Suor excessivo no rosto: causas e dicas de tratamento

Especialista da área:
atualizado em 03/12/2021

Em dias quentes, na prática de exercício físico ou de uma simples caminhada até o mercado é comum notarmos que suamos mais. O suor é uma resposta natural do corpo ao aumento de temperatura e, através dele, o corpo promove o resfriamento. Existem casos em que a transpiração é muito excessiva em alguma parte do corpo, como no rosto, e isso pode indicar um problema chamado hiperidrose.

A hiperidrose costuma não ser sintoma de alguma doença, sendo restrita a alguma parte do corpo, como axilas, palmas das mãos e dos pés, cabeça, rosto, abaixo das mamas ou nas virilhas.

  Continua Depois da Publicidade  

Quando a hiperidrose ocorre em todo o corpo e não cessa durante o sono, ela pode ser um sintoma de problemas mais graves, como tumores e lesões da medula espinhal, ou efeito colateral de algum medicamento. 

O suor excessivo piora com o calor, esforço físico e, também, com estímulos emocionais, como o nervosismo. Como é algo difícil de controlar, a situação acaba causando constrangimento para a pessoa que, ao ficar mais nervosa, tende a suar ainda mais. Esse problema pode gerar dificuldades de socialização em ambientes de trabalho, na escola e na vida pessoal.

Veja mais detalhes sobre o suor excessivo no rosto, as possíveis causas, o diagnóstico e tratamentos disponíveis.   

Como reconhecer o suor excessivo no rosto

Suando no rosto

O termo médico para quando o suor excessivo afeta a cabeça e o rosto é hiperidrose craniofacial. O ponto mais importante para reconhecer quando o suor no rosto é um caso de hiperidrose facial é que ele ocorre mesmo quando o corpo não tem necessidade de resfriamento, ou seja, mesmo que esteja numa sala com ar condicionado, sem realizar nenhum esforço físico, a pessoa transpira em excesso. 

Outros sinais do suor excessivo no rosto são: 

  Continua Depois da Publicidade  

  • Suor que goteja e encharca
  • O odor do suor é diferente daquele comum, nas axilas
  • Pode ser pior durante a manhã
  • Afeta somente a cabeça e o rosto, ficando o restante do corpo normal, sem suor excessivo
  • Ocorre pelo menos uma vez na semana. 

As pessoas lidam com o problema de formas diferentes mas, de modo geral, trata-se de uma situação embaraçosa, que pode interferir nas atividades cotidianas de quem sofre com isso. Tem impacto na socialização e autoestima das pessoas, que tendem a ficar extremamente preocupadas com a aparência. 

O suor excessivo no rosto pode fazer com que a pessoa tenha que trocar de roupas com frequência durante o dia, tomar banhos mais vezes ou retocar a maquiagem. 

Causas do suor excessivo no rosto

A causa de uma sudorese comum é, basicamente, o aumento da temperatura interna. O cérebro identifica esse aumento e envia sinais para iniciar a transpiração e resfriar o corpo. Mas, as causas da hiperidrose ainda não são conhecidas. 

O mecanismo de transpiração na hiperidrose é um pouco diferente do suor comum. Esse processo parece ativar as glândulas sudoríparas écrinas, produtoras de água, e não as glândulas sudoríparas apócrinas, produtoras de óleo. As glândulas sudoríparas écrinas parecem ser ativadas, quando o cérebro envia sinais para ocorrer a transpiração, sem que a temperatura do corpo esteja, necessariamente, elevada. 

A hiperidrose afeta 1 a 5% da população e cerca de 33% dessas pessoas têm algum familiar com o mesmo problema, apontando para uma predisposição genética

O suor excessivo pode se iniciar em qualquer idade, mas é mais comum na juventude. Geralmente, crianças e adolescentes já começam a apresentar o problema. A hiperidrose tende a melhorar com a idade. 

