Publicidade

 

Homem Perde 36 Kg para Doar Fígado à Mãe: ‘Salvei Duas Vidas’

Depois de anos tentando emagrecer, Brian Bolduc de repente teve uma poderosa motivação para perder peso: a vida de sua mãe dependia disso.

Publicidade

Rose Bolduc precisava de um novo fígado, mas quando Brian se ofereceu para ser o seu doador, ficou surpreso ao descobrir que era muito obeso para se qualificar. Determinado a ajudá-la – mesmo que os médicos fossem céticos quanto a isso, ele poderia fazê-lo – Brian decidiu tornar-se mais leve e saudável, perdendo 36 kg dentro de um ano e permitindo que a cirurgia ocorresse neste mês (setembro de 2017).

“Tudo isso salvou duas vidas: pude salvar a vida de minha mãe e a minha própria”, disse Brian, de 38 anos, que mora em Northbridge, Massachusetts, nos EUA. “Minha mãe me deu vida e agora posso devolver a ela”.

A jornada médica de mãe e filho começou há quase três anos, quando Rose, que agora tem 68 anos, começou a se sentir muito cansada. Exames de sangue levaram a uma biópsia hepática, que revelou que ela tinha cirrose. Ela foi adicionada à lista de transplantes de órgãos, mas, enquanto a família aguardava ansiosamente que um fígado de cadáver se tornasse disponível, a condição de Rose piorou.

Em 20 anos, você terá cirrose

Foi quando Brian descobriu que uma pessoa poderia ser um doador vivo, pois o fígado é o único órgão que tem a capacidade de se regenerar. Em julho de 2016, ele passou por uma semana de testes no UMass Memorial Medical Center em Worcester, Massachusetts, para ver se ele se qualificaria, e foi quando um médico lhe deu a má notícia.

“Ele me levou para o escritório e basicamente me disse que eu estava muito gordo para isso”, lembrou Brian. “Eles disseram: ‘Brian, você está caminhando e correndo lentamente, exatamente onde a sua mãe. Em 20 anos, você também terá cirrose’. A cirrose de minha mãe se desenvolveu a partir de gordura no fígado e eles basicamente me disseram que eu tinha um fígado gorduroso (esteatose hepática)”.

Com 1,77 m de altura, Brian pesava 125 kg, com um IMC de quase 40, que o colocava firmemente na categoria de obesos. Para se qualificar para ser um doador, os médicos disseram que ele teria que ter um IMC inferior a 30.

Publicidade

“Cheguei em casa naquele dia e provavelmente foi o pior dia da minha vida”, disse Brian. “Eu estava muito deprimido. Não só não poderia doar à minha mãe, mas eu tinha que conta a ela e eu tive que lidar com o fato de que poderia também ter o que minha mãe tinha”.

Perder os 35-45 kg que os médicos pediram parecia impossível. Mas logo naquela época, Brian percebeu que um colega de trabalho estava emagrecendo dramaticamente. Quando este o recomendou uma clínica de perda de peso, ele não botou tanta fé, mas decidiu se matricular em dezembro passado, quando descobriu que seu seguro de saúde pagaria por isso.

Veja como Brian perdeu 36 kg no último verão:

Restrição de calorias

Os testes da taxa metabólica de Brian indicaram que ele teria que comer 1.200 calorias ou menos por dia para perder peso. Ele rastreou suas calorias com um aplicativo para garantir que ficaria dentro deste limite. Ele também restringiu sua ingestão diária de carboidratos a 60 gramas.

Nos primeiros meses, Brian optou por consumir shakes de substituição de refeição para café da manhã e almoço, e jantar regularmente. Ao sair para comer, ele estudava o cardápio do local de antemão para descobrir opções aceitáveis.

Publicidade

Brian também procurou versões mais saudáveis de seus alimentos favoritos. Um aplicativo sugeriu pizza de crosta de couve-flor em vez da versão normal, por exemplo. Seu parceiro, que cozinha as refeições de casa, também aderiu todas as modificações alimentares. Ele também acabou perdendo 18 kg.

“Nós nos entretemos, mas de forma saudável”, disse Brian.

Exercício

Brian matriculou-se em uma academia perto de seu trabalho e se exercitava três a quatro vezes por semana. Ele passava uma hora na esteira e praticava uma hora de treino em circuito. Ele também tentou se mover mais em geral, subindo pelas escadas em vez do elevador e estacionar longe de uma loja para caminhar.

Motivação

Saber que ele poderia ajudar sua mãe era um poderoso motivador. Então, estava melhorando sua própria saúde e saindo da estrada que o levava aos problemas de fígado de sua mãe.

Um ano depois de seus primeiros testes, Brian conseguiu se qualificar para ser doador. Ele descobriu que era o primeiro candidato doador vivo no UMass Memorial Medical Center a ser recomendado a perder peso que realmente o fez, o que o deixou muito feliz e realizado.

As cirurgias ocorreram no dia 6 de setembro, com Rose recebendo metade do fígado de Brian. Seu órgão se regenerará até o tamanho completo em meses. Mãe e filho estão se recuperando bem.

“Eu me sinto tão bem que meu filho conseguiu salvar minha vida”, disse Rose Bolduc. “Eu nunca vou esquecer o que ele fez. Eu estava começando a tentar entender que eu nunca receberia um fígado. Eu realmente acredito que os anjos estavam cuidando de nós e tiveram um enorme sucesso”.

Revisão Geral pela Dra. Patrícia Leite - (no G+)

Publicidade

Você já tinha ouvido falar de uma história como essas? Acredita que faria o mesmo por sua mãe ou qualquer outra pessoa querida, e por si mesmo, como Brian fez? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (2 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...


RECOMENDADOS PARA VOCÊ

Publicidade

ARTIGOS RELACIONADOS

Deixe uma resposta

Seu email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

*

×