Herpes Simples Tem Cura? Sintomas e Tratamento

O herpes simples é um vírus que pode apresentar diversas formas e que costuma afetar diferentes locais do corpo. A infecção é recorrente e muitas pessoas tem dúvidas se essa doença realmente tem cura. Se você quer saber como é feito o tratamento dos sintomas do herpes e descobrir se o herpes simples tem cura, continue lendo.

Antes de mais nada, é importante que você saiba que uma das formas de se combater a herpes é estar com a sua imunidade fortalecida. Por isso, vale a pena conhecer os 16 alimentos que aumentam a sua imunidade.

Além dos sintomas desagradáveis, a infecção é contagiosa e pode prejudicar outras pessoas ao redor. Assim, é importante conhecer bem os sintomas, o tratamento e como se prevenir contra o vírus. Aqui, serão abordadas muitas dicas para se prevenir e evitar surtos da infecção.

Herpes Simples

O vírus herpes simples (HSV) é responsável por causar infecções virais que podem afetar a boca, os órgãos genitais e a região anal.

A infecção pode se espalhar facilmente através do contato direto com pessoas infectadas pelo vírus, que podem ser de vários tipos.

Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) indicam que o tipo mais comum do vírus afeta aproximadamente 3,7 bilhões de pessoas com menos de 50 anos de idade.

Principais Tipos de Herpes

Há muitos tipos de vírus herpes simples, mas os 2 principais são o HSV-1 e o HSV-2.

– Vírus do herpes simples tipo 1

O vírus herpes simples tipo 1 (HSV-1) é a forma mais comum de herpes simples. Geralmente, o HSV-1 afeta a boca, mas também há casos que esse mesmo vírus também afeta os órgãos genitais.

O HSV-1 é um vírus muito comum que normalmente é contraído durante a infância e o acompanha por toda a vida, o que significa que não há cura para a infecção.

O contágio se dá através do contato direto com pessoas infectadas e uma das formas mais comuns de transmissão é pela saliva. É por isso que se recomenda que pessoas com sintomas de herpes oral não beijem crianças recém-nascidas, pois elas podem adquirir o vírus e ter complicações de saúde já que o sistema imune de um bebê ainda não é totalmente desenvolvido.

Outras formas de transmissão incluem o contato direto com feridas na área ao redor da boca, o compartilhamento de protetores labiais, escova de dentes ou qualquer outro objeto que tenha entrado em contato com o vírus. Também há casos em que o HSV-1 é transmitido por meio do contato sexual, embora seja menos comum.

– Vírus do herpes simples tipo 2

O vírus herpes simples tipo 2 (HSV-2) é um tipo de vírus que causa herpes genital ou anal. Trata-se de uma infecção sexualmente transmissível que também não tem cura.

No entanto, os sintomas só aparecem durante as fases em que o vírus está na sua forma ativa.

O Centers for Disease Control and Prevention (CDC) indica que o HSV-2 é transmitido por meio do contato sexual na grande maioria dos casos. A transmissão pode ocorrer durante a prática de sexo vaginal, anal ou oral e também por meio do contato com a saliva, com os fluidos corporais e com a ferida de pessoas infectadas pelo vírus.

Sintomas da Herpes

Pessoas infectadas pelo vírus HSV podem não apresentar sintomas e ainda assim o vírus pode ser transmitido para outros indivíduos.

Quando os sintomas surgem, podem ser observados:

  • Feridas ou bolhas na pele, na boca ou nos órgãos genitais;
  • Coceira;
  • Dor;
  • Desconforto;
  • Presença de pus;
  • Pequenas bolhas ao redor de órgãos genitais;
  • Sensação de ardência ou formigamento;
  • Dificuldade para urinar ou dor durante a micção;
  • Infecções oculares;
  • Corrimento vaginal incomum nas mulheres;
  • Sintomas parecidos com os de uma gripe como febre, cansaço, falta de apetite, dor de cabeça, e inchaço dos gânglios linfáticos.

As feridas podem aparecer em qualquer lugar, mas em geral se concentram ao redor da boca, nos órgãos genitais ou no ânus. O local da infecção vai depender do tipo de vírus.

