Especialista da Área:

Diabético Pode Comer Biscoito de Polvilho?

🕐 18/02/2020

Confira se um diabético pode comer biscoito de polvilho ou se esse petisco tão gostoso deve ser evitado na dieta de quem sofre com essa condição.

Embora os historiadores não saibam afirmar com exatidão quando e onde o biscoito de polvilho surgiu, acredita-se o quitute exista pelo menos desde o século XVIII. E não dá para negar que essa delícia antiga combina com muitas situações da nossa vida, não é mesmo?

Entretanto, para algumas pessoas, é precisa ter um certo cuidado na hora de comer os biscoitos de polvilho para não prejudicar a própria saúde. Será que o diabético pode comer biscoito de polvilho, por exemplo?

Aproveite para conhecer como fazer receitas de biscoito de polvilho assado light e entenda se o biscoito de polvilho engorda em uma análise completa.

Familiarizar-se com a diabetes

Quando queremos saber se o diabético pode comer biscoito de polvilho, é importante conhecermos a fundo a própria condição. Portanto, vamos lá: a doença é caracterizada por níveis muito elevados de glicose (açúcar) no sangue.

Essa substância é a maior fonte de energia para o nosso organismo e é oriunda dos alimentos que consumimos nas refeições.

Uma pessoa desenvolve a condição quando o seu corpo não dá conta de produzir uma quantidade suficiente ou qualquer quantia de insulina ou não consegue utilizar o hormônio adequadamente.

Isso faz com que a glicose permaneça no sangue e não atinja as células do organismo, já que a insulina é justamente responsável por auxiliar a glicose obtida através da dieta a chegar até as nossas células e ser utilizada como energia.

Ao descobrir que sofre com a diabetes, é fundamental que o paciente não perca tempo e obedeça a todas as orientações que forem passadas pelo médico para o seu tratamento.

Até porque, com o passar do tempo, ter níveis elevados de glicose no sangue pode gerar uma série de complicações como doença no coração, acidente vascular cerebral (AVC), doença nos rins, problemas nos olhos, doenças dentárias, danos nos nervos e problemas nos pés. As informações são do Instituto Nacional de Diabetes e Doenças Digestivas e Renais (NIDDK, sigla em inglês) dos Estados Unidos.

E então, o diabético pode comer biscoito de polvilho?

Antes de convidar um amigo que tem diabetes para um lanche da tarde em que o biscoito de polvilho será servido, é importante saber que o petisco é rico em carboidratos, um nutriente que é transformado em açúcar dentro do organismo.

Ao mesmo tempo, o produto é pobre em fibras, um fator que acelera a velocidade pela qual o açúcar do biscoito de polvilho entra no sangue depois da digestão.

Por conta disso, não podemos considerar o biscoito de polvilho um bom alimento para ser integrado à alimentação dos pacientes que sofrem com a diabetes.

Para você ter uma noção, o biscoito de polvilho da marca Casa do Biscoito contém 14 g de carboidratos e 0,6 g de fibras em 30 g, enquanto o produto da marca Vovó Lela tem 24 g de carboidratos e 0 de fibras na mesma porção e o biscoito de polvilho tradicional da marca Nazinha possui 23 g de carboidratos e 0,7 g de fibras em 30 g.

A contagem de carboidratos na dieta do diabético

Quando falamos dos carboidratos do biscoito de polvilho e a relação que eles têm com o controle dos níveis de açúcar no sangue, é importante saber que, de acordo com a Associação Americana de Diabetes, a contagem de carboidratos é uma das diversas alternativas de dieta que podem ser utilizadas para controlar os níveis de glicose no sangue dos diabéticos, usada com mais frequência por pessoas que tomam insulina duas vezes ou mais a cada dia.

O método envolve contar a quantidade em gramas de carboidratos de cada refeição, combinando com a dose de insulina. Segundo a instituição, com o equilíbrio correto da prática de atividades físicas e do uso de insulina, a contagem de carboidratos pode auxiliar a controlar as taxas de glicose no sangue.

Porém, a associação ressaltou que a quantidade de carboidratos que cada diabético pode consumir em cada refeição deve ser definida em conjunto com o médico responsável pelo tratamento. Ou seja, o limite é individualizado e determinado pelo profissional de saúde conforme as necessidades de cada paciente.

Ao saber o limite de carboidratos que pode ingerir por refeição, o diabético poderá (e deverá) usar essa informação como base para calcular a porção de biscoito de polvilho que pode comer por vez, sem deixar de levar em conta o teor de carboidratos do restante da refeição na hora de fazer esse cálculo.

Isso sempre com bastante moderação e cautela e sob a orientação do médico e do nutricionista, logicamente.

O biscoito de polvilho, o sódio e a diabetes

Um levantamento de 2012 da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) indicou que o biscoito de polvilho pode conter quantidades excessivas de sódio.

De acordo com o que encontramos, uma porção de 100 g do biscoito de polvilho da marca Casa do Biscoito pode conter em torno de 853,5 mg de sódio, enquanto o produto da marca Vovó Lela pode apresentar 790 mg do mineral nas mesmas 100 g e o biscoito de polvilho da marca Vale D’ouro pode carregar aproximadamente 1.193.5 g de sódio em 100 g.

Ainda que o corpo humano necessite do sódio para o funcionamento adequado dos músculos e para o controle da pressão arterial e do volume do sangue, a ingestão de uma quantidade elevada do nutriente não é nada boa para o organismo.

De acordo com estudos, os adultos saudáveis não devem consumir mais do que 2,3 mil mg de sódio diariamente, indivíduos com pressão arterial alta não devem ingerir mais do que 1,5 mil mg do mineral a cada dia e quem tem insuficiência cardíaca congestiva, cirrose do fígado e doença renal podem precisa consumir quantias muito menores do que essas.

Já a Associação Americana do Coração recomenda que os adultos limitem a sua ingestão de sódio para 1,5 mil mg do nutriente por dia.

Se o excesso de sódio já é ruim para qualquer pessoa, ele pode ser ainda pior para quem sofre com a diabetes. É que a Escola de Saúde Pública da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos alertou que o excesso de sódio pode provocar problemas como retenção de líquidos, endurecimento dos vasos sanguíneos, pressão arterial alta, ataque cardíaco, AVC e insuficiência cardíaca.

Percebeu a coincidência? Alguns dos problemas provocados pela ingestão elevada de sódio também fazem parte da lista de complicações que podem ser causadas pela diabetes, que foram apresentadas no começo do artigo.

Como se não bastasse, o consumo exagerado do mineral também está associado ao desenvolvimento da própria diabetes.

Ou seja, além de comer o biscoito de polvilho com moderação e cautela, é aconselhável que o diabético sempre opte pela versão do produto que apresentar o menor teor possível de sódio em sua composição.

Vídeo:

Gostou das dicas?

Referências Adicionais:

Você já tinha ouvido falar que diabético pode comer biscoito de polvilho? Costuma comer muito desse biscoito? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (2 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...

Deixe um comentário