Endometriose Engorda ou Emagrece?

Confira se podemos dizer que ter endometriose engorda ou emagrece ou se não há possibilidade da condição afetar o peso da mulher.

Receber o diagnóstico da endometriose certamente é uma notícia que nenhuma mulher deseja escutar do seu médico. Isso porque, além de ser dolorosa, a condição pode trazer problemas de fertilidade.

Em um quadro de endometriose, o endométrio (um tecido que normalmente reveste a parte interior do útero, se descama e é eliminado na menstruação quando a mulher não engravida) cresce para fora do órgão, porém continua a funcionar conforme o habitual: engrossa, é decomposto e sangra junto com cada ciclo menstrual.

Entretanto, como esse tecido fora do lugar não tem como sair do corpo, ele fica preso. Quando a doença envolve os ovários, pode ocorrer a formação de cistos que recebem o nome de endometriomas.

Como se não bastasse, o tecido ao redor pode ficar irritado, eventualmente havendo o desenvolvimento de tecido de cicatrização e faixas anormais de tecidos fibrosos que podem fazer com que os tecidos e os órgãos pélvicos grudem um no outro.

Um quadro de endometriose também pode envolver as trompas de falópio e o tecido que reveste a pélvis. No entanto, o problema raramente pode se espalhar além dos órgãos pélvicos.

Ao lado da dor, que geralmente aparece associada aos períodos de cólicas menstruais, é pior do que a habitual, cresce ao longo do tempo, pode surgir durante ou depois do ato sexual e acompanhar os movimentos intestinais e a urina, a condição pode provocar sintomas como sangramento excessivo, fadiga, diarreia, prisão de ventre, inchaço ou náusea.

Aproveite para conhecer os remédios para endometriose mais usados.

Você já ouviu falar que a endometriose engorda? Ou a condição emagrece?

De acordo com informações da Mayo Clinic, um dos fatores de risco para a endometriose é ter um baixo Índice de Massa Corporal (IMC).

Portanto, o fato de uma mulher mais magra ter sido diagnosticada com a doença não significa necessariamente que a endometriose emagrece, apenas pode significar que as pacientes que apresentam um IMC baixo possuam chances desenvolver o problema – o que não significa que as mulheres com peso mais elevado não tenham possibilidades de sofrer com a condição, já que existem diversos outros fatores de risco associados à doença.

Por outro lado, embora a endometriose não seja causa direta do ganho de peso, fatores relacionados à condição e ao seu tratamento como desequilíbrios hormonais, determinados medicamentos e a histerectomia podem favorecer o ganho de quilos. Então, vamos ver quando a endometriose engorda?

– Os desequilíbrios hormonais

A endometriose já foi associada a níveis elevados de um hormônio conhecido pelo nome de estrogênio, que é responsável pelo engrossamento do endométrio nos ciclos menstruais de cada mês.

  Continua Depois da Publicidade  

Mas não é somente isso: outro possível sintoma desse desequilíbrio hormonal também é o indesejável e desagradável aumento do peso. Inclusive, a mulher pode perceber especificamente um acúmulo de gorduras ao redor do abdômen e por cima das coxas.

Se você já ouviu falar que o estrogênio engorda, é bom saber que ter muito estrogênio no organismo pode provocar diversos sintomas, entre eles o inchaço, que dá aquela impressão que o corpo encontra-se mais volumoso do que a habitual.

– O uso de determinados medicamentos

O médico pode prescrever remédios hormonais como pílulas anticoncepcionais de ciclo contínuo, anel vaginal ou o dispositivo intrauterino (DIU) para tratar os sintomas da condição.

Mas o que eles têm a ver com a ideia de que a endometriose engorda? Bem, algumas mulheres reclamam ter experimentado o aumento de peso por conta do uso de contraceptivos orais e outros medicamentos hormonais.

Ainda que alguns pesquisadores tenham apontado que os contraceptivos hormonais não provocam diretamente o ganho de peso, eles concordam que outros efeitos colaterais desses remédios como o aumento de apetite e a retenção de líquidos podem estar por trás do problema.

– Histerectomia total

Trata-se de uma cirurgia que pode ser empregada no tratamento da endometriose, em que ocorre a retirada do útero, do colo do útero e dos ovários. A mulher que se submete ao procedimento não pode mais engravidar e entra na menopausa.

Com isso, a paciente pode experimentar sintomas que podem incluir ondas de calor, problemas para dormir e secura vaginal, mas também podem envolver ganho de peso e desaceleração do metabolismo – que leva muitas a crer que esse tratamento para endometriose engorda.

Enquanto na menopausa que aparece naturalmente, os sintomas começam gradualmente, na menopausa que surge de maneira mais abrupta, como resultado de uma histerectomia total, por exemplo, os sintomas podem ser especialmente severos.