Em casos mais graves, o vírus pode se espalhar para os olhos, causando uma condição conhecida como queratite por herpes que pode causar dor, ardor e corrimento nos olhos.

Os primeiros sintomas surgem em até 20 dias depois da aquisição do vírus e podem perdurar por 7 a 10 dias.

Uma vez que o vírus é contraído, ele pode permanecer inativo no organismo por um tempo e depois ser reativado durante os surtos, que são os períodos em que o vírus está ativo e causa os sintomas do herpes. A frequência de surtos varia de pessoa para pessoa de acordo com o estado do sistema imunológico.

Herpes Simples Tem Cura?

Como já mencionamos, não existe cura para nenhum tipo de HSV, mas isso não é motivo de alarde. A infecção é bastante comum e não tende a causar complicações de saúde.

Apenas pessoas que apresentam doenças autoimunes ou outros problemas com o funcionamento do sistema imunológico devem tomar precaução extra com o vírus.

Na maioria dos casos, os sintomas são muito leves e desaparecem sem a necessidade de tratamento em alguns dias ou semanas.

Quando necessário, tratamentos sintomáticos podem ajudar a aliviar os sintomas e a reduzir a duração e a frequência dos surtos. Há alguns remédios que também ajudam a diminuir o risco de transmissão do vírus para outras pessoas.

Tratamento                     

Em geral, a herpes é identificada facilmente por um médico por meio de uma avaliação física e pela descrição dos sintomas pelo paciente. Dificilmente são necessários exames para detectar a infecção – como exames de culturas e exames de sangue para detecção de anticorpos específicos.

Como não existe cura, o tratamento apenas alivia os sintomas. Vamos ver a seguir quais são os remédios que podem ser utilizados.

– Medicamentos antivirais

O tratamento pode incluir o uso de cremes ou pomadas antivirais que devem ser aplicadas diretamente sobre as feridas para aliviar sintomas como dor e coceira.

Exemplos incluem o aciclovir, o docosanol, o valaciclovir e o famciclovir. Tais medicamentos também podem ser encontrados na forma de comprimidos de uso oral ou de injeções.

Apesar de serem antivirais, esses remédios não são capazes de eliminar completamente o vírus, mas impedem que eles se multipliquem, reduzindo o tempo de permanência dos sintomas.

Em geral, o uso desses medicamentos só é usado quando os sintomas estão fortes, porque na maioria dos casos a infecção vai embora sozinha.

– Analgésicos

Analgésicos podem ser usados quando a dor está presente entre os sintomas, mas só devem ser usados durante 2 ou 3 dias. Depois desse período é provável que a dor desapareça e restem apenas alguns outros sintomas da infecção. Exemplos incluem o acetaminofeno, o naproxeno sódico e o ibuprofeno.

Remédios Caseiros para Alívio dos Sintomas da Herpes Simples

  • Usar compressas frias: a aplicação de compressas frias sobre as feridas pode ajudar a aliviar a dor.
  • Higienizar e limpar a ferida: manter o local lesionado limpo e seco é essencial para evitar que as bolhas se multipliquem e também para evitar a entrada de bactérias e de outros microrganismos por meio da ferida aberta.
  • Reduzir o estresse: o estresse pode comprometer a imunidade e contribuir para a recorrência do vírus.
  • Evitar coçar: o ato de coçar pode fazer com que a infecção se espalhe para a pele ao redor da ferida.

Opções Alternativas

  • Própolis: a própolis produzida pelas abelhas parece ser útil no alívio de sintomas do herpes. Alguns estudos mostram que o tratamento com própolis acelera a cicatrização das lesões causadas pela infecção.
  • Acupuntura: um estudo publicado em 2011 no periódico BMC Complementary and Alternative Medicine verificou que a acupuntura pode ser um tratamento alternativo para reduzir a dor causada pelas feridas do herpes.
  • Extrato de algas: o extrato de algas parece inibir o crescimento do vírus HSV-2, ajudando a aliviar os sintomas.

