Dramin Engorda? Faz Mal? Para Que Serve?

Especialista:
atualizado em 01/07/2020

Veja a seguir se é verdade que o Dramin engorda, confira para que serve o medicamento e se ele faz mal em determinadas circunstâncias ou para certas pessoas.

Além de ser indicado para prevenir e tratar tonturas, enjoos e vômitos provocados por movimentos em viagens de avião, barco, ônibus, automóvel e outras vias, o remédio pode ser usado na prevenção e no tratamento desses sintomas de maneira geral, o que inclui situações como a gestação, o pré e o pós-operatório e o período que sucede a radioterapia.

O Dramin pode ser utilizado ainda para prevenir e tratar as labirintites e vertigens em geral. O seu uso é oral e a sua comercialização requer a apresentação da receita médica.

Aproveite e veja se é verdade que o Dramin dá sono mesmo e veja outros exemplos de remédio para enjoo mais usados.

Dramin x Dramin B6

Segundo as bulas dos medicamentos em suas versões comprimidos, disponibilizadas pela Anvisa, a diferença entre os dois é que o segundo conta com a presença da pirodoxina (vitamina B6) em sua formulação.

O documento explica que “a piridoxina (vitamina B6) participa da síntese de algumas substâncias cerebrais importantes (neurotransmissores), atuando em áreas do sistema nervoso central responsáveis pela ocorrência de náuseas e vômitos (labirinto, cóclea, vestíbulo, centro do vômito)”.

Será que Dramin engorda?

Agora que vimos para que o medicamento serve, você já ouviu falar que Dramin engorda? Será que isso realmente pode acontecer ou não passa de um mito?

Pois bem, as bulas de Dramin e Dramin B6 em comprimidos, disponibilizadas pela Anvisa, não relatam a existência de uma possibilidade do medicamento provocar algum efeito colateral que possa estar associado a alterações no peso.

Em outras palavras, não temos base para afirmar que Dramin engorda. Portanto, se você perceber que ganhou peso depois que começou a tomar o remédio, vale a pena procurar o médico para tentar descobrir o que pode ter provocado essa elevação do peso corporal.

Vale lembrar que diversos fatores podem estimular uma pessoa a engordar, como uma vida sedentária associada a uma má alimentação, a existência de uma doença ainda não diagnosticada, o hábito de dormir pouco ou o costume de abusar da ingestão de bebidas alcoólicas, por exemplo.

Dramin faz mal?

O medicamento faz mal para os grupos de pessoas para quem ele é contraindicado. Conforme a bula do remédio na versão comprimidos, disponibilizada pela Anvisa, são eles:

  • Que possuem alergia aos componentes da fórmula;
  • Que sofrem com a porfiria – distúrbio caracterizado por quantidades excessivas dos pigmentos porfirinas no sangue e na urina.

Além disso, Dramin faz mal quando é ingerido em dosagens elevadas. De acordo com a bula, a superdosagem do medicamento pode provocar sonolência intensa, aumento dos batimentos cardíacos, batimentos irregulares, dificuldade para respirar, espessamento no escarro, confusão, alucinações, convulsões, podendo chegar a insuficiência respiratória e coma.

A recomendação do documento para quando o paciente consumir o remédio em excesso é procurar imediatamente a assistência médica e não tomar nenhuma decisão sem antes consultar o profissional.

Uma vez com o médico, o usuário deve relatar o medicamento que utilizou, a quantidade e os sintomas que estiver apresentando, completa a bula.

Os efeitos colaterais de Dramin

Quando analisamos se o Dramin engorda ou faz mal, é importante que conheçamos quais possíveis efeitos colaterais ele pode provocar, mesmo quando é tomado dentro das dosagens indicadas. São eles:

Reações muito comuns – em mais de 10% dos pacientes:

  • Sedação;
  • Sonolência.

Reações comuns – em 1% a 10% dos pacientes:

  • Dor de cabeça.

Reações muito raras – em menos de 0,01% dos pacientes que utilizam este medicamento:

  • Relatos isolados de erupção cutânea;
  • Relatos isolados de manchas roxas na pele.

Reações sem frequência especificada – efeitos associados à classe de medicamentos do dimenidrinato, princípio ativo de Dramin, embora a documentação a respeito da ocorrência deles com o uso do dimenidrinato na literatura científica seja pobre ou inexistente:

  • Visão turva;
  • Boca seca;
  • Retenção urinária;
  • Tontura;
  • Insônia;
  • Irritabilidade.

As informações são da bula de Dramin em comprimidos, disponibilizada pela Anvisa.