Tanto que em um estudo, feito por pesquisadores dos Estados Unidos, mulheres que passaram por uma histerectomia antes de atingir a menopausa apresentaram mais riscos de engordar no primeiro ano depois da realização da cirurgia.

Se você perceber que engordou ou emagreceu depois que descobriu a endometriose

Informe o seu médico a respeito do problema, principalmente se isso acontecer de maneira expressiva, para saber o que realmente pode ter causado o problema – ele pode estar associado à condição ou a outros aspectos do seu estilo de vida e saúde.

Não custa nada lembrar que tanto o aumento quanto a diminuição significativa de peso podem ser perigosos para a saúde e que abandonar o tratamento da endometriose simplesmente porque o peso sofreu alterações pode ser bastante perigoso para a mulher.

Nessa conversa com o médico, o profissional certamente dará conselhos eficientes e seguros para reverter a situação de maneira saudável, o que provavelmente incluirá a adesão a uma dieta nutritiva, equilibrada e controlada e o início da prática de exercícios físicos com regularidade, de preferência com o acompanhamento de um nutricionista e de um educador físico.

  Continua Depois da Publicidade  

Mais importante do que se perguntar se a endometriose engorda ou emagrece…

É que a mulher fique bem atenta aos sinais que o seu corpo dá, principalmente durante os períodos menstruais, e procure rapidamente o auxílio médico quando experimentar um ou mais sintomas associados à endometriose.

Além da infertilidade, outra complicação que pode ser provocada pela condição é o câncer, ainda que as chances não sejam classificadas como elevadas, destacou a Mayo Clinic.

Dito isso, é importante saber quais outros fatores de risco tornam uma mulher mais propensa ao desenvolvimento da endometriose, de acordo com informações da Mayo Clinic:

  • O fato de nunca ter dado à luz;
  • Ter começado a menstruar em uma idade precoce;
  • Passar pela menopausa em uma idade já avançada;
  • Ter ciclos menstruais curtos – por exemplo, com duração mais baixa do que 27 dias;
  • Ter períodos menstruais pesados, com duração de mais de sete dias;
  • Possuir níveis mais elevados de estrogênio no organismo ou ter sido mais exposta ao estrogênio que o corpo produz ao longo da vida;
  • Ter uma ou mais parentes – mãe, tia ou irmã – diagnosticadas com a endometriose;
  • Sofrer com qualquer problema de saúde que impeça a passagem normal do fluxo menstrual para fora do corpo;
  • Apresentar anormalidades no trato reprodutivo.

Ainda conforme informações da Mayo Clinic, mesmo que não se tenha certeza a respeito da causa exata da endometriose, acredita-se que os seguintes fatores possam exercer um papel no desenvolvimento da doença:

  • Menstruação retrógrada – em que o sangue menstrual com células endometriais volta pelas trompas de falópio até a cavidade pélvica no lugar de ir para fora do corpo;
  • Transformação das células peritoneais – esta teoria prega que hormônios ou fatores genéticos transformam as células que revestem o lado de dentro do abdômen (peritoneais) em implantes de células endometriais durante a puberdade;
  • Transformação de células embrionárias – acredita-se que hormônios como o estrogênio transformem células embrionárias, ou seja, que se encontram nos primeiros estágios de desenvolvimento – em implantes de células endometriais durante a puberdade;
  • Implantação cirúrgica de cicatriz – depois de uma cirurgia como a histerectomia ou um parto cesariano, as células endometriais atacam uma incisão cirúrgica;
  • Transporte de células endometriais – os vasos sanguíneos ou o sistema linfático podem transportar as células endometriais para outras localidades do corpo;
  • Distúrbio no sistema imunológico – pode fazer com que o corpo seja incapaz de reconhecer e destruir o tecido endometrial que cresce fora do útero.

Gostou das dicas?

Referências Adicionais:

Você já tinha percebido que endometriose engorda ou emagrece? Já foi diagnosticada com a condição? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (2 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...
Sobre Felipe Santos e Dra. Patrícia Leite

Quando se trata de saúde, é muito importante poder contar com uma fonte confiável de informações. Afinal de contas sabemos que o sua qualidade de vida e bem-estar devem estar em primeiro lugar para você. Por isso contamos com uma equipe profissional diversificada, com redatores e editores que desenvolvem um conteúdo de qualidade, adaptando-o a uma linguagem de fácil compreensão para o público em geral, tendo por base as mais confiáveis fontes de informação. Depois disso todo artigo é revisado por profissional especialista da área, para garantir que as informações são verídicas, e só então ele é publicado no site. Tudo isso para que você tenha confiança no MundoBoaForma e faça daqui sua fonte preferencial de consulta para assuntos relacionados a saúde, boa forma e qualidade de vida. Conheça mais sobre os profissionais que contribuem para a qualidade editorial do portal.

  Continua Depois da Publicidade  

Deixe um comentário