Tireoide

Hipotireoidismo Subclínico Engorda? O Que é, Sintomas e Tratamento

O hipotireoidismo subclínico é geralmente detectado em pacientes que tiveram testes de função tireoidiana realizados devido a sintomas de hipotireoidismo. Apesar de um nome que sugere a ausência de sintomas, o hipotireoidismo subclínico é puramente um diagnóstico bioquímico. É definido por encontrar um nível elevado de hormônio estimulante da tireóide (TSH) com níveis normais de tiroxina livre (T4 livre).

Os pacientes podem ter qualquer um dos inúmeros sinais e sintomas de hipotireoidismo ou nenhum deles.

Abaixo, abordaremos o que é o hipotireoidismo subclínico, sintomas, tratamento e evidências de seus impactos para a saúde, conferindo ainda se ele engorda ou não.

Hipotireoidismo Subclínico – O que é?

Uma forma precoce e leve de hipotireoidismo é o hipotireoidismo subclínico. É uma condição na qual o corpo não produz hormônios tireoidianos suficientes.

Ele é chamado de subclínico porque apenas o nível sérico do hormônio estimulante da tireoide na parte frontal da glândula pituitária está um pouco acima do normal. Os hormônios tireoidianos produzidos pela glândula tireoide ainda estão dentro da faixa normal.

Esses hormônios ajudam a suportar funções cardíacas, cerebrais e metabólicas. Quando estão descontrolados, o mesmo acontece com o corpo.

Já existem pesquisas publicadas sobre o assunto. Foram evidenciados que de 3% a 8% das pessoas têm hipotireoidismo subclínico e é comum que a condição progrida para hipotireoidismo total. No estudo, 26,8% dos pacientes com hipotireoidismo subclínico desenvolveram hipotireoidismo completo em seis anos após o diagnóstico inicial.

Principais causas

A glândula pituitária, que está localizada na base do cérebro, secreta vários hormônios, incluindo uma substância chamada hormônio estimulante da tireoide (TSH). O TSH desencadeia a tireoide, que é uma glândula em forma de borboleta na frente do pescoço, para fazer os hormônios T3 e T4.

O hipotireoidismo subclínico ocorre quando os níveis de TSH estão ligeiramente elevados, mas o T3 e T4 estão normais. Tanto o subclínico como o completo compartilham as mesmas causas, que costumam ser:

  • Histórico familiar de doença autoimune da tireoide, como a doença de Hashimoto (uma condição autoimune que prejudica as células da tireoide);
  • Lesão da tireoide, como a remoção de algum tecido tireoidiano anormal durante a cirurgia de cabeça e pescoço;
  • Uso da terapia com iodo radioativo, um tratamento para o hipertireoidismo;
  • Tomar medicamentos que contenham lítio ou iodo.

Além disso, uma variedade de coisas (a maioria fora do seu controle) aumenta as chances de desenvolver hipotireoidismo subclínico. Entre elas:

  • Um estudo publicado por Endocrinology and Metabolism mostrou que as mulheres são até 5 vezes mais propensas a desenvolver hipotireoidismo subclínico do que os homens. Ainda que as razões não estejam claras, a suspeita é de que o hormônio feminino estrogênio possa ter um papel importante.
  • O TSH tende a aumentar com a idade, tornando o hipotireoidismo subclínico mais prevalente em adultos mais velhos.
  • Populações que consomem iodo suficiente ou excessivo tendem a desenvolver. No entanto, uma deficiência na ingestão de iodo também pode levar ao hipotireoidismo subclínico.

Principais sintomas

O hipotireoidismo subclínico pode não apresenta sintomas. Isto se comprova quando os exames mostram os níveis de TSH apenas ligeiramente elevados. Quando os sintomas surgem, no entanto, eles tendem a ser vagos e de forma geral incluem:

  • Ganho de peso.
  • Fadiga (baixa energia ao longo do dia ou a dependência de cafeína para gerar energia).
  • Mãos e pés frios.
  • Incapacidade ou dificuldade em perder peso (especialmente se você conseguiu perder peso no passado).
  • Cabelos secos ou uma história de alopecia (geralmente, perda de cabelo não evidente).
  • Memória reduzida.
  • Pele seca ou outras alterações.
  • Inchaço no pescoço, rouquidão ou presença de bócio.
  • Prisão de ventre ou outros problemas relacionados à digestão, como por exemplo a constipação leve.

