Vertigium dá sono? Para que serve e efeitos colaterais

Especialista da área:
atualizado em 22/12/2021

Muita gente que precisa tomar o Vertigium relata que o medicamento dá sono, atrapalhando a rotina e a produtividade ao longo do dia. 

  Continua Depois da Publicidade  

Veja a seguir se o sono é um efeito colateral do Vertigium e saiba para que serve esse remédio.

Para que serve o Vertigium

Vertigem
O tratamento da labirintite é a principal indicação do Vertigium

O Vertigium é um remédio usado para a profilaxia, ou seja, a prevenção da enxaqueca com ou sem aura e também para o tratamento da labirintite ou de outros distúrbios do equilíbrio.

O princípio ativo é a flunarizina, que atua bloqueando a entrada de íons cálcio para o interior das células do ouvido interno, reduzindo assim a irritabilidade do aparelho vestibular (conjunto de órgãos do ouvido interno) e prevenindo os sintomas de labirintite e enxaqueca.

Efeito colaterais

Uma das principais queixas de quem usa o Vertigium é que o remédio dá muito sono. De fato, os efeitos colaterais mais comuns da flunarizina são a sonolência e a fadiga.

A explicação do sono causado pelo remédio é a presença da flunarizina, que acaba bloqueando receptores da histamina no sistema nervoso central. Como resultado, a atividade dos neurônios é reduzida e a pessoa fica sonolenta após tomar o Vertigium.

Além disso, o paciente em tratamento pode notar um aumento de apetite com ou sem ganho de peso.

  Continua Depois da Publicidade  

Outros efeitos adversos menos comuns são os desconfortos gastrointestinais, sensação de calor, secura da boca, dor muscular e erupções na pele.

Também é importante prestar atenção em possíveis sintomas extrapiramidais ou que são similares aos da doença de Parkinson que podem incluir rigidez do corpo, tremor, lentidão nos movimentos e nos reflexos, inquietação e movimento involuntários na face.

Como usar o Vertigium

Vertigium
O Vertigium deve ser tomado uma vez ao dia

Por ser um remédio de ação prolongada, usar o Vertigium uma vez ao dia é suficiente para a eficácia do tratamento.

A dose vai depender do tipo de tratamento e da avaliação de um médico. Em geral, quem usa o Vertigium para tratar a enxaqueca deve tomar 1 comprimido de 10 mg por dia antes de deitar. Porém, pacientes idosos com mais de 60 anos de idade devem tomar apenas ½ comprimido, o que equivale a 5 mg.

A duração do tratamento não deve ultrapassar 2 meses e um profissional da saúde deve monitorar o paciente ao longo deste período.

Já quem usa o Vertigium para o tratamento da vertigem ou labirintite deve tomar a mesma dose mencionada acima, mas geralmente o tratamento dura menos do que 2 meses.

  Continua Depois da Publicidade  

Contraindicações

O Vertigium é contraindicado para gestantes, lactantes e pessoas que sofreram um AVC recentemente. Além disso, o remédio não deve ser usado por quem tem doenças como as cardiopatias, a insuficiência hepática ou renal e qualquer doença infecciosa grave.

Por último, vale ressaltar que o Vertigium não é indicado para pessoas que já sofreram ou sofrem de depressão já que o remédio pode provocar sintomas depressivos em algumas pessoas.

Se durante o tratamento você notar reações adversas que incomodam ou qualquer sintoma de depressão, não hesite em procurar o seu médico. Dessa forma, é possível ajustar a dose ou então trocar para um remédio similar que não cause problemas.

Fontes e referências adicionais

Você já tomou Vertigium? Sentiu algum efeito colateral? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (Nenhum voto ainda)
Loading...
Sobre Dr. Lucio Pacheco

Dr. Lucio Pacheco é Cirurgião do aparelho digestivo, Cirurgião geral - CRM 597798 RJ/ CBCD. Formou-se em Medicina pela Universidade Federal do Rio de Janeiro em 1994. Em 1996 fez um curso de aperfeiçoamento no Hospital Paul Brousse, da Universidade de Paris-Sud, um dos mais especializados na área de transplantes na Europa. Concluiu o mestrado em Medicina (Cirurgia Geral) em 2000 e o Doutorado em Medicina (Clinica Médica) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro em 2010. Dr. Lucio Pacheco é um profundo estudioso na área de doença hepática e escreveu dezenas de livros e artigos sobre transplante de fígado. Atualmente é médico-cirurgião, chefe da equipe de transplante hepático do Hospital Copa Star, Hospital Quinta D´Or e do Hospital Copa D´Or. Além disso é diretor médico do Instituto de Transplantes. Suas áreas de atuação principais são: cirurgia geral, oncologia cirúrgica, hepatologia, e transplante de fígado. Dr. Lucio é uma referência profissional em sua área e autor de artigos científicos e diversos. Para mais informações, entre em contato com ele.

Deixe um comentário