Coronavírus Reacende a Discussão Entre Idade Cronológica e Idade Biológica

O dicionário Michaelis define o termo longevidade como “qualidade de longevo; duração da vida de uma pessoa, de um grupo, de uma espécie, mais longa que o normal; tempo de duração de qualquer coisa; durabilidade”. A longevidade também é algo que tem sido colocado à prova durante a pandemia do novo coronavírus.

Embora os idosos façam parte do grupo de risco da COVID-19 – a doença provocada pelo novo coronavírus – e a maioria das vítimas do vírus sejam pessoas idosas, existem casos que chamam a atenção. Por exemplo, no dia 8 de abril a senhora Giuseppina Nerozzi de Souza, de 94 anos de idade, deixou um hospital do Rio de Janeiro aos aplausos após ter sido curada do novo coronavírus.

  Continua Depois da Publicidade  

Nos Estados Unidos, a senhora de 90 anos de idade Geneva Wood também conseguiu vencer o novo coronavírus e um veterano da Segunda Guerra Mundial de 104 anos foi a pessoa mais velha a se recuperar da COVID-19.

Enquanto isso, no Rio de Janeiro a jovem Kamylle Ribeiro de apenas 17 anos faleceu de COVID-19 no dia 15 de abril.

O caso de Kamylle não é o único que chama a atenção: de acordo com uma reportagem de 1º de abril do O Globo, dados preliminares do Ministério da Saúde indicaram que até então 10% das mortes provocadas pelo novo coronavírus no Brasil não eram de idosos, mas de pacientes com menos de 60 anos de idade. Desses 10%, 4% tinham menos de 40 anos de idade.

Um desses foi o jovem gastrólogo de 23 anos de idade, Matheus Aciole, de Natal, no Rio Grande do Norte. Segundo a reportagem, não se sabe se o percentual registrado não se deu devido a alguma falha na notificação de todos os dados. Há ainda que se considerar que, apesar de jovem, uma pessoa pode ter uma doença crônica ou comportamento que a coloque como grupo de risco da COVID-19. Por exemplo, um estudo demonstrou que o novo coronavírus é especialmente perigoso para os fumantes e existem várias condições de saúde pré-existentes que podem dificultar o tratamento da COVID-19.

No entanto, o que dá para entender é que apesar de não serem a regra ou a maioria, existem casos de idosos que se recuperam da COVID-19 e de jovens que morrem da doença.

Uma das hipóteses levantadas é que talvez a diferença entre idade cronológica e idade biológica possa ajudar a explicar por que algumas pessoas se mostram mais capazes de superar o novo coronavírus do que outras.

No artigo “The long, good life” (“A boa vida longa”), publicado na edição de março da revista Finance & Development (Finança e Desenvolvimento), o professor de economia da London Business School (Escola de Negócios de Londres, tradução livre) Andrew Scott abordou o desafio de modificar as regras existentes acerca do envelhecimento para garantir trajetórias produtivas por mais tempo.

Scott, que empregou o termo maleabilidade como algo que deveria nortear as ações associadas à longevidade, propôs em seu artigo derrubar a visão do século XX que usa somente a idade cronológica para basear estudos e políticas públicas. Para o professor de economia, é necessário fazer uma diferenciação entre a idade cronológica – a que aparece nos documentos – e a idade biológica – que corresponde a quão apto e saudável uma pessoa está.

Scott, que é coautor do livro “The 100-year life: living and working in an age of longevity” (“A vida de 100 anos: vivendo e trabalhando na era da longevidade”) e se dedica ao estudo do assunto, apontou que o aumento da população com mais de 65 que tem sido observado e projetado requer mudanças por parte das pessoas, das organizações e políticas de governo.

Essas mudanças se traduzem em um longo futuro pela frente para as crianças que estão nascendo e refletem em todas as questões da vida como educação, relacionamentos, casamento, família, filhos e trabalho. Mas para o professor de economia, a pergunta a ser feita não é como financiar uma sociedade que envelhece, mas sim como reestruturar o comportamento para que se tenha uma vida longa com qualidade.

  Continua Depois da Publicidade  

Tudo isso se torna ainda mais desafiador em um contexto de pandemia, que provoca caos na saúde física e até na saúde emocional nas pessoas, sobrecarrega a saúde pública e prejudica a economia.

Percebeu que as suas emoções foram abaladas depois que o novo coronavírus apareceu? Então, conheça algumas dicas para preservar a sua saúde mental durante a quarentena da COVID-19.

Você conhece alguém que já tenha contraído o novo coronavírus? Que idade tem essa pessoa e como foi o desenrolar da condição e seu tratamento? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (2 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...
Sobre Equipe Editorial MundoBoaForma

Quando se trata de saúde, é muito importante poder contar com uma fonte confiável de informações. Afinal de contas sabemos que o sua qualidade de vida e bem-estar devem estar em primeiro lugar para você. Por isso contamos com uma equipe profissional diversificada, com redatores e editores que desenvolvem um conteúdo de qualidade, adaptando-o a uma linguagem de fácil compreensão para o público em geral, tendo por base as mais confiáveis fontes de informação. Depois disso todo artigo é revisado por profissional especialista da área, para garantir que as informações são verídicas, e só então ele é publicado no site. Tudo isso para que você tenha confiança no MundoBoaForma e faça daqui sua fonte preferencial de consulta para assuntos relacionados a saúde, boa forma e qualidade de vida. Conheça mais sobre os profissionais que contribuem para a qualidade editorial do portal.

  Continua Depois da Publicidade  

Deixe um comentário