doenças e inflamações.

6. Inchaço e gases

Embora nas primeiras semanas de gestação o feto tenha tamanho de uma lentilha, é comum que as mulheres percebam que certas roupas não servem, principalmente as mais justas e apertadas.

Isso não quer dizer que você está, logo nos primeiros dias, engordando, necessariamente. A explicação que se dá a isso é relacionada à produção de progesterona, um hormônio cuja produção é mais intensa durante a gestação.

A função desse hormônio é manter o revestimento do útero de forma saudável para a mãe e para o bebê, e fazer com os que músculos lisos – presentes nas paredes de órgãos ocos, como o útero, vasos sanguíneos e bexiga, por exemplo – se mantenham relaxados.

Isso faz com que o seu sistema digestivo fique mais lento e a produção de gases aumente, inchando a região abdominal. Para diminuir essa condição, ingerir água constantemente e comer alimentos ricos em fibra pode ser uma boa opção.

7. Aumento de transpiração

A alteração hormonal e o aumento do fluxo sanguíneo são alguns fatores que levam gestantes a suarem mais do que o normal. Esses fatores fazem com que os vasos sanguíneos sejam dilatados, o que também promove o aumento da temperatura corporal.

Diante desse fator térmico, a mulher sentirá mais calor e uma forma de externar isso é transpirando mais do que o normal, um dos sintomas de gravidez que ninguém sabe.

Além disso, mulheres grávidas podem passar por quadros de suor noturno, acordando pela manhã com uma alta concentração de transpiração, até mesmo molhando a roupa.

O aumento natural da temperatura periférica da pele durante a gravidez interfere no mecanismo que o corpo dispõe para diminuir a temperatura corporal central durante o sono, diminuindo sua performance. Consequentemente, o suor noturno tende a aumentar.

8. Sensibilidade nos seios

É comum ouvirmos mulheres relatarem que um dos primeiros sintomas oriundos da gravidez a se manifestar é a sensibilidade nos seios, de forma que eles podem ficar inchados e doloridos.

Isso ocorre, novamente, devido à oscilação dos níveis hormonais, sobretudo de progesterona e estrogênio, o que prejudica o tecido mamário, podendo, inclusive, estar mais pesado do que o habitual.

Além disso, a aréola, região ao redor do mamilo, pode escurecer devido a esse mesmo fator.

Como se trata de um dos principais indicativos de gravidez, em termos de sintomas, se você está com sensibilidade mamária frequentemente, a gestação pode ser uma das respostas.

9. Dor de cabeça

A cefaleia, comumente conhecida como dor de cabeça, é um quadro de atinge milhões de pessoas no mundo, homens, mulheres, crianças, jovens e idosos e pode ter origens diversas.

Embora seja um sintoma que possa se manifestar durante toda a gravidez, no primeiro trimestre as dores podem aparecer mais potencializadas.

A alteração hormonal pela qual as mulheres gestantes passam e o aumento no volume sanguíneo são os principais fatores para que essas dores se manifestem. No entanto, esse quadro pode ser agravado quando a mulher possui má postura, problemas de visão não corrigidos e estresse.

Desidratação, noites mal dormidas, excesso ou abstinência total de cafeína e baixo teor de glicose na corrente sanguínea são fatores que também podem tornar esse um dos sintomas de gravidez que ninguém sabe.

10. Tontura

Não é incomum que mulheres grávidas sintam tonturas durante a gestação, sobretudo no início. A gestação, na maioria das vezes, promove a queda da pressão arterial e dilatação dos vasos sanguíneos. Isso faz com que a pessoa se sinta mais tonto ao levantar rapidamente, por exemplo.

No entanto, é importante ressaltar que tonturas que se manifestem repetidamente, de maneira mais severas, podem estar associadas à gravidez ectópica, ou seja, quando o óvulo fertilizado tenta crescer fora do útero. Nesses casos, deve-se recorrer à ajuda médica imediatamente.

11. Vontade de comer barro

Embora pareça uma coisa anormal, não é difícil ouvirmos histórias de mulheres que tiveram vontade de comer barro durante a gestação, sobretudo no primeiro trimestre.

Essa prática, no entanto, é totalmente imprópria a qualquer pessoa – gestante ou não. As consequências podem ser diversas: anemia, intoxicação por chumbo e até mesmo falência de órgãos.

No entanto, há algumas explicações plausíveis para esse fenômeno, formalmente conhecido como geofagia.

Atualmente, acredita-se que as mulheres gestantes que sentem desejo pela ingestão de terra possuem certas deficiências nutricionais, como zinco e ferro. Além disso, acredita-se que esse fenômeno possa estar relacionado a fatores de ordem psicológica, como ansiedade ou estresse.

Ou seja, se você sentir vontade comer terra, barro ou argila, pode estar grávida ou com uma acentuada deficiência de nutrientes no organismo.

12. Alteração constante de humor

Outra área especialmente afetada pelas alterações hormonais que a mulher grávida passa é seu humor. É comum que ela acorde bem-humorada e, em instantes, sinta-se estressada, frustrada, triste e, logo em seguida, a situação se normalize novamente.

Esse sintoma tende a se manifestar logo nos primeiros dias de gestação.

É possível identificar gravidez pelos sintomas?

Se você for acometida por alguns dos sintomas de gravidez que ninguém sabe mencionados, pode ser que o associe a algum problema patológico, psicológico ou a apenas alguma complicação no seu organismo.

No entanto, quando eles se manifestam em conjunto, é importante estar atenta à possibilidade de uma gestação.

Ainda que possam indicar uma outra causa, é importante não deixar de fazer os exames adequados para obtenção do diagnóstico e para que o acompanhamento pré-natal possa ser iniciado o mais rapidamente.

Referências Adicionais:

Você já tinha ouvido falar destes sintomas da gravidez que ninguém sabe? Está sentindo alguns deles atualmente? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (2 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...
Sobre Felipe Santos e Dra. Patrícia Leite

Quando se trata de saúde, é muito importante poder contar com uma fonte confiável de informações. Afinal de contas sabemos que o sua qualidade de vida e bem-estar devem estar em primeiro lugar para você. Por isso contamos com uma equipe profissional diversificada, com redatores e editores que desenvolvem um conteúdo de qualidade, adaptando-o a uma linguagem de fácil compreensão para o público em geral, tendo por base as mais confiáveis fontes de informação. Depois disso todo artigo é revisado por profissional especialista da área, para garantir que as informações são verídicas, e só então ele é publicado no site. Tudo isso para que você tenha confiança no MundoBoaForma e faça daqui sua fonte preferencial de consulta para assuntos relacionados a saúde, boa forma e qualidade de vida. Conheça mais sobre os profissionais que contribuem para a qualidade editorial do portal.

Deixe um comentário