O que causa espinhas e como tratar?

Especialista da área:
atualizado em 17/04/2022

As espinhas são parte da “acne”, assim como os cravos, e é uma doença que provoca a obstrução das glândulas de gordura da pele formando inflamações e erupções. Saber o que causa espinhas e aprender como tratar é algo fundamental para quem sofre com o problema.

As inflamações nas glândulas da pele podem surgir devido a diversos fatores que resultam em excesso de produção de oleosidade ou pela junção de muitos deles.

  Continua Depois da Publicidade  

Por exemplo, os fatores causadores de espinhas mais comuns são: genética, acúmulo de bactérias por algum motivo externo, tendência à inflamação na pele e tendência ao acúmulo de células e tecidos mortos, sem contar a idade.

Além disso, muitas vezes as espinhas são sinais de outros desequilíbrios no corpo, como desregulação hormonal ou dieta inapropriada. E por isso mesmo, as vezes simples atitudes já podem fazer uma grande diferença na sua pele.

Quer saber mais sobre o que causa espinhas? Então, fique por aqui para conhecê-las e aprender o que fazer para tratá-la.

Os tipos de acne

Tipos de acne - O que causa espinhas
Há vários tipos de acne com características e aparências diferentes

Conhecer os tipos de acne é bem importante quando se quer entender o que causa espinhas. Como você deve bem lembrar, a acne começa aparecendo na puberdade induzida pelo início da produção de hormônios femininos e masculinos. Isso porque existe uma relação direta entre a atuação desses hormônios e a produção de sebo pela pele.

Mesmo sendo uma condição típica no adolescente, as espinhas continuam surgindo ao longo da vida pelos mais diversos motivos. E podem se manifestar de formas diferentes, cada uma por um motivo específico.

  Continua Depois da Publicidade  

Para saber o que causa espinhas e como tratá-las, é essencial identificar dentre os diferentes tipos de acne qual é a sua.

Por exemplo, a acne pode aparecer na forma de:

  • Cravos brancos: Glândulas sebáceas obstruídas com o orifício fechado.
  • Cravos pretos: São que são glândulas sebáceas obstruídas, cujo orifício está aberto e assim o óleo oxida em contato com o ar, tornando-se preto.
  • Pústulas (espinhas): Glândulas sebáceas vermelhas, inflamadas, infectadas que algumas vezes contém pus. Elas podem ser internas ou externas.

Evolução da acne até se tornar uma espinha

Veja a seguir os diferentes graus de acne, e o que fazer nessa situação. Lembrando que o recomendado é procurar um dermatologista que irá avaliar o seu caso em particular, e prescrever o tratamento adequado para o seu problema.

Acne grau 1: não inflamatória ou comedônica

A acne não inflamatória ou comedônica, também conhecida como acne grau 1, é o tipo de acne mais comum e normalmente tem início na puberdade. Ela geralmente começa a aparecer a partir dos 15 anos, tanto em meninos quanto em meninas.

Adicionalmente, este tipo de acne corresponde aos pequenos cravos que surgem principalmente na testa, nariz e bochechas e não há presença de pus ou de inflamação. 

O que fazer

O tratamento deste tipo de acne pode ocorrer por meio de cremes ou loções de uso tópico que contribuem para controlar a oleosidade da pele. 

  Continua Depois da Publicidade  

Alguns remédios orais também podem ser receitados pelo dermatologista, além do uso de sabonetes com enxofre e ácido salicílico, por exemplo.

Acne grau 2: pápulo-pustulosa

A acne grau 2 é popularmente conhecida por espinha e consiste na presença de elevações na pele contendo um acúmulo de pus subcutâneo. São arredondadas, endurecidas, avermelhadas e podem às vezes ser dolorosas.

Este tipo de acne surge devido à inflamação das glândulas sebáceas pela proliferação de microrganismos no local .

O que fazer

Para tratar a acne do tipo 2, é muito importante não espremer as espinhas. Isso apenas agrava a inflamação e pode transformá-la de uma coisa pequena em uma grande e dolorosa, além do risco de criar cicatrizes.

