Osteoporose – O que é, sintomas, tratamento, causas e dicas

Especialista da área:
atualizado em 10/02/2022

A osteoporose é uma doença que afeta milhões de brasileiros, o que torna importante saber o que é este distúrbio, quais os seus sintomas e tratamentos disponíveis.

O problema ocorre principalmente em mulheres após a menopausa, embora também possa atingir homens e mulheres mais jovens, e é uma das grandes causas de fraturas em pessoas acima de 50 anos.

  Continua Depois da Publicidade  

Por isso, a seguir vamos conhecer melhor este problema, além de entender quais são os tratamentos e sintomas da osteoporose.

Veja também: 5 alimentos ruins para osteoporose

O metabolismo ósseo

Nossos ossos são estruturas vivas que estão em um constante processo de renovação, ou seja, a todo instante há osso sendo formado e osso sendo “degradado”. Esse mecanismo é necessário para a regeneração de pequenas lesões geradas pelos traumas mecânicos a que somos habitualmente submetidos.

Mas, tendo em vista esse processo constante de renovação óssea, é importante lembrar que quando somos mais jovens, o equilíbrio pende para o lado da formação. Isso significa que, durante as primeiras décadas de vida, há mais construção do que destruição óssea.

Entretanto, com o passar dos anos, no entanto, a balança começa a pender para o lado da destruição, e começamos a perder mais massa óssea do que conseguimos reconstruir.

  Continua Depois da Publicidade  

E é esse processo, que é natural de todos os seres humanos, que pode, em alguns casos, levar a um quadro de osteoporose, como veremos a seguir.

Mas o que é a osteoporose exatamente?

Mulher com osteoporose
A osteoporose é mais comum em mulher após a menopausa

O termo osteoporose significa, literalmente, ossos porosos (osteo= ossos, e porose= poroso), e é uma doença que causa perda de massa óssea e aumenta o risco de fraturas.

O problema é mais comum em mulheres após a menopausa, devido à falta do efeito protetor do estrogênio, mas também pode atingir homens e mulheres mais jovens, dependendo de fatores de risco, genética e do uso de medicamentos.

Causas da osteoporose

Embora o problema seja mais comum em mulheres na pós-menopausa e idosos, a osteoporose pode ser causada por outros fatores, como:

  • Hereditariedade, uma vez que quem tem um familiar direto com a doença tem um risco 50-85% maior de desenvolver osteoporose.
  • Queda nas taxas de testosterona (em homens).
  • Problemas na tireoide ou nas glândulas suprarrenais.
  • Sedentarismo
  • Deficiência de cálcio e vitamina D, esta última causada pela baixa exposição ao sol.
  • Tabagismo
  • Consumo exagerado de bebidas alcóolicas.
  • Uso prolongado de determinados medicamentos, como antidepressivos, corticoides, anticoagulantes, carbamazepina, metrotexato, levotiroxina, furosemida e fenitoína.

Além disso, existem outros possíveis fatores de risco para osteoporose, que são menos vistos na prática clínica, como: 

  • Distúrbios alimentares como a anorexia
  • Desnutrição
  • Distúrbios gastrintestinais que afetem a absorção de nutrientes
  • Doença celíaca
  • Casos não tratados de anemia
  • Doenças renais.

Sintomas da osteoporose

Praticamente não existem sintomas nas primeiras fases de perda de massa óssea, o que dificulta a detecção precoce do problema. 

  Continua Depois da Publicidade  

Mas, com o passar do tempo, o enfraquecimento ósseo causado pela osteoporose pode causar sintomas como:

  • Perda de estatura (tem-se a impressão de que a pessoa “encolheu”)
  • Dores nas costas
  • Fraturas aparentemente “bobas”, principalmente nas vértebras, quadril ou punho
  • Deformidades na coluna vertebral, como a cifose (postura severamente inclinada).

Diagnóstico

Diagnóstico de osteoporose
Existe um exame específico para ajudar no diagnóstico de osteoporose

O diagnóstico da osteoporose é feito através da densitometria óssea, um exame que mede e compara a densidade dos ossos, para entender qual o nível da perda mineral. Assim, o teste irá fornecer um dos resultados abaixo:

  • Densidade óssea normal.
  • Osteopenia, também chamada de pré-osteoporose, pois há uma redução da densidade óssea, mas ainda não tão avançada.
  • Osteoporose.

Mas, é importante ressaltar que nem todas as pessoas com osteopenia irão desenvolver osteoporose, e pelo menos parte da evolução da condição pode ser contida com as dicas listadas abaixo.

Formas de prevenir a osteoporose

A prevenção ainda é o melhor tratamento para a osteoporose, uma vez que, com exceção dos fatores como hereditariedade, menopausa e distúrbios de saúde, existem mudanças nos hábitos que podem ser bastante eficazes na manutenção da saúde óssea.