Diagnóstico

O diagnóstico é feito com um exame de sangue. Uma pessoa com a tiroide em funcionamento normal deve ter uma leitura de TSH dentro do intervalo de referência normal, já as pessoas com um nível de TSH acima da faixa normal, que têm níveis normais de hormônios da glândula tireoide, são consideradas com hipotiroidismo subclínico.

Como as quantidades de TSH no sangue podem flutuar, pode ser preciso repetir o exame após alguns meses para reavaliar o nível de TSH.

O hipertireoidismo subclínico é geralmente classificado em duas categorias:

  1. Grau I: TSH baixo, mas detectável. As pessoas nesta categoria têm níveis de TSH entre 0,1 e 0,4 mlU / L.
  2. Grau II: TSH indetectável. As pessoas nesta categoria têm níveis de TSH inferiores a 0,1 mlU / L.

Como é tratado?

Esse é um tema que gera muita discussão, pois a decisão será baseada nos níveis de TSH. Alguns pontos como os relacionados abaixo serão considerados para definir os próximos passos.

  • Nível de TSH.
  • Se você tem ou não anticorpos antitireoidianos no sangue e/ou bócio (ambos são indicações de que a condição pode evoluir para hipotireoidismo).
  • Sintomas presentes e quanto eles estão afetando a sua vida.
  • Idade.
  • Histórico médico.

A maior dúvida na hora de diagnosticar um hipotireoidismo subclínico é quanto à necessidade ou não de iniciar tratamento com levotiroxina, a forma sintética do hormônio T4.

Atualmente, nenhum estudo mostrou benefícios relevantes do uso de levotiroxina nos pacientes assintomáticos com TSH entre 4,5 e 10 mU/L. O tratamento do hipotireoidismo subclínico nestes casos é bem controverso. Essa condição recomenda apenas a monitorização dos níveis de TSH a cada 6 a 12 meses, exceto se o paciente tiver sintomas que possam ser facilmente atribuídos ao hipotireoidismo.

Nos pacientes com hipotireoidismo subclínico e TSH acima de 10 mU/L a controvérsia é bem menor. A maioria recomenda o uso de levotiroxina nestes casos, pois o tratamento ajuda a prevenir a progressão para hipotireoidismo franco.

Hipotireoidismo subclínico engorda?

Quando a glândula tireoide não é suficientemente ativa, pode levar a problemas de peso. Os hormônios tireoidianos, T4 e T3, regulam o metabolismo do corpo e fornecem a cada célula do corpo a energia necessária para funcionar. Eles são exigentes para queimar calorias.

Se os níveis dos hormônios da tireoide estiverem baixos, você queima menos calorias por dia. Uma tireoide pouco ativa faz com que cada caloria conte mais, às vezes duplique. Isso torna a perda de peso um processo mais lento ou o torna duas vezes mais difícil.

Os sinais e sintomas clínicos de uma tireoide com hipoatividade são o resultado de um metabolismo retardado, promovendo o ganho de peso e muitos outros sintomas que vimos anteriormente.

Porém, um estudo realizado em adultos mais velhos com o objetivo de examinar a relação entre hipotireoidismo subclínico e mudança de peso e composição corporal não evidenciou uma relação clara entre o aumento de peso e o hipotireoidismo subclínico.

A pesquisa foi realizada com 427 indivíduos com hipotireoidismo subclínico com idade média de 65 anos. Análises de 6 anos de mudança de peso foram realizadas, e quando avaliado em um único momento ou persistindo por mais de 2 anos, não foi associado a uma diferença na mudança de peso.

O hipotireoidismo subclínico também não foi associado a diferenças na massa magra, massa gorda ou porcentagem de gordura. Todas as comparações foram feitas com pessoas com a tiroide no seu estado normal. Diante das pesquisas realizadas, não é possível afirmar que o hipotireoidismo subclínico engorda.