Assim, seguir as orientações do dermatologista é essencial. Ele pode indicar o uso de antibióticos em comprimidos assim como antimicrobianos em gel.

Acne grau 3: nódulo-cística

A acne grau 3 é a mais famosa e é difícil não reconhecê-la de cara, já que costuma ser bem dolorosa. Essa é a espinha interna, que se caracteriza por um nódulo inchado sob a pele, podendo surgir no rosto, costas e tórax.

  Continua Depois da Publicidade  

Normalmente surgem devido a alterações hormonais com relação a adolescência ou período menstrual.

O que fazer

Igualmente ao que ocorre na acne de grau 2, recomenda-se não espremer a espinha, pois pode haver maior inflamação do local, aumentando a dor, o desconforto e o risco de infecção.

Assim, é importante que, caso a espinha interna permaneça por mais de 1 semana, a pessoa vá ao dermatologista para que seja feita uma avaliação. Sendo que em casos mais graves, pode se indicar o uso de antibióticos ou de Isotretinoína, que é uma substância para diminuir a produção de sebo.

Acne grau 4: conglobata

A acne de grau 4, ou acne conglobata, é um tipo de acne caracterizada por um conjunto de lesões próximas umas das outras e com pus.

Neste caso, após o desaparecimento do pus, a pele pode formar abscessos e fístulas, ocasionando por vezes inclusive deformação da pele.

O que fazer 

O melhor é consultar o dermatologista para avaliar a acne e dar início ao tratamento ideal, que na maioria dos casos envolve o medicamento Roacutan

O que fazer para melhorar a inflamação na pele

Tratamento - O que causa espinhas
Os tratamentos para diferentes causas da espinha podem melhor o problema

Conforme visto anteriormente, o que causa espinhas pode variar e existem muitos fatores por trás do problema. Ao mesmo tempo, ainda não foi descoberto definitivamente porque algumas pessoas sofrem com isso e outras menos.

Mas, devido ao fato de ser uma doença inflamatória, algumas atitudes podem potencializar ou fazer surgir a inflamação.

Além de lesões externas e invasão de microorganismos nas células do corpo, coisas como alimentação e hábitos cotidianos podem contribuir ou não para a inflamação dos sistemas do corpo.

Portanto, veja as principais atitudes simples para adotar no seu dia a dia para diminuição das espinhas e controle de oleosidade na pele.

Limpeza correta da pele

Em primeiro lugar, a pele que não é bem higienizada pode ficar com acúmulo de oleosidade, o que obstrui os poros e facilita a formação de cravos e o desenvolvimento de espinhas.

Entretanto, não é difícil fazer a manutenção de uma boa limpeza de pele, seguindo esses passos, com certeza você já vai notar a diferença:

  • Lavar o rosto de 1 a 2 vezes ao dia, ao levantar e principalmente ao dormir.
  • Comprar sabonetes indicados para o rosto, sem sabão, que contribui para irritação da pele
  • Não esfregar com força, pois essa prática costuma lesionar e provocar mais inflamação na pele

Dieta balanceada

Os mitos ao redor da alimentação sempre rondam a internet, e por isso a relação entre determinados alimentos e as espinhas é controversa.

Mas, um artigo científico publicado em 2021 investigou a relação entre alimentação e acne, concluindo que a dieta é um dos fatores determinantes para o surgimento de espinhas.

Além disso, com base em outras pesquisas, alimentos considerados inflamatórios para a pele e que costumam piorar a acne são:

  • Laticínios (leite e derivados, integral ou desnatado) 
  • Doces 
  • Carboidratos 
  • Frituras

Muitos estudos foram feitos para confirmar a relação entre laticínios e espinhas. Inclusive salientando o impacto do valor nutricional das merendas na pele dos estudantes.

Do mesmo modo, outros componentes das dietas, os carboidratos simples ou de alto índice glicêmico, também foram relacionados por estudos a uma piora nos quadros de acne. 

Conforme o que dizem os estudos, o corpo absorve rapidamente os carboidratos refinados na corrente sanguínea, o que aumenta de forma abrupta os níveis do hormônio insulina, que se liga às células de gordura.

