Cálcio

Falta de Cálcio – Sintomas, Causa, Fontes e Dicas

O cálcio é um mineral essencial para o funcionamento adequado do organismo. Ele possui diversas funções essenciais dentro do corpo humano, entre elas a estabilização da pressão arterial e a atuação na formação estrutural dos ossos e dentes.

Os ossos são os que mais possuem cálcio, tendo uma concentração total de 95% do mineral.

A falta de cálcio é considerada uma doença também conhecida como hipocalcemia, que inclui ossos frágeis, lesões oculares e batimento cardíaco anormal. Essa doença aparece quando o corpo humano não possui cálcio suficiente, e por conta disso, há grande aumento de risco do desenvolvimento de doenças como a osteoporose.

O corpo humano não produz cálcio, tendo este que ser ingerido através de uma alimentação equilibrada. É possível consumir a quantidade recomendada por dia através de alimentos, mas, dependendo da gravidade do caso, a melhor forma é a ingestão de suplementos de cálcio.

Vale lembrar que se automedicar pode ser perigoso, pois tomar uma grande quantidade de suplementos de cálcio pode ser fatal. Então, o mais indicado é ter em consulta médica para ver qual a melhor opção para seu caso.

Sintomas da falta de cálcio

No estágio inicial, a deficiência do cálcio pode não ter nenhum sintoma ou apresentar somente sintomas leves, como cãibras e dores musculares (especialmente nas coxas, braços e axilas quando forem movimentadas).

Porém, na maioria das vezes, a descoberta é feita quando uma doença por conta da falta de cálcio é descoberta e já está mais avançada.

Em casos mais avançados, os sintomas da falta de cálcio incluem:

  • Perda de memória;
  • Espasmos musculares;
  • Dormências e formigamento nas mãos, pés e rosto;
  • Depressão;
  • Alucinações.

Caso você tenha algum sintoma ou caso na família de doenças relacionadas à falta de cálcio, procure um médico antes mesmo de sentir algum tipo de sintoma. Ele consultará o histórico do problema de hipocalcemia em sua família. Com base nisso, irá pedir um exame de sangue para verificar o nível de cálcio no sangue. Caso esteja baixo, ele prescreverá medicamentos e alimentação ideal rica no mineral.

Outros problemas de saúde são causados pela deficiência de cálcio e muitas vezes não são detectados facilmente, como problemas de sono. Estudos realizados com animais mostraram que a insônia impede a formação de ossos novos. Isso acontece pois os níveis de cálcio aumentam e diminuem enquanto dormimos, e sua elevação acontece durante um sono profundo.

Além disso, descobriu-se que ciclos de sono normais foram restaurados quando a taxa de cálcio no corpo foi aumentada ao normal. Em muitos casos, ao se consultar com um médico para descobrir a causa da insônia, muitas vezes será prescrito somente um remédio para ajudar a dormir, sem descobrir de fato o que causa isso.

A dificuldade em perder peso também pode ser associada à carência de cálcio. De acordo com algumas pesquisas, o cálcio armazenado nas células de gordura auxilia no armazenamento e processamento da gordura do corpo, ou seja, células de gordura com mais cálcio queimam mais calorias, resultando em uma maior perda de peso.

Causa da deficiência de cálcio

A causa natural da falta de cálcio é o envelhecimento. A maioria do cálcio do corpo é armazenado nos ossos e conforme se envelhece, começam a ficar mais finos ou menos densos, aumentando ainda mais a exigência diária de cálcio. No entanto, existem diversas outras causas que levam à deficiência do mineral.

A falta de cálcio pode ainda ser intensificada no caso das mulheres, pois ao chegar na menopausa há um declínio do hormônio estrogênio que faz com que os ossos fiquem mais finos rapidamente, exigindo que elas tomem adequadamente uma dose diária de cálcio durante a meia idade. De acordo com o “National Institutes of Health” (Instituto Nacional da Saúde), durante a menopausa, as mulheres devem consumir cerca de 1.500mg de cálcio todos os dias para reduzir ainda mais a chance do desenvolvimento da osteoporose.

A genética também pode ser um fator a ser levado em consideração. Caso seus pais ou avós tenham tido osteoporose, as chances de você adquirir a doença são ainda maiores. Por isso, como falado anteriormente, mesmo que você não tenha sintomas mas tenha casos na família, procure um médico.

Casos de bebês nascidos de mães diabéticas e aqueles que tiveram baixos níveis de oxigênio durante a gestação correm maior risco de desenvolver a hipocalcemia natal. Já no caso de crianças e adolescentes é mais difícil, pois é uma fase onde o corpo “remodela” os ossos, ou seja, reconstroi ossos novos, por isso que nessa fase é muito importante a ingestão de alimentos ricos em cálcio.