Também há relatos de que o uso de compostos como a Echinacea, o Eleuthero, a lisina e o zinco podem ajudar a suprimir o vírus, mas não existem evidências científicas sobre tais benefícios.

Cientistas da University of Illinois descobriram uma molécula chamada por eles de BX795 que foi capaz de tratar a infecção causada por HSV-1 em células de córnea humanas. Porém, estudos clínicos ainda precisam ser conduzidos para obtenção de mais informações sobre como essa molécula atua no organismo. Além disso, a molécula está em fase de estudos e não está disponível para a população.

Por Que Não Existe uma Vacina Contra o Herpes Simples?

Se o herpes é um vírus tão comum, por que ainda não há uma vacina?

Desenvolver uma vacina contra o herpes simples não é tarefa fácil. Trata-se de um vírus muito mais complicado do que a maioria.

Existe um grande interesse em desenvolver uma vacina contra o herpes simples já que ele é um vírus que afeta até 2 terços da população mundial com menos de 50 anos de idade. Mesmo assim, nenhuma empresa foi capaz de desenvolver a vacina.

Ensaios clínicos que estavam sendo feitos sobre uma possível vacina para o herpes foram abandonados recentemente e não há, no momento, nenhum ensaio clínico significativo em andamento para uma vacina contra o herpes.

Os especialistas explicam que o vírus do herpes normalmente não é detectado pelo sistema imunológico do corpo e a estrutura e o comportamento do vírus é complicado e dificulta o desenvolvimento de uma vacina.

O fato de o vírus ficar inativo no organismo e passar despercebido pelo sistema imunológico por tempo indeterminado dificulta o desenvolvimento da vacina justamente porque as vacinas atuam estimulando o sistema imune para combater a infecção. E nesse caso, é muito difícil criar uma vacina que estimule o sistema imunológico já que o vírus não é detectado por ele como uma ameaça.

Assim, ao mesmo tempo em que desenvolver uma vacina para a herpes simples seria extremamente lucrativo, as pesquisas requerem um grande investimento de tempo e dinheiro.

Qual é o Prognóstico?

A perspectiva no momento para pessoa com herpes é que o vírus permanecerá inativo no organismo por toda a vida, mesmo que sintomas nunca mais sejam observados.

A reincidência de surtos virais pode variar de indivíduo para indivíduo. Algumas pessoas podem ter surtos regulares enquanto outras podem não apresentar mais nenhum sintoma.

Alguns fatores que podem estimular a reativação do vírus podem incluir:

  • Estresse;
  • Febre ou doenças;
  • Exposição excessiva ao sol ou queimaduras solares;
  • Períodos menstruais em mulheres;
  • Baixa imunidade.

Os surtos de sintomas do herpes simples tendem a se tornar menos intensos ao longo do tempo porque o corpo acaba criando alguns anticorpos. Isso significa que na maioria dos casos o primeiro surto é o mais longo e com sintomas mais fortes do que os surtos seguintes.

Prevenindo o Herpes Simples

A fim de evitar a contração do vírus e também de impedir que outras pessoas se contaminem, algumas medidas de prevenção como as seguintes podem ser úteis:

  • Evitar o contato físico direto com outras pessoas;
  • Lavar bem as mãos com frequência;
  • Higienizar as mãos antes e depois de aplicar medicamentos tópicos na pele ferida;
  • Evitar compartilhar itens de uso pessoal como toalhas, talheres, copos, maquiagens, protetores labiais ou roupas;
  • Evitar ter relações sexuais durante um surto de herpes simples.

Pessoas que tem uma boa saúde não precisam se preocupar com o herpes simples porque o sistema imunológico é capaz de lidar com a infecção.

Já aqueles que sofrem de algum distúrbio imunológico ou que estão com o sistema imune comprometido por qualquer motivo, pode ser importante buscar uma opinião médica sobre os tratamentos possíveis para evitar complicações.

Referências Adicionais:              

Você já tinha se perguntado se herpes simples tem cura? Já conheceu alguém que tenha passado por essa condição? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (1 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...

Deixe um comentário