Diabético Pode Comer Pão?

Especialista:
atualizado em 13/02/2020

Confira se o diabético pode comer pão ou se ele está entre os alimentos que precisam ser evitados na dieta de quem possui a condição.

Um pãozinho bem quentinho que faz a manteiga derreter, um lanche natural feito com pão recheado de frango desfiado e vegetais ou fatias de pão torradas e cobertas com molho e queijo derretido são algumas das formas que podemos consumir o pão no nosso dia a dia.

Como ele é um elemento tão comum nas refeições de muita gente, é praticamente só a partir do momento em que descobre que tem algum problema de saúde que algumas pessoas começam a questionar se o alimento pode aparecer ou não na dieta. Por exemplo, você saberia dizer se o diabético pode comer pão?

Antes disso, confira também se pão aumenta o colesterol e triglicérides e veja receitas de pão low carb para diabetes.

A diabetes

Para seguirmos em frente e entendermos se o diabético pode comer pão ou não, precisamos conhecer alguns detalhes a respeito da doença.

Pois bem, a condição é caracterizada por níveis muito elevados de glicose (açúcar) no sangue. Essa substância é a maior fonte de energia para o nosso organismo e é oriunda dos alimentos que consumimos nas refeições.

Uma pessoa desenvolve a diabetes quando o seu corpo não dá conta de produzir uma quantidade suficiente ou qualquer quantia de insulina ou não consegue utilizar o hormônio adequadamente.

Isso faz com que a glicose permaneça no sangue e não atinja as células do organismo, já que a insulina é justamente responsável por auxiliar a glicose obtida através da dieta a chegar até as nossas células e ser utilizada como energia.

Ao descobrir que sofre com a condição, é fundamental que o paciente não perca tempo e obedeça a todas as orientações que forem passadas pelo médico para o seu tratamento.

Até porque, com o passar do tempo, ter níveis elevados de glicose no sangue pode gerar uma série de complicações como doença no coração, acidente vascular cerebral (AVC), doença nos rins, problemas nos olhos, doenças dentárias, danos nos nervos e problemas nos pés. As informações são do Instituto Nacional de Diabetes e Doenças Digestivas e Renais (NIDDK, sigla em inglês) dos Estados Unidos.

E então, o diabético pode comer pão?

Quando pensamos em um alimento rico em carboidratos, não demora muito para o pão aparecer na nossa mente. E quando pensamos em carboidratos, não demora muito para lembrarmos da diabetes, já que o nutriente pode ser um ponto “sensível” na dieta de quem sofre com a doença.

Isso porque os carboidratos, que são a maior fonte de energia para o organismo, são decompostos na forma de glicose dentro do corpo, conforme explica a Associação Diabética Britânica (Diabetes UK).

A Associação Americana da Diabetes afirma que o pão até pode fazer parte de um plano alimentar saudável para a diabetes. Entretanto, é fundamental controlar o tamanho das porções e recomenda-se dar preferência à versão integral do alimento, indicou a organização.

Já o pão branco, como o pão francês, deve ser evitado pelos diabéticos.

Ou seja, no lugar de restringir o consumo do pão, o diabético pode aprender quais versões do alimento são mais apropriadas para ele.

Na verdade, o diabético pode comer pão porque existem muitas opções saudáveis. Pães integrais como os de trigo integral, de centeio, os pães germinados e as variedades orgânicas de grão integral são ricas em vitaminas, minerais, fibras e proteínas. Esses tipos de pão são superiores aos pães refinados e processados como o pão branco.

Veja também: Diabético pode comer pão integral?

Vale deixar uma dica de ouro na hora de comprar o seu pão integral: procure pela lista de ingredientes na embalagem e verifique se os ingredientes integrais são descritos primeiro. Se eles não forem, é sinal que o produto em questão não é tão integral assim.

É que a lista de ingredientes de um produto deve apresentar primeiro os itens que são encontrados em maior quantidade na receita. Logo se os ingredientes integrais estiverem lá atrás, o pão em questão não contém um teor tão expressivo deles em sua composição.

Tanto que algumas marcas podem identificar os seus pães como “sete grãos” ou “nove grãos”, porém, contar com esses grãos somente na casquinha do pão, com a maior parte do alimento sendo à base de farinha branca refinada.

Procure por um pão que seja 100% de grão integral. Isso significa que o pão não foi refinado e o grão ainda está intacto. Pães integrais têm mais vitaminas, minerais e fibras. Para que alguma coisa seja um grão integral, o primeiro ingrediente deve dizer ‘integral’.

Outros ingredientes que devem ser checados

Mantenha-se longe dos pães integrais que possuem itens como xarope de milho com alto teor de frutose, óleos parcialmente hidrogenados (gorduras trans), condicionadores de massa como azodicarbonamida, o emulsificante DATEM e corantes artificiais em sua lista de ingredientes.

A contagem de carboidratos na dieta do diabético

De acordo com a Associação Americana de Diabetes, a contagem de carboidratos é uma das diversas alternativas de dieta que podem ser utilizadas para controlar os níveis de glicose no sangue dos diabéticos, usada com mais frequência por pessoas que tomam insulina duas vezes ou mais a cada dia.

