Intolerância a glúten

9 Sintomas de Intolerância a Glúten

O glúten é um dos componentes mais abundantes na maioria dos povos ao redor do mundo, principalmente naqueles de origem europeia. Na Europa, o consumo médio diário de glúten é em torno de 10 a 20 gramas, chegando, em alguns lugares, a atingir 50 gramas ou mais.

Em função disto, mesmo as pessoas com baixo risco de terem sintomas de intolerância a glúten acabam ficando suscetíveis a desenvolver alguma forma de reação ao glúten durante a vida.

Vamos conferir algumas informações sobre este problema alimentar, 9 sintomas de intolerância a glúten e entender como é possível controlar esta doença. 

O que é o glúten?

Muitas pessoas vivenciam problemas de saúde e transtornos digestivos relacionados ao consumo de trigo e de glúten. Existem, basicamente, três condições médicas que podem explicar este tipo de problema: a alergia ao trigo, a intolerância ao glúten (doença celíaca) e a sensibilidade não celíaca ao glúten.

Para que se realize um diagnóstico correto, é importante que se procure a orientação de um médico, pois alguns dos sintomas podem ser parecidos, causando confusão na identificação do problema.

A alergia ao trigo é uma resposta do sistema imunológico relacionada às proteínas presentes no trigo, incluindo o glúten, sendo mais comum em crianças. A doença celíaca é uma resposta do sistema imunológico relacionada diretamente ao consumo de glúten que está presente em diversos alimentos. E, por fim, existe um tipo de sensibilidade ao glúten que causa os mesmos sintomas da doença celíaca, porém estes pacientes não possuem doença celíaca e nem alergia ao trigo. Algumas pesquisas ainda estão tentando identificar as reais causas biológicas desta condição.

O glúten é uma proteína presente em inúmeros alimentos, entre eles os cereais como o trigo, o centeio, a cevada e a aveia, sendo o principal complexo proteico da estrutura do trigo. A introdução dos grãos como alimentos na dieta começou há mais de 10.000 anos com o advento da agricultura, criando condições para o desenvolvimento de doenças relacionadas à exposição ao glúten.

O trigo faz parte da alimentação de muitos países, sendo comercializado e processado em forma de pão, massas, farinhas e muitos outros produtos. Este grão é um dos mais consumidos ao redor do mundo, possuindo sua maior disponibilidade como farinha de trigo.

Estudos mostram que o glúten possui duas frações proteicas consideradas tóxicas, as gliadinas (que são solúveis em álcool) e as gluteninas (que são insolúveis em álcool). Estas duas frações possuem elevado conteúdo em glutamina e prolamina. A gliadina é a fração com maior quantidade de componentes tóxicos. Apesar disso, estas proteínas desempenham um papel fundamental na qualidade de panificação do trigo, conferindo elasticidade, coesão, viscosidade e aumentando a capacidade de absorção de água da massa.

O glúten é digerido de forma fraca pelo aparelho gastrointestinal, pois as moléculas de gliadina que não são digeridas são resistentes à degradação pelas enzimas pancreáticas, gástricas e do intestino delgado. Estas, por sua vez, atravessam a barreira epitelial do intestino quando ocorrem infecções intestinais ou quando a permeabilidade do mesmo está aumentada, gerando diversas reações autoimunes.

O que é e quais são os sintomas de intolerância a glúten?

A intolerância ao glúten é um problema bastante comum e é uma intolerância permanente relacionada a fragmentos de polipeptídicos do glúten, sendo considerada uma doença crônica do intestino delgado, de caráter autoimune. A forma mais severa de intolerância ao glúten é chamada de doença celíaca. Acredita-se que cerca de 1% da população seja afetada por esta doença autoimune e que aproximadamente 0,5% a 13% das pessoas tenham sensibilidade não celíaca ao glúten.

Este problema causa uma reação imune que leva a uma inflamação do intestino delgado e a uma atrofia total ou subtotal das vilosidades da mucosa do intestino delgado, gerando uma má absorção da grande maioria dos nutrientes, entre eles o ferro, o cálcio, o ácido fólico e as vitaminas lipossolúveis A, D, E e K.

