Dieta para reumatismo – Alimentos e dicas

Especialista da área:
atualizado em 23/07/2021

Existem muitas dúvidas sobre qual a melhor dieta para pessoas com reumatismo, um grupo de doenças que atingem os músculos, ossos e articulações, tendo como principais sintomas as dores e restrições de movimentos. Sendo assim, separamos os melhores alimentos que podem te ajudar no tratamento e dicas para você adicionar à sua dieta, caso tenha essa condição.

  Continua Depois da Publicidade  

Quais as características do reumatismo?

Idosa com reumatismo

Em primeiro lugar, esse grupo de doenças inclui condições como: artrite, artrose, bursite, febre reumática, osteoartrite, dor nas costas, lupus, fibromialgia, gota e tendinite, por exemplo.

Além disso, sabe-se que reumatismo não atinge somente as pessoas idosas. No entanto, as chances de sofrer com uma das doenças que fazem parte do grupo aumenta conforme a pessoa fica mais velha.

Já que o termo reumatismo pode se referir a várias condições, ele também pode surgir em decorrência de diversas causas. Assim, pela necessidade de se obter um diagnóstico específico para chegar a um tratamento apropriado, não se utiliza mais esse termo na área médica.

Por exemplo, a osteoartrite pode estar associada ao peso de uma pessoa ou ao seu histórico de lesões relacionadas ao esporte. Por sua vez, a artrite reumatoide é uma doença autoimune na qual o sistema imunológico ataca os próprios tecidos saudáveis do organismo.

Dessa forma, de acordo com as causas, os sintomas do reumatismo também podem variar conforme a doença específica apresentada pelo indivíduo. Entretanto, esses sinais costumam incluir dor nas articulações, dor nos membros, dificuldade na realização de movimentos e falta de força muscular.

Nesse sentido, esses sintomas característicos do reumatismo podem ser experimentados a qualquer hora do dia. No entanto, são mais comuns ao acordar e costumam melhorar com o calor.

  Continua Depois da Publicidade  

O que tomar e o que devemos evitar na dieta para reumatismo?

Fast foods

Associado a uma dieta equilibrada, o tratamento para o reumatismo depende de qual doença especificamente você tem, pois será direcionado a ela. Mas, podemos citar a utilização de analgésicos, anti-inflamatórios e a fisioterapia para aliviar os sintomas e melhorar a qualidade de vida da pessoa.

Entretanto, de forma geral, costuma-se orientar o indivíduo a reduzir o consumo de carnes em geral. Nesse sentido, uma das explicações para essa recomendação é o fato das carnes levarem ao acúmulo de ácido úrico no sangue, o que pode aumentar as dores nas articulações.

Um estudo disponível nos Arquivos Brasileiros de Endocrinologia e Metabologia, publicado em 2008, traz que a redução da ingestão de gorduras e o aumento do consumo de frutas, hortaliças e cereais integrais, podem estar relacionados com uma diminuição da resposta inflamatória, diminuindo, assim, a intensidade dos sintomas causados pelo reumatismo.

Além disso, o ômega 6 encontrado em óleos de milho, girassol, soja e em frituras, é um pró-inflamatório, ou seja, pode intensificar os sintomas quando consumido em doses elevadas. Desse modo, consumir mais ômega 6 do que ômega 3 aumenta as chances de ter dor nas articulações e obesidade.

Outros alimentos que devemos evitar por aumentarem os níveis de ácido úrico no sangue são: molhos, caldos de carne, canja, extratos de carne, vísceras, mariscos, anchovas, sardinhas e outros peixes gordos e bebidas alcoólicas.

Mas, lembre-se de não excluir da sua dieta os alimentos dessa lista que são nutritivos, mas sim evitar o consumo frequente e em excesso, já que são fontes importantes de vitaminas e minerais como o ferro.

  Continua Depois da Publicidade  

Por isso, aconselha-se o consumo de carnes cerca de duas ou três vezes por semana e investir nos alimentos ricos em ferro de origem vegetal, como melaço, uva-passa e folhas de beterraba.

Mas então, qual a melhor dieta para reumatismo?

Dieta para reumatismo

Nos casos de reumatismo, o conselho é seguir uma alimentação saudável, completa, equilibrada e variada, dando prioridade ao consumo de legumes e frutas, que fornecem nutrientes importantes para uma boa manutenção da saúde.

