Estudo encontra relação entre poluição do ar e perda de visão

Especialista da área:
atualizado em 01/02/2021

A exposição a muita poluição traz uma série de problemas para a saúde. Por exemplo, isso aumenta o risco de ter infecções respiratórias, doença cardíaca e câncer no pulmão. Mas um estudo recente apontou que a poluição também pode ser perigosa para a saúde dos olhos.

  Continua Depois da Publicidade  

Isso porque pesquisadores da University College London (UCL) indicaram que mesmo uma baixa exposição à poluição do ar na Inglaterra, Escócia e País de Galês parece impactar o risco de degeneração macular relacionada à idade (DMRI).

Conforme a CNN, os autores do estudo, que saiu em janeiro no British Journal of Ophthalmology, identificaram que as pessoas que moravam nas áreas com maior poluição eram 8% mais propensas a desenvolver a doença.

Para chegar a essas conclusões, os pesquisadores analisaram dados de quase 116 mil pessoas de 40 a 69 anos, que participaram do UK Biobank. Aliás, o UK Biobank é um amplo estudo do Reino Unido com 500 mil pessoas, focado em diagnósticos médicos e medidas biológicas.

Através de medidas oculares e dados de questionários, os cientistas da UCL avaliaram os participantes que tinham e os que não tinham a degeneração macular.

Então, eles compararam os resultados com a quantidade de poluentes que se estimou estar presente nos locais onde essas pessoas moravam.

Os poluentes

Carros

O autor sênior do estudo, Paul Foster, afirmou à CNN que os principais poluentes ligados à degeneração macular foram: material particulado PM2.5, dióxido de azoto (nitrogênio) e óxido de nitrogênio.

Esses poluentes vêm de canteiros de obra, estradas sem pavimentação, chaminés, queimadas, usinas de energia, indústrias, automóveis, fogões a gás internos e aquecedores a querosene.

Foster, que também é professor de estudos em glaucoma e epidemiologia oftalmológica na UCL, explicou ainda que esses poluentes entram no organismo pelos pulmões.

Aparentemente, esses compostos causam um dano particular aos olhos devido ao alto fluxo de sangue na parede ocular. As pessoas respiram os poluentes, eles chegam até os pulmões e são absorvidos no sangue, que os transporta, esclareceu o professor.

  Continua Depois da Publicidade  

De acordo com dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), 9 em cada 10 pessoas respiram um ar que ultrapassa as recomendações quanto ao limites de níveis altos de poluentes.

Pesquisa não foi a única a identificar a relação

O professor de oftalmologia molecular da Universidade de Leeds, Chris Inglehearn, disse ao Science Media Centre que um estudo de 2019 de Taiwan também encontrou uma ligação entre a poluição do ar e a DMRI.

De acordo com Inglehearn, que não participou da pesquisa da UCL, o perfil dos poluentes que os dois estudos analisaram são ligeiramente diferentes, mas têm a mesma fonte: a combustão.

“Claro que correlação não prova causa. Mas, o fato desses dois estudos independentes atingirem conclusões similares dá mais confiança de que a ligação que fizeram é real”, afirmou o professor.

Para ele, as duas pesquisas oferecem ainda mais evidências que relacionam a poluição do ar com impactos prejudiciais para a saúde humana.

Sobre a DMRI

Olhos de idosa

A doença é a causa principal de cegueira irreversível entre pessoas acima dos 50 anos nos países de renda alta ou desenvolvidos. Conforme reportagem de 2019 do G1, a DMRI também é uma das principais causas de cegueira no Brasil, ao lado do glaucoma e da catarata.

A condição tem uma ligação com a perda da visão central, que é necessária para ler, realizar tarefas muito detalhadas e reconhecer rostos. Os maiores fatores de risco para a DMRI são a genética, a idade e o hábito de fumar.

Portanto, se você for um fumante, aprenda dicas de como parar de fumar naturalmente. Além disso, conheça outro estudo que apontou que a luz azul dos celulares pode acelerar a cegueira.

  Continua Depois da Publicidade  

Não perca também o vídeo abaixo, em que a nossa nutricionista ensina estratégias que ajudam a parar de fumar naturalmente:

Fontes e Referências Adicionais

Sua cidade tem muita poluição? Você tenta evitá-la? Então, conte para nós nos comentários!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (1 votos, média 5,00)
Loading...
Sobre Dr. Haroldo Vieira de Moraes Junior

Dr Haroldo de Moraes é Oftalmologista - CRM 380377 RJ. Formou-se em Medicina pela Universidade Federal do Rio de Janeiro em 1981. Em seguida concluiu Mestrado em Oftalmologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro em 1986 e Doutorado em Oftalmologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro em 1994. Pos-Doutorado no National Eye Institute do National Institutes of Health (NIH/NEI) durante 1998/1999 e Livre Docente em Oftalmologia pela Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP (2001), atualmente é Professor Titular de Oftalmologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Tem experiência na área de Medicina, com ênfase em Oftalmologia clinica e cirúrgica, atuando como Coordenador de Pos-Graduacao em Oftalmologia com área de atuação em inflamação ocular (uveites, sarcoidose e toxoplasmose). Dr. Haroldo é uma referência profissional em sua área e autor de artigos científicos. Para mais informações, entre em contato com ele.

  Continua Depois da Publicidade  

Deixe um comentário