Consumo de peixes oleosos reduz risco de morte prematura em 33%, diz estudo

Especialista:
atualizado em 21/10/2020

Uma pesquisa realizada nos Estados Unidos detectou que o consumo de duas porções de peixes oleosos por semana pode ter um enorme benefício para a saúde. Peixes como salmão e cavalinha, por exemplo, podem reduzir em até 33% o risco de morte prematura. 

A pesquisa foi disponibilizada no Journal of Clinical Lipidology. Este estudo pode, então, nos ajudar a compreender melhor os benefícios dos peixes gordos e como criar uma dieta mais saudável.

Entenda como foi feita a pesquisa e descubra para que servem estes alimentos!

Pesquisa analisou dieta de 2.500 pessoas

Pesquisadores da Universidade de Dakota do Norte estudaram 2.500 pessoas na casa dos 60 anos. Eles os acompanharam por 7 anos, monitorando seu estilo de vida e dieta.

De acordo com o estudo, ficou comprovado que aqueles que consumiam pelo menos dois pratos contendo peixes gordos na semana reduziam a probabilidade de morte repentina.

Para a análise destes participantes, usou-se uma escala conhecida como ‘Índice ômega-3’.

Esta escala mediu os níveis de ácidos graxos nas células vermelhas do sangue dos participantes do Framingham Heart Study. Este estudo acompanha os residentes da cidade de Massachusetts desde 1948.

Então, a pesquisa avaliou que os consumidores deste tipo de peixe tinham 39% menos probabilidade de sofrer um ataque cardíaco ou derrame.

Os cientistas também descobriram que aqueles que tinham as maiores quantidades de ômega-3 tinham 34% menos probabilidade de morrer de doenças como ataque cardíaco e acidentes cardiovasculares.

Redução do risco de morte prematura

Portanto, pelos resultados obtidos na coleta do sangue dos participantes, foi possível perceber que uma dieta rica em peixes oleosos estava associada a um risco menor de ataques cardíacos.

Além disso, também ficou comprovado que esta dieta ajudava a reduzir o índice de derrames, doenças coronárias e mortes por todas as outras causas naturais repentinas.

Cientistas avaliaram ainda nesta pesquisa que os ácidos graxos, encontrados em peixes oleosos foram um indicador melhor de boa saúde do que os níveis de colesterol, por exemplo.

Durante os sete anos de coleta, o estudo pôde avaliar que o ômega-3 presente nestes peixes ainda reduz o risco de demência nos idosos ao proteger as células cerebrais.

Exemplos de peixes oleosos

Salmão grelhado

Peixes como salmão, atum, sardinha, arenque e cavalinha são conhecidos como peixes gordos ou oleosos. Isso graças à rica presença de importantes óleos como os ácidos graxos ômega-3.

Além de saudáveis, estes alimentos possuem um sabor peculiar e delicioso. Podemos encontrar alguns destes peixes frescos ou defumados. Os especialistas recomendam que você inclua estes peixes em sua refeição pelo menos uma vez por semana.

Que tal conhecer algumas receitas de salmão grelhado light para que você possa incluir na sua dieta?

Por fim, os peixes oleosos apresentam um alto valor proteico e um baixo teor de gorduras saturadas. Ou seja, são uma ótima dica para manter a forma!

Você costuma consumir peixes oleosos como esses em sua dieta? Se não, pretende incluir agora? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (1 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...
Sobre Dra. Patricia Leite

Dra. Patricia é Nutricionista - CRN-RJ 0510146-5. Ela é uma das mais conceituadas profissionais do país, sendo uma referência profissional em sua área e autora de artigos e vídeos de grande sucesso e reconhecimento. Tem pós-graduação em Nutrição pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, é especialista em Nutrição Esportiva pela Universidad Miguel de Cervantes (España) e é também membro da International Society of Sports Nutrition. É ainda a nutricionista com mais inscritos no YouTube em português. Dra. Patricia Leite é a revisora geral de todo conteúdo desenvolvido pela equipe de redatores especializados do Mundo Boa Forma.

Deixe um comentário