Nesse sentido, um estudo publicado na Revista da Associação Médica Brasileira, em 2012, demonstrou que um grupo de pessoas acompanhadas no ambulatório de reumatologia da Universidade Federal de Pernambuco, que tinham problemas nas articulações, consumiam poucos alimentos contendo vitaminas A, C e o mineral zinco.

Desse modo, sabe-se que essas substâncias possuem uma forte atividade antioxidante, que combate os radicais livres e permite uma melhora na qualidade de vida, principalmente dos pessoas com reumatismo.

Para quem não costuma comer bem e descobriu que tem uma doença desse grupo, é importante procurar um nutricionista para montar cardápios personalizados. Assim, a dieta para reumatismo deve dar preferência aos alimentos com ômega 3 como nozes, sementes de linhaça e sementes de chia, que possuem propriedades anti-inflamatórias.

  Continua Depois da Publicidade  

Além disso, devemos incluir na dieta comidas com diferentes vitaminas e minerais como o selênio, que também exerce papel anti-inflamatório e fortalece o sistema imunológico. Por isso, coloque o óleo de fígado de bacalhau, azeite de oliva e a castanha-do-pará dentro da sua dieta, pois assim você vai garantir o consumo de vários nutrientes fundamentais para o seu organismo.

Nesse sentido, vale ressaltar que é muito importante aumentar o consumo de água para cerca de 3 litros por dia e fazer exercícios físicos regulares. Segundo a Organização Mundial de Saúde, o ideal é fazer entre 150 e 300 minutos por semana. Assim, é possível evitar a progressão rápida dessa doença, diminuir o risco de lesões e a chance do desenvolvimento de novas doenças.

O uso de suplementos no reumatismo

Suplementos para reumatismo

Em decorrência do estado inflamatório recorrente, o corpo acaba utilizando nutrientes fundamentais para o funcionamento do organismo. Por isso, a deficiência de nutrientes em portadores de doenças reumáticas pode tornar necessária a utilização de suplementos para complementar a alimentação.

Entretanto, o indivíduo jamais deve começar a tomar um suplemento por conta própria. Sendo assim, o uso do produto deve acontecer apenas sob a supervisão do médico, que verá qual nutriente está faltando e indicará o suplemento e a dosagem apropriada.

Desse modo, ao tomar um suplemento sem a orientação médica, a pessoa corre o risco de ingerir nutrientes em doses erradas, que podem levar à um comprometimento da sua saúde e bem-estar.

  Continua Depois da Publicidade  

Atenção

Como o reumatismo é uma maneira popular de se referir a um grupo composto por uma dezena de doenças, é fundamental que antes de aderir a qualquer dieta para reumatismo, você consulte o seu médico e nutricionista para saber qual é melhor tratamento para o seu caso.

Por isso, além de seguir as recomendações em relação ao uso de remédios e às sessões de fisioterapia passadas pelo médico e pelo fisioterapeuta, é importante que a pessoa pergunte a um profissional de saúde qual a melhor dieta para a sua doença específica, a fim de não prejudicar ainda mais o seu quadro.

Lembre-se sempre de que este artigo serve unicamente para informar as principais características dessa condição. Então, jamais substitua a opinião do médico e do nutricionista, visto que eles podem guiar o tratamento da melhor forma.

Vídeo do especialista

A seguir, veja um vídeo da nossa nutricionista Patricia Leite sobre quais os 10 melhores alimentos para as suas articulações.

Fontes e referências adicionais

Você já foi diagnosticado com alguma doença reumática? Foi recomendado pelo médico uma dieta para reumatismo específica? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (2 votos, média 5,00)
Loading...
Sobre Dra. Patricia Leite

Dra. Patricia é Nutricionista - CRN-RJ 0510146-5. Ela é uma das mais conceituadas profissionais do país, sendo uma referência profissional em sua área e autora de artigos e vídeos de grande sucesso e reconhecimento. Tem pós-graduação em Nutrição pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, é especialista em Nutrição Esportiva pela Universidad Miguel de Cervantes (España) e é também membro da International Society of Sports Nutrition.

  Continua Depois da Publicidade  

Deixe um comentário