O método envolve contar a quantidade em gramas de carboidratos de cada refeição, combinando com a dose de insulina, explicou a organização. Segundo a instituição, com o equilíbrio correto da prática de atividades físicas e do uso de insulina, a contagem de carboidratos pode auxiliar a controlar as taxas de glicose no sangue.

Porém, a associação ressaltou que a quantidade de carboidratos que cada diabético pode consumir em cada refeição deve ser definida em conjunto com o médico responsável pelo tratamento. Ou seja, o limite é individualizado e determinado pelo profissional de saúde conforme as necessidades de cada paciente.

Ao saber o limite de carboidratos que pode ingerir por refeição, o diabético poderá (e deverá) usar essa informação como base para calcular a porção de pão que pode comer por vez, sem deixar de levar em conta o teor de carboidratos do restante da refeição na hora de fazer esse cálculo. Isso sempre sob a orientação do médico e do nutricionista, logicamente.

Outros nutrientes que merecem atenção

Além de checar a tabela nutricional de um pão para conferir a sua quantidade de carboidratos, o diabético deve prestar atenção em outras informações contidas por ali.

Um desses outros dados é a quantidade de calorias: o ideal é optar por um pão que tenha aproximadamente 90 calorias por fatia, especialmente se a ideia for consumir duas fatias.

Pães que contêm nozes e sementes podem ser uma boa escolha, já que eles contêm algumas gorduras saudáveis, proteínas e fibras, mas eles vão ser mais ricos em calorias.

Se você escolheu um pão do tipo certo para você e o seu teor de calorias é alto, mantenha a sua porção em uma fatia.

É importante lembrar que o peso é um fator de risco para o aparecimento da diabetes, já que quanto mais tecido de gordura uma pessoa tem, mais resistente à insulina as suas células se tornam, favorecendo assim o desenvolvimento de um quadro da doença.

Além disso, a manutenção de um peso saudável faz parte das estratégias de tratamento da doença: para quem está com excesso de peso, perder 5% do seu peso corporal já pode fazer uma diferença no controle do açúcar no sangue nos quadros de pré-diabetes ou diabetes do tipo 2. As informações são da Mayo Clinic, organização da área de serviços médicos e pesquisas médico-hospitalares dos Estados Unidos.

– Fibras

As fibras são importantes para qualquer pessoa, especialmente para os diabéticos – elas ajudam a desacelerar a velocidade na qual a glicose sanguínea sobe, aumentam a sensação de saciedade, afastam o colesterol do coração e auxiliam a manter a regularidade intestinal.

Vise encontrar um pão que seja uma boa fonte de fibras vegetal e contenha no mínimo 3g em uma porção de duas fatias.

– Gorduras

Existem diferentes tipos de gorduras – saturadas, insaturadas e trans. Pessoas com diabetes devem consumir uma dieta que é pobre em gorduras saturadas e trans e que contém quantidades adequadas das gorduras insaturadas, saudáveis ao coração.

A maioria dos pães não possui muita gordura, a não ser que tenha sementes ou nozes. Escolha um pão que carregue 0 g de gorduras trans e menos de 1,5 de gorduras saturadas.

– Sódio

Escolha um pão que apresente 150 mg ou menos de sódio por fatia, já que as dietas ricas em sódio podem contribuir com a elevação da pressão arterial, principalmente nas pessoas sensíveis ao sal.

Não custa lembrar que consumir muito sódio faz mal para qualquer pessoa: segundo a Escola de Saúde Pública da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, o excesso do mineral pode provocar problemas como retenção de líquidos, endurecimento dos vasos sanguíneos, pressão arterial alta, ataque cardíaco, acidente vascular cerebral (AVC) e insuficiência cardíaca.

Como você deve lembrar, já mencionamos acima que alguns desses problemas também fazer parte do grupo de complicações que podem ser geradas pela diabetes.

Para montar as suas refeições com pão

Peça a ajuda do nutricionista que acompanha o seu quadro de diabetes. Ele é o profissional qualificado para te orientar em relação ao tipo e à quantidade de pão e aos acompanhamentos apropriados para o seu caso em particular.

É preciso lembrar que cada diabético possui diferenças em seu quadro da doença, o que faz com que as necessidades e recomendações para cada paciente não sejam as mesmas. Ou seja, o acompanhamento individualizado com os profissionais de saúde é realmente necessário.

Lembre-se ainda de que este artigo serve unicamente para informar e jamais pode substituir as recomendações e opiniões embasadas do médico e do nutricionista.

Vídeo:

Gostou das dicas?

Referências Adicionais:

Você já imaginava que diabético pode comer pão com os devidos cuidados? Possui essa condição? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (2 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...
Sobre Dra. Patricia Leite

Dra. Patricia é uma das nutricionistas mais conceituadas do país, sendo uma referência profissional em sua área e autora de artigos e vídeos de grande sucesso e reconhecimento. Tem pós-graduação em Nutrição pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, é especialista em Nutrição Esportiva pela Universidad Miguel de Cervantes (España) e é também membro da International Society of Sports Nutrition. É ainda a nutricionista com mais inscritos no YouTube em português. Dra. Patricia Leite é a revisora geral de todo conteúdo desenvolvido pela equipe de redatores especializados do Mundo Boa Forma.

Deixe um comentário