A manifestação desta intolerância não depende somente da presença do glúten na alimentação, mas também irá depender de fatores genéticos, imunológicos e ambientais. Inicialmente, a doença celíaca foi considerada uma síndrome de má absorção rara na infância, sendo atualmente reconhecida com uma doença comum e que pode se manifestar em qualquer órgão ou sistema além do trato intestinal, com aparecimentos de diversos sintomas e podendo ocorrer em qualquer idade.

Algumas pesquisas mostram que a intolerância ao glúten tem maior incidência em crianças e em adultos aparentemente saudáveis. Em função da falta de diagnósticos, acredita-se que este problema seja mais comum do que se imagina, pois muitos pacientes podem permanecer sem diagnóstico por períodos prolongados. Isto acontece em função da falta de informação sobre a doença e também devido à dificuldade de acessar meios diagnósticos, reduzindo as possibilidades de tratamento.

Normalmente, os pacientes com doença celíaca apresentam sintomas de intolerância a glúten há muitos anos, e muitos procuram ajuda médica em função da quantidade e variedade de sintomas mesmo antes do diagnóstico da doença. Muitos passam por diversos exames, hospitalizações e procedimentos cirúrgicos antes do diagnóstico, ficando, inclusive, expostos ao risco de complicações de longo prazo, como, por exemplo, problemas de infertilidade ou linfoma não Hodgkin.

Quais os principais sintomas de intolerância a glúten?

A doença celíaca apresenta, basicamente, quatro tipos: o tipo clássico, o não clássico, o assintomático e o latente. Na doença celíaca clássica, os sintomas são mais frequentes e a doença já se manifesta nos primeiros anos de vida, apresentando diarreia crônica. No tipo não clássico, os sintomas aparecem depois de anos e alguns dos sintomas são ausentes ou, quando não estão presentes, são pouco relevantes.

Para o tipo assintomático, os pacientes apresentam alteração do quadro histopatológico do intestino delgado, porém não apresentam sintomas. E, por fim, no tipo latente, os pacientes apresentam, em determinado momento, as características e os sintomas da doença ao consumir o glúten, porém em outros momentos, apresentam atrofia subtotal das vilosidades intestinais.

Entre os muitos sintomas de intolerância a glúten estão quadros de diarreia crônica, vômitos, anorexia, irritabilidade, falta de apetite, redução de peso, dor e distensão abdominal, déficit de crescimento, comprometimento do estado nutricional, alteração de humor, palidez por anemia por deficiência de ferro, atrofia da musculatura glútea, constipação intestinal, osteoporose, esterilidade, entre muitos outros.

1. Desconforto abdominal – inchaço e gases

Um dos sintomas de intolerância a glúten mais presentes é o desconforto abdominal. A maior parte dos pacientes apresenta excesso de gases, diarreia, prisão de ventre, barriga inchada e grande desconforto abdominal, pois as células do intestino ficam danificadas e isto gera má absorção de vitaminas e minerais. Este desconforto é recorrente e aparece sempre após a ingestão de pães, bolos ou massas, causando também dor.

Apesar de o inchaço e o desconforto abdominal serem muito comuns e possam ser sintomas de diversos outros problemas, eles estão bastante relacionados à intolerância ao glúten. Um estudo mostrou que 87% das pessoas que suspeitam de uma sensibilidade ao glúten apresentam o sintoma de inchaço e desconforto abdominal.

2. Alterações intestinais – diarreia e prisão de ventre

As alterações intestinais são bastante comuns a vários problemas, mas fazem parte dos sintomas de intolerância a glúten mais comuns. A intolerância ao glúten pode gerar diversas alterações intestinais, entre elas diarreia crônica ou mesmo prisão de ventre em alguns casos. Isto acontece em função dos danos causados às paredes do intestino, provocando a má absorção dos nutrientes e resultando em desconforto digestivo.

O paciente pode ter um aumento do volume das fezes ou apresentar um aumento da frequência de evacuações ao longo do dia. Pesquisas mostram que mais de 50% dos pacientes com sensibilidade ao glúten apresentam sintomas de diarreia e cerca de 25% apresentam sintomas de constipação.

3. Perda de peso

Os danos causados às paredes do intestino prejudicam a absorção dos nutrientes, prejudicando o funcionamento adequado do metabolismo. Além disso, em função dos inúmeros sintomas de desconforto intestinal, o paciente passa a não se alimentar corretamente, levando a redução rápida de peso em muitos casos.

