Jejum intermitente provoca perda de massa muscular?

Especialista da área:
atualizado em 07/12/2020

Já faz certo tempo que o jejum intermitente ganhou fama e adeptos no mundo todo. Ao mesmo tempo, essa dieta que envolve horas de jejum e prega que as refeições ocorram dentro de certo período desperta muitas dúvidas.

  Continua Depois da Publicidade  

Uma delas é se todas essas horas sem comer não podem resultar na perda de massa muscular e, consequentemente, atrapalhar a hipertrofia muscular.

Afinal, além de se dedicar aos treinamentos de força, para construir músculos é fundamental fornecer ao tecido muscular os nutrientes ideais nos momentos corretos.

Além disso, será que no período de jejum, em que o organismo não recebe energia ou alimentos, o corpo não vai buscar energia nos músculos? Consumindo, dessa forma, o tecido muscular? Vamos entender se isso realmente acontece!

A resposta passa por uma questão hormonal

Para entender se o jejum intermitente provoca a perda de massa muscular, é necessário entender o processo hormonal que acontece quando uma pessoa segue o jejum.

Quando a alimentação acontece normalmente, sem os períodos de jejum, o hormônio insulina é secretado em resposta aos carboidratos consumidos nas refeições.

Esse hormônio tem uma forte relação com o armazenamento de gorduras no corpo. Os carboidratos influenciam diretamente os níveis de glicose (açúcar) no sangue, ao passo que a insulina ajuda o organismo a usar essa glicose como energia.

  Continua Depois da Publicidade  

Dependendo do nível de açúcar no sangue, poderá haver uma parte de glicose que não será aproveitada como energia pelo organismo no momento. Então, a insulina promoverá o armazenamento dessa glicose a mais na forma de gordura no corpo.

Já com o jejum, conforme as horas sem comer vão passando, a secreção de insulina diminui. Isso porque sem o consumo de alimentos, não há elevação na glicose no sangue e o hormônio não tem açúcar para retirar do sangue e guardar.

Como resultado, ocorre a secreção de outros hormônios, que fazem com que a glicose no sangue permaneça estável dentro do possível mesmo que não haja a ingestão de alimentos.

O hormônio do crescimento

Músculo

Um desses hormônios é o hormônio do crescimento. Quando a insulina está muito alta, a secreção dele é mais baixa.

Estudos já apontaram que o organismo secreta muito mais hormônio do crescimento quando em jejum.

Saber isso é importante porque o hormônio do crescimento tem uma relação com maiores ganhos de massa muscular e com a preservação da massa muscular existente. Aliás, aprenda mais a respeito de como aumentar o seu hormônio do crescimento naturalmente.

  Continua Depois da Publicidade  

Ao passar muitas horas com a insulina baixa e hormônio de crescimento alto, como ocorre no jejum, obtém-se um ambiente muito interessante para a construção muscular.

Enquanto isso, quando ocorre a refeição na janela aberta, após todas aquelas horas sem se alimentar, tem-se um bom momento para a reconstrução e o ganho de massa muscular.

Uma junção vantajosa

Há então a união entre o hormônio do crescimento alto do jejum, a grande secreção de insulina devido à glicose que a alimentação fornece e a quebra de peptídeos e que entram na corrente sanguínea.

A insulina ajuda todos os outros a entrarem no tecido muscular, favorecendo assim a hipertrofia dos músculos.

Logicamente, durante a janela de alimentação do jejum intermitente é crucial fazer refeições de qualidade.

Só é preciso tomar cuidado na hora de combinar os horários de jejum e treino para não se exercitar de barriga vazia. Isso pode fazer mal para algumas pessoas.

  Continua Depois da Publicidade  

Para não correr o risco, pode ser uma boa ideia marcar os treinos para um horário dentro da janela aberta para alimentação do jejum intermitente. De modo que a refeição pré-treino e a refeição pós-treino possam ocorrer.

Converse com o seu nutricionista e com o educador físico que acompanha os seus treinamentos a respeito disso.

Cuidados com o jejum intermitente

Além da preocupação com a preservação de massa muscular, ao pensar em aderir ao jejum intermitente é preciso saber que ele não é para todos.

Algumas pessoas se dão super bem com o método e obtêm benefícios em termos alimentares, psicológicos, biológicos, fisiológicos, de bem-estar e disposição.

No entanto, outras simplesmente não conseguem se adaptar, não se dão bem com a dieta e ficam estressadas, ansiosas, irritadas e até com pressão baixa.

Isso sem contar que existem contraindicações associadas ao jejum intermitente. Por exemplo, ele é contraindicado para as grávidas, mulheres que amamentam, pessoas com histórico de distúrbio alimentar, que não dormem bem e que sofrem com estresse crônico.

  Continua Depois da Publicidade  

O programa alimentar também não serve para quem está abaixo do peso, mulheres que sofrem com problemas de fertilidade e/ou estejam tentando engravidar e iniciantes no mundo da dieta e exercícios.

Todos devem tomar precauções

Para todas as outras pessoas, é essencial consultar o médico antes de iniciar a dieta para assegurar que não pode ser perigoso fazer o jejum intermitente.

Ainda que o médico libere o jejum intermitente, é fundamental que a dieta ocorra com o acompanhamento de um nutricionista. Ele vai ajudar a montar um cardápio que forneça os nutrientes e a energia necessários para o organismo funcionar direitinho mesmo em jejum.

Aliás, não perca o vídeo abaixo, em que a nossa nutricionista esclarece sobre o jejum intermitente e a perda de massa muscular:

Fontes e Referências Adicionais

Você segue o jejum intermitente? Acha que ele contribui com o seu ganho de massa muscular? Então, comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (2 votos, média 5,00)
Loading...
Sobre Dra. Patricia Leite

Dra. Patricia é Nutricionista - CRN-RJ 0510146-5. Ela é uma das mais conceituadas profissionais do país, sendo uma referência profissional em sua área e autora de artigos e vídeos de grande sucesso e reconhecimento. Tem pós-graduação em Nutrição pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, é especialista em Nutrição Esportiva pela Universidad Miguel de Cervantes (España) e é também membro da International Society of Sports Nutrition.

Deixe um comentário

1 comentário em “Jejum intermitente provoca perda de massa muscular?”

  1. Bom dia
    Sempre fiz musculação e com personal 5x por semana e era bem pesado ganhei massa muscular mas as gordurinhas localizadas continuavam ali.
    Agora faço treino em jejum ganhei massa muscular e perdi 5 quilos de gordura consegui secar bastante durante o treino tomo chá verde com meia beterraba pequena após tomo um sheik de proteína

    Responder