Dicas de como apoiar o funcionamento normal da sua tireoide

Esteja você tomando medicação para tireoide ou não, apoiar a saúde dela só pode ajudar. Às vezes, o suporte natural da tireoide pode permitir que você reduza ou até pare de tomar medicação, com o conselho do seu médico.

Em geral, se você estiver tomando medicação e trabalhando para melhorar sua saúde, monitore o seu TSH e outros marcadores da tireoide, pois pode ser necessário reduzir a medicação em algum momento. Isso acontece porque, quando você apoia suas glândulas suprarrenais, você também ajuda sua tiroide. As etapas a seguir ajudam nas duas coisas:

  1. Tome os nutrientes certos. O combustível mais importante para a saúde da tireoide são as vitaminas B2, B3, B6, C, E, A e D, bem como zinco, cobre, selênio, tirosina e iodo. Estes nutrientes funcionam melhor como parte de uma dieta bem equilibrada. Adicionar óleo de peixe com EPA e DHA ajuda com todos os desequilíbrios. O óleo de peixe, o selênio e a vitamina D também são especialmente úteis principalmente para a tireoidite autoimune. Então, uma boa alternativa é diminuir o glúten da sua dieta e adicionar o alecrim à sua comida.
  2. Explore as ervas que ajudam na tireoide. Ashwagandha é uma ótima erva para o seu sistema hormonal. Ela sensibiliza os receptores da tireoide para o hormônio e também suporta as glândulas suprarrenais. Você também pode incluir Bacopa monnieri, Coleus forskohlii, lúpulo e sálvia para suportar a tireoide.
  3. Durma o suficiente para sentir-se descansado. Definir uma hora de dormir regular e ter de 7 a 8 horas de sono por noite pode fazer maravilhas para sua saúde da tireoide e níveis de estresse.
  4. Pratique atividades físicas. Encontre o exercício que você gosta, ele será uma ótima maneira de aliviar o estresse e apoiar a sua tireoide. Escolha algo que você goste, em vez de qualquer coisa que pareça uma obrigação.
  5. Invista na alimentação equilibrada. Faça a ingestão de muitos vegetais e frutas frescas e orgânicas, proteínas adequadas (especialmente peixes de água fria e carnes ou aves livres de hormônios e antibióticos), óleos saudáveis ​​como o azeite de oliva e grãos integrais e legumes. Algumas pessoas sugerem evitar a soja, embora muitos estudos sugiram que a soja não é um problema, especialmente quando ela é cozida ou fermentada, como o tempeh ou miso.
    Evite alimentos processados, gorduras trans e reduza a ingestão de produtos de farinha branca. Também é importante evitar o excesso de açúcar e cafeína, pois ambos podem ser difíceis para as glândulas supra-renais e afetar o equilíbrio hormonal.

A saúde em geral sofre quando a função da tireoide não é adequada. Também é verdade que a função da tireoide sofre quando a saúde geral é comprometida. É por isso que um estilo de vida saudável e dieta balanceada são tão importantes.

Muitas pessoas com hipotireoidismo subclínico acabarão por desenvolver hipotireoidismo. Diagnosticar e aplicar o tratamento adequado contribuirá com a restauração à saúde, e talvez não seja necessária a medicação para o resto da vida.

Tenha em mente que a condição inicial de hipotireoidismo tem as melhores possibilidades de tratamento de forma natural, pois o desenvolvimento da doença a partir do hipotireoidismo clínico pode demorar meses ou anos. Se você foi diagnosticado, aja agora, coloque em prática as dicas de alimentação, exercício físico, aprenda a eliminar e a gerenciar o estresse. Não espere até a doença se agravar. 

Referências adicionais:

Você já tinha ouvido falar no hipotireoidismo subclínico? Foi diagnosticado recentemente com a condição? Que sintomas sentia e que tratamento o médico recomendou? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (3 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...
Revisão Geral pela Dra. Patrícia Leite - (no G+)



ARTIGOS RELACIONADOS

Deixe uma resposta

Seu email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

*