Por outro lado, alguns dos principais alimentos ricos em antioxidante e anti-inflamatórios para você incluir na sua dieta são:

  • Frutas
  • Legumes
  • Verduras
  • Alimentos ricos em ômega 3 
  • Água

Tratamentos para espinhas em casa

Tratamento em casa - O que causa espinhas
Há cuidados que podem ser feitos em casa para ajudar contras as espinhas

Limpeza do rosto

Produtos específicos para limpeza do rosto são essenciais em toda rotina de cuidados dermatológicos. Isso porque eles são projetados por profissionais e vem com o pH regulado para ser o mesmo que o da pele, não agredindo assim a derme sensível do rosto.

Eles podem vir na forma de loção, gel, barra ou espuma. Cada tipo de produto para limpeza é indicado para um tipo diferente de pele, seja ela mais oleosa ou mais seca. Portanto, se tiver dúvidas, consulte um profissional.

Alfa hidroxiácidos

Além disso, a aplicação de cremes com alfa hidroxiácidos, os chamados AHA, costuma ser indicada para ajudar a eliminar as espinhas e reduzir o seu aparecimento. 

Os alfa hidroxiácidos são substâncias que promovem uma esfoliação química da pele, ajudando a desobstruir os poros e impedindo o acúmulo de gordura, que favorece o surgimento das espinhas. Por exemplo alguns AHA são: ácido glicólico, ácido mandélico e ácido lático.

Gel secativo e medicamento tópico

Existem produtos em gel, que são indicados especialmente para espinhas, e que necessitam de receita do dermatologista para serem comprados.

Eles atuam devido a sua fórmula que contém substâncias antissépticas que limitam a progressão das bactérias, esfoliantes, que ajudam a remover o excesso de pele morta que obstrui os poros e anti-inflamatórias, que reduzem o inchaço da espinha.

Comprimidos antibióticos

Finalmente, em casos mais graves de acne, antibióticos em comprimido podem ser receitados para diminuir a população de bactérias que habitam a pele. Principalmente em casos de espinhas que inflamam, presentes na acne grau 2 ou 3.

Por exemplo, os antibióticos que podem ser utilizados neste tratamento incluem a Tetraciclina ou Eritromicina.

Isotretinoína oral (Roacutan)

Esse medicamento é popularmente conhecido como Roacutan, e costuma ser utilizado nos casos de acne grave e inflamada, de grau 3. Afinal, ele tem um potente efeito anti-inflamatório e inibidor da glândula sebácea, secando as espinhas.

Hoje é uma medicação bastante indicada, muitas vezes até para casos mais intensos de acne grau 1, pois já conhecemos os efeitos colaterais possíveis e fica mais fácil o acompanhamento.

Porém, é importante fazer sempre a dose de acordo com o prescrito pelo médico, além de consultas periódicas durante todo o tratamento, que pode durar até 1 ano ou mais.

Conclusão

Se você está lutando com o aparecimento de espinhas no seu rosto, tenha sempre em mente que apenas um profissional especializado pode avaliar com precisão o tipo de acne que se manifesta e o tratamento adequado para o seu caso.

Porém, de sua parte é importante seguir as dicas acima para evitar possíveis ações que contribuam para a inflamação da sua pele.

Fontes e referências adicionais

Você conhecia os diferentes tipos de espinha e acne? Já teve algum deles? Qual foi o tratamento adotado?

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (1 votos, média 5,00)
Loading...
Sobre Dra. Alessandra Drummond

Dra. Alessandra Drummond é médica dermatologista, graduada em medicina na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), pós graduada em dermatologia no Instituto de Dermatologia Professor Rubem David Azulay. Felowship no Hospital Arcispedale Santa Maria Nueva, Reggio Emília, Itália. Tem diversas publicações em revistas científicas indexadas, participa constantemente de congressos e conferências nacionais e internacionais, na área da dermatologia clínica, cirúrgica e cosmiatria. Para mais informações, entre em contato com ela no seu site.

Deixe um comentário