Então, vamos conhecer agora algumas dicas de como prevenir a perda de massa óssea:

1. Consuma alimentos com alto teor cálcio

A dieta para prevenir ou tratar a osteoporose deve conter muitos alimentos ricos em cálcio, pois tanto homens quanto mulheres com idades entre 18-50 anos necessitam de aproximadamente 1.000mg de cálcio diariamente.

  Continua Depois da Publicidade  

Mas, a partir dos 50 anos, as mulheres necessitam de 1.200 mg, e os homens passam a precisar da mesma quantidade a partir dos 70 anos.

Por isso, inclua na sua dieta alimentos como:

2. Preste atenção aos níveis de vitamina D

A vitamina D é fundamental para que o corpo possa absorver e utilizar o cálcio adequadamente, e é possível obtê-la através da exposição direta ao sol, com o tempo necessário variando de acordo com a cor da pele.

Porém, como a idade reduz a eficiência do organismo em sintetizar a vitamina D, apenas sentar-se sob o sol alguns minutos todos os dias pode não ser suficiente para todas as pessoas.

Então, caso seus níveis de vitamina D no sangue estejam abaixo do ideal, o médico poderá prescrever um suplemento para restabelecer a concentração da vitamina D no sangue.

3. Exercite-se

Pode parecer contraditório, mas os exercícios, que de certa forma causam microlesões, podem ajudá-lo a ter ossos mais fortes e menos propensos às fraturas. Assim, quanto mais jovem você for ao iniciar um programa de atividade física, maiores serão os benefícios futuros à saúde óssea.

Mas isso não significa que se exercitar mais tarde não traga muitas vantagens, pois o exercício é fundamental para a reconstrução óssea em qualquer momento da vida, principalmente quando se combina exercícios de força e resistência.

4. Mude os hábitos

Por fim, ao mesmo tempo em que cuida da dieta e começa a se exercitar, você deverá fazer algumas modificações em sua rotina, a fim de prevenir a osteoporose. As principais delas são:

  • Parar de fumar
  • Reduzir a ingestão de bebida alcóolica
  • Ficar atento ao uso indiscriminado de determinados medicamentos
  • Evitar locais que oferecem maior risco de quedas, como degraus e pisos escorregadios.

Tratamento

O tratamento da osteoporose envolve o fortalecimento dos ossos através da prática de exercícios e o consumo de alimentos ricos em cálcio e, em alguns casos, o uso de medicamentos. Os mais usados são:

  • Suplementos para repor cálcio e vitamina D.
  • Bifosfonatos, como alendronato, risedronato, ácido zoledrônico.
  • Raloxifeno, um medicamento que apresenta propriedades semelhantes às do estrogênio no organismo.
  • Teriparatida injetável, que reduz o risco de fraturas ósseas.
  • Ranelato de estrôncio, que aumenta a formação óssea.
  • Calcitonina, que age impedindo um aumento exagerado nos níveis de cálcio na circulação, ou seja, diminui a degradação dos ossos.
  • Denosumab, conhecido comercialmente como Prolia, que reduz a absorção e estimula a formação do tecido ósseo.
  • Tibolona, reduz a perda óssea na pós-menopausa.
  • Estrogênio, que era até recentemente um dos principais tratamentos para a osteoporose, mas que hoje tem sido alvo de controvérsias por estar relacionada a um aumento no risco de doenças cardiovasculares e câncer de mama.

Além disso, é importante ter uma atenção maior às quedas e traumas mecânicos em geral e modificar hábitos para controlar a progressão da doença e prevenir complicações futuras.

Dicas e cuidados

A osteoporose não tem cura, mas é importante ressaltar que um diagnóstico de osteoporose não é sinônimo de fratura óssea no futuro. Ou seja, não é porque alguém tem uma densidade óssea reduzida que irá necessariamente sofrer com um problema mais severo.

Assim, mesmo na ausência dos sintomas da osteoporose, é recomendável que você procure um médico se estiver passando, ou tenha acabado de passar, pela menopausa, ou então tenha feito uso de medicamentos corticoides por longos períodos.

Por fim, o cálcio não é o único mineral indispensável para a formação dos ossos, sendo potássio, magnésio, fósforo, zinco e silício bastante importantes para a saúde. Então, é importante procurar a orientação de uma nutricionista, para que ela possa montar uma dieta balanceada e rica nesses nutrientes.

Fontes e referências adicionais

Você ou algum familiar próximo já foi diagnosticado com osteoporose? Que tratamento o seu médico recomendou e que sintomas você sentiu? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (2 votos, média 5,00)
Loading...
Sobre Marcela Gottschald

Marcela Gottschald é Farmacêutica Clinica - CRF-BA 8022. Graduada em farmácia pela Universidade Federal da Bahia (UFBA) em 2013. Residência em Saúde mental pela Universidade do Estado da Bahia (UNEB). Experiência em pediatria e nefrologia, com ênfase em unidade de terapia intensiva. Ela faz parte da equipe de redatores do MundoBoaForma.

Deixe um comentário