Em alguns casos, a falta de cálcio pode se dar por conta da desnutrição ou má absorção de nutrientes, ou seja, quando o corpo não consegue absorver as vitaminas e minerais que a pessoa obtém a partir dos alimentos.

Outra causa pode ser a doença hipoparatireoidismo, que acontece quando o hormônio PTH, que é produzido pelas glândulas paratireoides, não funciona corretamente. Esse hormônio controla os níveis de cálcio e fósforo no organismo, e pessoas com essa doença não o produzem corretamente, tendo como resultado a queda dos níveis de cálcio no sangue, trazendo diversos sintomas.

Deficiência de cálcio e osteoporose

A deficiência de cálcio, levando à hipocalcemia, pode gerar ossos frágeis, lesões oculares e batimentos cardíacos irregulares. Caso não tratada, a doença pode levar a morte.

Caso a carência de cálcio esteja em estágio inicial, a longo prazo ela pode ter o risco de desenvolver osteoporose. A osteoporose é uma doença que faz com que os ossos fiquem quebradiços devido à perda óssea. A pessoa com essa doença tem grandes chances de se fraturar mesmo com pequenos impactos.

Além disso, a osteoporose também pode levar a fraturas da coluna vertebral e incapacidade de andar.

Como repor o cálcio

Na maioria dos casos, a falta do cálcio é fácil de ser tratada. Geralmente, adiciona-se alimentos com mais cálcio em sua dieta, e em alguns casos, o médico prescreve um suplemento do mineral, com a quantidade ideal para o paciente.

Em casos mais raros, a ingestão de alimentos ricos em cálcio e suplementos de cálcio não são suficientes para o tratamento da deficiência. Nesse caso, o médico optará por regular os níveis de cálcio com aplicações de injeções do mineral.

Dicas

Para prevenir doenças vindas da falta de cálcio é recomendada a ingestão de alimentos ricos em cálcio e vitamina D diariamente. A vitamina D é importante pois aumenta a taxa do cálcio quando absorvido no sangue e também ajuda na absorção do cálcio e outros minerais e nutrientes. Exemplos de alimentos ricos em vitamina D são: ovos, ostras, suco de laranja, atum em lata, cogumelos, sardinha, salmão, bife de fígado, leite, entre outros.

A quantidade de ingestão necessária de cálcio e vitamina D depende do sexo e idade, por isso, o aconselhável é procurar um médico.

Vale ressaltar que alimentos ricos em cálcio e vitamina D, como laticínios, podem ter grandes taxas de gordura saturada e gordura trans, então, na hora de comprar uma dessas opções, escolha a versão sem gordura ou com baixo teor dessas para não ter aumento no risco de desenvolvimento de outras doenças cardíacas e níveis elevados de colesterol.

Uma dica mais saudável é acrescentar sardinha e espinafre à sua dieta. Outros alimentos que contêm o mineral são, queijo, iogurte, legumes vedes, alguns cereais, e peixes. Vale lembrar que o leite e derivados são alimentos com fácil absorção pelo organismo, tornando-os os principais fornecedores de cálcio.

Você foi diagnosticado recentemente com falta de cálcio em seu organismo? Por que acha que chegou a esse estágio? Comente abaixo.

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (14 votos, média: 3,79 de 5)
Loading...
Revisão Geral pela Dra. Patrícia Leite


ARTIGOS RELACIONADOS

4 comentários

  1. Rosimar da silva lima

    gostei muito desse artigo sobre saúde que fala sobre a falta de calcío muito boa…

  2. ISABEL SIPAUBA CARVALHO

    Muito bom este artigo que trata da deficiência dos minerais

  3. Talvez por causa do Zometa !?

  4. Bom sofro com esse problema,descobri depois de 2 desmaios com convulsões,antes disso eu tinha muito espasmos musculares principalmente nas mãos e pés e também muito cansaço e fadigas,em fevereiro de 2018 tive o primeiro desmaio no trabalho até então nada descoberto em Março tive outro ,aí sim descobri que o meu cálcio chegou a 0.42 ,tive que fazer reposição por bomba no hospital,agora mantenho o cálcio e calcitriol via oral com acompanhamento da Endocrinogolista, os níveis já estão dentro da margem 112.
    Mas segundo o nefrologista eu poderia ter morrido já que a minha hipocalcemia foi considerada GRAVE.

Deixe uma resposta

Seu email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

*