  Continua Depois da Publicidade  

Diagnóstico do suor excessivo no rosto

Primeiramente, o médico investigará se a hiperidrose é secundária, ou seja, se é um sintoma de alguma doença. Para isso, ele fará perguntas sobre os sintomas e poderá pedir alguns exames, de acordo com a suspeita diagnóstica que ele tenha. O médico também investigará se você está tomando algum medicamento ou suplemento que possa causar o suor excessivo. 

Não encontrado um problema de saúde associado, os critérios para a hiperidrose primária, suor excessivo não associado a doença, serão analisados: 

  • Suor excessivo, focal (em uma região específica), com pelo menos 6 meses de evolução e sem causa aparente. Este sintoma deve estar presente, associado a pelo menos 2 da seguinte lista: 
  • Afetar os dois lados do corpo, de maneira igual
  • Atrapalhar nas atividades diárias
  • Acontecer pelo menos uma vez na semana
  • Começar antes dos 25 anos de idade
  • Ter mais alguém na família com o mesmo problema
  • Não acontecer durante o sono. 

Dicas simples e tratamento médico para o suor excessivo

Suando no rosto

Algumas dicas simples podem ajudar a controlar o suor excessivo e diminuir o desconforto causado por ele: 

  • Usar roupas largas, com tecido fino, leve e feito de fibras naturais, evitando fibras sintéticas
  • Usar roupas com cores mais claras, pois mostram menos o suor
  • Ter um leque para refrescar a cabeça e o rosto, ou um ventilador de mesa, pequeno
  • Usar penteados que deixem o cabelo longe do pescoço e do rosto
  • Ter uma toalhinha de algodão, para absorver o suor da cabeça e do rosto
  • Usar maquiagens mais leves, evitando bases e pó que obstruem os poros
  • Manter-se no peso ideal
  • Beber bastante água

Associado a essas práticas, você pode marcar uma consulta com um médico, para analisar as seguintes possibilidades de tratamento: 

Anticolinérgico tópico (glicopirrolato a 2%) em creme

O glicopirrolato é aplicado diretamente na pele, na forma de creme, para bloquear a produção de suor, pois a substância inibe a ativação das glândulas sudoríparas. 

Aplicação de toxina botulínica tipo A

A aplicação de toxina botulínica desativa, por um período de tempo, as glândulas sudoríparas da região onde foi aplicada. Aplicações no couro cabeludo costumam fazer efeito a partir do quarto dia, durando até 6 meses, sem efeitos colaterais. Os sintomas voltam depois desse período, sendo necessárias novas aplicações. 

  Continua Depois da Publicidade  

Acetilcolinérgicos por via oral (oxibutinina e glicopirrolato)

São medicamentos desenvolvidos para tratar outras doenças, mas que têm o efeito colateral de reduzir o suor. Eles bloqueiam a acetilcolina, uma substância química do sistema nervoso central, que ativa as glândulas sudoríparas. Tem como efeito colateral a boca seca e não é indicado para gestantes e pacientes com glaucoma ou problemas intestinais e urológicos. 

Simpatectomia torácica

É um procedimento cirúrgico que envolve cortar ou prender os nervos responsáveis pela transpiração de um determinado local do corpo. Desconectando esses nervos, eles não podem ativar as glândulas sudoríparas da região. Os efeitos colaterais podem envolver suor excessivo em outros locais, por isso é importante avaliar bem os riscos e os benefícios da cirurgia. 

Fontes e referências adicionais

Você tem suor excessivo no rosto ou em alguma outra parte do corpo? O que faz para amenizar os sintomas? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (1 votos, média 5,00)
Loading...
Sobre Dra. Alessandra Drummond

Dra. Alessandra Drummond é médica dermatologista, graduada em medicina na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), pós graduada em dermatologia no Instituto de Dermatologia Professor Rubem David Azulay. Felowship no Hospital Arcispedale Santa Maria Nueva, Reggio Emília, Itália. Para mais informações, entre em contato com ela no seu site.

Deixe um comentário