4. Dores de cabeça

As dores de cabeça e enxaquecas são bastante comuns para qualquer pessoa, mas quando estes aparecem com certa frequência podem fazer parte dos sintomas de intolerância a glúten. Estudos mostram que pessoas com sensibilidade ao glúten estão mais propensas a terem dores de cabeça e enxaquecas.

5. Cansaço e falta de disposição

Sentir cansaço e falta de disposição com certa frequência pode ser um sinal de que o organismo não está bem. As pessoas com intolerância ao glúten estão mais propensas a sentirem fadiga, cansaço e falta de disposição, principalmente após o consumo de alimentos que contêm glúten. Estudos mostram que 60% a 82% das pessoas com intolerância ao glúten apresentam estes sintomas.

6. Problemas de absorção de nutrientes

A intolerância ao glúten pode causar a baixa absorção de nutrientes no organismo e este problema pode gerar diversos outros sintomas. Quando o corpo não recebe adequadamente os nutrientes, o sistema imunológico fica comprometido e muitas funções do metabolismo ficam prejudicadas. Os sintomas de cansaço e fadiga são os primeiros a surgirem, seguidos por outros problemas de saúde.

7. Alterações de humor

O paciente pode ter muitas alterações de humor por causa da intolerância ao glúten, apresentando nervosismo, irritabilidade, falta de paciência, principalmente devido aos sintomas que causam muito desconforto e também devido à baixa absorção de nutrientes, que pode prejudicar a produção de substâncias que aumentam o bem-estar, como é o caso da serotonina. Em casos mais graves, o paciente pode até apresentar um quadro de depressão e de ansiedade.

8. Desenvolvimento de doenças como a osteoporose e a anemia

Muitos pacientes podem desenvolver doenças quando os sintomas persistem por muitos anos. A baixa absorção de nutrientes pode causar uma deficiência em muitas vitaminas e minerais que são fundamentais para o organismo. Entre as muitas doenças que podem surgir estão a osteoporose, que é causada pela deficiência de cálcio, e a anemia, que é causada pela deficiência de ferro.

9. Problemas no desenvolvimento de crianças e adolescentes

Quando as crianças e adolescentes apresentam um quadro de intolerância ao glúten, estas podem sofrer com problemas no desenvolvimento corporal e também em algumas funções metabólicas. As crianças podem apresentar baixa estatura, causada pela má absorção de nutrientes, e os adolescentes podem apresentar problemas de atraso para entrar na puberdade e alterações nos ciclos menstruais das meninas.

Conclusão

O glúten está presente em diversos alimentos que são consumidos diariamente em nossas dietas. Esta proteína, no entanto, pode causar uma reação do sistema imunológico. Entre os sintomas de intolerância a glúten estão o desconforto abdominal, o cansaço, dores de cabeça e as alterações intestinais. É importante que os sintomas sejam analisados por um médico para que se faça o correto diagnóstico do problema e para que se defina o tratamento mais adequado.

Referências adicionais:

Você já sentiu alguns destes sintomas de intolerância a glúten que listamos acima? Já foi diagnosticado com a condição? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (6 votos, média: 3,67 de 5)
Loading...
Revisão Geral pela Dra. Patrícia Leite - (no G+)


ARTIGOS RELACIONADOS

2 comentários

  1. Merci Juliana Zamarian

    Tenho 52 anos e só agora comecei a ter problemas com o glúten apresentando diarreia crônica, gases e inchaço abdominal
    A maior dificuldade é ficar lendo nos rótulos
    Deveria estar em destaque o que contém e os não contém glúten sem contar os preços absurdos

  2. Tenho 35 anos e já fazem 4 anos que sofro com fibromialgia e erupções cutâneas. Tais feridas só melhoram com corticóides. Então resolvi iniciar uma dieta sem glúten, pois o glúten pode ser um vilão nocivo e um gatilho à doenças autoimunes. Hoje, 20/03/2019, fazem seis dias que cortei tudo que tinha glúten da minha rotina e apesar das Dores de barriga ainda, sinto meu corpo leve e minhas feridas mais discretas, “secando”! O triste de tudo isso é que médicos não fazem essa relação “comida/doença”, apenas indicam medicamentos… quase o ciclo da indústria!

Deixe uma resposta

Seu email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

*