Caso sofra com um dos sintomas mencionados na lista acima ou com qualquer outro tipo de efeito colateral, procure rapidamente o auxílio do médico, mesmo que não acredite que a reação em questão seja grave.

Isso é importante para checar a real seriedade do problema, receber o tratamento adequado e saber como deve proceder em relação ao uso do remédio.

Cuidados com Dramin

Já as pessoas que sofrem com asma, glaucoma (aumento da pressão intraocular), enfisema pulmonar (alteração das estruturas dos pulmões), doença pulmonar crônica, dificuldades em respirar (dispneia) e dificuldades para urinar (disúria) precisam ter cuidado com o medicamento porque ele pode piorar os sintomas dessas condições.

Da mesma forma, as gestantes e as mulheres que amamentam precisam ser cautelosas e usar Dramin somente quando o médico autorizar. Por sua vez, quem tem insuficiência hepática deve informar ao médico a respeito do problema pois, neste caso, pode haver a necessidade de considerar diminuir a dose do remédio.

Antes de começar a tomar o medicamento é necessário conversar com o médico para verificar se não pode ser prejudicial tomar Dramin ao mesmo tempo em que outro remédio, suplemento ou planta que já esteja sendo utilizada.

Por exemplo, além de evitar ingerir o medicamento com bebidas alcoólicas, não se pode usá-lo simultaneamente a sedativos, tranquilizantes, antidepressivos do tipo dos inibidores da monoaminoxidase, levodopa (contra o Parkinson) e ototóxicos (tóxicos ao ouvido).

Por causar sonolência, o remédio exige que o usuário tenha cautela ao dirigir veículos ou operar máquinas depois de tomá-lo. As informações são da bula de Dramin em comprimidos, disponibilizada pela Anvisa.

Como tomar Dramin

As bulas de Dramin e Dramin B6 em comprimidos, disponibilizadas pela Anvisa, informam que os medicamentos devem ser engolidos acompanhados de uma quantidade suficiente de água.

Os remédios podem ser tomados imediatamente antes ou depois das refeições, porém, quando forem utilizados para prevenir passar mal antes de uma viagem, a recomendação é que sejam ingeridos com pelo menos meia hora de antecedência, completam os documentos.

No caso de Dramin, a bula indica que para os pacientes acima dos 12 anos de idade é permitido tomar um comprimido de Dramin a cada quatro ou seis horas, sem ultrapassar o limite de 400 mg de dimenidrinato ou quadro comprimidos por cada período de 24 horas.

Para Dramin B6, o documento afirma que o usuário com mais de 12 anos pode tomar de um a dois comprimidos a cada quatro horas, desde que não exceda o consumo máximo de 400 mg de dimenidrinato ou oito comprimidos a cada 24 horas.

Já para os usuários com insuficiência hepática, a dosagem diária indicada tanto para Dramin quanto para Dramin B6 poderá ser menor, de acordo com as determinações do médico. Se você sofre com essa condição, pergunte ao médico em quanto você precisa diminuir a dose indicada do medicamento.

A bula também alerta que é necessário que o paciente siga sempre as orientações do médico a respeito da dose diária recomendada, dos horários de uso e da duração do tratamento com Dramin ou Dramin B6.

O ideal mesmo é sempre consultar o profissional antes de começar a tomar o medicamento para saber qual é o modo de usar adequado e seguro para o caso em particular que você deseja tratar com Dramin ou Dramin B6.

Atenção: este artigo serve unicamente para informar e jamais pode substituir a consulta ao médico e a leitura da bula na íntegra antes de iniciar o tratamento com qualquer remédio, o que inclui Dramin e Dramin B6.

Referências Adicionais:

Você já tinha ouvido falar que Dramin engorda? Costuma tomar esse medicamento para alguma indicação? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (2 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...
Sobre Dr. Marcos Marinho

Dr. Marcos Marinho formou-se em Medicina pela Universidade do Grande Rio (Unigranrio) e é pós-graduado em Gastroenterologia pelo IPEMED. Realizou cursos de ultrassonografia geral e intervencionista pela Unisom, ultrassonografia musculoesquelética e Doppler pelo CETRUS. Atualmente, é pós-graduando de Endoscopia Digestiva pela Faculdade Suprema de Juiz de Fora-MG. No momento, atua em vários municípios do estado do Rio de Janeiro como na capital, Niterói, Magé e Araruama. Dr. Marcos Marinho tem experiência em setores variados de sua especialização e continua em constante aprendizado e evolução para ser uma referência da área. Para mais informações, entre em contato através de seu Instagram oficial @drmarcosmarinho

Deixe um comentário