Efeito rebote de medicamentos – O que é e como evitar

Especialista:
atualizado em 28/10/2020

O mau costume de se automedicar tem muito a ver com o efeito rebote. Entenda aqui o que é e como evitar o efeito rebote de medicamentos.

Além de sintomas como uma dor de cabeça que volta mais forte, o efeito rebote também pode causar sintomas emocionais – como os sintomas de ansiedade.

A depender do caso, até sintomas de abstinência podem ocorrer. Aliás, cientistas descobriram que parar de comer junk food pode causar sintomas de abstinência parecidos com os de uma pessoa que está parando de usar um remédio viciante ou uma substância ilícita.

É muito provável que você já tenha tomado remédios para dor de cabeça sem consultar um profissional, mas depois que você compreender o que é o efeito rebote você vai pensar melhor antes de se automedicar. 

O que é o efeito rebote de medicamentos?

Apesar de não ser um efeito adverso, o efeito rebote de medicamentos é uma espécie de “efeito colateral tardio”. Afinal, ele é caracterizado pelo retorno dos sintomas logo após o fim do tratamento.

Assim que você interrompe um tratamento, o corpo tem a tendência de entrar em homeostase (estado de equilíbrio).

É a busca pelo equilíbrio metabólico após o uso de alguns remédios que causa o efeito rebote. Como resultado, os sintomas físicos que você estava tratando podem voltar. Às vezes, até com maior intensidade do que antes.

Quais remédios causam o efeito rebote?

efeito rebote de medicamentos

Geralmente, são remédios que desencadeiam uma ação rápida e intensa no sistema nervoso ou que causam dependência química.

Alguns remédios são mais propensos a causar esse tipo de efeito, como por exemplo:

Aliás, crianças que usam medicamentos para o transtorno de déficit de atenção e hiperatividade também podem sofrer o efeito rebote, principalmente se a dose não estiver bem ajustada.

Pessoas que sofrem de enxaqueca e se automedicam, por exemplo, também podem sofrer deste efeito.

Como evitar

De acordo com MaryAnn Mays, neurologista e diretora do Neurology Residency Program (Programa de Residência em Neurologia) na Cleveland Clinic (Clínica Cleveland em Ohio), o ideal é orientar os pacientes a não se automedicarem.

De acordo com ela, todos os medicamentos – inclusive os analgésicos de venda livre – devem ser prescritos com muita clareza no que diz respeito à dose e ao início e final do tratamento. 

Por fim, MaryAnn afirma que analgésicos não devem ser tomados por:

  • Mais de 2 dias seguidos para dores agudas;
  • Mais do que 10 dias em um único mês.  

Evite a automedicação 

Quando você toma um analgésico diariamente, por exemplo, o seu corpo pode sofrer de abstinência quando o efeito passar. A abstinência pode trazer de volta a dor e te forçar a tomar mais uma dose.

Com o passar do tempo, é provável que você tenha dor de cabeça de rebote e sofra de dores cada vez mais intensas e frequentes.

Limite a ingestão de cafeína

O consumo de bebidas ou alimentos contendo cafeína em conjunto com analgésicos pode elevar o risco de você sofrer dor de cabeça de rebote.

Aliás, você sabia que açúcar e cafeína viciam? Confira algumas táticas para acabar com o vício em refrigerantes e truques para largar o vício por açúcar.

Nunca faça alterações na posologia por conta própria

Por fim, não mude a dosagem ou pare de tomar um remédio por conta própria. Se você sente dor de cabeça com muita frequência, algo não está bem.

Assim, procure um médico, pois é bem provável que você precise de um diagnóstico clínico e tratamento adequado.

Fontes e Referências Adicionais

Você costuma ter dor de cabeça de rebote? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (1 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...
Sobre Equipe Editorial MundoBoaForma

Quando se trata de saúde, é muito importante poder contar com uma fonte confiável de informações. Afinal de contas sabemos que o sua qualidade de vida e bem-estar devem estar em primeiro lugar para você. Por isso contamos com uma equipe profissional diversificada, com redatores e editores que desenvolvem um conteúdo de qualidade, adaptando-o a uma linguagem de fácil compreensão para o público em geral, tendo por base as mais confiáveis fontes de informação. Além disso todo artigo é revisado por profissional especialista da área, para garantir que as informações são verídicas. Tudo isso para que você tenha confiança no MundoBoaForma e faça daqui sua fonte preferencial de consulta para assuntos relacionados a saúde, boa forma e qualidade de vida. Conheça mais sobre os profissionais que contribuem para a qualidade editorial do portal.

Deixe um comentário