Grávida Pode Comer Amendoim?

Especialista:
atualizado em 24/04/2020

Confira se uma mulher grávida pode comer amendoim ou se esse é um dos alimentos que devem ser evitados na dieta de uma gestante.

Durante a gestação, algumas grávidas sentem aquele famoso desejo por comer um alimento específico. Entretanto, antes de sair comendo tudo que a gestante sente vontade de comer, é importante saber se a comida ou bebida em questão não pode fazer mal a ela e/ou ao neném que ela carrega em seu ventre.

Por exemplo, a grávida que tem desejo de saborear uma porção de amendoim pode consumir o aperitivo tranquilamente e aproveitar os benefícios do amendoim para a saúde? Ou ele estaria entre os alimentos perigosos para grávidas?

Grávida pode comer amendoim?

A Academia Americana de Pediatria aconselhava as mães propensas a ter alergias a evitar o amendoim durante a gestação como forma de prevenir que os bebês desenvolvessem a condição.

Entretanto, a incidência dos sintomas de alergias alimentares aumentou após essa recomendação, contou o neonatologista (pediatra que trata recém-nascidos) Frank Greer.

Ele também disse que a ideia de evitar o amendoim estava baseada em deduções. Além disso, são poucas as evidências que apontam que abandonar os amendoins pode auxiliar em relação aos riscos de alergia do bebê.

Por outro lado, quando existe um forte histórico pessoal ou familiar de alergias (por exemplo, um parente direto como pai, mãe ou irmão com alergia), a criança tem grandes riscos de apresentar o problema.

Se a grávida não tem alergia ao amendoim, tudo certo

Alguns especialistas defendem que se ela não possui alergia a amendoim, a grávida pode comer amendoim tranquilamente durante a gestação.

Até porque o amendoim contém nutrientes importantes para a grávida: ele serve como uma das melhores fontes de proteínas e de folato (vitamina B9), que é considerado um nutriente importante para a prevenção de malformações congênitas, especialmente no que se refere ao desenvolvimento do cérebro e à coluna.

No mesmo sentido, o Serviço Nacional de Saúde (NHS, sigla em inglês), do Reino Unido, defende que os amendoins e outros alimentos à base do ingrediente como a manteiga de amendoim podem ser consumidos na gestação, desde que a mulher não seja alérgica ou o profissional de saúde que a acompanha a oriente a não comer o aperitivo.

Segundo a organização, o governo até já aconselhou as grávidas que evitassem o amendoim caso houvesse um histórico de alergia, como eczema, asma, rinite alérgica ou alergia alimentar, na família direta da criança.

No entanto, esse conselho mudou depois que as últimas pesquisas não mostraram evidências claras de que a ingestão de amendoim ao longo de uma gestação afeta as chances do neném desenvolver a alergia ao alimento.

De qualquer forma, o ideal mesmo é consultar o médico que acompanha a gravidez para saber se e como o consumo do amendoim pode acontecer e certificar-se de comer apenas amendoins de boa procedência e qualidade, que não tenham riscos de terem sido contaminados durante a sua fabricação, processamento ou transporte.

E quando a gestante já tem alergia ao amendoim?

Logicamente, a gestante que já sabe que sofre com uma alergia ao amendoim precisa tomar um cuidado extra para se manter bem longe de pratos e produtos que possam conter o alimento.

Até porque, de acordo com informações do Colégio Americano de Alergia, Asma e Imunologia (ACAAI, sigla em inglês), a alergia ao amendoim pode provocar uma série de sintomas indesejáveis ou perigosos como:

  • Coceira na pele ou urticária (erupção ou lesão na pele que provoca manchas ou placas vermelhas), que podem aparecer na forma de pontos pequenos ou vergões grandes;
  • Sensação de coceira ou formigamento na boca;
  • Náusea;
  • Nariz escorrendo ou congestionado;
  • Anafilaxia – uma emergência médica potencialmente fatal, que pode fazer com que o corpo entre o choque e envolver sintomas como perda de consciência, queda na pressão, dificuldade grave em respirar, erupção cutânea, vertigem, náusea, vômito e pulso rápido e fraco.

A ACAAI alertou que o amendoim é um dos alérgenos alimentares que mais costuma estar associado à anafilaxia, embora o sintoma seja apontado como menos comum em um quadro de alergia ao alimento.

A questão do sódio

Como você provavelmente já deve ter ouvido falar, o consumo excessivo de sódio é perigoso para qualquer pessoa. Portanto, quando queremos saber se a grávida pode comer amendoim, não podemos deixar de abordar essa questão, já que algumas versões do aperitivo podem conter doses expressivas do mineral.

Por exemplo, o amendoim japonês da marca Santa Helena contém 240 mg de sódio em uma porção de apenas 25 g.

Ainda que o corpo humano necessite do sódio para o funcionamento adequado dos músculos e para o controle da pressão arterial e do volume do sangue, a ingestão de uma quantidade elevada do nutriente não é nada boa para o organismo.

De acordo com a instituição, os adultos saudáveis não devem consumir mais do que 2,3 mil mg de sódio diariamente, indivíduos com pressão arterial alta não devem ingerir mais do que 1,5 mil mg do mineral a cada dia e quem tem insuficiência cardíaca congestiva, cirrose do fígado ou suspeita dos sintomas da insuficiência renal podem precisar consumir quantias muito menores do que essas.

Já conforme a Associação Americana do Coração recomenda que os adultos limitem a sua ingestão de sódio para 1,5 mil mg do nutriente por dia.

Segundo a Academia Nacional de Medicina dos Estados Unidos determinou que consumo adequado de sódio durante uma gestação também é de 1,5 mil mg por dia.

A Escola de Saúde Pública da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos alertou que o excesso de sódio pode provocar problemas como retenção de líquidos, endurecimento dos vasos sanguíneos, pressão arterial alta, ataque cardíaco, acidente vascular cerebral (AVC) e insuficiência cardíaca.

Ou seja, o ideal para a gestante – e qualquer outra pessoa – é optar sempre pelas versões de amendoim que apresentem o menor teor de sódio em sua composição.

Mais importante do que saber se a grávida pode comer amendoim

É contar com o acompanhamento do médico e do nutricionista durante toda a gestação, a partir do momento em que a mulher descobre que está esperando um neném, para saber o que pode e o que não pode fazer e comer ao longo de toda a gravidez em prol da saúde da futura mamãe e do bebê que ela carrega.

Lembre-se de que este artigo serve somente para informar e jamais pode substituir as opiniões e recomendações profissionais do médico e do nutricionista.

Referências Adicionais:

Você já se perguntou se grávida pode comer amendoim? Tem costume de comer o aperitivo em sua dieta? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (2 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...
Sobre Dra. Patricia Leite

Dra. Patricia é uma das nutricionistas mais conceituadas do país, sendo uma referência profissional em sua área e autora de artigos e vídeos de grande sucesso e reconhecimento. Tem pós-graduação em Nutrição pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, é especialista em Nutrição Esportiva pela Universidad Miguel de Cervantes (España) e é também membro da International Society of Sports Nutrition. É ainda a nutricionista com mais inscritos no YouTube em português. Dra. Patricia Leite é a revisora geral de todo conteúdo desenvolvido pela equipe de redatores especializados do Mundo Boa Forma.

Deixe um comentário